<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
julho 30, 2010

a António Feio

«Aproveitem a vida e ajudem-se uns aos outros. Apreciem cada momento. Agradeçam
e não deixem nada por dizer,
nada por fazer.»
- António Feio, na apresentação do filme Contraluz, de Fernando Fragata.


Um sorriso, sempre. Desassombrado, talvez. Sarcástico quanto baste, que as circunstâncias do País assim o justificam e dele carecem. Esperançoso, que ela, a esperança, é imorredoira e transmissível. Haja sempre, então, alguém que a empunhe.

Um exemplo de coragem? Prefiro ver nele um hino à Vida, daquela respirada em grandes haustos, de peito aberto às alvoradas.



Em sublinhado meu de uma vida inteira plena de realizações, quero destacar a magnífica parceria com o seu amigo José Pedro Gomes. Têmo-los muito junto a nós, redundantemente mais fortes do que a fraqueza, mas incomensuravelmente mais sublimes porque o seu voo é rasante ao chão da Vida, misturando-se e confundindo-se com ela, redescobrindo, em cada segundo, a dimensão do riso e da alegria de viver... Por aquilo que nos deram, não haverá modo airoso de lhes pagar o quanto fizeram por nós.

Tínhamos, também, com o António Feio, projecto pendente. Há uma sessão de Poesia da Treta,  que não pudemos realizar, ainda que já assente... A melhor homenagem que lhe poderemos, então, fazer será concretizá-la.

E nela o António Feio estará, obviamente, uma vez mais e sempre presente.

Em 10 de Julho de 2010, uma das suas incontáveis manifestações em favor da Vida sugeriu-me este poema, que lhe entrego:

que venha um Sol
muito ao rés da madrugada
que traga o vigor à flor
e um brilho ao gume do nada
que somos nós
tudo sendo
estrela
vento
e estrada...

  Até sempre, Toni!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:04


julho 28, 2010

fotografando o dia (150)


estamos todos juntinhos
pendurados no estendal
as cores várias são caminhos
de se estar nem bem nem mal

a parede é velha e gasta
antiga como a janela
à frente um prédio lhe basta
para o céu não dar com ela

e bastava um gesto breve
um olhar de outra atenção
mexer-lhe muito ao de leve
dar-lhe outra inclinação...


- fotografia e quadras de Jorge Castro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 20:07


julho 27, 2010

fotografando o dia (149)


gosto de ver trabalhar

- olha, aquele
para ali a dar a dar...!

se nos vir ele há-de ter
vontade
de se sentar
 a ver também trabalhar...


- fotografia e poema de Jorge Castro

Fotografia obtida na exposição «POVO», no Museu da Electricidade - EDP 

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:41


julho 25, 2010

fotografando o dia (148)


pare
escute
e olhe
que o desinteresse não colhe
modo melhor de se olhar
seja poeta
profeta
seja lente
seja asceta
e nunca deixe de olhar
melhor que se comprometa
sabendo certa essa meta
que o mar é de ir e voltar

- fotografia e poema de Jorge Castro

Fotografia obtida no interior do Forte de São Julião da Barra, em Oeiras, na visita guiada por Joaquim Boiça e promovida pela Associação Espaço e Memória

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:14


julho 22, 2010

apenas alguns poemas de cordel...


Nascido na passada sexta-feira, dia 16 de Julho, o número 72 da colecção Literatralha Nobelizável, sob a égide da editora Apenas Livros, Apenas Alguns Poemas de Cordel é a minha colectânea, concluída em 25 de Abril de 2010, de 52 poemas suscitados por participações em eventos diversos, adaptados às temáticas propostas sessão a sessão.

Como respigo do seu prefácio, poemas ao alcance da mão. Fruto da persistente árvore que resiste a tempos de incalculável secura. Dessa seca atroz que cria desertos, mesmo sob bátegas de chuva intensa e prolongada, pela erosão constante dos afectos. Seca a que nos vamos habituando de mais, em cada dia, sob os argumentos do ter de ser, dos muros erguidos ou tão-só dos horizontes roubados.   

Poemas ditos, que nenhum deles se ficou pelo recôndito das gavetas, antes preferiu o ar e o céu aberto para ajudar a sentir-se a tal arma carregada de futuro do Gabriel Celaya. Poemas, também, de comer à boca cheia, sem modos constrangidos ou medos de vilipêndios.

Eles aí estão, uma outra vez com o meu reconhecimento pela presença e constância de Fernanda Frazão, da Apenas Livros, no apoio sem peias a tais projectos.

e por cá vamos
de sonho em riste e de alma temperada

o teu tempo é o meu
a mesma estrada

felizmente o horizonte!

ninguém dirá que além dele não há mais nada 

NOTA - o preço de capa é € 4,90. Se algum dos cerca de 300 leitores de poesia portugueses estiver interessado, poderá contactar-me através de jc.orca@gmail.com.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 20:43


julho 18, 2010

noites com poemas
-os poetas da Apenas e alguns amigos (II)

Assumo o risco de me repetir: um espaço como este terá sempre a riqueza que lhe é trazida por quantos nele participam.  

Espaço aberto, lúdico, de empenhamentos vários e diversificados, de que esta sessão foi notável exemplo... 


A Apenas Livros lá estava, presente e interessada, apoiando a iniciativa, cumprindo um papel social que transcenderá o de mera editora e, seguramente, nos antípodas da busca do lucro fácil ou imediato.

João Bernardino, também, a transformar o aparente fardo de um instrumento que se agiganta perante a sua ligeira figura numa nuvem sem peso, a transportar-nos aos mundos a que a Música nos faz aceder.    


A Comunidade de Leitores das Caldas da Rainha, com representantes vários, trouxe-nos o alerta para o desleixo pantanoso em que sencontra a Cultura, no âmbito nacional e na vertente de mola impulsionadora e, a um tempo, reflexo vivo de um povo. 

Na imagem abaixo, Palmira e Carlos Gaspar lembram-nos, a este propósito, José Afonso... 


António Ferreira e Manuela Marques, também da Comunidade de Leitores, exibem-nos, através de exercícios coregrafados de Yôga, outro sentir e viver um poema de Sophia, pela voz de Kátia Guerreiro.


Os Jograis do Canto Sénior, das Caldas da Rainha, mostram-nos a comunhão de um poema, ombro com ombro, a dar outras vozes ao mundo e à vida, aos quais João Bernardino deu sequência com a música que pode ser a antecâmara ou o próprio ninho de um poema...


Na segunda parte da sessão, se assim podemos chamar-lhe, e depois de se ter dado o espaço devido aos convidados, a Apenas Livros avançou com a apresentação de dois novos trabalhos editados propositadamente para esta sessão:

- de João Pereira de Matos, Ciência Vaga ou Tratado da Consabida Evidência, com prefácio e apresentação de Nuno Filipe Ribeiro;

- de Jorge Castro, Apenas Alguns Poemas de Cordel..., com prefácio e apresentação do próprio. 


Ensaiou-se o improviso, unindo música e palavra, num consórcio que se revelou fecundo...


Por fim, mas sempre no início de algo, os «amigos de casa», a darem corpo e forma e modo e lugar, a emprestarem alma a este espaço, feito dia a dia, acaso a acaso, gerando a noção clara de que não vale a pena desistir e mesmo o muito pouco faz sentido, por não sabermos o quão longe levará todos e cada um...  


E cantámos todos. E cantaremos. E o que somos hoje já transporta em si o que conseguimos ontem concretizar. E assim me parece fazer algum sentido juntar a minha à tua voz. 



Se enganos houver, não importa, pois o que interessa é estar aqui e agora e seguir caminho, passada após passada, acrescentando caminho à caminhada.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 08:05


julho 13, 2010

noites com poemas
-os poetas da Apenas e alguns amigos

16 de Julho (sexta-feira), pelas 21h30,
na Biblioteca Municipal de Cascais,
em São Domindos de Rana (Bairro Massapés, Tires)


55ª sessão, graças a vós e a nós! De programação ambiciosa, desta feita, para além da homenagem à editora Apenas Livros, pois contaremos, também, com a participação de um substantivo grupo de pessoas das Caldas da Rainha que ajudarão a dar corpo ao evento. Cá fica, então, a programação prevista (sendo que a ordem dos factores, não sendo arbitrária, terá diverso alinhamento):

- Apresentação de um livro de poemas, de minha autoria e edição da Apenas Livros: Apenas Alguns Poemas de Cordel, composto por poemas criados para muitas das sessões aqui realizadas;

- Em acordeão de concerto: João Ricardo Ferreira Bernardino;

- Grupo Dança Yôga (coreografia de um poema): António José Fróis Rafael Ferreira e Maria Manuela Marques Soares;

- Jograis do Canto Sénior das Caldas da Rainha: António Eduardo Silva Moreira, António Júlio Santos Pereira, Berta Santos Pinto Moniz Barreto, José Martinho Rodrigues Correia, Maria Manuela Jesus Monteiro, Maria Manuela T. A. Veríssimo Afonso, Maria Natália Leonardo Nunes, Maria Salomé Nascimento Alferes, Mário Alberto Veríssimo Afonso e Mário Bernardo Reis Capinha;

- Comunidade de Leitores das Caldas da Rainha: representada por Palmira da Silva Marques Ferreira Gaspar e Carlos Alberto Ferreira Gaspar;

- Alguns amigos de casa dirão poemas de sua justiça:

Carlos Peres Feio
David José Silva
Estefânia Estevens
 Francisco José Lampreia
João Baptista Coelho
Edite Gil
Francisco Félix Machado
Maria Francília Pinheiro

Haverá, como sempre, tempo ainda para participações várias e desvairadas, matriz costumeira destes encontros, para quantos tragam um poema para partilhar. E cada um é benvindo e a sua presença enriquecerá um espaço que se fez nosso - de todos quantos nele querem participar. 

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:21


julho 10, 2010

um País de azulejos portageiros...
- artigo publicado na Freezone

A partir de 1 de Julho de 2010 os nossos excelsos governantes puseram-nos a todos a pagar mais de IVA e a receber menos por força de maior desconto no IRS. Contra tudo, contra todos e contra todos as lógicas que elementar bom senso ditaria.


Os nossos governantes são assim: quando não sabem muito bem o que hão-de fazer perante algum buraco nos cofres do estado, fazem qualquer coisinha expedita para colmatar tais abismos. E essa coisinha, invariavelmente, incide sobre os mesmos, uma espécie de bestas de carga que, neste País, lhes abonam os desmandos e que sói denominar-se, pelos gurus da Economia e outros expertos, como classe média.

Fórmula abrangente, que vai do caixa de supermercado a recibo verde (embora licenciado, pós-graduado e mestrado), auferindo escassos trezentos euros mensais, a título precário e desonesto, até ao quadro topo de gama de grande empresa, cujo vencimento, fora outros aconchegos securitários, atira sempre para as dezenas de milhares (quando não centenas) de euros no mesmo espaço temporal…

Para ler todo o artigo, na FreeZone

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:37


julho 08, 2010

dois pintassilgos, apenas...

Estava eu, para ali, muito em-mim-mesmado, colhendo o solzinho de fim-de tarde temperado a brisa, de ombro na ombreira na janela da sacada, eis senão quando um passarito palerma, com mais «canudos» do que plumas, se desmorona da minha pequena árvore das ameixas e vem aterrar-me aos pés.

Interessa apurar que vai para três anos que uma forquilha jeitosa daquela árvore tem servido para edificações de ninhos vários.

Ofegâncias de primeiro voo, sustos do salto da minha gata, que nem reparou que tinha - felizmente - um vidro entre si e o desemplumado e logo ali deu livre curso aos seus primários instintos, com tanta ânsia que desapercebeu o obstáculo transparente.

Dei por ele pintassilguito, que isto de meninices no campo me trouxe destas acutilâncias de saberes.

Uma leve, muito leve folha de jornal serviu, sem agitações desnecessárias e espaventosas, para lhe impedir fugas desordenadas, porventura ou por desventura para sítios de maiores e mais reais perigos.

Agachado, tacteei por baixo das notícias e dos anúncios, até dar com o corpito piador e aflito, a fim de o repor na árvore de onde a ansiedade de voar e alguma rajada de vento o fizeram cair, que ali nem havia ainda matéria-prima para voos. Só vontade.

E, de súbito, o piar aflito, a angústia esvoaçante de duas pequenezas aladas, volteando sobre mim, roçando-me o corpo. Eles, os pais pintassilgos, sempre tão tímidos e discretos, tão ciosos do petiz que, na presunção de malvadez daquele gigantone que eu era, me cercaram com o ataque impossível que lhes salvasse a descendência.

Já tinha ouvido falar. Já assisti, pessoalmente, ao envenenamento dos filhos encarcerados por parte dos pais esvoaçantes e aflitos. Mas nunca chegara a assistir a tais ímpetos de valentia, de peito feito à luta ainda que sem credível esperança de sucesso e tão avessa à sua suposta natureza arisca e fugidia.

Até agora, quedo-me estupefacto e reflexivo...
    
O aprendiz aventureiro:


- A excelente progenitura, em cobertura aérea:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:28


julho 04, 2010

IX festival internacional de papagaios
de Alcochete

A cor espraiada na paisagem. O irreal, o imaginário, a fantasia a criarem espaços na nossa mente, povoando-a de novos seres e novos enlaces que ajudam a dar livre curso à imaginação...     










Há medos que se transmutam; receios de fantasmagorias que se revelam aos nossos olhos com a cor dos sonhos e assumem o espírito do jogo do faz-de-conta ...


... e o nosso imaginário voa mais alto, com o céu e o mundo povoados pelo impensável.

O próprio D. Quixote teria confirmado serem reais os seus «gigantes» inventados nos moinhos e outro crédito, porventura, se daria aos devaneios quixotescos. 


São colocadas outras estrelas nos céus e outros seres na terra contra o cinzento dos dias...


... e tudo ali, ao alcance da mão, aproximando adultos e crianças que dão livre curso à vontade de soltar o sorriso e o riso, em busca do espaço que é seu, de direito e por natureza. 


A envolvente da praia fluvial de Alcochete dá o seu precioso contributo à magia do momento...


... e quando a noite cai e a festa avança por ela dentro, já não há medos no ar, mas apenas a vertigem do encantamento e do fantástico, a estimular criatividades e desafios.


Fernando Curado Matos, apaixonado pela fotografia, lançou, também, para ajudar à festa, o seu especial «papagaio»: um livro onde nos retrata a sinfonia de cor, movimento e o renascer da meninice em cada um de nós, Papagaios pelos Ares (edição de autor). 


Lisboa, no horizonte, povoada das cores belíssimas de pôr-do-sol que daquela praia se podem desfrutar, talvez não saiba o que está a perder por desconhecer o que se vai passando mesmo à sua frente. E é pena...


... mas essa pena - por muita pena que tenhamos - ficará com ela. Por nós, demos por bem empregue o nosso tempo, que nos levou ao outro tempo em que sabíamos mais de nós. O tempo de brincar, de rir, de sonhar o possível e de viver o impossível. 

- Fotografias de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 16:49


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017 Agosto 2017 Setembro 2017 Outubro 2017 Novembro 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas