<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
junho 30, 2011

estou vivo, inteiro... e apenas com mais uma semana do que na semana passada...

Amizades,

Por alguma circunstância de que ainda não apurei a origem - nem tal será muito relevante, pois as razões serão bem intencionadas - consta, de há cerca de uma semana para cá, que eu teria sido vítima de grave acidente de carro e estaria internado algures.

Temos, eu e familiares, recebido contactos diversos no sentido de apurar qual o ponto da situação, o que ocasionou já uma ou outra perturbação relacional. Nada de grave e, uma vez mais, tendo por trás as melhores intenções.

Mas porque acaba por subsistir alguma incomodidade no ar, aproveito este meio para informar de que, a haver algum acidentado, terá sido algum homónimo, pois por aqui - lagarto, lagarto! - tudo está a correr sobre rodas, sem qualquer tropeção, até ver.

Já agora, se alguém quiser comprovar o que fica dito, sempre pode deslocar-se amanhã, dia 01 de Julho, à Quinta dos Gafanhotos em São Domingos de Rana, pelas 18 horas,onde irei apresentar o livro de Ana Duarte Baptista Pereira, Os Bombeiros Voluntários de Carcavelos e sua Freguesia - 1911 - 1961, I Volume, em programa integrado na iniciativa Rumo ao Centenário, que se conclui no dia 02 de Julho.     

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:09


junho 25, 2011

amizades, orgulhos, comemorações, saberes...

Integradas nas comemorações Rumo ao Centenário da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Carcavelos e São Domingos de Rana, inúmeras têm vindo a ser, nos últimos quatro anos, as actividades que irão culminar no próximo dia 02 de Julho de 2011, para as quais tenho tido o prazer e a honra de ser convidado para participações de diversa índole.


Desta vez, com a colaboração ilimitada da Junta de Freguesia de Carcavelos, na pessoa da sua presidente Zilda Costa da Silva, teve lugar a exposição de Pintura do meu amigo Arnaldo Pereira Coutinho, com o título Para lá do Arco-Íris...


... que mereceu honras de gradas personalidades, mas da qual eu gostaria, entretanto, de destacar o grande encontro de amizades que decorreu, por esse ameno fim de tarde, em Carcavelos.  


Coube-me a mim (...!...) a dificuldade de apresentar a exposição de Pintura... A mim que sei de palavras tão pouco e da arte das tintas quase nada. Mas, ainda assim, descobri outras artes, com o auxílio preciosíssimo da Vera e do Nuno, para surpreender o meu amigo com um imenso abraço, que fica memorável... 


No fim, claramente, muitos fomos os irremediável e irreparavelmente culpados, como sem sombra para dúvidas declarou o interessado e vítima assumida de tão grande culpa... 


«Os olhos estão presos ao que os os pés alcançam...»
(Pés-mira - óleo sobre tela - 30x50)


«Pai, qual é o destino para que eu nasci? E o Pai disse: é aquele que sonhares.»
(Vera Paz - Óleo sobre tela - 80x40)


Para lá do Arco-Íris, lugar que se pode visitar no salão nobre da Junta de Freguesia de Carcavelos até ao próximo dia 03 de Julho.  E há sempre ouro no local exacto onde o arco-íris encontra a terra...

*


No dia 25 de Junho, passeio por terras de Tires e de São Domingos de Rana, com visita à Quinta dos Caniços, passeio e visita guiados pelo professor Fernando Catarino, com a vitalidade, os saberes e a irreverência que lhe estão entranhados na pele...  


... mostrando-nos as cores da terra - de onde viemos e para onde vamos - com a sólida sustentação das evidências, ali ao alcance da mão...


... suscitando as pinturas - também ele - que o calor dessa terra nos pode proporcionar e que se encontram, afinal, tão perto de um olhar distraído...


... com uma veemência que lhe é muito própria e perante a qual não custa nada deixarmo-nos convencer.

- Fotografias de Lourdes Calmeiro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 18:10


junho 21, 2011

convite - exposição de pintura
para lá do arco-íris
de Arnaldo Pereira Coutinho


Dia 22 de Junho (quarta-feira), pelas 19 horas, na Junta de Freguesia de Carcavelos, Arnaldo Pereira Coutinho traz-nos as suas pinturas, em exposição integrada nas Comemorações do Centenário da Associação Humanitária dos Bombeiros de Carcavelos e de São Domingos de Rana.

Uma outra faceta inesperada de um bom amigo, que muito prazer me dá apoiar, tanto mais que tenho para mim ser esta uma excelente partilha que faço convosco...

Para lá do Arco-Íris, esse o lugar do mistério dos afectos onde nos poderemos encontrar na próxima quarta-feira.

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 20:26


junho 20, 2011

a infância é um território desconhecido
com Helena Vasconcelos


Tema polémico, controverso, apaixonante, perturbada a sua análise objectiva pelo fluir dos dias e absorção de saberes, ainda assim objecto de permanente demanda, como se de outro sagrado cálice se tratasse, este foi o desafio com que nos brindou...  



... Helena Vasconcelos propondo-nos a redescoberta do prazer da fantasia através da sua visão sobre a obra de diversos autores que retrataram, cada um a seu modo, esse «fenómeno» estranho...


... que nos ocorre a todos durante escasso período da nossa vida e que tendemos a esquecer, por vezes tão intensamente que de alguns nos parece nunca terem por lá passado. 


Contamos com uma audiência interessada e participativa, correspondendo também cada um a seu modo ao exercício evocativo proposto.


Seguiu-se a ronda habitual de poetas e de poemas. E uma vez mais, como sempre, é digna de menção destacada a perseverança participativa de quantos se atrevem a dar o passo em frente nesse exercício de tão grande exposição mas, ao mesmo tempo, de tão grande partilha que é a leitura de um poema.











Habitual será ela, ainda que sempre novos autores nos surjam em cada Noite de Poemas, como foi o caso de Irene Cardona e de Isabel Maia; novos poemas, novas sensibilidades, em salutar e livre exercício de ser e de estar cuja diversidade é elemento de grande estímulo e, também ela, fonte de inspiração.  

- Fotografias da autoria de Lídia Castro e de Lourdes Calmeiro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:02


junho 15, 2011

noites com poemas
a infância é um território desconhecido
convidada: Helena Vasconcelos

- cartaz de Alexandre Castro

A Infância É Um Território Desconhecido (edição da Quetzal), título por si só desafiador e intrigante quanto baste para nos suscitar a atenção dispersa, refocando-a, e que Helena Vasconcelos nos trará nesta sessão de Junho de 2011 das Noites com Poemas.

Entre o menino imensamente bom ou irremediavelmente vilão fica, algures, o ponto multifacetado do equilíbrio de cada um de nós. Mas muito mais transcendente será essa absoluta capacidade para a fantasia, respirada e vivida a longos haustos na meninice, e à qual a vida – a que melhor se chamará vidinha – vai apagando cor e contornos…

Helena Vasconcelos perscrutou essa evidência e buscou-lhe os mistérios. E irá levar-nos nessa máquina do tempo, em busca de nós, ali muito perto do que afirmava Picasso quanto à evidência de que «toda a criança é artista. O problema é como permanecer artista depois de crescer».

De resto e como se sabe, o local é a Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana (Bairro Massapés, Tires), pelas 21h30 do dia 17 de Junho de 2011.

Nós por lá estaremos, cheios de interesse e de poemas. E sempre com espaço e lugar para mais um… ou mesmo mais.

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:45


junho 14, 2011

outra vez a mulher de César, agora com os votos já contados...

Um exercício que me parece democraticamente interessante, em período de «novo» ciclo governativo, havia de ser o levantamento dos bens patrimoniais dos elementos do elenco governativo cessante e correlativa comparação com esse mesmo património antes do nobre exercício de governação da coisa pública.

Dir-me-ão que não é bonita esta prática, porventura com laivos persecutórios e, sobretudo, de ética muito discutível, porquanto teria de ser levada a cabo pelo novo poder na governação ou, no mínimo, sob o seu alto patrocínio, o que, perante a evidência da «alternância democrática», levaria a que, frequentemente, os cessantes fossem escrutinados pelos mais recentes adversários.

Ora, com tais pruridos, estaremos apenas a contrariar a transparência democrática com os panos negros do preconceito, alimentando assim as mais vis suspeitas e, inquinando, outra vez, o regime. (...)

- Ler o artigo completo AQUI - 

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:00


junho 11, 2011

fotografando o dia (166)


o voo das aves

voo belo
agreste
vário
quem dele diria
que serve
para o sustento diário?


- fotografia e poema de Jorge Castro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:52


junho 08, 2011

ode à Primavera

ah
a Primavera
senhores
vou-me asinha
peregrino
à floresta de amores
sem destino
sem ter tino
duendes
fadas
flores
lascívias
doces quebrantos
e um céu
pelo arvoredo
mais azul que os agapantos

saltam faunos
saltam ninfas
deidades mil
ansiedades
sobra o verde
sobre o medo
cheio de verdes encantos
borboletas esvoaçam
entre flores que entrelaçam
a maciez das colinas
e águas rumorejantes
refrescam breves recantos
nos instantes de um olhar
como o pulsar desta mata
que palpita e se desata
se eu nela me embrenhar
soltam-se as aves dos ninhos
vozes de fazer caminhos
estevas e matagais

brilha a vida em cada alfobre
que sobre a vida nos sobre
na senda de viver mais
vive a vida a Primavera
contra a amargura dos ais

e
senhores
está ali à espera
da montanha à serrania
da serrania à planura
no sentir cheiro da terra
em mãos cheias da aventura
que vem do alto da serra
ao madrugar orvalhada
cresce a crescer cada dia
cresce além da desmesura
esta vontade de vida
seja por tudo ou por nada.

- poema de Jorge Castro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:41


junho 07, 2011

Reflexões pós-eleitorais – dos eleitores às sondagens

Tendo ainda bem presente o incontornável quantitativo de 41,1% de abstencionistas, neste mais recente processo eleitoral para a Assembleia Legislativa, quantitativo tão avassalador que retira, na minha mais do que modesta opinião, alguma legitimidade democrática, em sentido estrito, a qualquer força política que não tenha obtido votos de idêntica proporção, é com a maior perplexidade que ouço, da boca do primeiro magistrado da nação, Cavaco Silva, a emissão pública da sua própria dúvida relativamente aos números em presença.

Segundo ele, as listas de votantes, a nível nacional, carecem de expurgo de inúmeras situações obsoletas, adiantando que o número total de eleitores não deve exceder os oito milhões e quinhentos mil… ou por aí.

Ora, sabendo nós que os números «oficiais» apontam os nove milhões e quatrocentos-e-tal mil, estamos em presença da perturbante realidade de existir cerca de um milhão (!!!) de eleitores «desaparecidos em combate» e que se encontram a sobrecarregar indevidamente os cadernos eleitorais.

Esta ocorrência, a confirmar-se, subverte de forma dramática todas as contabilizações eleitorais a que vamos assistindo, bem como as decorrentes análises e, até, consequências políticas inerentes. Uma minudência de uns 15% de eleitores que não existem… (...)

Ver o artigo completo AQUI

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:01


junho 06, 2011

Legislativas 2100 - venceu a abstenção...
o resto já se previa

41,1% do universo eleitoral português considera que, porventura, a vida rupestre pode ser um desígnio de futuro a considerar. Dito de outra maneira, três milhões oitocentos e setenta e cinco mil e vinte e dois portugueses não sabem (ou não querem saber) que o são. Mais do que aqueles que votaram nos dois partidos com maior número de votos (PSD e PS).

Enquanto, em metade do mundo, pessoas (como nós) dão a vida para poderem alcançar esse direito/obrigação de exercício de cidadania, 41,1% dos portugueses eleitores consideram que o mais indicado é estarem-se nas tintas e amanharem a vidinha… ou deixarem-se emaranhar por ela, que vai quase dar ao mesmo.

A verdade é que esta malta não vota. Ou porque o seu sentido de nação se encontra diluído numa miríade de deformações filosóficas ou por mera incapacidade de estabelecerem meia-dúzia de ligações neuronais que provem, a si e aos outros, que ainda vivem, ainda mexem, ainda respiram e que o ser humano – qualificação ou epíteto em que eles ainda se integram, é um ser eminentemente social. (...)

Ver a crónica completa AQUI

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:03


junho 03, 2011

Mas votem!

Votem, por desgosto, por convicção, melancolicamente ou por desfastio, por amor ou por cidadania, por revolta ou por afecto, porque consideram que cada vez se vive pior ou, pelo contrário, porque cada vez se vive melhor, pela transcendência da vossa individualidade ou pela subjectividade do superior desígnio do concerto do universo, votem!

Votem pelos netos, pelos filhos, pelo vizinho, mas principalmente por vós próprios e por todos os demais, sem os quais pouco ou nada somos, votem!

Votem, também, pelos impostos que se pagam; façam ouvir as vossas vozes cuja intensidade deixará aos governantes passados e futuros a noção mais clara de que, afinal, a impunidade talvez não fique tão impune por desmandos praticados, votem!

Votem, pois se não o fizerem a vossa responsabilidade por omissão é tanto ou mais gravosa do que a daqueles que nos têm preenchido a vida de desconsolo. Votem!  

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 08:55


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas