<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
junho 08, 2010

passeio pelo nordeste extremo (I)

Num desses acessos que, a cada passo, me impelem para o planalto nordestino transmontano, lá fui, com família e de armas e bagagens, em busca dos diferentes horizontes que me limpam a alma de permanências citadinas demasiado prolongadas.

Desta feita, com o interesse acrescido de levar comigo o meu filho, cultivando esse incerto desidério de passar testemunho... 

Pelo caminho, a primeira paragem para almoçar: Sortelha, ali próximo do quadrante que alguém chamou País das Pedras, na Beira Alta.


Aldeia de pedras e ancestralidades. Na sua zona histórica, belíssima, e que tem vindo a ser recuperada com a sacrossanta ajuda de dinheiros comunitários, tudo se conjuga para nos tornar viva a sensação de um mergulho no tempo, em que as regras conhecidas se tenham subvertido.

A palavra distância parece ganhar outro significado ao atentarmos nos sucessivos planos que a vista abarca.   


O tempo soalheiro deste Junho e o meio-dia parecem emprestar outro vigor às cores que nos rodeiam. Mas não consigo furtar-me a esta sensação de fantasmagoria, pois as ruas, desertas de gente, parecem, apenas, conter os espíritos que nos espreitam por trás das cortinas das janelas...  


Uma escassa dezena de turistas, duas lojas de artesanato, um restaurante - D. Sancho, onde uma perdiz à moda da casa regada por um excelente vinho tinto da Quinta dos Termos, por si sós justificariam o passeio -  e um bar... e, de habitantes, as duas mãos são excessivas para os contar, pelo menos à vista desarmada.

Não sei o que é preciso fazer para alterar este estado de coisas. Mas parece-me imperioso que algo tenha de ser feito no sentido de prender, de forma sustentada, as pessoas à terra, pois, em caso contrário, o deserto intensifica-se, ainda que recheado de construções belamente reconstruídas. Mas sem o seu sentido, pois casas sem gente, pouco a pouco, vão deixando de ser casas.

O turista usufrui-as, talvez. Mas é preciso que alguém as habite e que cada sítio, cada povoação seja isso mesmo: um povoado... e não o despovoado a que assistimos. 
  

País de pedras, duras e frias, redondas e quentes, ao gosto e feição que lhes formos dando. Ara sacrificial, posto de atalaia, local de oração e convocação espiritual ou derradeira guarida, para tanto servem as pedras de aparência imorredoira, na paisagem, a um mesmo tempo, agrestes e companheiras...   


As pedras que fazemos nosso prolongamento de vida, entretecendo-as a nosso bel-prazer com a estrutura da terra, para nos darem serventia e assim, cúmplices afectuosas, nos proporcionarem conforto e resguardo.


E elas lá ficam. Ordenadas, rigorosas, sempre prontas a receber-nos, estranhando-nos a ausência e o desperdício. Quase se lhes pode adivinhar um adeus inconformado e fica-nos alguma penosidade ao olhar, uma última vez, para o casario sem vivalma. 


Próximo destino, já a meio da tarde, Torre de Moncorvo. Breve destino, apenas para matar a sede e aproveitar a viagem. Era dia de procissão. As ruas receberam-nos cheias de flores ainda frescas a cobrirem as lages da calçada. 

Aqui, felizmente, viam-se pessoas. Fosse da procissão, do labor ou do descanso diário, não interessa. As pedras e as casas tinham outra vida, o que parece sentir-se mesmo à flor da pele.  


As ambiências mantêm a sua personalidade, apesar de grassar ali como por Portugal inteiro uma avassaladora mania de nos descaracterizarmos, espalhando Reboleiras por tudo quanto é considerado zona habitacional, sem que as forças autárquicas tenham o golpe de asa de impor regras que, incidindo em todo o espaço urbano, assegurem aquilo a que eu chamaria uma «matriz identitária» à globalidade desse espaço. 

Sem concessões de qualquer espécie, ainda que sem descurar as novidades que a civilização vai trazendo, de confortos e comodidades e que nos são tão apelativas. 

Mas uma coisa não impede a outra, se - como em tudo - prevalecerem o bom-senso, aliado ao amor à terra e apoiado na modernidade, gerando lógicas em que estas duas últimas componentes se encontram e frutificam.      


Por fim, o nosso objectivo: Mirando da Douro. Quase seiscentos quilómetros percorridos, desde Lisboa, somos recebidos pelo casal mirandês na Praça D. João III, já noite cerrada, dirigidos àquele que é sempre o meu primeiro poiso, quando lá chego, e após o depósito de armas e bagagens e de um retemperador duche na Residencial Morgadinha... 



... o restaurante da Balbina.

Aí, como em qualquer outro ritual, apurar sempre o gosto único dos vegetais que compõem a salada que antecede a posta mirandesa; depois, enquanto se espera por mais, degustar a esplêndida alheira de Miranda, grelhada e que deixa a de Mirandela a perder de vista, a modos de aperitivo para a suculenta e apaladada posta de carne que, logo mais, vem para a mesa.

Sendo dia da semana, poucos eram os turistas que acorressem ao repasto nocturno. A dona do restaurante, enfastiada com duas turistas estrangeiras que não queriam mais do que uma saladinha, correu a acender a lareira quando surgiu a oportunidade de nos mostrar as coisas boas da terra, à mistura com dois dedos de conversa.

Por fim, um queijo com marmelada, ambos caseiros, ainda conseguiram encontrar um espacinho onde se encaixarem.

Romagem digestiva e elucidatória de toda a família ao monumento em honra de António Maria  Mourinho, esse homem cujo labor elevou o mirandês a língua oficial do nosso País... e a viagem continuará dentro de momentos.    


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:17


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017 Agosto 2017 Setembro 2017 Outubro 2017 Novembro 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas