<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
janeiro 30, 2005

(Alguns pecados) Luxúria

Foras vela e eu neblina
Matinal de Sol nascente
Beijaria cada onda
Por te saber gosto a mar
Viveria à tua volta
Vela branca que se afoita
E que ruma assim envolta
Só prazer de navegar
Vela solta
Eu encheria
Teu ventre de maresia
Na tensão de cada olhal

Vela presa ao mastro alto
Eu te estreito neste abraço
Mais intenso
Mais carnal
Parte intrépida ao assalto
De mim leve neblina
Que eu me faço
Por te amar.

- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:51


janeiro 28, 2005

Sondagens...

No sentido de clarificar os insondáveis mistérios das sondagens e como exercício de cidadania exequível e económico, decidimos efectuar uma sondagem cá por casa...

A conclusão não podia ter sido mais conclusiva. Como nos deslocaremos todos à mesma mesa das urnas na mesma viatura e ao mesmo tempo, ficou desde logo claro que iríamos votar em bloco.

Esta sondagem foi ratificada pelo senhor João, dono do café do bairro, e abrangeu toda a população residente nesta casa.

Qualquer extrapolação feita por estranhos será da exclusiva responsabilidade dos mesmos.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:04


janeiro 27, 2005

A palavra é uma arma...



Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:32




(Alguns pecados) Preguiça

Preciso de ti
E no entanto
Canto tal cigarra ao vento
Preciso de ti
Neste canto
Manto de uma solidão
Que sinto
E me conforta
O quebranto
Num torpor que é de absinto

Preciso de ti
Enquanto
Vou ficando neste encanto
De nada fazer
Por tanto te querer
Que eu mal pressinto.


- Jorge Castro


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:42


janeiro 26, 2005

Reflexão histórica...

Um grupo de académicos concluiu, de forma irrefutável, que Cristóvão Colombo
era Santanista: partiu sem saber para onde ia, chegou sem saber onde estava,
regressou sem saber de onde vinha. Tudo isto à custa do dinheiro dos outros.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 13:37


janeiro 25, 2005

(Alguns pecados) Egoísmo

Olhei para ti certa vez
E vi em ti a estrada
Olhei de novo e senti
Seres também tu a janela

Passei através de ti
Assomei ao teu sorriso
E para além de ti fui
Por ser bom por ti passar

E foi assim que passando
Me perdi do teu olhar.

- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:19


janeiro 23, 2005

(Alguns pecados) Avareza

Se me dás de ti tão pouco
Quanto pouco eu retiro
Pouco a pouco sabe a pouco
Mas é assim que respiro

Louco não sou mas avaro
De tudo o mais que eu queria
E se no pouco reparo
Não me sobra demasia

Dá-me de ti então pouco
Que esse pouco ainda assim
Parecendo talvez tão pouco
Faz-se muito para mim.

- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:36


janeiro 21, 2005

(Alguns pecados) Vaidade

Passam alguns nesta vida
Com o peso da montanha
Outros a vida lhes passa
Sendo o seu peso fumaça
Sem peso
Cor
Ou tamanho

Quem me dera conseguir
Fazer da vida colina
Ou na vida perseguir
Vale de sonho verdejante
Colhendo em cada ravina
Aconchego de gigante

Não sendo eu monte nem mar
Nem colina mais viçosa
De brumosa neblina
Onde a pétala da rosa
Se queda a tremer de frio
Levando em mim as montanhas
Ensinadas pelo vento
Até ao mar turbulento
Deixem que seja então rio
E num enlevo tardio
Vos leve comigo ao mar.



Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:41


janeiro 19, 2005

Quotidiano delirante

Ainda para nem tudo serem tristezas, vou contar-vos uma historinha recentemente passada comigo, que é uma graça e uma frescura:

- Jantar de relações recentes construídas à volta da poesia. Na mesa, treze pessoas.

Às tantas, uma senhora, já com algum peso de idade, dá por tal circunstância e aflige-se. Diz-me que é necessário absolutamente descobrir um outro comensal, não vá o mau agouro tecê-las. Eu, fazendo pouco caso, respondo-lhe que não valerá a pena, pois uma outra amiga, sentada a meu lado, galhofeira e jovial, irradiando alegria em volta, tem, como é evidente para todos, "uma criança dentro de si"...

A senhora de idade sorri, cúmplice e tranquiliza-se.

No fim do jantar, depois da sobremesa mas antes da poesia, a senhora levanta-se, com pompa, circunstância e um ar estampado na face da maior alegria, ergue o seu copo e propõe um brinde à futura mamã e as maiores felicidades ao rebento que ela traria dentro de si...

Não sendo bastante o desconchavo e, porventura por insuficiente conhecimento, ainda me atribui publicamente a paternidade e na presença abismada da minha companheira à séria...

Moral da historinha: Ele há que ter muito cuidado com as frases feitas, principalmente atendendo aos contextos!...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:43


janeiro 18, 2005

GRANDES MISTÉRIOS E ALGUMA DESINFORMAÇÃO NO (ANTIGO) IMAGINÁRIO INFANTIL:

Porque o ambiente nacional é surreal e sem querer influenciar intenções de voto, hoje vou deixar aqui um pequeno divertimento filosófico que, não sendo recente, interessará para estimular as meninges um pouco mais do que os nossos políticos o vêm fazendo:


- Se o Popeye e a Olivia nunca fizeram amor, de onde é que saiu aquele bébé e porque é que é tão parecido com os dois?


- Porque é que a policia não investiga o gajo que vende os espinafres ao Popeye?... Com aquele efeito serão mesmo espinafres?


- Como é que o avô da Heidi consegue manter uma família e uma vivenda nas montanhas só com a reforma?


- O Pedro teve milhares de oportunidades para papar a Heidi quando ia pastar as cabras ao campo, mas nunca lhe tocou com um único dedinho. Será que tinha alguma coisa com as cabras?


- Que tipo de droga tomarão os anões da Branca de Neve para depois de 20 horas a bulir saírem a cantar da mina? Por que é que o Ministério do Trabalho não investiga este horário?


- Porque é que a Capuchinho Vermelho teve de pedir tantas pistas até se aperceber que a avó era um lobo? Estava drogada?... ou era mesmo parva?


- No que é que se parece uma avózinha a um lobo para que este passe despercebido em camisa de dormir?


- A Capuchinho Vermelho terá alguma coisa a ver com o partido comunista?


- A Pantera Cor de Rosa era ele ou ela? Ou terá sido a primeira expressão da cultura gay?


- O que é que deram de fumar à Bela Adormecida para ficar a dormir todos aqueles anos? Por muito príncipe que um gajo seja, como é que é possível beijar uma morta?


- Como é que o pato Donald tem sobrinhos, se não tem irmãos? E porque é que todas as personagens Disney usam luvas?


- Se havia um estrunfe bébé, quem é que f... com a estrunfina? Ou será que nem eles sabiam quem era o pai?


- Por que é que o Incrível Hulk, quando se começa a transformar, rebenta toda a roupa menos as cuecas? Serão estupidamente elásticas?

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:37


janeiro 17, 2005

Burgessos motorizados

No domingo - ontem, portanto - fui fazer uma caminhada com um grupo de amigos, na região de Colares, mais propriamente entre uma aldeia chamada Casal de Pianos e uma outra de seu nome Sacário.

A paisagem em torno da ribeira da Samarra é excelente, o tempo esteve de feição, o convívio foi do melhor.


António Miranda, o organizador, brindou-nos até com um folheto esclarecedor sobre o percurso e o seu enquadramento histórico.


Em dado momento do trajecto, e logo após a passagem por uma ponte romana em muito razoável estado de conservação, deparámos com um trecho formado por umas largas dezenas de metros de uma via romana, que contém elementos arquitectónicos muito curiosos na sua concepção.

Pois é!... Mas toda aquela extensão está a ser destruída pela passagem constante - que testemunhámos - de endinheirados "aventureiros de fim de semana", em moto-quatro e moto-cross, que escolhem exactamente aquele trajecto para as suas acrobacias domingueiras!!!

Porque fatalidade terrível será que, nesta terra, o dinheiro está tão associado à mais supina cretinice, imbecilidade e incultura?

É que se me disserem que um tal "Zé das Hortas" colocou um menir, encontrado em parte incerta, à entrada da porta de casa... que diabo!... Talvez até se entenda a pilhéria. Agora que aquela gajada, com posses para adquirir brinquedos caros, não tenha em si um grama de discernimento que lhes permita ver a barbaridade irremediável que estão a perpetrar, é que não me entra cá no bestunto! É que é demasiado estúpido para ser verdade!

Claro que se fala aqui de uma suposta área "protegida" Sintra-Cascais...

Este país é uma risota de ir às lágrimas!


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:13


janeiro 15, 2005

DesenCanto


Falas-me de mar
Como se ainda houvesse barcos nos teus olhos
E de gotas de orvalho no restolho da campina
Como se fosses fria noite redimida pela aurora
E assim eu sei de ti a onda e a lágrima
Quando não te sinto calor de primaveras
Nem manto de sorriso no vicejar de cada flor

Falas-me do mar e do orvalho
Em ondas só de angústia
E pérolas de paixão que são já cinzas

E eu fico assim
Perdendo-me para além do teu olhar
Empedernido pelo tempo da cidade
Ansiando que a linha de fogo que diviso no horizonte
Seja a cor do Sol poente ao rés das águas
Para não ser só frio sangue o que me trazes.

- poema e imagem de Jorge Castro


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:50


janeiro 12, 2005

Barro


É na terra que começa
Nessa amálgama de pó que se afeiçoa e é de barro
Arrancado pela enxada
Extensão de braço armado na dura luta pelo pão
Moldado pela nossa mão na roda tensa do oleiro
Os dedos dão forma à peça
Cada camada sentida
Cada vinco ou impressão
Em que a mão dá a forma à vida que é de enformar a mão
E a peça vai crescendo
Passo a passo
Em rotação
Pó da terra
Terra-mãe
A mão do homem-irmão

Rodando a roda do oleiro
Até ao fim do destino
Até nova rotação
Roda a roda do oleiro
É o bruto barro já peça
Pó da terra
Homem
Vida
Será cântaro
Promessa
Artes de levar comida a uma boca sem pão

... Era a história da terra
Antes de servir apenas para mais não ser do que chão.


Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:32


janeiro 08, 2005

Índico

Se eu fosse a nuvem cruzando
O céu azul e brilhante
Buscaria os horizontes
Que de mim sei mais distantes
Seria água das fontes
Cristais dos mais transparentes
Que cegam quase de luz
No frio gelo do monte
Seria o regato fresco
De conforto ao viajante
Seria o rio corrente
Que dá ao mar alimento

E quando o Sol mais ardente
Rasgasse através de mim
Um risco de luz nas águas
Em verde-mágoa sulcado
Seria então eu por fim
Barco no olhar da criança
Que nas andanças do tempo
Tempera o mar de esperança.

- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 20:27


janeiro 07, 2005

Vemos, ouvimos e lemos... e até custa acreditar!

Revista Prémio, de 24 de Dezembro de 2004, página 75, título do artigo da autoria de Nuno Abrantes Ferreira: “Procura-se Flexibilidade”.

- Fala-se aí de recursos humanos e da sua importância na competitividade das empresas portuguesas, noticiando um debate organizado, em 18 de Dezembro, pela Portuguese American Post Graduate Society (PAPS).

Tema em análise: mobilidade de trabalhadores e flexibilidade de leis laborais.

Dos oradores, vou destacar um, Rui Horta e Costa, administrador executivo da EDP que, a dado momento e conforme citação do autor do artigo, terá proferido as seguintes tremendíssimas e piramidais barbaridades:

– Os trabalhadores da EDP têm, em média, 22 anos de experiência dentro da empresa. Isto não é saudável, porque há 22 anos que estão sentados na mesma cadeira, a fazer a mesma coisa e a trabalhar com as mesmas pessoas”... Mais à frente, remata, em estocada digna de um cordobés polichinelo: “Os trabalhadores têm de ter alguma coisa a perder. Saber punir é muito mais difícil que saber premiar. E os portugueses têm que se habituar a ser despedidos quando os objectivos não são cumpridos”.

Como se dá o caso de este vosso humilde cetáceo ter algum conhecimento da realidade que aquele bacano refere, vou permitir-me comentar estas brilhantíssimas asserções, tentando não ser fastidioso:

1. As mais recentes administrações da EDP dividiram, nos últimos 12 anos, a EDP em para cima de uma centena de empresas. Questão óbvia que se coloca: como é que os trabalhadores conseguiram ficar todos “no mesmo sítio”, com tanta mudança?

2. Há 12 anos, com uma só empresa, havia cerca de 26.000 trabalhadores. Hoje, com aquela proliferação de empresas, restam apenas cerca de 8.000. A este estrondoso decréscimo correspondeu um não menos estrondoso e exponencial acréscimo de administradores. Então sempre houve alguma “movimentação”... As vantagens competitivas é que se diluíram na voragem dos chorudos vencimentos e prebendas de tanto gestor.

3. Diz o ilustre administrador que trabalhadores 22 anos sentados na mesma cadeira, a fazer a mesma coisa não é saudável... Como não deve estar a referir-se a problemas de hemorroidal, ainda assim, deverá admitir-se terem sido eles a criar e sustentar as mais-valias de que os actuais administradores usam e abusam a bel-prazer, bem mais preocupados em “engenharias financeiras” do que na busca e prossecução de objectivos que reforcem a produção das energias do futuro.

4. Não curou de explicar o sapientíssimo orador como é que ele, emérito gestor, permitiu - presuntivamente e a acreditar no dislate - que os trabalhadores da “sua” empresa tenham estado 22 anos a fazer a mesma coisa, trabalhando com as mesmas pessoas, ainda para mais, sentados na mesma cadeira! Cá para mim, parece-me que a culpa do imobilismo cai, direitinha, na cabeça do senhor gestor, que se revelou incapaz de gerir eficazmente e com outra criatividade o capital humano de que dispunha.

5. Deve então admitir-se que a receita preconizada pelo emeritíssimo gestor, a saber: habituar-se à ideia de ser despedido quando os objectivos não são cumpridos, cai por inteiro e com estrondo, sobre o toutiço do próprio. Espera-se, pois, alguma coerência...

Tudo isto é, pois, uma rematada aldrabice e um pavoneamento insultuoso para quem lhe anda a garantir o sustento. Conheço, de perto, vários casos de trabalhadores daquela empresa que, após uma vida de trabalho a percorrerem inúmeras e diversificadas áreas departamentais – e a mais não acederam por entraves dos gestores deste calibre – que, apesar de avaliações de desempenho muito acima da média, nesses tais vinte e tal anos nunca saíram, profissionalmente falando, da cepa-torta, nalguns casos ouvindo até o argumento canalha da “instabilidade emocional”. Tal foi a recompensa por corresponderem à decantada mobilidade.

Muito mais haveria a dizer, que isto é um mar de disparates. Fiquemo-nos, tão só, com o lamento de que, com tal apetência para a punição e para a vergasta, se estará perdendo em Horta e Costa uma vocação para as galés. Por caridade, diga alguém àquela alma que já não há galés e, assim sendo, ainda acabará os seus dias a chibatear-se a si próprio!

Como último elemento de reflexão e a propósito de competitividade, uma questão que me aflige: Como é que a EDP pode vender hoje, em Espanha, a electricidade a um preço substancialmente mais baixo que em Portugal? Será à custa de não substituir as cadeiras dos seus trabalhadores?


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 02:08


janeiro 05, 2005

Ainda não é hoje que me dá para a poesia...

Perguntas inconsistentes à volta do “bloco central”:

1. O Santana Lopes não considera “agradável” a constituição das listas de candidatos a deputados. Então, se escolher os “melhores” entre os “melhores” da própria equipa não é tarefa digna nem estimulante, sequer para a primeira figura do partido, como é que há-de sê-lo para o bom povo português?

2. Uma analista “próxima” do PS invocava, no “Prós e Contras”, como factor negativo na saga da administração pública a falta de capacidade legal para movimentar os funcionários. Então porque não se colhe o exemplo dos professores? Há lá classe profissional mais movimentada que aquela? E não são funcionários públicos? Depois, vê-se a maravilha em que está o ensino e o concurso exemplar deste ano e logo se percebe que movimentar é que faz falta!...

3. Cavaco Silva não autoriza a utilização da sua imagem na campanha do PSD, invocando prejuízos na sua imagem de docente. O senhor professor estará com receio que a rapaziada lhe pinte barbas e bigodes nos cartazes da cidade e, assim, o desautorize na cátedra?

4. O PS de Setúbal não quer o Paulo Pedroso na sua lista; o PS quere-o mas não em lugar elegível; o próprio também não quer ser eleito. Então, se estão todos de acordo, porque é que o problema foi criado, que eu não estou a ver daqui?

5. Pôncio, no Porto, não gosta de Rio. Rio não gosta de Pôncio nem do FêCêPê. Mas Pôncio gosta do FêCêPê. Pôncio diz que não fará campanha ao lado de Rio, na lista do PSD, e o PSD retira o Pôncio da lista. Mas o Rio é presidente da Câmara e as eleições são para a Assembleia, ou não?... Para que é que eles terão de andar agarradinhos um ao outro? Sendo dois homens, vais ver é por isso que o Santana acha que estas escolhas de candidatos são uma tarefa pouco agradável...

Cada vez percebo menos esta gente!...


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 02:03


janeiro 03, 2005

2005 não me está a começar lá muito bem...

Carta aberta e ingénua à Excelentíssima Senhora Dona Júlia Pinheiro,

Pronto! Parece que lá acabou a cegada da tua quintinha... Arrecadados que foram os tostanitos com que irás comprar os melões do teu contentamento, deixa-me perguntar-te uma coisa:

- Perpassa-te pelo bestunto a noção de que os portugueses, em geral, ou a Dona Efigénia, de Fornos de Algodres, em particular, ficaram cultural ou humanamente mais enriquecidos com o regabofe de que ousaste ser o emblema mediático?

Entretenimento cru? Ó mulher, filmasses uma matança do porco ou o esquartejar de uma vitela no matadouro. Vocês não dizem que o povo quer ver é sangue?

Dir-me-ás, claro, que se não fosses tu outra seria. Clarividente asserção. Mas se não fosse o Hitler? Outro seria? Ou, até, o nosso António das botas? Outro seria?... Ocorre-me, até, uma elementar antítese: e se não fosse aquela Catarina Eufémia? Outra seria?

Estas filosofices sobre o acaso e a necessidade levar-nos-iam muito longe. Porventura, em ti terá preponderância a necessidade, dando-se de barato o acaso e, por conceitos bastardamente democráticos, a cada um a sua escolha.

Até a tua camarada, Catarina também, mas outra, a Furtado resolveu mimosear-nos a existência com a exibição de uns putos, betos e desatinados, fazendo momices semi-amestradas num circo piroso e, quiçá, configurando a sacrossanta figura da exploração de mão-de-obra infantil sem que se vislumbre o que é que tal patetice trará de bom ao mundo, para além do puro desperdício de tempo de antena, bajulice aos progenitores babados e aplauso de mentecaptos. Ah, ele há um programa igual, americano e de muito êxito? Pois, eu logo vi...

Abismo-me eu, pobre pagador de impostos sem projecção mediática – logo, sem existência real... – com estas nossas divas e a sua militância em provar que o mundo é quadrado, por pura ingenuidade minha, é evidente. Mas, continuando ingénuo, que bonito seria se vocês assumissem que o que vos faz correr é o dinheirinho, para que ninguém se iludisse com as vossas patéticas piruetas.

Era assim, chegavas ali e declaravas, à abertura de cada programinha: “- Bom povo português! Vou apresentar-vos um programa imbecil e imbecilizante, perverso e pervertido, aparentemente inútil e, portanto, de desígnios obscuros mas é só porque vou arrecadar UMA PIPA DE MASSA, pessoal!!!! E O CACAU É BOM CU’MÒ MILHO e eu gosto!!!!...”

E o bom povo português, como sempre, sorriria condescendente, abanaria a cabeça e o mais certo seria que uns ficassem para ver e outros não, como, aliás, é hábito.

Mas não achas que tu terias atingido um mais alto estadio na arte da comunicação? Porque é sempre bom saber o que faz correr o soldado, quando parte para a batalha. Dá-lhe elevação e, às vezes, quase nos convence que a causa justifica o meio. É como a prostituta... ainda que, nos tempos que correm, estes conceitos andem um pouco baralhados, com tantos dinheiros à mistura. Também aqui prevalecem conceitos de necessidade, dir-se-ia.

Porém, a minha ética tortuosa não pode deixar de fazer uma montagem terrível entre aquilo para que tu te vendes e a tragédia imensa que assolou e assola os povos atingidos pelo maremoto. Se calhar foi azar esta coincidência temporal. Se eu fosse a ti, pegava numa parte significativa desse dinheirinho que tanto te deve ter custado a ganhar quanto a nós a suportar, dava uma conferência de imprensa e anunciava a dádiva ao mundo e – quem sabe? – seria tua a próxima Ordem do Infante.

Talvez a tua acção servisse assim para alguma coisa para além do estrito acto de venda de carne humana que me fica. É que nunca mais poderei olhar para ti sem te ver criticando um burro por estar a comer excrementos de um peru. Se calhar, até era uma metáfora e aquele burro somos nós todos...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:50


janeiro 01, 2005

1º Aniversário

Imagem de Charles Potts

Nada mais que o primeiro dia do resto das nossas vidas

Com um abraço enorme a todos quantos me honram ao visitarem esta casa


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:25


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas