<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
setembro 28, 2004

BONJOUR PARESSE - uma realidade bem perto de si

Recebi, hoje, este texto que aqui divulgo. Perdoem a extensão e a tradução desajeitada... mas tentem arranjar um tempinho para o lerem. É educativo.


"Bonjour paresse" de Corine Maier
Elogio da Preguiça Faz Sucesso em França
Segunda-feira, 13 de Setembro de 2004


"A arte e a maneira da necessidade de se fazer o menos possível na empresa" está à beira de tornar-se um "best seller", graças ao apoio involuntário da EDF. A empresa onde a autora do livro trabalha como economista não apreciou o exercício literário e ameaçou-a de despedimento

Ana Navarro Pedro, Paris

Saído com toda a discrição nas livrarias francesas, este Verão, o livro "Bonjour paresse" (Bom-dia preguiça, em tradução literal), de Corinne Maier e editado pela Michelon, com o seu longo subtítulo "A arte e a maneira da necessidade de se fazer o menos possível na empresa", estava predestinado a desaparecer com a mesma circunspecção no fim da estação.

Mas as vendas vão já em 15 mil exemplares, outros tantos estão ser reeditados e há uma dezena de traduções em curso (e negociações para uma versão em português). Um sucesso granjeado involuntariamente pela EDF (Electricité de France), a grande empresa pública produtora de energia onde trabalha Corinne Maier como economista.

Ameaçada de despedimento, a autora devia ter na segunda-feira da semana passada uma reunião com a direcção do grupo. Mas ao fim do dia Corinne Maier afirmava que o processo interno de sanção iniciado pelo empresa "pelo facto ter escrito 'Bonjour paresse', foi abandonado". "A hierarquia não deu motivos alguns nem sobre o processo disciplinar, nem sobre o seu abandono", acrescentaram os delegados sindicais que Corinne Maier tinha solicitado quando se viu ameaçada de despedimento. Como sublinham os jornais britânicos, que dedicam páginas inteiras ao caso, a autora nem sequer deu ao trabalho de fazer grandes esforços para salvar o seu emprego. E quando a direcção da EDF a convocou para uma primeira reunião a 17 de Agosto, Corinne Maier respondeu que estava de férias.

Economista, doutorada também em psicologia, e com 40 anos, a autora narra em "Bonjour paresse", num tom acerbo, os jogos de poder nas empresas, o vocabulário de "management" absconso, as incompetências dos colegas, a hipocrisia dos discursos. Neste panfleto anarquista, é recomendado fazer o menos possível porque o "cretino ao seu lado vai um dia destes substitui-lo".

A direcção da EDF não apreciou este exercício literário numa altura em que a empresa pública abre o seu capital ao sector privado. Numa carta de ameaça de despedimento, a direcção mencionou um "não respeito pelo principio de lealdade" em relação à empresa e mencionou os seguintes
exemplos: "Ler o jornal em reunião de grupo, e sair das reuniões antes do fim, nomeadamente da reunião de 3 de Maio de 2003". Estes factos "são reveladores de um aplicação individual da estratégia claramente indicada no livro 'Bonjour paresse', e tentam gangrenar o sistema do interior", concluia a empresa que emprega 167 mil pessoas. Mas se Corinne Maier, se admite ter sido influenciada pelo clima no seu escritório, nega em contrapartida ter feito uma sátira da EDF, visando antes de mais as empresas do sector privado.

Gritos de alarme por trás da provocação

Descrevendo "um desencanto pronunciado" no mundo empresarial,Corinne Maier endereça o seu panfleto às pessoas que deixaram de acreditar que o trabalho é o vector da realização pessoal. "É necessário dizer que trabalhamos porque 'gostamos do emprego' que temos, e é um tabu dizer a verdade - que afinal se trabalha para se pagar as contas ao fim do mês".

A autora recorre a uma forma de humor muito americano para desfiar, com cinismo, os seus preceitos: " Você é um escravo dos tempos modernos. É inútil tentar mudar o sistema - isso só o torna mais forte (...) O trabalho que faz é inútil e você será um dia substituído um dia pelo cretino que trabalha na mesa ao lado - por isso trabalhe o menos possível e cultive uma rede de compadrios que o tornará intocável na próxima leva de despedimentos (...) Você não é julgado pelo seu mérito, mas pela sua aparência (...) Fale com linguagem tecnocrática: os outros vão pensar que você é inteligente (...) Não aceite posto de responsabilidade: vai ter de trabalhar mais, sem ganhar muito mais (...) Seja simpático com as pessoas com contratos a prazo - são as únicas que trabalham mesmo (...) Diga a si mesmo que este sistema absurdo não pode durar para sempre. Vai desabar como desabou o materialismo dialéctico do sistema comunista. Toda a questão é de saber quando".

Mas por detrás da provocação, há gritos de alarme. Corinne Maier refere-se a um mundo em que "as pessoas que passam o cabo dos 50 anos são enviadas para o desemprego ou para os programas de pré-reforma. "Em França apenas um terço da classe etária dos 55-64 anos ainda trabalha - um 'recorde do mundo', segundo a autora. Um mundo em que as empresas repetem que o capital humano é o trunfo mais importante, mas que "tratam os empregados como lenços de papel", a deitar fora quando já serviram.

"O sucesso do livro de Corinne Maier responde a um mal-estar crescente nas empresas", escreveu o jornal de referência "le Monde", na edição de 28 de Agosto: "Depois de terem investido enormemente na vida profissional nos anos 1970 e 1980, empregados e quadros tomam um recuo cada vez maior com o trabalho deles".

O "desamor à camisola" notado nos empregados não afecta apenas os franceses: é uma tendência de fundo no mundo ocidental, onde um número crescente de empregados se distancia do mundo da empresa. Numa sondagem internacional de 2003, mas feita dentro da empresa, a "Chronopost" (empresa francesa de correio rápido) que tem escritórios no mundo inteiro, só 20 por cento dos empregados com menos de 35 anos declararam "implicar-se muito ou essencialmente" na sua vida profissional. E em todas as classes etárias e todos os escalões de responsabilidade, sete pessoas em cada dez disseram que a sua relação com o trabalho "tem uma barreira - a da vida privada".

Esta mudança de mentalidade teria começado há uns dez anos, quando as maiores das empresas no mundo ocidental começaram lançar planos de despedimento, segundo o psiquiatra Patrick Légeron, dirigente do gabinete de recrutamento Stimulus: "Nos anos 1970 e 1980, pediu-se às pessoas que trabalhassem e que gostassem do trabalho delas. Mas depois veio o tempo dos despedimentos de massa, que sacrificaram até os empregados mais zelosos. A geração seguinte, que foi apanhada nos lares destroçados por estas situações, é a que menos apego tem ao mundo da empresa".

Esta mudança psicológica vai obrigar o mundo empresarial a adaptar novos métodos de gestão, preconizam inúmeros media franceses e britânicos, alertados pelo sucesso do livro de Corinne Maier.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:40




Mais notícias do abismo

Poizé... as colocações dos professores já saíram...

Só para vosso governo, aproveito para informar que a minha-senhora-de-mim, que é professora por vocação e martírio há quase uma trintena de anos, e que foi colocada enquanto efectiva, em determinada escola, na primeira parte do concurso, tendo já assumido o seu lugar e as suas funções,viu-se agora colocada outra vez (!...), mas NOUTRA ESCOLA e com horário incompleto...

Pela amostra, as colocações devem estar um verdadeiro mimo.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:30


setembro 26, 2004

Notícias do Abismo

NOTÍCIA RELATIVAMENTE FRESCA...

... e mensagem de esperança para quem quer acreditar que Portugal será um país moderno nos próximos duzentos e cinquenta anos:

O senhor engenheiro José Sócrates é o próximo Secretário-Geral do Partido Socialista.

NOTÍCIA RELATIVAMENTE REMOTA...

... e mensagem de esperança para quem espera que Portugal caia de maduro nos próximos duzentos e cinquenta dias:

A senhora doutora Celeste Cardona foi investida como administradora da Caixa Geral de Depósitos.

NOTÍCIA RELATIVAMENTE RELATIVA...

... e mensagem de esperança para quem espera que Portugal venha a descobrir o caminho marítimo para a Europa nos próximos dois mil e quinhentos anos:

Desenvolvimento recente de cultura de ADN de el-rei D. Dinis permite ao governo assegurar uma colocação de professores eficaz, em todo o território nacional, já em 2005.

- e, ainda, com a preciosa colaboração de Objectiva 3:

NOTÍCIA RELATIVAMENTE INFECTADA...

e mensagem de esperança para quem espera que Portugal venha a ser um país com um eficiente serviço nacional de saúde nos próximos tempos:

Estudo recentemente realizado à mão permite ao governo garantir dia sim dia não o pagamento de uma taxa imoderada moderadamente, em todo ou parte do território nacional, já brevemente. (objectiva3)

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 17:12


setembro 23, 2004

Isco - um pouco cínico, é verdade... - para atingir os 10.000 visitantes

Estimados visitantes,

Concluí - provisoriamente, como convém a todas as conclusões - a minha pesquisa pela Blogosfera sobre todas as entradas dos companheiros da jantarada que o excelente compincha ZecaTelhado organizou e levou a cabo - algo que vai sendo raro neste país, isto de começar e levar a cabo qualquer coisa...

Efectuei uma colagem sequencial de quase tudo o que foi dito e mostrado na Blogosfera sobre aquele feliz evento pela quase generalidade dos seus participantes, e que organizei num ficheiro doc, pesadinho (cerca de 4.800 kb), mas que julgo visualizável. São oitenta e tal páginas de ditos e feitos, já depois de arrumadinhas, lavadas e penteadas qb.

Optei por este formato com o intuito de o tornar mais amigável para quem queira enriquecê-lo com a inclusão, por exemplo, dos respectivos comentários, outras fotos, etc..

Estou disponível para o enviar a todos os participantes que o solicitem, através do seguinte email: jorcas@netcabo.pt

(Estão a ver?... Uma forma expedita e espertalhóide para aumentar o número de visitantes... Vamos lá ver se sou bem sucedido.)


Pelo caminho e ainda a tempo, aqui deixo o meu reconhecimento a todos os 'confrades' que - quem poderá garantir o contrário?... - usam este singelo meio para, como diria o Poeta, se irem "da lei da morte libertando".


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:00


setembro 22, 2004

A Blogosfera para além da feira de vaidades

Entre ontem e hoje fiz questão de entrar em cerca de quarenta blogs dos que participaram no encontro de sábado passado e ter por lá deixado comentários em cerca de trinta...
Copiei e guardei todos os textos que li a propósito do encontro e não será exagero meu garantir que há matéria para um breve ensaio sociológico... que, obviamente, não farei.
Pensei, até, em disponibilizar essa "colecção" aqui nos Sete Mares, mas as imagens associadas talvez venham a levantar objecções de alguns, que devem ser respeitadas.
De tanto que li e vi, reforçou-se a minha serena convicção de que este é um excelente meio de comunicação e de liberdade. É estimulante, mais do que viciante. É um forum de libertação de afectos que a nossa "tradição" cultural oficial tanto reprimiu e reprime, criando uma espécie de "moral vigente" que nos espartilha o raciocínio ou mesmo os seus mecanismos. É uma fonte de informação, talvez trabalhada, talvez filtrada, tanta vez subjectiva mas, ainda assim, de invulgar riqueza.
E é, acima de tudo, o único sítio deste Portugal empobrecido em que o cidadão tem opinião e artes de a divulgar.
Narcisos? E porque não? Da obra já feita, porque não havemos de colher os louros?

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:23


setembro 20, 2004

A Blogosfera é redonda e tem gente lá dentro...

Não que eu tivesse grandes dúvidas, à partida, quer da rotunda qualidade da dita, quer da possibilidade de lá morar gente à séria, com carne e ossos e tendões e vísceras e cérebro e tudo, enfim, aquele conjunto de circunstâncias que tornam o "próximo" apelativo e idêntico a nós próprios...

Mas não fosse o Diabo tecê-las, nada como apalpar a realidade (salvo seja...) para nos libertarmos de dúvidas desadequadas.

E, de súbito, Lique, Pandora, Ognid, MJM, Zecatelhado, Wind, Luís Ene, Imatta, SeiLá, Inconformada... - não estão à espera que enumere todos, pois não?... - Marias um pouco por toda a parte, Luíses e Paulos e Maneis e uma data de outros, vindos de longe, de perto ou de assim-assim, fizeram-se, por uma mão-cheia de horas, os amigos que talvez nunca tenham sido, no passado, mas que reunem excelentes condições para o serem, no futuro.

Todos à volta de uma mesa, que nem era távola, nem redonda, mas que nem por isso desdenhavam da demanda de algum Santo Graal que um brilhozinho nos olhos anunciava.

No fundo, talvez nada tenha sido muito transcendente. Foi tão somente aquela imensa alegria de redescobrir que o mundo tem gente lá dentro e que cada um de nós faz parte dele.

Que talvez tenhamos - cada um de nós - o desprezível peso de quase-nada neste concerto universal e, ainda assim, termos sido um peso-pesado nos afectos, nos sorrisos e nos abraços.

Passei uma boa parte da tarde a visitar a "confraria"... Cinquenta visitações é obra e o Sol chateou-se de me ver passar a tarde à sombra. Mas penso que recolhi já uma muito razoável unanimidade de pareceres quanto ao evento: valeu a pena. E é o bastante!

Pensar, então, que houve quem rumasse do Porto ou de Faro propositadamente para partilhar este momento, deixa-me sem ter muito mais para dizer.

Houve quem falasse do narcisismo que está subjacente a cada blogger... E não se poderia estar mais de acordo, porquanto todos estávamos indiscutivelmente belos.





Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:47


setembro 19, 2004

Confraternização na Blogosfera

Um pequeno apontamento, apenas para dizer que são 4h45 da madrugada; que o jantar correu muito bem, muito obrigado; que se prolongou, noite dentro, sem que daí viesse mal ao mundo; e, por fim. que tudo isto teve o condão singelo de enriquecer as nossas vidas, criando nelas outros enlaces.
Cada um ajuizará sobre o que fazer deles... Por mim, acho mesmo que vou dormir um pouco sobre o assunto e já volto. Boa noite.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 04:36


setembro 18, 2004

BLOGOSFERA

(Considero que os poemas longos não são os mais adequados para este espaço... Mas hoje o dia é de celebração desta "Irmandade", como se vem chamando à Blogosfera. Aqui deixo, então, o meu contributo, como homenagem àqueles que roubam algumas horas a tudo para deixarem o seu testemunho neste espaço de partilha)

Cumpro o tempo que eu sinto por cumprir
Noite adentro quando o corpo quer dormir
Teclo ainda uma outra vez htt
E mais um p
Dois pontos
Barra e outra barra
Onde adivinho um novo dia
A alvorada
Sentir do outro um triste fado sem guitarra
Um riso alto
Destemperado e carniceiro
Ou um poema de migalhas e de enleios
Que alguém lançou ao sabor da madrugada

Ali à frente marcha alegre e companheiro
Aquele sendeiro
Maganão
Bem informado
Que partilha a dica
A faca
A força
A graça
De zurzir de peito aberto
Zombeteiro
Algum traste do poder que nos desgraça

Mais além
A pressentir já quase o dia
Há um frenesim de seio a arfar
Uma harmonia
De dois corpos só de amar num novo post
Que por mais que alguém diga que não goste
É record de audiências garantido

E há um homem entretido
Outro enganado
Um tristonho a sorrir
Um desagravo
E a mulher mais liberta
Com mais charme
Sem prisão de espelhos que a desarme
Ou mordaça de espartilhos que são moda
De esconder por toda a vida
A mulher toda

E o enjeitado
O seduzido
O apaixonado
Aquele que traz o peito afeito trespassado
Pelas mil lanças de que é feita a vida crua
Ali ficamos lado a lado
Em cada rua
A perceber que há mais irmãos
Mesmo sem jeito
Iguais a mim
Iguais a ti
Mais gente nua
Nesta aflição feita de bytes por defeito

Um riso
Um chasquinho
Ou ironias
Amarguras do pior
Melancolias
Um profundo estado de alma
Uma paleta de emoções a meio-tom em bicicleta
Em solfejo
Em dó maior
Deixo-te um beijo do melhor que de ti sei
Ou que em ti vejo
Nesta rede de sargaço em que tropeço
Fica aqui de comentário o meu abraço

E se me dizem doentio ou inconstante
Este instante de inconstâncias assumidas
Escondidas por detrás de um ente anónimo
O que importa é dar vida a estas vidas
Contra o negrume adensado sobre o mundo
E revelar num recanto adormecido
Um Pancho Villa
Um Che Guevara
Ou um Gerónimo
Ou até neste ocidental recanto
Feito de ais
De fado e mar
E desencanto
Ressurgir
De peito aberto e braço armado
O romantismo do nosso Zé do Telhado

Há assim este espaço de verdade
Ilusória
E tão fugaz
Tão delicada
De que se faz aquele sorriso de criança
E que nos dá
Em breve réstia de esperança
A descoberta
Do sabor da liberdade.

- Jorge Castro


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:51


setembro 17, 2004

E Santana também não sabe de nada, claro...

Mira Amaral sai da Caixa Geral de Depósitos, de um cargo que, pelo lido, ouvido e consabido, era redundante. Assim a modos que dois em um.

Por ciumeiras habituais - que a carne é fraca - entrou em rota de colisão com o seu par de poleiro, António Sousa, o que motivou a paralisia, ao longo de vários meses, do órgão de topo da CGD que era suposto gerirem. Não consta que essa paralisia inoperante tenha dado origem à paralisia dos respectivos honorários...

Bem, mas a verdade é que o homem saiu. E, como a idade pesa, o homem reforma-se. Coitado, com a vileza de € 18.000 (dezoito mil euros) mensais, apenas.

O processo decorreu, todo ele, em 48 horas, mais coisa, menos coisa, que esta vida é uma pressa.

O ministro Bagão diz que não sabe de nada disso, que tal não é coisa do governo, apesar do Estado ser o accionista único, sendo que os valores atribuídos serão do "foro interno" da CGD!... Então, o accionista único não sabe de nada quanto às políticas internas, nomeadamente das reformas de administradores que são nomeados pela tutela?!?!?!?!?!?!?!?!?...

Mas esta gajada convenceu-se mesmo de que o Zé Povinho anda irremediavelmente a dormir? E, se calhar, esse convencimento tem algum fundamento...

Ninguém tem, para aí, a porra de um despertador? Mesmo que seja daqueles de dar corda, à antiga...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:10


setembro 14, 2004

O que nos diz Bagão?...

Bagão falou e disse... Infelizmente, não cumpriu a segunda parte da frase, como cantarolava a minha avozinha, e que seria, no caso, "pegou no chapéu e foi-se".

Não, ele fica. Teremos, pois, mais "conversas em família".

- Para nos dizer que temos de produzir mais (para cobrir, entre outras coisas, o fenomenal buraco que ele próprio nos legou na Segurança Social).
- Para nos dizer que as remunerações da função pública não podem subir muito (já que é imperativo adquirir constantemente constantes frotas de viaturas topo de gama para inconstantes ministros e respectivos satélites).
- Para nos dizer que é preciso "diferenciar" taxas moderadoras no Serviço Nacional de Saúde - sabe-se lá se será mediante apresentação, prévia à consulta, da declaração do IRS do ano anterior ao médico de serviço - (enquanto tudo que é quadros superiores das "superiores" empresas da nossa terra têm seguros de saúde que nem sequer precisam de pagar, pois integram o pacote de benesses e prebendas a que o "direito divino" da santa cunha lhes outorga, sempre à custa dos baixos salários do povão, que o maná, contrariamente ao que alguns dizem e outros pensam, não cai do céu).

Farto, irmãos e vizinhos! Estou fartinho desta vilanagem sacrista!

Para quando alguém (no poder) anunciar uma - uminha, apenas! - medida estruturante ou estrutural ou um raio que os parta, que contrarie a mortandade na estrada, a burrice na escola, a mendicidade nas ruas, o analfabetismo no povo, a anti-economia nas grandes empresas, o fogo nas florestas, a miséria nos campos, o caos cívico nas cidades?

Já vos disse, certa vez, que trabalho numa empresa nacional (grande, grandessíssima...) que, só no sector em que me encontro, teve onze administradores nos últimos nove anos. Por mim, aguardo uma, uma só, pequena e redonda, medida de gestão que saída daquelas cabeças se mantenha no terreno mais do que seis mesitos... Consultorias, em três anos, já vão em cinco!

Somos os detentores dos maiores índices europeus de quase tudo o que é mau perante a passividade tosca, chungosa, paquidérmica e venal da mão-cheia de patos-bravos que presumem mandar no país... Presumem, não. Mandam mesmo, com a nossa complacência medrosa ou tacanha (ou ambas).

Oficialmente, portámo-nos como os maiores sabujos perante os interesses que Bush defende; de seguida, enviámos uma hipócrita força militar de "pacificação" - e seria interessante saber os seus custos, neste país tão carente... - para o inadmissível desarranjo internacional que a pandilha dos petróleos congeminou para o Iraque... Pelo caminho, um idiota sugere pôr aviões super-sónicos a sobrevoar os campos do Euro2004 (aqueles que foram pagos com os dinheiros que não temos), para prevenir eventuais acções "terroristas"!

Ah, caros irmãos e vizinhos, não fosse ser este um país de Grandes Poetas e só teríamos razões para cobrir a nossa cara com o pior excremento da vergonha!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 21:55


setembro 11, 2004

Os teus olhos são mais bonitos que a tua bicicleta

Hoje, 11 de Setembro, fui até à esplanada de uma praia sem torres.

Uma menina brincava, deliciando-se em correrias de bicicleta. Ouvi-lhe o nome: Sara.
Ofereci ao pai este poema:


À SARA

Menina que atravessas a calçada
Na pressa lenta da bicicleta cor de rosa
Tens a voz da mariposa solta ao vento
Cor da rosa de uma idade sem momentos

Do teu riso que alinda a bicicleta
E dos teus olhos ‘inda mais bonitos que ela
Fica a praia
O areal
Esse mar todo
Atravessado por um fio de alegria.


- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 18:21


setembro 10, 2004

O Zecatelhado (http://www.jachove.weblog.com.pt) solicita...

... a divulgação da seguinte alteração do jantar/encontro que está a organizar para o próximo dia 18 do corrente:


"Meus Irmãos: Devido a dificuldades de última hora que posteriormente explicarei, o local do nosso querido Jantar/Encontro foi mudado; Assim, o grandioso evento terá lugar no Restaurante BRISA DO TEJO, na Rua Ilha dos Amores (que nome sugestivo!), no Parque Expo. Fica pertíssimo do Centro Comercial Vasco da Gama, mesmo ao lado da esquadra da Polícia e do Clube House.

EMENTA:
Couvert: Pão, manteiga e azeitonas temperadas
Sopa: Caldo Verde
Peixe: Bacalhau com amêndoas e broa
Carne: Lombos de porco com molho de laranja e mel
Sobremesa: Mousse de chocolate Mousse de manga
Vinho: Borba ( branco e Tinto ) Água Mineral CervejaCafé
O preço disto tudo por pessoa é de +_ 20 Euritos por cabeça.Agora ATENÇÃO: Convinha que os irmãos que por qualquer motivo imprevisto não possam comparecer, avisem aqui o Zecatelhado o mais tardar até 3ª Feira."

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:40


setembro 09, 2004

A Blogosfera É Redonda?

(A propósito de uma onda melancólica que julgo pressentir em alguns dos blogs que mais visito)

Cheguei até cá pela mão de duas jovens, a Inês (Provérbios) e a Thita (ABC dos Miúdos), cujas idades somadas não ultrapassavam o número 25, as quais nunca vi com olhos materiais de ver, nem sei se alguma vez verei. Mas presumo saber delas tanta coisa que ao ser humano interessa... Sempre achei esse facto uma graça e um estímulo.

Antes, volejava apenas pela “comunidade”, deixando neste um palpite, naquela uma dica, num terceiro um poema semi-espontâneo, a propósito de algum despropósito... Um dia, perto do Natal de 2003, chegou o desafio, já quase um imperativo: “- Amigo, passas a vida a visitar a casa dos outros... Não quero continuar a ver-te assim desprotegido. Aqui tens o teu blog. Sete Mares, que tu és OrCa. Serve-te?” – E cá estou, protegido por um pseudónimo e ansioso por uma identidade.

Depois disseram-me: o tempo médio de vida de um blog é de seis meses. Tanto bastou para que jurasse a mim próprio haver de empurrar este meu mundinho pela montanha acima, pelo menos durante um ano. Sempre fui sensível a esse encantamento de contrariar estatísticas.

Passaram já nove meses. Tempo humano consabido de gestação. Não dei porque o mundo girasse mais rápida ou lentamente por causa dos Sete Mares, nem fiz nada para isso. Sinto algum gozo criativo, vaidade quanto baste pelos comentários recebidos e deixo por cá o meu precioso tempo que é, porventura, do melhor que tenho para partilhar.

Curiosamente, os meus amigos mais próximos, apesar de avisados, por regra não me deixam um único comentário... O que me deixa algo inseguro com eles. O meu contador regista a modéstia de pouco mais de 8.000 visitantes, o que não chega a ser uma manifestação de rua que jeito tenha...

E, ainda assim, volto cá todos os dias e não cesso de me extasiar. Dir-se-ia que o meu mundo “lá fora” é fútil, fastidioso ou vazio, mas nem é o caso, bem pelo contrário... E, ainda assim, lá me espanto eu, com isto ou aquilo, vindos de quem mal sei e nem conheço.

E não é um vício. É uma vontade consciente - como deve ser uma vontade.

A “frieza” do monitor não é obstáculo para sentir o calor que existe nas lonjuras de alguém que está onde não sei. Devo, apenas, manter-me receptivo à complexidade e diversificação da chamada natureza humana.

E recebo convites para um convívio. Para a participação noutro blog. Num livro. Participo em concursos literários ou nem tanto. Discuto. Polemizo. Aprendo. Rio dos outros e de mim. Partilho.

Respiro e vivo!

A liberdade, bem como a felicidade, são tão mais preciosas quanto mais próximas estão da simplicidade elementar. Talvez por vezes não valha a pena complicarmos muito as coisas...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 08:24


setembro 07, 2004

A Miranda do Douro


Não sou de Miranda
Mas Miranda é minha
Foi lá que nasceu p’ra mim o cheiro de ervas
Cantar de ribeiros
Dourar de trigais
Foi lá que aprendi o vento nas fragas
O saltar das cabras
A fúria das águas
Foi lá que senti o duro granito
Matizes de xisto
No voo das águias
Foi lá que vivi duras invernias
Que soube da vida
O rosto da fome
Foi lá que eu vi o que é ser-se um homem
Desiguais que somos
E sermos iguais

Não sou de Miranda
Mas Miranda é minha
Foi lá que nasceu o Sol que me abrasa
E doura os meus campos
Pela vida fora
Foi lá que aprendi aquele golpe de asa
Da pequena ave
Que canta e que chora
Foi lá que senti calor de amizade
Risos de estroinice
Gritar de alvoradas
Foi lá que vivi ímpetos de quimera
Na ilusão de ser
Menino p’ra sempre
Foi lá que eu vi o que é ser-se um homem
Bem preso no chão
Por saber ser livre

Não sou de Miranda
Mas Miranda é minha
Lançando as raízes da minha vida toda
Como cicatrizes
Dessas velhas árvores
Que bordam lameiros no seio da terra
E são os esteios por onde eu caminho
E por onde passo e repasso
No tempo que faço meu ninho

Não sou de Miranda
Melhor se o fora
P’ra não viver agora a mágoa profunda
De ter uma terra
Que sinto tão minha
E eu não ser dela.

- Jorge Castro




Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 18:42


setembro 02, 2004

Rumo ao Norte

Aos estimados visitante dos Sete Mares deixo um bilhete na porta, informando que estarei ausente até à próxima segunda-feira.
Rumarei ao Norte, ao planalto transmontano. A Miranda do Douro, mais exactamente.
Vou até Miranda uma vez por outra. Por lá passei a meninice e descobri recentemente que uma parte de mim ficou para sempre naquela pequena cidade quase esquecida de Trás-os-Montes. Interessa, pois, visitar-me a mim próprio para não me esquecer de mim...
Relembrar os sabores, as cores, os cheiros, os lugares, as gentes... Então se der para ouvir uma gaita de foles e ouvir um pouco de mirandês, ficarei de baterias carregadas por mais uns tempos.

Antes de haber Pertugal,
Arrecantada an sou canto,
Este lhienguaige special
Tenie i ten sou ancanto.
...
Ah Mirandés, Mirandés
De falar-te me cunsolo!
Dou comigo muita beç
A falar-te anté you solo.

- in Miranda, Mie Mirandica, de José Francisco Fernandes.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:45




Petição contra a proibição da entrada em águas territoriais do barco de Women on Waves

PETIÇÃO

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:32




Ao Porto

(Talvez porque precisemos de referências, de raízes, de nos sabermos vivos, para melhor encarar o Sol matinal no semi-deserto urbano dos afectos... Pois é verdade, foi lá que eu nasci...)

Porque se basta a si mesmo
E é de granito
Porque se ergue como um só
Com um só grito
Este é o Porto em que eu nasci
Mas não habito
Que me conforma em matriz
Que eu aceito
Ainda que longe e distante
Do meu peito
Este é o Porto de que eu gosto
E que é invicto
E é nobre e popular
Sem ser perfeito
Mas que é de luta e de revolta
E é afoito
Este é o berço obstinado
E aflito
Porto de preces e rabelos
E de mitos
Este é o Porto terra-mãe
Em que acredito.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:49


setembro 01, 2004

Anda, por aí, um barco sem porto...

Há algo neste país que me escapa. Algo nele, na verdade, que me transcende.

Não gosto de quase tudo o que nele vejo e sinto. Quase desespero do que pressinto.

E, ainda assim, em cada dia conheço um novo poeta. Em cada dia, há um novo incipiente escritor que se me afirma. E a obra floresce a cada passo, numa urgência de novas cores de vida nova, em cada volta de cada esquina...

E lê-se pouco, quase nada. E são tantos os livros.

Só pode ser isto próprio de um povo quase náufrago, quase afogado por uma cultura dos egrégios avós. Cultura que nos pesa nos ombros e sufoca a razão como velhos reposteiros de arruinadas mansões senhoriais, que ansiamos possuir mas que não temos posses para manter.

De um lado, as fauces hiantes da besta mais fera e mais bruta. Do outro, o constante mas trémulo pulsar de uma estrela...

Não há poesia nisto. Há só uma raiva que nos consome e mantém.

Onde fica, então, com tanto mar em volta, o lugar da nossa dignidade?

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:10


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017 Agosto 2017 Setembro 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas