<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
abril 25, 2013

sempre que o homem quiser...


estar em Abril é assim...

estar em Abril é assim 
uma vontade de ser 
de criar e de crescer 
num tempo que é de outro modo 
o tempo de criar pão 
e saber ser mundo todo 
sempre ao alcance da mão 

estar em Abril é assim 
um olhar de frente a vida 
por mais que alguém o desdiga 
e um desdenhar da sorte 
quando se dá a passada 
naquela dura jornada 
em que a vida perde o norte 

estar em Abril acontece 
quando dentro de alguém cresce 
um grito cru de esperança 
e na espuma do medo 
num velho muro se escreve 
um poema - um cravo breve 
verde e rubro de mudança 

estar em Abril é bandeira 
que se hasteia numa praça 
quando vem lá outro alguém 
que é alguém de outra maneira 
e na orla da desgraça 
canta contigo também 
canções no vento que passa 

estar em Abril é assim 
sentir-te perto de mim 
quando a mágoa nos afasta. 


- Jorge Castro 

25 de Abril de 2013


A Poesia Está Na Rua - Vieira da Silva

Etiquetas: , ,


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 06:00


abril 22, 2013

o Mirandês, com Amadeu Ferreira,
nas noites com poemas

Tratava-se, então, no passado dia 19 de Abril e na Biblioteca Municipal de Cascais - São Domingos de Rana, de dar voz ao Mirandês e à sua espantosa resiliência - digo eu, lançando mão deste «palavrão» tão em voga - através da voz de quem tão bem lhe conhece o corpo e a alma, o nosso convidado Amadeu Ferreira, personagem de créditos bem firmados na matéria.


Como sempre, perante uma sala confortavelmente preenchida, coube-me sucinta intervenção de apresentação, anunciando o que estava para vir:

- fotografia de José Freitas

- uma sessão integralmente em torno do Mirandês e da poesia de Amadeu Ferreira, vertida nas autorias de Fracisco Niebro e de Fonso Roixo, bem como de Marcus Miranda, sendo este, preferencialmente, um tradutor de clássicos latinos (Catulo e Horácio), com preponderância em peças de teatro, mas com incidência próxima também na poesia daqueles autores.


Tratando-se de Miranda - que tentei trazer para perto de todos, até na vestimenta - algum arrebatamento, ao nível dos afectos, se me impunha, para o que contei com a complacência do nosso convidado. 


Depois, a palavra ao excelente comunicador que o professor é. Com vivacidade, ritmo e paixão, Amadeu Ferreira levou-nos a passear pelo linguajar (linguajares?) das terras do nosso nordeste... mas sempre em Mirandês, obrigando-nos a redobrada atenção, para não lhe perder pitada... 


... ainda que sempre mantivesse a preocupação da sua inteligibilidade, em relação à assistência.


Assim percorremos, afinal, diversas disciplinas da História, enriquecendo a moldura do quadro mirandês que Amadeu Ferreira nos ia, vividamente, pintando... 


... e ilustrava com poemas extraídos dos seus diversos heterónimos em livros como Cebadeiros, Pul Alrobés de Ls Calhos, L Mais Alto Cantar de Salomon, Ars Vivendi-Ars Moriendi, LPurmeiro Libro de Bersos...


... através dos quais dá livre curso, também, ao seu combate em defesa da grandeza e dignidade de uma língua que o é de corpo inteiro, como muito bem documentou também através da leitura 
de diversas estrofes de Ls Lusíadas an Mirandés, com retroversão de sua autoria.



Foi-me dado, ainda, o privilégio de usufruir de um mano a mano e partilhá-lo com toda a assistência, em volta de um poema de minha autoria, em pertués i mirandés, 
com a prestimosa ajuda do professor Amadeu Ferreira

- fotografia de José Freitas

Por fim e continuando a matriz que enforma estas nossas sessões, 
foi dada a palavra a quem se afoitasse a usá-la:

- fotografia de José Freitas

Adelaide Monteiro trouxe-nos poemas mirandeses de sua autoria,
colhidos no seu livro Antre Monas i Sebolácios



E mais disseram, nesse entrelaçar de poemas que ocorre na parte final das nossas sessões: 

- Mário Baleizão Júnior


- Ana Freitas, que ousou homenagear Adelaide Monteiro, lendo um poema desta autora em Mirandês... 


... o que bem pareceu cair no goto do nosso convidado, para além do da própria autora, claro.

- Rosário Freitas

- João Baptista Coelho

- Inês Santos

- Eduardo Martins

E assim decorreu prazenteira e alegremente esta sessão em redor do Mirandês da qual vos poderei assegurar, com o maior respeito por todos os anteriores convidados, que não terá sido melhor nem pior, mas que foi, seguramente, diferente.

Aqui deixo testemunhado o meu enorme agradecimento ao professor Amadeu Ferreira pela sua disponibilidade, empenhada e, diria até, militante, tanto quanto pela vivacidade que teve artes de imprimir a este nosso encontro.

- Todas as fotografias, com excepção daquelas devidamente identificadas, são da autoria de Lourdes Calmeiro.

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 18:35


abril 21, 2013

Maria Francília Pinheiro
(30/01/1934 - 20/04/2013)


Faz-te ao Largo

Depois da ventania me levanto
Como o bambu em pleno canavial.
O choro aprendi a afogar e o pranto,
Lembrando dizeres de velho ancestral:

É tempo de arribar do teu quebranto!
Vê como é belo o espaço sideral...
Cuida a ternura, a graça e o encanto
Dos pombos que namoram no pombal...

O medo de ter medo é que destrói.
Lava as feridas. Não te importes se dói.
E faz-te ao largo em estrada não andada...

Procura a força. Está dentro de ti.
Mas nada importa. Olha o mundo e ri, 
Que o Sol traz amanhã outra alvorada!...

- Maria Francília Pinheiro,
in Poesia que a Mágoa Tece, Lisboa, 2007)

Adeus, boa amiga, companheira das palavras e dos versos que nos sustêm. Deixas-nos a inveja dos deuses do Olimpo - de quem tanto nos falavas - pois serão apenas eles, agora, a sentir o teu arrebatamento poético... Pelo menos até àquele dia em que todos nós, pó das estrelas, partilharmos de novo a comunhão das palavras onde tu, com especial mestria, nos envolvias.

Até sempre, pois, amiga Francília, tu que pela força dessas palavras asseguraste um lugar imorredoiro na nossa memória. Daqui, deste terreal lugar, o meu beijo, o nosso abraço. 

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:18


abril 18, 2013

noite com poemas
com Amadeu Ferreira e a língua mirandesa



Cá vai o convite mensal para a nossa 85ª sessão das Noites com Poemas, que terá lugar no próximo dia 19 de Abril de 2013, pelas 21h30, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana.

Desta feita, cá vos proponho o ensejo de escutar sonoridades da nossa outra língua oficial, em território nacional, o Mirandês, por parte de quem tão bem o cultiva, Amadeu Ferreira. Dele se dirá, muito sucintamente:

Amadeu Ferreira (Sendin, 29 de Júlio de 1950) ye abogado, i porsor cumbidado an la Faculdade de Dreito de l'Ounibersidade Nuoba de Lisboua, i cuntina a ser un de ls percipales respunsables pula promoçon de l Mirandés, sendo pursidente de la Associaçon de Lhéngua Mirandesa, cun sede an Lisboua, i tenendo traduzido yá 'Ls Quatro Eibangeilhos', 'Ls Lusíadas' i bários poemas de Bergílio i Hourácio.(http://mwl.wikipedia.org/wiki/Amadeu_Ferreira)

Será, então, esta uma sessão integralmente em torno do Mirandês e da poesia de Amadeu Ferreira, vertida nas autorias de Fracisco Niebro e de Fonso Roixo, bem como de Marcus Miranda, sendo este, preferencialmente, um tradutor de clássicos latinos (Catulo e Horácio), com preponderância em peças de teatro, mas com incidência próxima também na poesia daqueles autores.

Uma língua identitária, fruto de um modo de ser e de estar que a fez sobrevivente desde tempos imemoriais, matriz de uma comunidade que teve artes de não a deixar cair em perdição, contra ventos e marés de contrariedades ou contrariando preponderâncias de cultura dominante. Um exemplo a seguir, digo eu, em tempos tão aziagos para a afirmação da diferença cultural que tantos de nós ainda persistem em cultivar, a bem da riqueza maior da Humanidade na diversidade.

Dar-se-a prioridade, no momento destinado a quem assista a esta sessão aos que se afoitem a trazer e dizer um (ou mais) poema(s) em Mirandês, claro.

Lá vos esperamos.

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:26


abril 11, 2013

este IRS troicado...

O que eu mais aprecio, mas aprecio mesmo, neste atoleiro do qual não há modo de sairmos, é a disfunção sistémica de que enfermam os «serviços» na sua relação com o povo.

Vejamos: o cidadão sai cedo do seu emprego; corre para casa, através do trânsito urbano abstruso. Arma o estendal papeleiro em casa, avisando a família de que, hoje, o jantar deve atirar para mais tarde. Tudo avisado, arregaça as mangas, limpa os óculos, cata a máquina de calcular, distribui criteriosa e ordenadamente os incontáveis papelinhos que coleccionou, religiosamente, toda a família durante um ano.

Apresta-se a cumprir esse ritual de cidadania, ainda mais urgente nesta «terrível crise que atravessamos», mas ritual que tem tanto de imperativo cívico como de masoquismo penitente... e liga o computador portátil.

Passwords e o camandro, ei-lo a digitar... ou melhor, a tentar digitar as permissas de acessibilidade. E eis-nos no reino do Serapião, que é uma coisa que ninguém sabe o que é e eu também não:


(NOTA - acabadinho de ocorrer num sítio perto de mim...)

Pois eles serão «o mais breve possível», seja lá isso o que for no mau português que esta gente (ab)usa. Eu é que me sinto, subitamente, muito abaixo do corno da história!

E escusam de clicar aqui ou ali ou na pata que os pôs, que aquilo não abre para lado nenhum. Vais ver que isto tudo é por culpa do chumbo do Tribunal Constitucional...

Vá, agora cantemos todos: 
meninos, vamos à tróica, ó ai,
que a tróica é maravilha
metei o IRS, ó ai,
ali onde o Sol não brilha!

Raismaparta mais esta incomodidade constante de não ter nascido no Canadá, carais!!!   

Etiquetas: ,


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 18:49


abril 07, 2013

homenagem a José Leite de Vasconcelos
no Museu Nacional de Arqueologia (Lisboa)

No passado dia 22 de Março, no seguimento de convite formulado pelo director do Museu Nacional de Arqueologia e em sessão integrada na comemoração do 120º aniversário do Museu, mas abrangendo também o Dia da Poesia e da Árvore, tive o grato prazer de fazer uma homenagem a José Leite de Vasconcelos, em forma de poemas.

Para além do apontamento em imagens do evento, deixo-vos, mais abaixo, o meu breve texto introdutório da sessão.
- Acolhimento pelo director do Museu, Dr. António Carvalho




 - Visita guiada à exposição permanente, patente no Museu, sugerida pela selecção de poemas apresentados


Sessão de homenagem a José Leite de Vasconcelos, 
na comemoração do 120º aniversário 
do Museu Nacional de Arqueologia

José Leite de Vasconcelos, fundador deste espaço museológico, então chamado Museu Enográfico Português, é exemplo maior e perene de um amor entranhado a esse todo difuso mas preciso que é o SER PORTUGUÊS e da História maiúscula deste povo, amálgama de povos, para o que contribuiu calcorreando incansavelmente as sete partidas de um mar multidisciplinar de saberes, do passado como do presente, em áreas tão diversificadas como complementares, tais como a Etnografia, a Numismática, a Arqueologia, a Filologia e a Linguística, a Literatura e, dentro desta, a Poesia!

Perante tantos e tão profundos conhecimentos e testemunhos que apercebo, eu retiro-me discretamente, deixando espaço a investigadores credenciados, a quem cumprirá transportar, para nosso gáudio e ilustração, esse archote de luz dos saberes nas trevas que teimam em pretender invadir-nos.

Mas que me seja, então, permitido, abusando da vossa condescendência, dar destaque exclusivo – aquele que está ao meu alcance tão só pela minha voz e entendimento – a esta sua costela, a de poeta…

Quem sabe, neste espaço que nos transporta pela vida fora, fazendo reviver a missão dos bardos ancestrais, transmutando, então, o Museu de Arqueologia que desfrutamos hoje na clareira iluminada da floresta, rodeados de frondosas árvores – que também aqui se celebram –  ou em redor do fogo primordial, onde a transmissão de saberes ocorria pela oralidade, no afecto e aconchego da palavra e na proximidade e comunhão de destinos dos elementos do clã.       

Com uma actualidade que emociona e desperta, a poesia deste nome maior da cultura portuguesa mantém-se fonte de inspiração que atravessou o tempo em busca de nós. 

Lisboa, 22 de Março de 2013

Etiquetas: , ,


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 16:41


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas