<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
março 27, 2009

litania da crise

a crise cruza a crise
acrisolada
uma crise em cruz
um ai Jesus
coberta de capuz
crucificada
crise do crash do cash
cheirando a peixe
atrasada
crise p’ra pobre
que cobre
de camisa esburacada
a crise do rico
que sofre
frente a lagosta suada
crise de ter e de haver
ou de ter só p’ra comer
restos de crise
e mais nada
crise de ter
e de ter
e de ter mais
e subir
sobre a montanha de corpos
meios vivos
meios mortos
até já não ter onde ir
ficar p’ra trás
e cair
e ser degrau dessa escada


e ali ao lado
a crescer
basta só querermos ver
outra vontade
outra estrada

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:27


março 25, 2009

quadrilhas


ó meu rico Santo António
meu santinho milagreiro
tens em Lisboa buracos
onde cabe um carro inteiro

vê lá tu se mos consertas
com a ajuda do menino
que no teu colo conservas
- amarguras do destino

já agora quando os tapares
nalgum daqueles no maior
aproveita p’ra o enterrares
talvez Lisboa melhore…

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:16


março 22, 2009

partilhando dias com poemas

O fim de semana com poemas começou cedo, aí por quinta-feira, nas Noites Com Poemas, com Ernesto Matos e com Pedro Miranda de Albuquerque, e com Cabo Verde por tema, pela Biblioteca Municipal de São Domingos de Rana.


Os autores tiveram artes de nos convencer de quão africanos podemos sentir-nos, sem esforço e sem preconceito, mas tão só por algo indizível que nos habita, nos está entranhado, e que basta saber deixar fluir.



Depois, na sexta-feira, foi noite de Palavras Andarilhas e de transmissão de testemunho da Estafeta de Contos - que leva já onze anos de correrias -, sessão que teve lugar também na Biblioteca de São Domingos de Rana.

Helena Xavier, responsável pela Divisão das Bibliotecas, e Ana Clara Justino, vereadora da Cultura de Cascais, anunciaram o evento.


Sábado, pelas Caldas da Rainha, espreitando a inspiração lançada às paredes interiores de uma velha casa, habitada por estudantes da ESAD...


... onde a subversão do quotidiano pode dançar entre o tamanho de um sorriso que uma ironia desvenda...



... ou uma pieguice madura, assumida de corpo e alma.



Apurar, também, que os grafitis podem ter um sentido e um espaço, sem que tal signifique constrangimento.



Desvendar também o grito do nosso patrimonio arquitectónico maltratado, desbaratado, e tudo isso sem sentido...



E, depois, o sentido que um grupo de jovens transmitiu através de pinturas efémeras, que inundaram as Caldas da Rainha, em homenagem aos trabalhadores da Fábrica Bordalo Pinheiro, com primaveris andorinhas a tanto quererem anunciar outras Primaveras.

Haja quem os ouça, neste País onde a surdez impera.


O (meu) prato forte centrava-se, entretanto, na sessão do Dia Mundial da Poesia, com homenagens a Jorge de Sena e a Ary dos Santos, na Biblioteca Municipal das Caldas da Rainha, e organização da Comunidade de Leitores.


Os Jograis Frei Cristóvão, ensaiados pela professora Isabel Sá Lopes, iniciaram a sessão.



A Comunidade de Leitores, na pessoa de Palmira Gaspar, apresenta o professor e escritor Fernando Martinho (à direita), que disserta, com saber e paixão, sobre a vida e a obra de Jorge de Sena.

A ambição do programa teve de ser gerida com cuidados que permitissem a participação de quantos o integravam...


Isabel Gouveia dá-nos testemunho, vivo e conclusivo, do que é uma vida dedicada à poesia...



... enquanto Isabel Sá Lopes nos inunda com a sua torrente tumultosa de lucidez.


Pedro Laranjeira assume com quantas palavras ditas se faz - ou refaz - um poema, onde o cunho interpretativo lhe empresta outra cor.

E Carlos Gaspar nos dá conta da sua descoberta do Corvo, de Edgar Allan Poe, traduzido por Fernando Pessoa.

Os Jograis do Canto Sénior emprestam outra noção de equipa e partilha ao exercício da poesia dita...


E Carlos Mascarenhas homenageia, em boa hora, o mestre Lagoa Henriques, contra ventos intempestivos de esquecimento irracional e irrazoável.

Pedro Laranjeira volta à liça, transmitindo-nos o seu conhecimento pessoal de Ary dos Santos e o deslumbramento da sua riqueza, ainda que conflituosa, enquanto ser humano e poeta. Conflito que nascia e crescia, antes de mais, dentro do prório Ary dos Santos...


António Ferreira brinda-nos com uma sequência coreografada de ioga, a pretexto da Estrela da Tarde, de Ary dos Santos, interpretada por Carlos do Carmo.


O exemplo do poeta e a força das suas palavras foi, claramente, inspirador!

No tempo dedicado à participação de elementos da assistência houve quem soubesse deslumbrar-nos com notáveis e saborosos exemplos de improviso.

Espera-se, como sempre, que o exemplo floresça e frutifique, e que provoque sementeiras de novos poemas.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:42


março 20, 2009

Dia Mundial da Poesia

Hoje, antecipando o dia de amanhã, a transmissão de testemunho na Estafeta de Contos, das Palavras Andarilhas, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana, pelas 21 horas. Ajudarei à festa... Quem puder ir e não for, vai arrepender-se, garanto.

Orgulho, vaidade... o que quiserem. Certo é que conto já por oito o número de convites para participar nalgum evento, amanhã, em volta do Dia Mundial da Poesia.

Muito mais do que isso possa representar em termos pessoais, interessa saber que, afinal, o País se desdobra em eventos de índole cultural, preenchidos com gente de corpo e alma, ainda que tal ocorra longe - e, possivelmente, ainda bem que assim é - dos chamados meios de comunicação de largo espectro. Mas este é o País que conta. É o País com que eu quero contar.

Neste ano, a minha opção, agendada de longa data, foi para a sessão que terá lugar na Biblioteca Municipal das Caldas da Rainha, promovida pela sua Comunidade de Leitores.

Teremos connosco Ary dos Santos e Jorge de Sena. Oportunidade sublime para deixar a arder uma boa quantidade de orelhas que andam bem a precisar de ser zurzidas!


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 14:29


março 15, 2009

noites com poemas


A sonoridade poética das vagas atlânticas - com Ernesto Matos (fotografias) e Pedro Miranda Albuquerque (poemas), a próxima sessão das Noites com Poemas, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana, terá lugar no próximo dia 19 de Março, pelas 21h30.

Tendo como pretexto o seu mais recente livro Suite Caboverdiana, os dois autores farão a sua abordagem à realidade do arquipélago de Cabo Verde, às suas gentes e sítios, que desdobraram em imagens e poemas...

Convite feito. A porta está aberta e eu lá vos espero.

O meu contributo a Cabo Verde:

ilhas dez de mil escravos
arquipélago
de bravos
e viagens
em busca de mil paragens
miragens mil
de sereias que nessas brancas areias
tingem de esperança o anil

africana ou europeia
rasa o mar essa maneira de ser ilhéu
e partir
ser crioulo no sentir
e ter o céu p’ra vestir
ao som duma coladeira
duma morna feiticeira
mas partir
sempre partir

cuscuz
xerém e cachupa
gosto de peixe à garupa
do feijão
da mandioca
que em nenhum mercado troca
maior que seja a cidade

terra seca Cabo Verde
fértil gente mata a sede
a lonjura desse mar
leva e deixa e traz sodade
mas busca a alma em raízes
de africanos matizes
onde lhe nasce a vontade

e querer sair mas ficar
por ter de ser
ter de ser
e o ter de ser de partir
quando apetece ficar.

- poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:29




crise? que crise?

De uma reflexão que me chegou na caixa do correio, respigo uma ideia que deixo à consideração dos passantes, sobre a dimensão da «crise»:

Sabe-se que o plano de resgate aos bancos, só nos Estados Unidos, feito com o dinheiro dos contribuintes, ascende, numa primeira tranche, a 700.000 milhões de dólares (leia-se setecentos mil milhões de dólares).

Não contabilizemos os 500.000 milhões de dólares de segunda tranche, nem os incontáveis milhões de euros dos governos europeus às respectivas bancas.

A população do planeta ascende, actualmente, a 6.700 milhões (leia-se seis mil e setecentos milhões de habitantes).

Se dividirmos os 700.000 milhões de dólares pelos 6.700 milhões de habitantes, dá para se entregar a cada habitante, 104 milhões de dólares!

Não apenas a crise deixaria de existir, como cada habitante do planeta ficaria milionário...

Há algum erro neste raciocínio?

- Claro que há! Bastou cá ter chegado alguém (obrigado, Paulo Moura; eu devia estar a dormir...) que ainda sabe fazer contas, para se concluir que o resultado da divisão acima é... 104 dólares! Ora, por isso, já nem o sono me tiram...! É o que dá sermos tão crédulos em face das mensagens recebidas.
*
Em qualquer caso, por considerar relevante, sequencio esta entrada com o comentário à mesma feito pelo Jaime Latino Ferreira e o meu comentário ao comentário. Então, cá vai:

SER MILIONÁRIO
Partindo do princípio que essas contas que te enviaram estariam bem feitas e distribuindo-se, então, esses milhões por cada habitante do planeta deixando colapsar o sistema financeiro, onde guardaria cada qual os seus milhões, debaixo do colchão!?

Ou, dito de outra maneira, deixando de funcionar o sistema financeiro, que valor teriam esses milhões nas mãos de cada qual!?

Algum, nenhum, assim assim!?

Isto para dizer que: É prudente, nestas complexas questões, não se cair em demagogias.

O sistema financeiro tem um importante papel redistributivo e universalizador do dinheiro, o que resta é saber qual, em que sentido e com que objectivos!

Imagina que passava só a existir dinheiro de plástico que não existe, aliás, sem o sistema financeiro e que passava a prevalecer, como regulador e num parâmetro universal também, não o crédito mas sim o débito, num patamar máximo de taxa zero e onde a deflacção deixasse de ser um tabú!?

Ter-me-ei feito entender!?

- Ao que eu comentei:

Claro que sim. Nem a minha ingenuidade chegaria a tanto...

Mas a questão reflexiva proposta dirige-se, apenas, ao paradigma para que nos fizemos evoluir.

O simples facto de podermos presumir que, no concerto do mundo, em pé de igualdade com cada ser humano vivente, cada um representa um valor X, ao qual terá direito de acesso em caso de necessidade extrema... bem, isso levar-nos-ia muito longe no quantificar dos Direitos do Homem.

Por outro lado, sendo o dinheiro que tudo regula, interessa a esse mesmo «dinheiro» a hipocrisia - vista nesta perspectiva - de que a vida do ser humano «não tem valor». Hipocrisia, porque, afinal, para cada um de nós, na perspectiva do capital, ela está plenamente quantificada.

E esse valor relativizado equivale a dizer que não tem valor nenhum, como qualquer declaração de guerra bastamente prova.

Valha-nos, então, a relativização da hipocrisia, até que consigamos evoluir para outro paradigmático patamar civilizacional - o que não se conseguirá sem profundíssimas convulsões, como todos sabemos ou presumimos saber.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:00


março 13, 2009

sou de um tempo...

sou de um tempo em que os dentes nos cresciam tortos
em que sabíamos de cor os nomes dos nossos mortos
e as janelas eram como as pessoas
com-portadas

sou de um tempo em que os dentes da ditadura
tinham a cor azul do lápis da censura
e alguns com sorte e de tamancos
iam se podiam sentar-se numa escola
nalguns bancos

iam de bibe alguns e algum deslize
tinha o prémio cruel de uma reguada
que lavrava na alma cicatrizes
e no futuro a amargura desalmada

sou de um tempo de haver carros de bois
e do irmos p’rà guerra só depois
de sabermos tanta vida por viver
e sabê-la ser assim desperdiçada

sou de um tempo de querer ter pai e mãe
e outras coisas mais simples que também
de tão simples até ninguém maltratavam

desse tempo eu sou mas por acaso reparando no calendário que eu trago
no aparelho modernaço onde afago o dia inteiro e sem o qual mal sobrevivo
eu reparo – observo – admiro
que eu sou do tempo todo aquele que eu vivo
e que estou de corpo e alma aqui contigo
à procura de outro tempo
meu amigo

- extracto de uma trilogia poética ainda em fase de conclusão, de minha autoria, Jorge Castro.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:22


março 11, 2009

Cantiga dos Ais,
de Armindo Mendes de Carvalho

video

Num dia em que me deram razão, numa das muitas lutas em que me vejo envolvido, deixo-vos com Mário Viegas, dando corpo supinamente à Cantiga dos Ais, do poeta Mendes de Carvalho.

Não há pior sinal do que nos darem razão. Por nós terá já passado, nessa altura, um mar de chatices e, se tivermos sorte, já nada haverá a fazer ao prejuízo. Daí os ais... Ao menos, por quem saiba soltá-los!


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:57


março 09, 2009

quando o homem interfere na paisagem, para o bem e para o mal que se saiba a autoria...

Conforme preciosa informação da minha amiga Lígia, a escultura fotografada na entrada anterior é da autoria de José Simão

(http://josesimao.planetaclix.pt/index.htm).

O seu a seu dono, pois.

Dizia-nos o mestre Lagoa Henriques que uma escultura é um local de convívio. Outro escultor, Francisco Simões, recomenda-nos que toquemos as suas esculturas, como forma de lhes apreendermos a dimensão, com maior abrangência pela cumplicidade dos sentidos.

Convive-se, pois, muito melhor e com outra amplitude, quando o interlocutor é conhecido.

Em homenagem ao cante alentejano, aos homens e mulheres que lhe dão corpo e voz, um coro que se confunde com as árvores da planura alentejana, em forma e intenção, e que nos acolhem num momento de paregem e reconforto.

Autor: José Simão.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 14:56


março 06, 2009

fotografando o dia (123)



é um canto-chão
que do chão nasce
da planura irmão
que do chão cresce
é da alma o pão
se o corpo agreste
perdeu a canção
que o corpo veste

- fotografia e poema de Jorge Castro

(Nota - Escultura na área de serviços de Grândola. Alguém me sabe dizer quem é o autor?)

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 13:56


março 04, 2009

dos magalhães aos professores achincalhados...

dos magalhães aos professores achincalhados
eu canto esta aleivosa pepineira
em que vamos decaindo de maneira
que mal damos por nós já de tão sedados
e nem se salva Courbet na velha Braga
censurado por falhados pais da tanga
que perdidos neste mundo de fuçanga
decidiram também dar corpo a tal praga
razão tinha Junqueiro aos hipopótamos
gritando ó Humanidade enxota-mos!

bruta e fera a dita e com tal sorte
muito mais do que vivermos vegetamos
e no pântano de enganos lá vogamos
esperando por reformas e p’la morte
assim querem ou esperam - determinam
os fautores da desgraça inadiável
espiral - fatalista e infindável -
que ao comum cidadão a esperança minam
e mal se ouve um só que em bravo dichote
aconselhe espantar tal corja a trote

fica o voto – limiar de consciência
vil resquício de um passado de firmezas
e de lutas – de combates – de incertezas
onde o Homem era o centro da ciência
esse voto tão certinho e lapidar
que aconchega a vontade entorpecida
que amortalha a coragem mal-ferida
mas que ao mesmo tempo nos impede o mar
esse voto que devotos nós lançamos
sem sequer apurar por que votamos

liberdade – quem a tem chama-lhe sua
igualdade – de ter cada um bastante
ser fraterno um destino em cada instante
de trazer a poesia ao rés da rua
ver no outro não o rival mas o amigo
saber ser solidário e altruísta
coisas vãs mas que foram a conquista
que nos fez ver para além do triste umbigo
e fazer de cada um estar mais ufano
de ser inteiro – solidário – e ser humano.

- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 08:57


março 01, 2009

fotografando o dia (122)


apenas quem nunca tenha assistido
à pujança da vida renovada
em cada primavera que desponta
pode manter esse ar sofrido
de tristeza desmaiada
em presença de uma afronta

- fotografia e poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:07


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas