<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
novembro 26, 2007

fotografando o dia (96)


caiu por fim a velha folha que tardava
junto à calçada debruada a cantaria
e de tão velha a velha folha demarcava
a pedra fria a provar-nos que existia

levou-a o vento a cumprir o seu caminho
moldou-a a chuva desfiando cada fibra
e amanhã no húmus que atapeta um ninho
ajuda a seiva que num outro corpo vibra

ali na pedra impressiva num tom seco
deixou sua marca uns dias mais de teimosia
assim como quem diz de si deixar um eco
como a provar-nos que há-de regressar um dia

- foto e poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:53


novembro 22, 2007

noites com poemas - porquê um poema?

Tendo José Jorge Letria como convidado, lá nos encontrámos, uma vez mais, numa revigorante sessão de poemas e de conversas em volta deles, na Biblioteca Municipal de São Domingos de Rana. Decerto não ficámos a saber a resposta à questão colocada mas, com a notável ajuda do nosso convidado, todos nos sentimos mais próximos do portão de entrada para aceder a essa aventura.

Deixo aqui o poema de minha autoria que me acompanhou nesta sessão:


porquê um poema
quando tudo vem das mãos
nesse arado pena-espada de teimar em semear?

será das penas de ser
ou tão apenas de estar?
ou é o leito de penas onde repousa o destino?

um poema é um imperfeito
um jeito meio sem jeito que surge em olhar felino
um jingar de andar varino numa candura de amar

mas é vento no sobredo
percorre campos de medo em cenas de velho enredo
que não deixam de crescer

nuvem de grossa procela
enchendo de prenhe a vela no incerto do apuro
da nau sem leme que somos

um poema não tem donos - é o pão do que não temos
voo apontado ao futuro
do caminhar que sonhamos

é uma agreste elegância
rosa de espinho acerado ferindo de bela o grito
colhendo em sangue a fragrância

um poema faz-se mito
de tanto o quanto acredito entre azuis de céu e mar
sem ter longe nem distância

é uma esfera armilar
onde os anéis que nos guiam se limitam no infinito
de um qualquer navegar.

- poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:56


novembro 19, 2007

porquê um poema?


A próxima sessão de Noites Com Poemas, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana, terá lugar no dia 21 de Novembro, pelas 22 horas. Como convidado, contaremos com José Jorge Letria que nos falará de 'Porquê um poema?'.

Contaremos, também, com a participação de quantos entenderem aparecer, colaborando mais ou menos activamente, enriquecendo este espaço pela descoberta dos caminhos que se fazem caminhando.

Então? Ah, a chuva?... Ora,essa já fazia boa falta! E o futebol, a essa hora, já acabou.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:49


novembro 16, 2007

fotografando o dia (95)


quando um sol se põe no Alentejo
nas planícies vazias
as sombras são mais tardias
o silêncio é mais profundo
talvez viva ali o ensejo
uma aventura
ou desejo
de ser princípio do mundo

- Foto e poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:00


novembro 11, 2007

antas, cromeleques e menires...

... ainda que fosse preferível dar a esta entrada, como título, 'Carta Aberta aos Portugueses'.

Ontem, acompanhei Gabriela Morais e Fernanda Frazão, a primeira como autora e a segunda como editora, tendo eu o grato prazer de mais depressa as chamar de amigas e gente de muitos saberes, ao Cromeleque dos Almendres e à Anta Grande do Zambujeiro, ambos monumentos megalíticos situados nos arredores de Évora.


Tínhamos, como pretexto, o lançamento do mais recente livro da Gabriela, 'A Senhora de Ofiúsa', que congregou a presença de umas largas dezenas de pessoas. Leitura altamente recomendável, mas de que não falarei agora. Aos interessados, aconselho um clique na Apenas Livros, para aquisição da obra, pois que nem sequer o amor vive só de ar e vento.



Aqui, lamentar-me-ei do facto de me ter sido necessário percorrer metade de uma vida para ter chegado ao conhecimento directo destas tão antigas edificações. Delas temos, em geral, um homérico desconhecimento. Nem a sua imponência, nem a sua ancestralidade, parecem constituir elementos suficientes ou bastantes para sensibilizar os grandes centros de decisão ou, até, qualquer um de nós.


Há por lá tão só umas placas toscas, uns carreiros em terra batida, que nos conduzem... ao abandono - ver fotografias aqui.

Deslumbramo-nos, embasbacados, com Stonehenge, com os seus cerca de 4.500 anos de idade, esquecendo ou menosprezando, aqui, ao virar da esquina, 7.000, 8.000 anos de História - ou mais! Edificações monumentais que constituem prova indesmentível - ainda que desafiante por nos deixar tantas novas pistas - de uma ancestralidade que nos dignifica e assombra e cujo aprofundamento do estudo nos pode levar a revolucionar muitos dos 'dados adquiridos' que nos têm sido apresentados, até agora, como 'verdades absolutas' neste domínio e, afinal, muito longe de o serem.

Não cabendo neste espaço uma abordagem científica ou académica destas evidências, fico-me por aquilo que está ao alcance da minha obrigação: contribuir para a divulgação, promoção e, sobretudo, preservação URGENTE destes nossos tesouros do conhecimento.

Se um razoável estado de conservação do Recinto Megalítico dos Almendres, constituído por cerca de noventa monólitos, alguns com relevos ou gravuras, me anima, esse optimismo não pode fazer-me esquecer os actos de vandalismo - inconscientes ou não - que por lá pululam, tão propiciados pelo abandono e isolamento a que aquele recinto está votado. E, em contraponto, a situação de degradação da monumental Anta Grande do Zambujeiro é algo que devo adjectivar como incompreensível, estúpida e brutal.



Por muito 'progresso' ou indiferença que por aí campeiem, qualquer país da Europa - já não querendo ir mais longe - teria um monumento deste quilate guindado a ex-libris, centro de aprofundados estudos e, seguramente, foco de atracção de turismo cultural de primeiríssima água.

Aqui, no Portugal do séc. XXI, perante a magestade e imponência de um tal recinto, o que temos nós? Um abarracamento decrépito e inestético, 'obras de sustentação' - talvez bem intencionadas mas completamente desadequadas - com tijolo e barrotes de madeira à vista, megalitos recém-quebrados para aproveitamento da pedra, passando pela ausência total de placas identificativas ou esclarecedoras, a par de restos de práticas de 'cultos' da treta, com velas, enxofre e sal, criando, em todos os presentes, um sentimento de revolta, a par de uma indizível angústia e incontrolada vergonha, e provando à saciedade que, com muito poucas excepções dignas de registo, temos vindo a ser, por dezenas (centenas?) de anos a fio, (des)governados por uma cambada de energúmenos ignorantes, patos-bravos da 'cultura' dos estádios de futebol e das floribelas, que urge banir para respirarmos e para nos tentarmos reerguer e sonhar, outra vez, enquanto povo!

E quando digo banir, digo-o no sentido mais lato do termo, que tem subjacente para cada um no seu no seu local de trabalho ou de estudo, no seu círculo de amizades, no testemunho legado aos filhos, um combate diário e sem quartel aos demagogos do défice, que descuram o Homem enquanto elemento central da Humanidade - por muito redundante que tal possa parecer - condição de vida que é por eles liminarmente ignorada.

Um combate, ainda, que passa pela dignificação da nossa identidade, contra interesses privados mesquinhos e imediatos, e que não se consubstancia nas bandeiras desbotadas dos futebóis, mas que enraiza, sim, em algo bem mais profundo e que ainda tem o condão de nos fazer erguer, aqui e ali, com o ímpeto de um povo.

Sugiro, para maior informação, e a título de exemplo:
http://www.crookscape.org/sitios.html
http://www.elpater.com/coloquioartemega2.html
http://www.cm-evora.pt/arqueologia/historia.htm

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 08:02


novembro 06, 2007

Senhora de Ofiúsa

Encontramo-nos nos Almendres?

Perto de Évora, no próximo dia 10 de Novembro, pelas 12 horas, a minha amiga Gabriela Morais e a editora Apenas Livros vão apresentar, junto ao cromeleque dos Almendres, o seu livro 'A Senhora de Ofiúsa' e convidam-nos a beber um Poejo de honra. Ah! Dizem, também, para levarem as crianças...

Creio bem não vos enganar se vos disser que estou a propor-vos algo de desafiante, de inusitado, de marcante. O cenário será cúmplice, participando na história...

Sem querer alongar-me muito, deixo-vos com algumas sugestões expressas no convite:

Vimos convidá-lo para um sábado diferente e para um lançamento sui-generis num dos cenários da história que se conta, uma aventura na nossa pré-história, recheada de maravilhoso, fantástico e... real, na qual a autora dá vida aos nossos antepassados mais longínquos, aos seus objectos e às suas conquistas culturais.

Segundo Maria Teresa Meireles, que foi lendo o «manuscrito», trata-se de 'uma forma inteligente, imaginativa e encantatória de viajar pelo tempo no espaço português, dando a conhecer o que as mais recentes investigações ensinam sobre as nossas invulgares e curiosas raízes culturais'.

Porque houve mais vida para lá dos Afonsinhos e dos Viriatos, digo eu, parece-me esta coisa muito digna de se ver e de saber. Lá estarei, pois, caidinho.

Itinerário a seguir: Indo pela A6, após a área de serviço de Montemor-o-Novo saia na direcção de Évora (N114) e vire à direita para Guadalupe. Depois, é só seguir as setas para os Almendres.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:54


novembro 05, 2007

Darfur

Darfur é uma palavra. Uma terra longínqua num mundo onde tudo é tão próximo.

O que acontece em Darfur mal faz estremecer algumas consciências - que são as nossas - e que presumem que já tudo viram e tanto sabem que nada lhes causa estranheza ou um leve repúdio; aqui e ali um vago gesto de enfado; mais rara, ainda, uma revolta.

Olhos há, entretanto, a quem a novidade do horror ainda marca, cicatriz de ferro em brasa para toda a vida. São esses os olhos das crianças, vítimas das nossas consciências acomodadas.




Pode ler-se em BBC.Brasil: Centenas de desenhos de crianças em acampamentos no Chade recolhidos pela ONG britânica Waging Peace (Fomentando a Paz, em tradução livre) mostram a realidade de violência em Darfur para crianças refugiadas.

Veja a galeria de fotos

A organização afirma que encaminhou os desenhos para o Tribunal Penal Internacional da ONU, que vai analisar possíveis atrocidades cometidas em Darfur, no Sudão, e quer que eles sejam considerados evidência de atrocidades.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:02


novembro 01, 2007

fotografando o dia (94)


uma casa branca junto ao mar
onde as cores do poente desfalecem
no fundo onde tantos queriam estar
não houvesse os temporais que acontecem

- foto e poema de Jorge Castro

Praia do Moinho - Carcavelos
*
Não, senhor! Não sou adepto de 'correntes', a não ser aquelas em que me quero deixar levar. Mas porque somos seres eminentemente contraditórios, resolvi alinhar numa que me foi proposta pela minha amiga Pessoana, do blog Belgavista.

O desafio: Qual é a frase que se encontra na 5.ª linha da página 161 do livro que andas a ler?

Para que conste, aqui fica, expandindo-me um pouco para que se faça luz: (Esta importante dis-)tinção entre ubiquidade e omnipresença não era clara (para a Igreja Medieval...) - in Dicionário do Diabo, pág. 161, 4ª, 5ª e 6ª linhas de Ambrose Bierce, ed. Tinta da China.

Um cromo difícil, cínico como as coisas cínicas, que nos desafia com definições deste calibre:

"AMADOR - Um transtorno público que não conhece a diferença entre gosto e habilidade, e confunde a sua ambição com a sua capacidade".

Ou, falando do "AMOR - Demência temporária que se cura com o casamento...".

De um ARADO diz ser "Um instrumento que clama por mãos habituadas à caneta"; e de um ASSALTANTE diz ser "Um homem de negócios sincero".

Outro modo de ver o mundo, sem dúvida. E bem estimulante.

Sem qualquer compromisso ou obrigatoriedade, sugiro a sequência para o Herético, a São Rosas, o Morfeu e a SeiLá. Qual é, então, a frase que se encontra na 5.ª linha da página 161 do livro que andais a ler?

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:24


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas