<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
março 30, 2004

Mar Lúcido

Ontem tive o privilégio de assistir ao lançamento do livro de Saramago, o "Ensaio Sobre A Lucidez", bem como aos comentários-debate com que José Barata Moura, Mário Soares, Marcelo Rebelo de Sousa, para além do autor, obsequiaram os presentes.

Algumas ideias-mestras interessantes para reflexão, sugeridas pelos intervenientes:

1. Porque não se discute ou discute tão pouco a democracia e o seu estado actual de 'bloqueamento'?

2. O cidadão global, enquanto conceito (realidade) de combate à globalização imposta pelos grandes interesses económicos.

3. A precaridade do emprego é uma fatalidade irremediável? Quais as causas para que os governos do 'mundo ocidental' tenham, nesta matéria, invertido em 180 graus as respectivas políticas, ao longo dos últimos vinte anos?

4. É o Saramago que está amargo e pessimista ou, conforme as suas palavras, o mundo é que está péssimo?

5. Se a democracia não se esgota nos partidos, ainda que estes sejam necessários, que fazer, até como exercício de cidadania?

6. O voto em branco pode ser útil? Em Espanha, 600.000 terão votado em branco, nas últimas eleições, o que representa mais votos do que alcançaram alguns partidos com assento nas cortes.

7. E depois de Bush? E o que é que isso interessa?...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:40


março 29, 2004

Mar Interior

Como sequela da entrada anterior, dei-me conta da generalizada indignação provocada pela situação relatada por João Tilly, que culminou com a morte do seu pai.

Razões sobre o irrazoável, explicações sobre o inexplicável, todos poderemos arquitectar algumas. A verdade é esta: o desleixo ou desinteresse generalizados que grassam por este país são preocupantes.

Demitimo-nos de tudo? Só o 2004 nos redimirá? Ou será o Rock in Rio?... O que nos resta, no meio da desgraça? A lágrima de crocodilo?

As pessoas, o tal capital mais importante, onde estão?

Se a lei da selva já tiver sido institucionalizada, por favor, avisem-me. Entretanto, a carolice ao poder!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 14:23




O marzinho em que vivemos

Li... e duvidei. Por fim, até vergonha senti. Já nem sei bem se por ter duvidado, se por viver num país onde acontecem coisas destas.

Vão até ao endereço abaixo. Não farei mais comentários.

http://joaotilly.weblog.com.pt/arquivo/cat_jornalismo_puro_e_duro.html#085639

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:47


março 24, 2004

Mar (ainda) incrédulo... E, talvez, um pouco ingénuo (Mamã, estou aqui!...)

Dia 22, a OrCa pegou num dos seus dias de férias e foi passá-lo à Biblioteca de Sintra. Tratava-se de assistir a uma Maratona de Poesia, com início às 10h da manhã e até às 02h do dia seguinte... O amor à arte também passa por algum sofrimento.

Correu tudo muito bem, muito obrigado, mais ou menos... A organização estava um pouco constipada, mas o saldo foi largamente positivo.

Agora, o que esta OrCa não consegue entender é o temor reverencial pelas televisões. Sim, porque foram lá todas. Mas é um despautério, sempre que alguma dá à costa. Tudo pára. Tudo se empertiga. Tudo cospe nos sapatos, para lhes dar brilho. O mundo suspende-se e endireita a gravata, quando o holofote se acende e a menina da praxe estende aquela espécie de gelado sem gosto ao entrevistado.

Então, esses jovens televisivos e pressurosos, tudo avassalam, tudo atropelam, tudo abandalham, tudo conspurcam, à lógica do tempo de antena. E o povo, de esquerda, de direita ou mesmo muito pelo contrário, todo ele sorri, patético e fantástico, sem tempo, nem ordem... às vezes, até me parecia um pouco sem Poesia.

Será que, quando eu for famoso, também ficarei assim perante a hipótese de ser entrevistado ou, até, de aparecer fugazmente, num cantinho do écran?

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:37


março 22, 2004

Mar Alto


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:52




Mar primaveril

Dia 21, dia da Primavera, da Árvore, da Floresta, da Poesia... Enfim, perdi-me.

Fui até um bosque, espreitei uma flor a abrir e disse-lhe um pequeno poema. Perdi-me das horas. Perdi-me do mundo. Quando voltei a pôr os pés no chão, já era amanhã, o trânsito era intenso e tudo voltara às suas rotinas.

Mas chegara a Primavera e, até prova em contrário, isso há-de ser uma coisa importante...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:20


março 20, 2004

Uma corrente contra a guerra

Em Lisboa, pelas 15 horas, no Largo Camões...


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:59


março 17, 2004

Correntes de Poesia

Com as vénias todas, dou a palavra a quem fala de Poesia com os atributos todos no sítio:

Sobre JOAQUIM PESSOA, Poeta português, nascido "no Barreiro em 22 de Fevereiro de 1948, escreveu David Mourão-Ferreira:

"(...) Quando se fala de respiração, aplicando-se esta palavra ao domínio poético, inevitavelmente nos ocorrem os casos de uns tantos poetas de hoje que parecem nunca ter sabido para que servem os pulmões; e de tal modo que chegamos a duvidar se alguma vez os terão tido ou se pelo menos os terão utilizado. É nos antípodas de todos esses que se vem erguendo a voz de Joaquim Pessoa.

Inútil acrescentar que respiração poética se faz também ao invés da respiração biológica: seja oxigénio ou anidrido carbónico o que se inspira, é sempre oxigénio o que se restitui. E aí também há duas diferentes famílias de poetas: a dos que só buscam certo oxigénio para a inspiração, a dos que não recuam tão-pouco diante do anidrido que é necessário absorver.

A esta última pertence Joaquim Pessoa: não são apenas os temas já poeticamente oxigenados ou de antemão oxigenadamente poéticos os que por força o seduzem, mas igualmente os que vêm poluídos por todo o anidrido carbónico das injustiças sociais, das convenções e dos interditos, dos mil e um rótulos do parece mal. Mas é em oxigénio, e do mais puro, que ele depois os transforma.

Finalmente, quando em termos poéticos se fala de respiração, também a isto se associa a ideia do ritmo que fatalmente lhe anda implícita. E, eis que tal ritmo se apresenta renovadoramente ampliado, mercê do emprego muito mais sistemático do verso livre — como forma de naturalíssimo equilíbrio entre o poema tradicional e o poema em prosa que até agora constituíram os modos mais reiterados da respiração poética de Joaquim Pessoa".

Estas citações, extraímo-las de Joaquim PESSOA - 125 Poemas: Antologia Poética

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:54


março 16, 2004

"Há mar e mar. Há ir e voltar..."

Perpassei, perplexo, pelo Abrupto e pelo eco que faz de comentários desvairados dos seus (dele) estimados leitores, defensores da tese de que os eleitores espanhóis se terão acobardado pelos atentados da Al Qaeda, tendo ido a correr votar no PSOE...

Corajosos, somos nós! E de garganta, então!...

Grande parte do chamado cidadão comum espanhol confirmou, da pior forma possível, os 'efeitos colaterais' do apoio que o seu governo deu a Bush na invasão - unilateral e infundada - do Iraque. Que, aliás, o povo espanhol largamente condenou. E o tal cidadão decidiu agir em conformidade. Honra lhe seja. Para isso se vai a votos, em democracia.

Nós, por cá, é que somos os maiores: primeiro, o semi-Durão pôe-se em bicos de pés para o verem na fotografia a 3 e1/2, lá pelos Açores, sem pedir ou dar satisfações ao povo. De seguida, manda um contingente, com material emprestado, para o Iraque, segundo parece mais para a defesa do próprio local onde se encontravam instalados do que para outra qualquer missão, outra vez esquecendo-se do povo. Por fim, temos os nossos jornalistas a acender velinhas a Nossa Senhora de Fátima para que haja um atentado no 2004, mesmo que os terroristas internacionais não estejam para aí virados...

Será para assumirmos importância no mundo, buscando tradições históricas de martírio? Ou será mesmo só por parvoíce destes jornalistas, a quererem vingar-se de uma bala que feriu uma lusitana nádega jornalista?

Felizmente, com estas especulações, há já três dias que não se fala da Casa Pia, terrorismo doméstico que ninguém parece saber (querer?...) combater. Cuidado, irmãos, que ainda o pagareis caro nas eleições!...


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 02:23


março 15, 2004

Carpe Diem

A minha jovem madrinha de blog, a Thita, a propósito de um lamento meu, aflige-se com a perspectiva do mundo poder estar a mudar talvez para pior...

Não sei, Thita. Não quero acreditar nisso. Lá que o mundo está em mudança, é verdade. Mas sempre esteve e sempre estará. O ‘melhor’ e o ‘pior’ somos nós que o fazemos.

Cada dia é nosso. É de cada um de nós. Mas é sempre nosso. O dia fica ‘pior’ quando permitimos que os outros tomem conta dele. A nossa vida não pertence a ninguém, a não ser a cada um de nós. Pode até ser-nos retirada, ser espartilhada, ser enxovalhada. Mas, ainda assim, não deixa de nos pertencer. E, na hora da partilha, também aí deve ser nossa a escolha.

A cada um compete procurar a sua justa medida das coisas. E nunca desistir dessa busca. Um dia mais, talvez. Talvez menos, noutro dia. Mas aproveitar sempre o dia que temos e em que estamos.

Para quê? Ora, se calhar só para sermos dignos da vida. Dar, em cada dia, um passo no sentido da utopia... Porque ela existe, Thita! Há quem passe a vida a escondê-la. A fome, a miséria, a exclusão, escondem-na, também. Mas ela existe, se calhar bem perto de nós, “como bola colorida entre as mãos de uma criança”.

E eu julgo que tu sabes procurá-la. Nunca te esqueças.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:20


março 14, 2004

Mar de Ver

'Pensar A Guerra', eis o que fez Umberto Eco, em meia-dúzia de interessantes páginas que se recomendam vivamente.

Encontra-se em edição da DIFEL, integrado num livrinho intitulado 'Cinco Escritos Morais', em edição de 1998. E cito, apenas para aguçar curiosidades:

"Esta descida (a circunstância da guerra) não se pode justificar, porque - em termos de direitos da espécie - é pior que um crime: é um desperdício."

Como se pode ver, nunca estamos sozinhos...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:10


março 12, 2004

Hoje, um lamento por Espanha...

Desta vez, os Cavaleiros do Apocalipse cruzaram as terras de Espanha.

Uma vez mais, o sangue humano foi violentamente derramado em pura perda. Ontem, em Espanha. Em qualquer parte do mundo, sempre.

Nós, sempre tão dispersos, e a barbárie aqui tão perto, tão dentro de nós...

Não! Não é xenofobia, nem nada disso. Estou mesmo a pensar em NÓS, habitantes da Terra!

Todos!


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:28


março 10, 2004

Mar reflexo

Temos um poder que se agita contra a 'interrupção voluntária da gravidez', se 'perturba' pelo decréscimo de natalidade e, ao mesmo tempo, encerra unidades hospitalares de Ginecologia/Obstetrícia em grandes centros urbanos.

Temos um poder que se aflige pela crise de valores, mas que dá, das próprias instituições que tutela, a mais cristalina imagem de continuado descrédito.

Temos um poder que bem pode limpar as mãos à parede!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:36


março 08, 2004

Mares de hipocrisia

A propósito do Dia Internacional da Mulher - que considero uma baboseira, pois ao contrário do Natal, o dia da Mulher é todos os dias, quer se queira quer não - ocorre-me discorrer um pouco sobre uma notícia que veio a lume (Público) no dia 05 do corrente:

A Comissão de Assuntos Constitucionais discorreu sobre a criminalização da mutilação genital feminina (ablação do clítoris), prática vulgar ou comum em vários países africanos. Por força de importações culturais, há já conhecimento da sua ocorrência em território português, nomeadamente na comunidade muçulmana guineense.

Até aqui, tudo bem. Legisle-se e criminalize-se tal prática. À falta de melhor, com a invocação de um antigo argumento: em Portugal, sê português! E quem quiser cortar alguma coisa, que se entretenha a cortá-la a si mesmo e deixe os demais sossegados.

Não posso, no entanto, deixar de me abismar com algumas questões colocadas em sede parlamentar sobre esta matéria, como: "a importância do clítoris é algo subjectiva..."; "a sua mutilação não afecta nenhuma função vital" nomeadamente "a função reprodutiva"...

Parece que estas angústias advêm do facto do Código Penal apenas prever penas de 2 a 10 anos de prisão para quem "ofender o corpo ou a saúde de outra pessoa por forma a privá-lo de importante órgão ou membro ou a desfigurá-lo grave e permanentemente" (artº. 144º). Ocorre que parece haver deputados que têm dúvidas sobre se o clítoris poderá ser chamado de órgão ou membro e - pior ainda - se será importante... Claro que considerar o prazer sexual uma função vital não há-de caber no bestunto de tamanhos angustiados.

Realmente, nós temos peculiaridades curiosas enquanto bicharada que legisla! Finalmente percebo porque é a "facada nas costas" uma prática tão corriqueira e comunmente aceite cá pelo burgo. Desde que dada com jeito e não afectando nenhum órgão importante, estejam à vontade, que a lei não criminaliza.

Pergunto-me se uma discreta lobotomia perpetrada em quem manifesta dúvidas daquele teor poderá ser considerada crime...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:34




Contra a maré

Dia Internacional da Mulher para quê?



Deixo hoje aqui depositados os espinhos da rosa que lhes ofereço em cada dia.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 14:25


março 07, 2004

Muito boa onda

De um elo da corrente amiga e solidária que tenho o prazer de ver entrar na minha caixa de correio, recebi a transcrição parcial de um artigo recente do Público, da arqueóloga Faiza Hayt, que faço questão de partilhar:

"Quem faz por paixão o que lhe calhou por ofício nunca envelhece. A paixão combate a corrosão do tempo"

"Há dias num autocarro, ouvi duas mulheres, na casa dos quarenta, a conversarem sobre o futuro. Ambas ambicionavam o mesmo: a reforma. 'E depois de te reformares o que vais fazer? - perguntou a primeira; a segunda encolheu os ombros magros - Nada!' disse, e havia no abandono com que o disse um tal vazio, tanto tédio futuro, que ainda agora, sempre que me lembro estremeço de puro horror.
Sim, eu sei que para se aproximarem do nada os monges budistas consomem uma vida inteira de esforço e de meditação. O nada, se for levado a sério, dá um trabalho danado. Também sei que há vazios esplendorosos. Basta pensar, por exemplo, no silêncio estrelado de uma noite de Verão, no deserto. O nada que aquela mulher ambicionava, porém, era o nada da morte. O mesmo nada a que uma abóbora, apodrecendo ao sol, haveria de nomear se acaso a interrogassem 'O que fazes amanhã? Amanhã? Outra vez nada!'
(...) Ao contrário daquelas duas mulheres, quando penso no futuro imagino-me a trabalhar. Quero fazer tudo. Não odeio as manhãs das segundas feiras. Não conto os meses que faltam para ter férias. Sinto-me em férias, isto é, experimento a vertigem da liberdade, de todas as vezes que a minha profissão (sou arqueóloga) me leva algures, a um deserto, a uma cidade milenar, à descoberta de vozes remotas
Não são as rugas ou os cabelos brancos, nem sequer o cansaço físico, que anunciam, ou denunciam, a velhice. Um sujeito sem qualquer tipo de curiosidade, sem ideais, cínico, quezilento, sofrendo de cansaço antecipado nas manhãs de segunda feira - eis um velho. Há muitos cremes, muitas poções mágicas, destinadas a combater as rugas. Em nenhum lugar, porém se vende um xarope para curar o cinismo.
Eu cuido muito bem dos meus cabelos brancos. Penso em cada um deles como representando um projecto que gostaria de cumprir. Quanto mais os anos passam mais projectos me animam. Só peço a Deus que me salve da reforma."

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 13:02


março 06, 2004

Mares (imensos) dos outros

Do meu querido amigo RF(porque ele é um homem reservado...), não resisti a copiar para os Sete Mares o mail que dele recebi, com a devida vénia e enorme reconhecimento. Desfrutem-no:

"Não pontapeou material de arbitragem.
Não morreu num campo de futebol em directo.
Não sei se aparecerá no Jornal da Noite, mas ninguém lhe dedicou muito tempo...

Era "Americano" (estadunidense de Atlanta, Geórgia).
Morreu.
Pneumonia.
Roubei-lhe as palavras e as ideias quando comprei:
"Os Descobridores (...)"
"Os Criadores (...)"
"Os Pensadores (...)"
E há mais.
Obrigado Gradiva.

Aqui ficam dois dos seus "aforismos"...

'O maior obstáculo à descoberta não é a ignorância, mas a ilusão do conhecimento.'
'O livro é o maior avanço técnico da humanidade.'


São dele.
Para nós.
Apesar dos seus inúmeros defeitos, aprendi bastante com o seu legado.
Talvez isto não vos interesse nada...
Bem sei que não sou a MMGuedes para vos trazer assuntos de pertinência indubitável e de inexcedível interesse nacional.
Mas talvez por isso sentisse necessidade de escrever esta breve nota sobre ele. Ele que gostava de livros.

Cordiais saudações
RF"

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:02


março 04, 2004

À procura de uma boa onda...

De repente, apercebi-me, cá pelos Sete Mares, de um cheiro desagradável no ar...

Haverá alguém que tenha uma boa notícia que queira partilhar?... Nem que seja só para melhorar o ambiente.

Muito obrigado.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 16:11




Maré reticente...

1. O boletim do concurso para colocação de professores passou a ter 12 páginas para preenchimento. A declaração para o IRS quase triplicou em papelada... Trata-se aqui de escoar papel excedentário por tanta árvore ardida ou de alguma forma revolucionário de obrigar o povinho a combater a iliteracia? Para ajudar, no que toca ao concurso de professores, os diversos documentos 'de apoio' vêm cheios de gralhas. Aquilo é só para ver se os profs estão atentos!

2. A um parvo que se queixa de que o mordomo lhe roubou as pratas, o dito, ofendido, afinfou-lhe com um ferro de engomar no frontespício... Parece que o ferro estaria desligado. A ser verdade, há formas de justiça primárias que só pecam por defeito.

3. O Jorge Sampaio achou mal que se comentasse tanto o pseudo-'caso' do Adelino Ferreira Torres, com tanta coisa importante para tratar, neste país? Uma vez mais, se é verdade, trata-se de um erro de análise do nosso Presidente. Aquela personagem apalhaçada representará, porventura, quase tudo aquilo contra o que o sr. Presidente se vem referindo no panorama nacional. Não é o AFT um 'poderoso'? E assumido prepotente? E presumido impune? Não percebi...

A propósito: a três dias de um julgamento, acusado de peculato e etc. e tal, o AFT, presidente da Câmara do Marco, desata aos escândalos num estádio de futebol?... Huummmm... Vão ver que é uma manobra de diversão...

4. O tal director da PSP que se espalhou em artéria de trânsito vedado a motociclos quando conduzia a sua mota pagou a multa pela infracção... e pronto! Lá passou, uma vez mais, a mulher de César por galdéria... E eu perdi um almoço de aposta, pois estava convencido que o homem se demitiria, só para dar o exemplo. Cada vez estou a ficar (eu também) mais parvo e desfocado!...

5. Li que, nesta altura de promoção do queijo da Serra da Estrela, não há viatura de organismo oficial que não tresande a queijo. De ministros a secretários, de chefes de gabinete a assessores, é uma romaria ao sopé da Estrela para abastecimento do belíssimo produto regional... Claro que a gasolina pagamo-la nós. Mas quem é que pagará os queijos?

Nota: Quem tiver dúvidas da veracidade, pode sempre experimentar cheirar alguma viatura oficial que lhe passe por perto.

6. Portugal poderá ser o país da Europa com menor capitação em cursos superiores. As carências, em todos os sectores de actividade, são gritantes. Mas, em 2003, o número de licenciados sem emprego aumentou 35%.

Eheheh!... Andamos todos a dormir, não andamos?

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:23


março 01, 2004

Maré muito baixa

Dos jornais: "Avelino Ferreira Torres, presidente da Câmara Municipal do Marco de Canavezes, foi ontem um inesperado protagonista nos minutos finais do Marco-Santa Clara, jogo da Liga de Honra que terminou empatado a uma bola"...

Todos terão visto nas televisões. Atitudes demenciais, pontapeando despautérios, porque uma qualquer grande penalidade não terá sido assinalada.

Grave? Nem nada!Só mais um desvio apalhaçado do "desporto" que temos.

O que me preocupa é o seguinte: eu não, que não vou à bola, mas se um qualquer adepto tivesse tomado idêntica atitude, o que teriam feito os gê-nê-rês? Aquilo não é desacato?

E aquele cidadão é inimputável?

Ao sr. presidente da Câmara de Marco de Canavezes não seria profilático levá-lo 'de cana' às vezes?

Nota de rapa-pé: e, já agora, será que, neste país de anestesias, a responsabilização dos presumíveis 'poderosos' se esgotou no 'processo Casa Pia'? Terão os mentores das consciências considerado que 'tá-bem-já-chega de exposição pública de malandrices ou sacanagens?

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:40


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas