<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
abril 28, 2009

poema da liberdade II

por vezes mar
por vezes pena
por vezes ser
valer a pena
contra esse dó
contra esse nó

por vezes ter algum poema
dentro de nós
a dar a voz feita de nós
sem voz que trema

por vezes ser a imensidão do universo
por vezes ter a dimensão daquele verso
bruto
disperso
vago ou hirsuto
lançado ao vento como um insulto
buscando indulto
sendo adverso

por vezes ser inconsciente
mas tão ciente
daquela aragem
do sol poente
de uma viagem um passo à frente
de uma miragem

por vezes ser por fim incerto
ficar mais perto
de uma vontade
por vezes ter sonho desperto
na beira-mar
da liberdade.


- poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:50


abril 26, 2009

fotografando o dia (126)


cavalgando nas asas do sonho
um fulgor de Abril
retenho
um mural de luz
componho


e o sonho
segue de perto
o sonho de mim
desperto


- fotografia e poema de Jorge Castro


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 16:52


abril 23, 2009

25 DE ABRIL, JÁ!


Em 25 de Abril de 2009, estarei em Coruche, levando comigo poemas à inauguração da exposição d'Arte LIBERDADE.

Levo mais quatro amigos, como convém, para prefazermos cinco. Mas esperam-se muitos mais. Tu, aí, aparece, que a tua presença faz sempre falta.

A seguir, meu contributo anual para Abril.



Ainda Abril

eu não tenho de Abril esse conceito
de que basta ser Abril p’ra ser perfeito
o preceito de viver a liberdade
um Abril p’ra ser Abril terá o jeito
de trazer o povo à rua por defeito
dando voz e corpo à alma da cidade

um Abril feito de cravos outra vez
feito eu e tu e nós e vós talvez
na corrente mar de gente em que descaio
um Abril que soube ser bem mais que um mês
ao vestir-se de vermelho português
como arauto daquele outro mês de Maio

cem mil gritos contra a mágoa e a amargura
cem mil vozes a descobrir a ternura
na passada firme e certa da viagem
pelas ruas as pessoas na aventura
de sentir derrocar a ditadura
pela força da vontade e da coragem

contra o medo e a opressão eles marcharam
pela força da razão eles triunfaram
em razões de força firme mas serena
e nos campos cem mil flores desabrocharam
cem mil braços do trabalho se orgulharam
do combate longo que valeu a pena.

- poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 18:51


abril 21, 2009

colorindo telas (3) - Ismael Serrano - João Balula Cid


Inverno e fim de tarde - acrílico sobre tela, de Jorge Castro

De invernoso dia, de claríssima luminosidade ao fim da tarde, da agressão das vagas e de um céu de escultura...

Do privilégio de se poder usufruir de tudo isso.

*

Entretanto, estamos em Abril. O dia 25 está aí... Não é a primeira vez que refiro, neste espaço, uma canção e um cantor que me caíram no goto, aqui há uns anos atrás: Papa, Cuéntame Otra Vez, de Ismael Serrano.

Apanhei-lhe o rasto, no You Tube. Aqui vo-lo deixo, a propósito de Abril.

*

Tive um dia o prazer e o privlégio de dizer alguns poemas de minha autoria acompanhado ao piano por um excelente pianista, João Balula Cid. Foi em São João da Madeira, tendo por companheiros de jornada o José Fanha, o Carlos Mendes, a Lena d'Água, o Pedro Laranjeira...

Impressionou-me, em Balula Cid, a bonomia e a disponibilidade inteira de quem, com mais de 30 anos de carreira, se prontificou a enriquecer o meu desempenho, favorecendo-me com a sua enorme mestria e sensibilidade, em troca de nada mais do que uma noite bem passada, entre nós e o numeroso público presente... com entradas gratuitas.

Soube, agora, que João Balula Cid perdeu o emprego e, em busca da dignidade que em Portugal se perdia, rumou à Noruega, onde arranjou colocação numa fábrica de bacalhau. Nas horas vagas, toca e afina pianos, como secundárias actividades (ver aqui, aqui e aqui ).

Com toda a experiência musical de uma vida, trabalhava, nos últimos tempos, cinco horas por dia, em Portugal, tocando piano num restaurante, pelo que lhe pagavam € 30... e davam de jantar. Em números redondos, menos do que eu pago a uma senhora que vem cá a casa, ajudar a engomar a roupa.

Bem-aventurado País este que assim se dá ao luxo destes desperdícios.

À espera de outro Abril...
*
A pedido do próprio - que não consegue entrar nos comentários - e de quem mais venha, com todo o gosto, um poema, a propósito, da autoria de Laime Latino Ferreira:

TELAS ( 3 )
FORTE

Forte

Forte
É o sentir para lá das ondas

É o que se apruma
Forte
No seu porte

É o tocar
Voar
Bater-se à sorte
De ir por todo o Mundo a cantar

Forte
É o teu querer
E o saber
É a errância forte
Do não ter

É lançares-te assim
Nesse teu sim
É ires para lá do Mar
Do Norte enfim
É toque de magia
Onde se fia

A tua
Vontade minha
Que enquina
A mesquinhez
Que tenta aos meus porquês
Sitiar
Na vã glória de mandar

Forte
Como tu
Eu serei mais
Ao ver-te resistir
Sem desistir
Na afinação
Serei tudo e teus ais
Tudo verei e esses teus portais

Forte
Te erguerás como os cardais
Terrenos que se picam são frontais
Libelos
Que incomodam e são tais
Que aos lamentos
Tristes
E se insistes
Depressa te erguerão mais do que os ventos

Mais forte
Como eu
Virá a sorte
Por mais
Que não te queiram e aos teus sais
A essa tua pesca
Que inventa
Fiel
É o amigo como o mel
Que se impõe por tua boca sem ter fel


(Em Balula Cid, a todos os artistas que se reinventam )


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 22 de Abril de 2009

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:48


abril 19, 2009

colorindo telas (2)


Dária - acrílico sobre tela, de Jorge Castro


Dária, a gata, de sol matinal entretecido (enternecido?), afagando-lhe a cabeça, assiste ao pequeno-almoço familiar, a espreitar colo... Alguns efeitos de pelagem foram obtidos com os dedos manchados de tinta, como se a tela fosse o lombo felino. Aquele arquear de ombros veio daí. A tela deixou-se envolver como se de gata se tratasse.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:57


abril 18, 2009

reequacionando coordenadas
- Susan Boyle e Paul Potts

De uma cantora (como de um cantor) deseja-se que nos traga uma bela voz. Não um belo rosto ou um pedaço de corpo...

Uma concorrente de um famoso programa britânico, Susan Boyle (ver vídeo aqui), um pouco à imagem e semelhança de Paul Potts que encheu recentemente o mundo de surpresa com uma portentosa voz, ajuda-nos a reequacionar as coordenadas pelas quais pautamos os nossos gostos e preferências.

Tremenda a sensação de vermos, no espelho do nosso consciente, o quão errados podemos estar ao permitirmos que estranhos, por estranhas razões, formatem os nossos cérebros com tanta ideia preconcebida.

Dizer depois que nos emocionámos - como eu me emocionei, ao ouvi-los... - acaba por ser, afinal, um exercício de piedade para connosco próprios.

Bem hajam Susan Boyle e Paul Potts, por nos reconduzirem à condição de seres humanos.

Dois extraordinários exemplos da aplicação à Vida do avessoscópio, aparelho fabuloso inventado pelo meu amigo Rui Farinha para engrandecimento das nossas almas terrenas.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:43


abril 14, 2009

noites com poemas



Um bom amigo, Rui Farinha de sua graça, biólogo por formação, astrofísico por paixão, professor... porque sim e, por fim mas nunca por último, pai porque também sim. Adicione-se a isso o seu imenso gosto pela poesia e uma especial arte de dizer. Como condimento final, apure-se que é o Ano Internacional da Astronomia, este em que estamos.

Tudo somado e levado ao lume brando mas constante dos afectos e adivinha-se uma refeição poética suculenta, em que seremos levados a ver um Céu Poema ou o Universo através do Avessoscópio.

Esta será a próxima sessão das Noites Com Poemas, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana, dia 16 de Abril de 2009, pelas 21h30, como sempre. Lá estarei, também como sempre à vossa espera... Ah, e não se esqueçam de trazer um amigo e algum poema - não sei se já repararam, mas estamos no mês de Abril!

E, a propósito...


O pó de estrelas caindo na calçada


persigo o infinito a cada passo
e ele aí está ao alcance do meu braço
no caminho feito a passo que não meço
uma linha do horizonte em que tropeço

o surtir do efeito que procuro
se esbracejo como sombra contra o muro
ou no grito de bravura que admiro
desafio de aventura que prefiro

abro mão de algum dia mais mesquinho
que nos dá do viver o estar sozinho
e pressinto na calçada o pó de estrelas
de um saber estar na vida p’ra merecê-las

porque há sempre o vento e o mar apetecidos
ressoando musicais nos meus sentidos
e uma bússola apontada além da morte
que me dá um universo de outra sorte

persigo o infinito a cada passo
se esbracejo como sombra contra o muro
e pressinto na calçada o pó de estrelas
que me dá um universo de outra sorte.

- poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 21:41


abril 13, 2009

fotografando o dia (125)


mole a água molda em fúria cega
a dura pedra bruta e repousada
e cada onda a rasga e a sossega
de verdes limos toda enfarpelada

- fotografia e poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:14


abril 11, 2009

colorindo telas (1)


- janela do planalto -
(de Jorge Castro, acrílico sobre tela)

Um destes dias, sem saber muito bem como nem porquê - ou sabendo, mas considerando que impulsos destes, agarrados a explicações mas ou menos esotéricas, perturbam o bom andamento da vida - dei por mim a olhar para uma tela vazia e a pensar, com os meus botões, que ela assim não fazia sentido nenhum...

Porque amanhã já é tarde, ontem passou a correr e hoje é que se está com a mão na massa - ou nas tintas, se quiserem - dei por mim, em terapia ocupacional, a preencher essa tela com pinceladas que me fizessem sentido.

Como em tudo na vida, não me levarei demasiado a sério, mas empenhar-me-ei na obra a realizar e, com o despudor e desplante que essa mesma vida nos traz, aqui, nesta espécie de diário de bordo de uma viagem com encanto mas sem destino, a partilharei convosco.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:18


abril 08, 2009

os anti-ovos da Páscoa ou
a constância do Constâncio

Lá opiniões tem ele. Não se sabe bem é quem lhas pede e, pior, a quem interessam. A verdade é que, do alto do seu ninho escarpado a que se chama Banco de Portugal, encaixa uma das remunerações mais chorudas da nação para vir, de quando em vez, alertar para o óbvio, condimentando o augúrio, qual Pitonisa da desgraça, com a necessidade imperiosa de diminuir ordenados, para salvaguarda dos interesses dos «pobres» possidentes…


eu não sei que triste acásio
amargor ou circunstâncio
pedra de fisga ou balázio
nos trouxe o guru Constâncio

sei que sempre que alvitra
numa infeliz contumácia
daquela alma saltita
um anúncio de desgrácia

gatinha de olhos fechados
face à infame riqueza
aos pobres manda recados
«- sereis pobres com certeza…»

ter assim tão avisado
um profeta de infortúnio
há que mandá-lo embrulhado
p’ròs confins de Neptúnio

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:21


abril 05, 2009

Papoilas de Janeiro
em São Domingos de Rana

19 horas - Localização: Biblioteca Municipal de São Domingos de Rana. Circunstância: por entre futebóis e distâncias de desmesuradas lonjuras, tomou assento a mesa do evento. A audiência, não numerosa, mas interessada, propiciou a informalidade...


Sempre presente o facto deste nascimento, dos textos de M. Correia, aos desenhos de T.C. Alves, do meu prefácio até à edição da Autores Editora, ficar a dever-se às cumplicidades e afectos gerados pela «comunidade» dos blogs.



Por entre relatos de histórias e factos pícaros que envolveram este projecto, a sessão decorreu num ambiente de boa disposição, ninguém se inibindo de um bom par de francas gargalhadas, daquelas que, segundo consta, nos acrescentam anos de vida.




Caras bem conhecidas dos blogs marcaram presença...




Os imprescindíveis autógrafos remataram a sessão. Perderam os que não estiveram presentes a este saudável exercício de convívio, conjugação de vontades e cumplicidade de objectivos. Uma prova mais - tão concreta e definida como outra coisa qualquer - de que o sonho comanda a vida...


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:09


abril 04, 2009

uma corrente e as Papoilas de Janeiro

Desafia-me a Gotinha para desvendar ao mundo a minha presente leitura e, dentro dela, a 5ª frase da respectiva página 161. Pois cá vai: de Mia Couto, O Outro Pé da Sereia, edição Círculo de Leitores. Página 161, 5ª frase:

«Do outro lado, do lado do seu destino, era o lugar dos vagares». Muito apropriado e conveniente, diga-se.

E passo, então, a bola, como me é solicitado, para:

O Relógio de Pêndulo
Belgavista
Anomalias
Persuacção - o blog
Repensando

E, agora, vamos às PAPOILAS:

Conforme fui informando individualmente, será apresentado hoje, na Biblioteca Municipal de São Domingos de Rana, o livro Papoilas de Janeiro, da autoria da SeiLá, do Repensando, com desenhos de T.C. Alves. Cá vai a ficha técnica completa:

O livro Papoilas de Janeiro resultou do conhecimento e amizade virtual dos autores de quatro blogues - quatro pessoas, um livro a oito mãos:

- a Inconformada hoje Maria Alfacinha com a Autores Editora (http://www.1000i-deias.com/autores/lojaonline/),

- o TCA dos Abstracto Concreto (http://abstractoconcreto.blogspot.com/)e os seus Riscos

- a Seilá, MCorreia, Maria de Fátima com textos ao estilo do Repensando (http://www.intervalos.blogspot.com/)

- o Orca - o Jorge Castro do Sete Mares (http://sete-mares.blogspot.com/) - no prólogo

Estarão todos eles a apresentar o livro pelas 19h do dia 4 de Abril na Biblioteca Municipal de Cascais em S.Domingos de Rana



Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 13:18


abril 01, 2009

fotografando o dia (124)


a vida é
um
bolero
destempero
ávida
de Eros
a vida é
e as palavras são
um bolero
destempero
ávidas
de Eros
as palavras são
o que a vida é
dá-me a tua mão
segue-me o pé
e as palavras são
o que a vida é


- Fotografia e poema de Jorge Castro

- Fotografia obtida na exposição de João Vieira - As Imagens das Palavras - no CCB. Bailarinos: Graciana Romeo e Juan Caprioti. Poema inspirado no tema La Vida Es Un Bolero, penetrável de João Vieira (2008).

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:30


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas