<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
fevereiro 28, 2011

ó ai ó Deolinda...

Olhai, senhores, como é diferente a bruteza em Portugal. E, também, como tanta bacorada proferida sobre o recente tema dos Deolinda, me deixa uma indizível sensação de vergonha, enquanto representante dos pais que têm toda a responsabilidade em quantas gerações rasca, ou à rasca ou nem-nem vêm produzindo nos últimos quatro decénios…

Desde fazer comparações espúrias com o José Afonso – o que é tão estúpido, anacrónico e insultuoso para o próprio como para os Deolinda, pois, como devia ser sabido, cada roca com seu fuso e cada tempo com seu uso… – até aproveitar para menosprezar ou mesmo denegrir a imagem do grupo musical, numa prática muito própria dos portugas retardados ou diminuídos mentais por razões não fisiológicas, mas bem instalados nas tetas da porca estatal, tudo tem valido para esses mais desvairados gurus da nossa praça lavrarem as sentenças mais disparatadas a propósito… de tal despropósito.

Ouvidos, lidos ou vistos, curiosamente nenhum, poucos, muito poucos tiveram o discernimento ou o golpe de asa de apurar, tão-somente, que o único paralelismo legítimo a considerar nestas considerações é a capacidade mobilizadora que uma canção pode ter, de súbito arvorada em bandeira de um qualquer movimento social de descontentamento que não encontra, à mão de semear, outro modo expedito de se manifestar.


- Nova crónica no blog PersuAcção - podem ver toda a crónica AQUI.

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:12


fevereiro 24, 2011

é dia de aniversário


é dia de aniversário
um dia mais
ordinário
um dia menos
urgente
há-de ser
de modo vário
jamais um dia
indiferente
que não seja outro fadário
por se viver
entre gente

por isso
de aniversário
quero ir contra a corrente
e contra o jeito do dia
que se adia perdulário
ao dia
de modo vário
hei-de achá-lo mais
à frente.

 

Ontem e a prolongar-se noite adentro até hoje, com o Oeiras Verde, uma homenagem ao Manuel Freire, no Chapitô, em Lisboa. Belo modo de se começar um dia...


... e ainda que a luz dos dias (como a das noites) não seja de grande fulgor, uma vez mais pudemos ver que, contra ventos e marés, a vida pula e avança, como bola colorida entre as mãos da uma criança. E, também, sim, que é pelo sonho e pela poesia que nós vamos.

E que, se assim não for, não iremos a lado nenhum...

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:50


fevereiro 22, 2011

Há tantos anos a jogar ao rapa, chegou a vez do dominó
- novo artigo de opinião no blog Persuacção

O que fará mover aquele mar de gente que perturba a tão aparente quanto frágil quietude dos países do norte de África? O que leva a que tantos homens e mulheres, avós, pais e filhos, desçam à rua com gritos e pedras de revolta que tanto afligem a nossa pantanosa pacatez?

E afligem porquê? Porque não temos o expediente fácil e costumeiro da cegueira do conflito religioso ou, até, da alienada paixão clubística, na origem de tão imensas multidões? Porque a evidência de se estar disposto a dar o corpo às balas pela causa da justiça social está tão afastada assim das penosas consciências europeias ou «ocidentais»?

A verdade é que, talvez ainda algo afastados das realidades quotidianas que originam tais revoltas, nós, portugueses, aqui bem perto, temos vindo a ser conduzidos para esse redil de iniquidades sociais, através de diversos processos de anestesia, quase sem um estremecimento, quase sem um pestanejar.

- ler o restante artigo AQUI

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:52


fevereiro 20, 2011

Arquitectura - a poética do lugar,
com Miguel Brito

Feita a apresentação do nosso convidado, Miguel Brito, através de texto seu publicado no livro (Per)Cursos de Cascais - Um Mar de Escritas, colectânea de trabalhos a várias mãos, com edição da Câmara Municipal de Cascais, originada numa prazenteira Oficina de Escrita Criativa, que ambos frequentámos e onde travámos conhecimento...     





... foi dada a palavra ao convidado.






Com um sábio e notável humor - que lhe conhecemos, mas que urge divulgar -, um discurso fluido, um empenho discreto mas firme, decorreu a sua palestra de saberes, dirigida como seta ao objectivo primeiro destas nossas sessões: a vida, articulada nas suas multiplas manifestações, com a poesia. Se o pretexto é a Arquitectura, pois que seja. 

E em boa hora o foi, no passeio proposto por Miguel Brito, que nos foi levando pela mão através dos conceitos do belo e das justas proporções das coisas, sempre com a margem de fuga para a individualidade de cada abordagem, ainda que tendo presentes as pontes que promovem os pontos de encontro. 

Excelente a empatia e a interacção criadas entre o palestrante e a audiência! - E se me acusarem do exagero de adjectivos... pois, se tivessem assistido, me diriam...   
















Depois - e como sempre - poema a poema, opinião a opinião, a noite foi decorrendo sem se dar por ela, com as prestações habituais, que nos dão tanto gozo ainda que sempre causem surpresa, mas também com cada recém-chegado, que logo se integra no espírito do momento, como se sempre tivesse feito parte da «casa», mas enriquecendo-a com novas divisões, outras janelas, portas abertas para novos mundos, onde a diversidade é superior material de construção neste edifício de afectos.   


O arquitecto Miguel Brito, sendo «agraciado» com o certificado de louvor e agradecimento que a senhora Vereadora do  pelouro da Cultura da Câmara de Cascais, Ana Clara Justino, faz questão de fazer chegar a cada um dos nossos convidados, numa manifestação de cumplicidade que fazemos, também nós, questão de sublinhar.  

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 13:39


fevereiro 16, 2011

convite - Arquitectura - a poética do lugar
na próxima sessão das
noites com poemas


«Construir arquitectura é dar corpo aos sonhos, dar significado às ideias, expressar um diálogo entre a sociedade e a envolvente. Descobrir os meandros da arquitectura é explorar a natureza humana na realidade construída. Arquitectura é arte poética construída. Viver os lugares pode ser um acto poético

Isto me disse Miguel Brito, arquitecto e alegre companheiro destas aventuras pelos caminhos das palavras, aquando do encontro em que combinámos esta sessão das Noites com Poemas, na qual ele será o promotor do tema.

Dia 18 d Fevereiro (sexta-feira), pelas 21h30, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana, como sempre, contamos com a presença de todos e de cada um, também com um poema de sua lavra ou um poema que, tão simplesmente, lhe tenha caído no goto e que lhe apeteça partilhar.

Poderia, ainda, para mais suscitar a vossa curiosidade, trazer-vos um mimo, que a mim me apetece chamar poema, da nota de apresentação de um livro de Miguel Brito:

O Palácio das Fadas Tristes
É um pequeno conto de fantasia.

Tanta gente passa frente a esta ruína,
E tão poucos pensam nela.
Desconhecida a sua origem,
Esquecidos os seus habitantes,
Fica o sonho mudo feito de pedra,
O espaço por viver de um sonho maior:
Habitar e ser feliz.

E as fadas do tempo
Habitam o espaço
Que os homens esqueceram.



Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 16:25


fevereiro 14, 2011

namoro... (porque não...?)

dias há em que volto a ser poeta
que por mim passa a lonjura do futuro
e tão só por reparar nos teus olhos
sempre perto do horizonte a descoberto

dias desses não são raros
mas esparsos
surgem num virar de esquina
num momento
numa rua da cidade que percorro
nesse instante em que vou
de encontro ao vento

é então que até pedras da calçada
redescobrem o desenho de algum mar
onde perco o andar no teu olhar
animado pelos tons das madrugadas.

- poema de Jorge Castro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:01


fevereiro 13, 2011

Oeiras Verde com a APOIAR

Integrando os jograis Oeiras Verde, estivemos ontem a apoiar a APOIAR, com uma sessão de poemas na tomada de posse da sua nova Direcção, a convite de João Sobral.


A APOIAR - Associação de Apoio aos Ex-Combatentes Vítimas do Stress de Guerra, fundada já em 1994 - como tantas outras organizações civis por esse Portugal fora - desenvolve uma tão espinhosa quanto meritória missão, porventura no desconhecimento da grande maioria da população e até daqueles que benefciariam directamente da sua obra.


Nada nos parece de especial transcendência, até ao momento em que, trocando impressões ligeiras com um velho combatente, sem aviso, ele se destrambelha em lágrimas apenas por recordar determinada data, um certo dia em lugar certo, para o qual de súbito incontroladamente se transporta e que arrasta consigo uma imensidão de emoções de que não consegue libertar-se. E vão passados quarenta anos... parecendo-lhe a ele que foi ontem.


João Sobral, que integra a actual Direcção, no seu discurso de apresentação e anúncio de novas acções que divulguem a existência da APOIAR, mormente junto daqueles que com ela possam colher benefício. 


Antecedeu a actuação do nosso grupo a violinista Raquel Cambournac...


... logo seguida, então, pelo Oeiras Verde, que teve o melhor acolhimento... 


... e a quem se juntou o João Sobral, fazendo uma «perninha» e recordando a sua participação no grupo de que também já fez parte. 


Irá a APOIAR desenvolver, ao longo de 2011, uma série de acções e colóquios, especialmente localizadas na região de Lisboa, no sentido de divulgar junto da sociedade civil - Câmaras, Juntas de Freguesia, Centros de Saúde, Bombeiros, Universidades, outras Associações, cidadãos em geral - a sua acção, para que maior número de ex-combatentes, possíveis vítimas deste drama tão escondido, possam vir a beneficiar do seu apoio.

Sabendo nós que os mobilizados para a guerra nas ex-colónias ultrapassou um milhão de indivíduos e quão «politicamente incorrecto» é suscitar estas matérias, encobertas por mantos de vergonha e incompreensão, fácil será avaliar o alcance, ainda hoje, de tal missão.

Nas sessões já previstas e anunciadas no cartaz acima, o Oeiras Verde terá o maior gosto em dar o seu contributo.

Aqui ficam meios de contacto com a APOIAR, para quem esteja interessado ou conheça quem o possa estar:

Morada: Rua C, Lote 10, Loja 1.10, Piso 1 - Bairro da Liberdade, 1070-023 LISBOA
Tel.: 213808000
Tm: 961953963
Fax: 213808009
  

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:27


fevereiro 11, 2011

quem nos ouve?

quem nos ouve?

quem experimenta a imensidão do silêncio
em frente a este mar sem fúrias?

fica-nos o dedilhar intenso da guitarra de Paredes
na esperança viva de semear centelhas
sobre as águas

acordar
sim
acordar
deste torpor de cadeias
que nos deixamos impor
como se de nada fôssemos ninguém

correr à frente da vida
tangendo cordas prementes de infinito
que se encontram sempre ao alcance da mão em voo
apesar das neblinas

quem nos ouve senão nós
se estamos sós?

- poema de Jorge Castro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 08:31


fevereiro 08, 2011

a mão estendida de alguns pobres ricos...

... no blog PersuAcção, poderão ver a crónica completa. Mas poderão ver muito mais, que vão ficando por ali excelentes textos de vários autores que eu recomendo, sem excepção...

Então, na minha mais recente crónica, digo eu que...

Uma das coisas que caracteriza a idealizada «sociedade de informação» em que supostamente vivemos é, exactamente, a proliferação de fontes de desinformação, que criam ao vulgar cidadão uma dispersão aleatória de abordagens sobre cada assunto em análise, geradora, afinal, de uma opacidade para a interpretação, que conduz a que nunca saibamos onde se encontra a verdade… ou, sequer, uma réstia dessa verdade, que nos ilumine o viver.

Vem este arrazoado a propósito do drama terrífico das escolas privadas e/ou cooperativas ou associativas – desde logo é necessário ser um iniciado para se perceber do que se trata – que, à míngua de subsídios estatais, mesmo ao arrepio de anteriores situações contratualizadas, diga-se, poderão ver-se constrangidas a despedir docentes e pessoal auxiliar (se é que, destes, ainda os têm), prescindir de equipamentos e de oferta ou, até, fechar as portas, para descabelamento desesperado dos «ricos» (ou talvez não…) progenitores das pobres crianças… e tal… e tal…

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:27


fevereiro 04, 2011

a poesia é como o azeite... e foi!

Ora, então, mais uma prova superada...


Na Livraria-Galeria Verney, em Oeiras, fomos recebidos por Maria José Rijo, que fez a s honras da casa... 

Após breve introdução, sob o lema de que a poesia, bem como o azeite, farão de nós dos povos mais interessantes do mundo, que mais não seja através destes dois produtos do homem, a poesia e o azeite, que, segundo consta, poucos fazem tão bem e em tal quantidade per capita quanto nós, passamos rapidamente à ordem do dia.

Ora, entre a terra que temos e a gente que somos, mais uma vez ficou provado que a Vida tem muito mais encanto fora do défice e outras anormalidades impostas. E a tarde fluiu...  


 






A sala, apesar da hora pouco propícia, esteve sempre muito bem composta e com tendência a aumentar de espectadores, à medida que o tempo passava e alguns se conseguiam ir libertando de outros compromissos. 



Houve um tempo para cantar, também, individual e colectivamente, pois que a palavra cantada também ajuda a transpor objectivos e a congregar espíritos...




Propus o meu poema acima para entoar em coro, com a música do Malmequer... e nem foi necessário ensaio para a coisa resultar em pleno.





Quando possível, um espaço aberto aos que queiram congregar-se ao evento, com participações sempre benvindas.



A Estefânia e o Francisco em boa hora se dispuseram a fazer com que o gosto do azeite fosse além da sugestão da palavra e compuseram uma mesa em forma de poema, a que os circunstantes prestaram as honras devidas.


Agradecimentos a todos quantos deram corpo a mais este simples gesto de cidadania, com destaque para o João Baptista Coelho, o Francisco José Lampreia, o Carlos Peres Feio, o David José Silva, a Maria Francília Pinheiro, o Oeiras Verde e a Estefânia Estevens, que deram corpo ao manifesto, mas também à Ana Freitas e à Eli que, de longe, ainda assim fizeram questão de participar.

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 16:30


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas