<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
abril 28, 2014

25 de Abril de 2014, no Largo do Carmo,
em homenagem a Salgueiro Maia













Este ano, o 25 de Abril teve lugar no Largo do Carmo. Fazíamos, todos, 40 primaveras.
Achei por bem não acrescentar comentários, pois as imagens valem mais e melhor do que quanto pudesse dizer.
Dito isto, apenas reafirmar que, no que respeita ao respectivo enquadramento, estou com a Associação 25 de Abril, obviamente.


- fotografias de Jorge Castro

Etiquetas: ,


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:12


abril 24, 2014

Viva o 25 de Abril, sempre!
... e o 12 de Abril com poesia, nas Caldas da Rainha

Aqui vos deixo o meu poema para este Abril, estes cravos 
e notícia da comemoração do Dia da Poesia nas Caldas da Rainha 


não era nada, quase nada e era Abril

não era nada
quase nada
e era Abril
flor sem tempo entretanto mais urgente
invadindo-nos a alma de repente
amorosa
airosa
mas febril

era um cravo ardente e a arma em punho
era um olhar furtivo e tão contido
a surgir na madrugada destemido
era a nossa mão erguida em testemunho

era um ser sem ser que a pátria era
era um ser sem querer de estar à espera
era um andar pelas ruas clandestino
e era de homem o olhar – de alma o menino

e houve um santo e uma senha na alvorada
a erguerem-se numa só 
feitas à estrada
as vontades de ser livre e ser inteiro
a rasgarem entre o denso nevoeiro
o alvor
a alegria
a liberdade
e mostraram ao país outra verdade

não era nada
quase nada
e era Abril
e esse cravo no cano de uma espingarda
era a voz que gritava em vozes mil
deste povo que envergando a verde farda
soube dar novas cores ao mês de Abril.

- Jorge Castro
*
De algum modo a propósito ou, porque em Abril vontades mil, decorreu no passado dia 12 a Comemoração do Dia Mundial da Poesia, na Biblioteca Municipal das Caldas da Rainha, em que tive o prazer de participar e a honra de ser homenageado e de que aqui se lavra notícia. 

- Isabel Gouveia - Palmira Gaspar - Jorge Castro - início e apresentação da sessão organizada pela Comunidade de Leitores e Cinéfilos das Caldas da Rainha

- Palmira Gaspar, da Comunidade de Leitores, anuncia o extenso e ambicioso programa perante uma plateia muito bem preenchida:


E tem início a sessão...

- Carlos Gaspar - Tânia Leonardo - Emily Duffy, 
com o poema de Vinícius de Moraes, Porque Hoje É Sábado

- Grupo do Teatro de Boca, dos Pimpões, ensaiado por Tânia Leonardo, com Vânia Dinis, Eduarda Santos, Rita Vicente, Marta Taveira e Ana Sequeira, com a original e bem sucedida interpretação do quadro A Menina do Mar  (conto de Sophia de Mello Breyner Anderson)

Carlos Gaspar inicia o período da sessão dedicado à homenagem aos dois autores presentes, 
Isabel Gouveia e Jorge Castro 

- Tânia Leonardo interpretando poemas dos autores homenageados 

 - Isabel Gouveia, na sua alocução seguida da leitura de poemas  

- Isabel Gouveia

Referência à obra poética da poeta homenageada Isabel Gouveia, 
coligida no livro Na Voz da Esperança Há Lágrimas

- Jorge Castro

- Breve alocução e interpretação de poemas recentes de minha autoria

- Visita à poética de Isabel Gouveia.

Grupo Olha-te, apresentado pela sua representante Célia Antunes


 A participação poética da Universidade Sénior das Caldas da Rainha, com um notável desempenho:
- Maria José Ricardo 

- Victor Duarte

Poetas das Caldas da Rainha:
- Emily Duffy, à descoberta de Portugal, 
demanda essa que tive oportunidade de sublinhar, com louvor, mais à frente, na sessão.

- Joana Cavaco, 
uma inesperada desenvoltura e boa presença, já com obra própria, bem defendida

-  José Valadas, com a notável arte de selecção poética a que nos habituou

- Participação do Conservatório de Música de Caldas da Rainha: 
Francisca Bonacho (violino)
Profª. Débora Bessa (flauta de bisel baixo)
Abel Martinho (flauta de bisel contralto)
interpretando um andamento de uma trio-sonata de Telemann



 - Dança Yôga, pela Mestre Manuela Soares,
coreografando o poema Rosas, de Sophia M. Breyner. 

Grupo de poetas de Coruche:
- Ana Freitas

- Ana Neves

- Rosário Freitas

Destas amigas e companheiras de já tantas jornadas que mais dizer, além de sublinhar com realce a participação sempre empenhada, a solidariedade  e esse precioso cuidado na arte do encontro? 

- Apresentação do meu mais recente livro: 
Ti Miséria e Outros Poemas ConVersos (edição Apenas Livros, 2014)

- Atravessei, airosamente, a apresentação deste meu novo livro através da leitura de alguns trechos, que se inspiram nos contos e lendas de que somos feitos.

Grupo de poetas de Lisboa, de Cascais, de... :
- Aida Nuno

- Ana Maria Patacho

- Luís Perdigão

Outros amigos que se juntam àquele panteão já acima referido. Amigos que, contra ventos e marés de infortúnio, escolhem vogar nesse mar de calmo que constroem... 

 Mário Piçarra e  Heloisa Monteiro encerraram a sessão com interpretações musicais várias, como Carta ao Zeca, de José Mário Branco, Um Mito Urbano e Os Artistas, de Mário Piçarra e Jorge Castro, logo depois acompanhados por Zenaida Chantre, interpretando algumas Mornas de Cabo Verde.  



 - Aida Reis, directora da Biblioteca Municipal das Caldas da Rainha fazendo a sua alocução de encerramento de mais um Dia Mundial da Poesia na Biblioteca das Caldas da Rainha, autêntica maratona de vontades como se pode ajuizar pelo que fica dito e mostrado.

- Coro, alargado a todos os presentes, da Trova do Vento que Passa, de Adriano Correia de Oliveira e Manuel Alegre  

- Fotografias de Lourdes Calmeiro


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 18:35


abril 18, 2014

O 25 de Abril, hoje
com Vasco Lourenço

O chão é o nosso. Aquele que trilhamos nos caminhos que soubemos construir. A aventura é sempre possível e as interrogações sobre o futuro transformam-se em certezas, no presente, a cada passo dado. 

O 25 de Abril de 1974 foi um passo como esse, dado em uníssono e compassadamente por quem teve artes de interpretar a História em determinado momento das nossas vidas e, assim, elas encheram-se de liberdade, por tantos tão longamente ansiada.   


Um cravo vermelho foi o símbolo encontrado para tal momento. Poético símbolo, contraponto feliz a rematar o cano de uma G3, em poucos lugares do mundo se teria o golpe de asa de instituir uma flor como símbolo de uma revolução. Mas nós fizemo-lo.


As nossas vozes libertaram-se, como as nossas mentes, a nossa criatividade. O espírito solidário, também. O companheirismo, de mãos dadas com tanta ingenuidade, impulsionada por tanta premência na busca de novos horizontes, ainda assim e todos juntos não foram capazes (ainda?) de construir o Portugal mais justo e solidário que buscamos. E são já passados 40 anos desse Abril.

Aprendemos a cantar melhor juntos e ficamos mais cientes de que o povo é quem mais ordena. Mas as nossas vozes embatem contra novos muros de silêncio e de opressão...      


Nesta nossa sessão sobre O 25 de Abril, Hoje, contámos com a presença do grupo de cante alentejano de Tires, Estrelas do Guadiana, na sua abertura, que nos trouxe ao terreno bem querido dos afectos, do combate por causas, da homenagem ao ser solidário que o homem é, para assumir plenamente a sua dimensão universal. Como bem se poderá adivinhar, a sua actuação culminou com Grândola, Vila Morena, cantado em coro por todos os participantes na sessão.   


O nosso convidado: Vasco Lourenço. Figura imprescindível do Movimento dos Capitães e de toda a envolvente de Abril e dos alterosos tempos que lhe sucederam, foi o testemunho vivo e presente desse passado que todos pretendemos manter como ponte para o futuro.


Ao apresentar o coronel Vasco Lourenço, pouco mais me competiu do que invocar a memória dos presentes, através do meu exemplo, referindo o quanto me sinto devedor ao Movimento dos Capitães de Abril: era, então, eu um jovem de 22 anos, de futuro mais do que circunscrito, amante da minha terra mas absolutamente convicto da insensatez e perversidade da guerra colonial, sendo ela apenas uma das múltiplas facetas hediondas de um regime torcionário, que eu repudiava por inteiro, mas sem horizontes de mudança.


Actualmente como presidente da Associação 25 de Abril, Vasco Lourenço encheu-nos, então, a sala com a sua costumeira frontalidade e determinação, aliadas a convicções sem papas na língua, como sói dizer-se, sustentadas nas asserções que nos transmitiu e cuja clareza é imbatível: uma voz opinativa de quem «se olha ao espelho sem sentir vergonha de quem vê» e representante de um grupo de cidadãos, em que se integra de corpo inteiro, que se orgulha de não se ter servido do poder - que substantivamente deteve - sem dele se servir em benefício pessoal.   


Respigo, a propósito, do livro-entrevista de Maria Manuela Cruzeiro - Vasco Lourenço - do Interior da Revolução (Âncora Editora, 2009) - o seguinte trecho do seu encerramento: 

«Seja-me aqui permitido aproveitar a oportunidade para afirmar a postura da generalidade dos militares de Abril: podemos ter cometido erros, podemos ter feito muitas asneiras, mas, no essencial, fizemo-lo convictos de que estávamos a fazer o melhor para o nosso povo, estávamos a defender as melhores soluções. Aquelas em que, de forma honesta, acreditávamos. Se errámos, fizemo-lo por razões diversas, talvez até por incompetência, não o fizemos, contudo, por oportunismo. O futuro demonstrou-o e, por isso, foi possível mantermo-nos amigos e continuarmos a respeitar-nos uns aos outros, passadas as horas da turbulência, como aconteceu, por exemplo, entre mim e Vasco Gonçalves. 


Por isso, os militares de Abril, de uma forma geral (há sempre excepções), podem olhar para o espelho e não se envergonharem. O que, infelizmente, não acontece com os outros grupos intervenientes na revolução e na política. A diferença entre servir ou servir-se, entre lutar por valores ou por interesses. E, por isso, embora desgostosos com o evoluir da situação, apesar de todos os desgostos e desilusões, continuamos a não nos arrepender, continuamos a considerar que valeu a pena!»


Dissertando sobre episódios passados associados a esse momento épico,  Vasco Lourenço projectou no futuro o espírito de Abril. E se é certo que esse momento é irrepetível, não é menos certo de que ele é um exemplo maior e um esteio para os combates que o futuro nos suscita. 


No período de perguntas e respostas que se seguiu - de que apenas se lamenta alguma tendência para o olhar sobre o passado mais do que inspiração para o futuro - houve, entretanto, algum espaço para definição de algumas interrogações prementes que se nos colocam sobre o rumo para que a sociedade portuguesa está a ser conduzida. 

- Hélio Proença

E se não deparámos com soluções tiradas de cartolas mágicas, a simples enumeração de muitas das questões que se nos colocam, no presente, comportou a margem de desafio e de subversão que são inerentes ao espírito de cidadania que nos irmana.   


Foi depois chegado o momento de «pagarmos» ao convidado, em forma de poemas, a sua disponível generosidade ao aceitar o nosso convite. Como habitualmente, dei o mote e o exemplo para o início, que foi profusamente sequenciado:  

- João Baptista Coelho

- Carlos Gaspar

- Vasco Lourenço

- Eduardo Martins

- Emília Azevedo

- Ana Freitas

- Rosário Freitas


- Isabel Figueira


- David Silva

Mário Baleizão

- Carlos Pedro

- José Colaço

- Jorge Castro, com o apoio do livro de Carlos Pedro, Ó Simpático, Vai Um Tirinho? 




Por fim, Heloisa Monteiro (guitarra e percussão) e Mário Piçarra (voz e guitarra) trouxeram-nos o espírito de Abril em canções que Abril nos deu - e que também entoámos em coro -, legado maior deste povo que (ainda) canta!


O encerramento, sempre constituído pelo estabelecimento dessas pontes que promovem futuras iniciativas e outros tantos desafios. 

De cravos estivemos rodeados. E de Abril, sempre!  

- Fotografias de Lourdes Calmeiro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:57


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017 Agosto 2017 Setembro 2017 Outubro 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas