<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
dezembro 31, 2004

Tempo de balanço

Concebido em 15 de Dezembro de 2003, assumiu o Sete Mares corpo definitivo em 01 de Janeiro de 2004.

Houve madrinha – a excelente THITA
– e afectos vários, no acto de que nasceu.

Entre hesitações por afazeres múltiplos, mas na presença de um desafio já com nome e projecto, ainda que difuso, arrostando com alguma inépcia nas “informáticas”, assumi o compromisso, que a fresca idade mas ímpeto ardente da minha madrinha estimulavam (e impunham!) ...

Nunca este espaço teve a pretensão de ser uma coisa grande nem, sequer, uma grande coisa. É um pouco diário de bordo, confessionário aberto, aqui e ali um eco de algum grito de alma.

Mas criou pontes. De afectos, umas. De interesses próximos e convergentes, outras. Foi assim que aceitei os convites de colaboração, primeiro no POEMAS DE TRAZER POR CASA E OUTRAS ESTÓRIAS
e, depois, n’A FUNDA SÃO. Qualquer dos convites me honrou e honra por igual. Cada qual a seu jeito. E não cabem aqui distinções hipócritas.

Não menos honrado fiquei com a inclusão de pequenos trabalhos meus em espaços que reputo de referência onde, entre tantos, quero destacar a CATEDRAL
.

Cultivo o prazer que me dá ir percorrendo, em visitas esporádicas, outros espaços de outros companheiros de jornada, com a limitação tremenda de não poder "cuscar" tudo o que por aí se vai passando... Óbvias razões de elegância e normas de bom viver impedem-me de destacar este ou aquela entre tantas dezenas. Eles aí estão, ao lado direito dos Sete Mares.

Ao ZECATELHADO, como à SÃO ROSAS, estou devedor pelo seu empenhamento em promover encontros entre a comunidade, neste país de desencontros, subvertendo esse preconceito de que a blogosfera é um espaço de anónimos, tímidos ou psicóticos.

À luz clara do Sol (ou nas luzes trémulas da noite...) as caras têm-se revelado sãs, risonhas e esperançosas.

Também promovi encontros, publiquei muitas dezenas de poemas inéditos, enriqueci-me de pessoas.

Tenho tentado receber, nesta casa, cada visita condignamente.

Assim, irei entrar no 2º ano da existência dos Sete Mares.

Tentarei, com o meu ínfimo e desajeitado contributo, zelar pela criação do homem novo, sem perder de vista a recomendação do poeta José Gomes Ferreira: “PENSO NOS OUTROS, LOGO EXISTO”.

Nestes dias de horror em que a mãe natureza fez questão de nos recordar a nossa pequenez, mas nos dá a oportunidade, assim, de mostrar também a nossa grandeza, deixo os meus votos para que 2005 dê passos decisivos para essa “Irmandade dos Homens”, que John Lennon cantava.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:55


dezembro 28, 2004

Palhaçada?... Não. Canalhice!

A serem verdadeiras as notícias hoje divulgadas, invocando o aqui-d’elrei do défice, que é a modos que uma demagógica alavanca com que os nossos devassos políticos brincam ao jogo do esconde-esconde com o-bom-povo-português, o seráfico Bagão, imbuído do mais elevado espírito de “paz-na-Terra-aos-palermas-de-boa-vontade”, propõe-se adiar o pagamento de subsídios de desemprego e subsídios por doença (baixa), o que lhe permitirá cozinhar mais uns 40 milhõezitos de euros no encerramento das contas de 2004.

Nada de muito grave, dir-se-á, já que as famílias e os amigos, com aquele espírito solidário conhecido, ajudarão a aguentar o barco, como aliás já estão habituados, até chegar o cacau aos desgraçados que se esqueceram de manter a saúde e aos outros que se esqueceram de manter os empregos.

Não lhe chegam os anéis. O homem já está a vender os dedos... dos outros, claro.

Não haverá, por outro lado, um realíssimo membro da pandilha agarrada à teta governamental que se disponha a adiar os seus chorudos e não justificados proventos com o mesmo beatífico propósito. Não, eles não, coitados! Nem ao mestre católico-apostólico-romano Bagão terá passado tal peregrina ideia pelo bestunto, que a estes há que manter a “dignidade da função”!

E assim se encerra um ano, neste lindo Portugal. Em 1755, houve um terramoto de efeitos catastróficos. Duzentos e cinquenta anos depois basta um governo demissionário “ma non troppo” para promover uma onda de choque tão devastadora quanto aquela, mas que atinge todo o território... São as maravilhas das novas tecnologias adaptadas à realidade lusitana.

Não se pode exterminá-los?...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:56


dezembro 26, 2004

Da poesia - lendo Pablo Neruda

Relendo o “Confesso Que Vivi”, de Pablo Neruda, e nesta época de prendas, partilharei convosco alguns excertos daquele livro, que retirei de dois capítulos: “Versos curtos e compridos” e “A originalidade”, por referirem temas sempre actuais no campo da poesia, em particular, e da arte, em geral. Lamentavelmente, essa actualidade talvez advenha mais de imodéstias, de invejas ou de ignaras concepções do mundo do que de alguma opção consciente... Mas é aqui que a palavra de um mestre pode reconfortar-nos:

Diz-nos, então, Neruda que alguns “medem a pauta dos meus versos, provando que os divido em pequenos fragmentos ou os estico demasiado. Não tem nenhuma importância. Quem determina que os versos sejam mais curtos ou mais compridos, mais delgados ou mais gordos, mais amarelos ou mais vermelhos? O poeta que os escreve. Determina-o com a sua respiração e o seu sangue, com a sua sabedoria e a sua ignorância, porque tudo isto entra no pão da poesia.

O poeta que não seja realista está morto. Mas o poeta que seja só realista está morto também. O poeta que seja apenas irracionalista só será compreendido por si mesmo e pela sua amada, o que é bastante triste. O poeta que seja só um racionalista será compreendido até pelos asnos, o que é também sumamente triste. Para tais equações não há cifras na pauta, não há ingredientes decretados por Deus, nem pelo Diabo. Pelo contrário: estas duas personagens importantíssimas mantêm uma luta constante dentro da poesia, e nesta batalha ou vence uma ou vence a outra. Mas a poesia é que não pode ficar derrotada.

É evidente que o ofício de poeta está a ser alvo de certos abusos. Surgem tantos poetas novéis e tantas incipientes poetisas que não tardará muito a parecermos todos poetas, desaparecendo os leitores. Teremos de ir à procura deles em expedições que atravessarão os areais em camelos ou circularão pelo céu em astronaves
”.

E sobre a originalidade: “Eu não acredito na originalidade. É mais um feitiço na nossa época de vertiginoso desmoronamento. Creio na personalidade através de qualquer linguagem, de qualquer forma, de qualquer sentido da criação artística. Mas a originalidade delirante é uma invenção moderna e um vigário eleitoral. Não falta quem queira fazer-se eleger Primeiro Poeta do seu país, da sua língua ou do mundo. Correm, então, em busca de eleitores, insultam quem aparente possibilidades de lhes disputar o ceptro e, desse modo, a poesia transforma-se numa mascarada.

No entanto, é essencial conservar a direcção íntima, manter o controlo do crescimento que a natureza, a cultura e a vida social asseguram ao desenvolvimento das excelências do poeta.

(..) Por minha parte, conservo um tom próprio que se foi robustecendo pela sua própria natureza, tal como crescem as coisas vivas. É indubitável que as emoções fazem parte principal dos meus primeiros livros – e ai do poeta que não corresponda com o seu canto aos ternos ou furiosos apelos do coração!(...) Creio na espontaneidade dirigida. São necessárias, para isso, reservas que devem estar sempre à disposição do poeta (digamos: na sua algibeira) para qualquer emergência. Em primeiro lugar, a reserva de observações formais, virtuais, de palavras, sons ou imagens, que passam perto de nós como abelhas. Temos de as agarrar imediatamente e de as guardar na manga. (...) Existe também uma reserva de emoções. Como se guardam? Tomando consciência delas quando acontecem. Depois, diante do papel, recordaremos aquela consciência mais vivamente que a própria emoção
”.

Elementos dignos de séria ponderação, digo eu, quando o que se escreve nasce bem dentro de nós mas tem sempre o outro em mente, em qualquer das fases do processo artístico.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 16:34


dezembro 23, 2004

Natal - 2004


Amizades,

Muitos já me mandaram as mensagens mais calorosas. Outros estou certo de que estão à procura de tempo para o fazerem. Como em todos os anos, a boa gente que tenho o elevado prazer de contar no meu círculo de relações proporciona-me o gozo enorme de se lembrar de mim (e restante família) com mensagens que dariam pequenos tratados de afectos e outras sociologias...

De mim... dar-vos-ei um pouco de mim.

Que o nosso Natal seja isto mesmo: a marca temporal do eterno renascer, da constante renovação. E neste tempo “tão cheio de mudança” que nos fique, antes de mais e sempre remoçada, a esperança... (e cada um que complete a frase a seu bel-prazer).

Por graça, com leite-creme e rabanadas, depois do bacalhau cozido, o meu presente de Natal:

POEMINHO

Neste Natal
Afinal
Vou embrulhar o poema
Numa folha de jornal
Vou deixá-lo assim quentinho
Entre passas e azevinho
Regá-lo com um bom vinho
E chamar-lhe poeminho

Decerto que assim tratado
Ficará mais animado
Quem sabe?...
Mais redondinho

Só então o lançarei
Aos quatro ventos da sorte
Para que não perca o Norte
Nem se engane no caminho

Ao bater à tua porta
Recebe-o com carinho
De mim ele leva um abraço
E o papel de jornal
É só p’ra ficar quentinho

Porque afinal
É Natal
E ele é só um poeminho.



- Jorge Castro
Dezembro de 2004

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 08:49


dezembro 20, 2004

O Natal é quando e como alguém quiser...

Conforme sugestão da SeiLá, acabei de passar pelo Escrevo Apenas, da nossa amiga Inconformada, que muito me estimulou os neurónios com esta "história" do Natal e pela sua abordagem desassombrada sobre o assunto.

Para memória futura, pranto aqui o comentário que por lá deixei. Solidário, claro. Mas quem não estiver de acordo, pode estar à vontade e, se não chegar muito tarde, ainda se arranja uma rabanada e um leite-creme.

Olá, Inconformada. Sabes? Eu acho que, no geral, estou de acordo contigo... Por acaso, no particular também. A frase-feita do Natal ser quando alguém quiser pode complementar-se com o seguinte: e COMO esse alguém quiser.

Penso que, de alguma ou de muitas formas, o Natal se prende com os rituais do solstício, do eterno retorno, da vida sempre renovada, quando as pessoas se encontravam em redor de velhas fogueiras, em celebração e comungando a mesma esperança de futuro. O nascimento do "menino Jesus" não será a metáfora disso mesmo? E isso ficou-nos. É um atavismo quase inexplicável. Sentimo-lo. É tudo e basta-nos.

Procura-se, ainda, a redenção, a busca do aperfeiçoamento. Procura-se o "outro".

Daí que, por mais laico, ateu ou agnóstico que eu me sinta, sempre me apetece celebrar o Natal, procurando o melhor em mim e nos outros. E que ninguém se apoquente com isso...

Depois, vem o lado negro da coisa: o Natal cocacoladependente. Mas esse não é meu e nem tem por que ser. Pasmo muito perante lágrimas de crocodilo que se queixam do consumismo como se isso não passasse por uma atitude voluntária e, tantas vezes, algo cobarde, diga-se. Tenho de retribuir as prendas que me derem, numa lógica tão destituída de sentido... e tão afastada dos reais afectos.

Este ano espero ansiosamente o grande abraço que o meu filho me dará. Terei, perto de mim, mãe e sogra, duas velhas resistentes, a quem tudo farei para ver sorrir. A minha casa está inundada de Sagradas Famílias que a minha (também) laica companheira colecciona, em pose politicamente incorrecta... e para a qual se está nas tintas, diga-se.

Sabes que mais? Desejo-te o melhor Natal do mundo. Mas não o gastes todo, que nós também queremos um naco.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:37


dezembro 18, 2004

Natal de 2004

Natal
Trazias contigo cânticos
Querubins e os presépios
Entre tanta doçaria de cada avó prazenteira
O ar quente da lareira entretecido em afecto
E era tão bom ser neto sentado em banco de pau
O gato e o cão por perto
Anseios pelo pitéu
Lambidelas a preceito de rapar com alegria
O tacho da aletria e o molho das rabanadas
E no ar o vozear de fazer a nossa casa
Ser do tamanho da aldeia
Cheia dos pequenos nadas que fazem do lar o ninho
E havia sempre alguém a sentar-se à nossa mesa
Só para não ficar sozinho

Depois o tempo correu
E tanta água fluiu sob as pontes da cidade
Que algo de mim partiu
Fazendo nascer um frio que me cresce com a idade...

Natal
Ainda se fosses mar e eu o navio
Se fosses céu e eu a nuvem
Se fosses jardim e eu o perfume
Se fosses amor e eu o desejo
Se fosses terra e eu a semente
Teríamos a cumplicidade que há na alma das coisas
Esse tal que nem se explica
Que ali está e que ali fica
Porque sim
Porque é assim que se cumprem os mistérios insondáveis
Dos abismos quotidianos e dos montes sublimados

Natal de eu ser tão pequeno
De não me perder de ti
(Estou aqui todos os anos...)
E tu
Onde te encontrar?
Como te hei-de chamar nas tuas vestes de enganos
?

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:09


dezembro 14, 2004

Federem-se, porra!

Olha, pronto, hoje deu-me p'rò comentário... Como fui tratar de um dente cariado até à coligação e ainda aproveitei o dia para levar uma "facada" na perna para extracção de um corpo estranho, porventura cheio de efeitos colaterais por duas anestesias, senti-me assim a modos que presidente de uma qualquer república, cheio de vontade de dizer coisas.
Vai daí, depois de me ter injectado com três doses de telejornais e alguns comentários avulsos de rádio, senti-me nas nuvens. Não há ganza pior... Só que não há poesia que aguente.
Ora, vamos lá ver, a bem da nossa sanidade mental, digam-me cá:
  1. A quem é que pode interessar saber HOJE se o Paulo se coliga ou não com o Pedro, ou vice-versa, para as próximas eleições?
  2. E para quê?

Não, não se precipitem... Utilizem lá as vossas sagradas ligações dos neurónios... Já está? Óptimo. Então, outra vez: o que é que interessa saber HOJE que A está coligado ou vai coligar-se ou talvez não, talvez até pelo contrário, ao B?

Afinal, para que porra (e vão desculpar-me o vernáculo, mas não há paciência...) é que servem os partidos? As suas bases programáticas? Os seus ideais? A sua "praxis"?

Mas que raio de democracia é esta em que forças políticas se arregimentam, reféns umas das outras por negociatas parlamentares, apenas para se guindarem ao poder, a qualquer preço? Que raio de democracia é esta em que, à partida, as forças políticas em presença nem querem considerar a perspectiva de irem fazendo, ao longo de cada legislatura, com ou sem maioria absoluta, com maior ou menor habilidade e/ou honestidade políticas, os acordos pontuais que o bom senso e, até, os pactos de regime aconselhem, face ao estado deplorável em que o país se encontra?

E isto vale para todos, que essa cena de pedir, também à partida, a maioria absoluta já por conta da "estabilidade" futura, não augura nada de bom e já se deu, noutras alturas, para peditórios do género...

(Ai, ai... lembrei-me agora de um dito, a propósito, ouvido numa célebre reunião associativa em que, às tantas, um cidadão já farto de tretas e divisões dos palestrantes, se saiu com esta: "- Eh, pá, se vocês não querem unir-se, nem associar-se, nem cooperar, nem nada, ao menos que se federem, que é prà malta poder ir p'ra casa!...")


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:44


dezembro 11, 2004

Panorâmica urbana tomada de comboio em andamento

Do Portugal nauseante e/ou desconchavado com que temos sido brindados pelos poderes instituídos e analistas avulsos nos últimos dias, resguardei os Sete Mares através do refúgio em amores alheios...

De volta ao pântano, surgiu-me o poema que a seguir vos deixo. Permitam-me uma sugestão: tentem dizê-lo, em voz alta, imaginando em pano de fundo o som trepidante de um comboio que vos transporta e que funcione como secção rítmica das palavras ditas. Depois, falem-me do resultado.


Pontes e ruas e gentes e casas
Tal um formigueiro sem formiga de asa
E carros e vasos
E um viaduto
O triste reduto dos escaravelhos

E velhos e novos
E novos e velhos
Lavados ou sujos e tão mal usados
E pardos e cardos
E montes de entulho
Magotes de pobres e tantos engulhos
E bairros da lata e cacos e trapos
E tropas de trastes maltratam as putas
E os vira-latas tão escanzelados
Sozinhos
Carentes
Uivantes ao vento e a tudo o que passa
P’ra lá de trapeiras e de águas-furtadas
Compasso de tempo
Que o tempo ultrapassa

Dispersos os cães no tempo adverso
Passagem de nível cheia de fumaça
Que é das castanhas e desta desgraça
Sem graça nenhuma
Sequer golpe de asa
Sem arte tamanha que arda na febre
E a todos abrase
E pontes e ruas e gentes e casas
E as flores morrentes e o rio só vasa
E o arvoredo já tão degradado
E a sombra ingente do prédio do lado
E o surto pungente de gente infectada
De sida
De gripe
E da hepatite A – B – C ou D
Por tudo e por nada

E o empedrado
Pedra na estrada
E sobe que sobe
Corrente que corre
Que já nem descobre Luísa que morre
Subindo a calçada
De pontes e ruas e gentes e casas
Colhendo amarguras
Vidas desvairadas
E o odor a lixo
Fedor desalmado desse desperdício
Recém-triturado
Que já lhes invade o chão e o telhado
Os dentes e as mãos e os olhos e o pão
E não sobra nada
Não lhes sobra nada
Para além do bulício da grande cidade
De pontes e ruas e gentes e casas
Onde falta tudo
Sobra quase nada

Talvez só lhe fique um gesto ou um tique
Um encolher de ombros
Um grito
Um ataque
De riso ou de fúria
De espanto ou de pranto
Maleita de amar ou simples quebranto
Mal seja chegado à nova estação
Por entre um travão e um solavanco
E essa estação ser só de partidas
Por onde se inventam novas alvoradas
Soltas num suspiro
Num cais de chegadas.

- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 17:11


dezembro 10, 2004

Ai, amores...

- Aqui se dá por encerrado este ciclo de amores paradigmáticos sob apreciação reticente, talvez um pouco cínica, até.
Nisto do amor, fique-nos o superior ensinamento do Luís Vaz, velhinho mas tão actual e oportuno: "Melhor é experimentá-lo, que julgá-lo... mas julgue-o quem não pode experimentá-lo".

Páris e Helena

Páris do espartano Menelau cobiçou a jóia
Mais terna que ele tinha
E que era Helena
Em seus braços a levando para Tróia
Nove anos o amor durou
Quase dez
Tais quais a feroz guerra que Menelau lhes moveu
No final sobraram cinzas
Uma imensa mortandade
A descoberta precisa do calcanhar de Aquiles
E um cavalinho de pau
Julga-se que o raptor morreu
E Helena regressou aos braços de Menelau.


Conclusão -


Nestas coisas do amor
Nem sei bem o que é pior:
Será só o desamor
Que provoca inclemente desse amor o esvair-se
Ou será, contrariamente, aquele mal que não menor
De haver, por mal amar, tanta gente a imiscuir-se...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:44


dezembro 07, 2004

Ai, amores...

Sansão e Dalila

Dalila nutria pelos cabelos de Sansão
A fantasia
De poder equilibrar no resguardo do seu seio
O amor e o poder
Dali nasceu um caso mal partilhado
Nele a força do afecto
Dela só hipocrisia
Artes finais que ambos mal calcularam
E que por fim
Acordado Sansão pela vilania
Mal a força das melenas lhe voltara
Nem as marmóreas colunas sustentaram.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 20:50


dezembro 03, 2004

Ai, amores...

Adão e Eva

Num paraíso em que as cobras dão maçãs
Do saber
Mesmo que o sejam são mal-sãs
Querem fazer de Adão e Eva os nossos pais
Com ingénuos e rasteiros arabescos
Alguns néscios sem alcance para mais
Assim propondo a este canto do universo
Logo no berço um despautério de incestos


E que dizer do amor esse picante
Que é o ciúme?
De quem o teria Eva? – Do lume?
E Adão? – De um elefante?


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:30


dezembro 01, 2004

Ai, amores...

Tristão e Isolda

Tristão amava Isolda
Isolda amava Tristão
Todos sabiam que sim
Poucos lhes diziam não
Enfim estes dois tiveram algum tempo para amar
Por vezes parece apenas que à falta de mal maior
Inventaram desencontros talvez só para condimento
E alguma sublimação
Desse eterno sentimento a que a dor dá um picante
E ajuda a manter viva a chama que o amor consome.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:27


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas