<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
novembro 28, 2008

22 Olhares Sobre 12 Palavras, em Lisboa


Na Livraria Barata (Avenida de Roma, nº 11 A, à Praça de Londres), em Lisboa e no dia 5 de Dezembro (sexta-feira), pelas 19h30, os 22 OLHARES SOBRE 12 PALAVRAS voltarão à carga, agora pela «capital do império».


Cumprirei, uma vez mais e com o mesmo gosto, a função de ajudar este parto - neste caso, de gémeos - e terei, uma vez mais, o prazer de ter comigo a Estefânia Estevens e o Francisco Lampreia a provarem, urbi et orbe, que a solidariedade não é palavra vã.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:54


novembro 23, 2008

os dias em que o tempo sempre falta...

Fim de semana alucinante, mas gratificante. Um pouco por toda a parte se combate afincadamente o cinzentismo e a massificação a que nos querem sujeitar.
Cada qual a seu jeito, com as armas que sabemos inventar.


- Sexta-feira, dia 21, um grupo de 21 alunos de uma escola pública de Cascais une esforços e, com o apoio e coordenação de professores - dos que sabem que a vida vai para além do Ministério da Educação - e lança o livro CASTELOS DE AREIA (edição da Apenas Livros), uma colectânea de textos, a cuja apresentação tive todo prazer em dar o meu contributo.



- Sábado, dia 22, no Palacete Viscondes de Balsemão, no Porto, é lançado o livro 22 OLHARES SOBRE 12 PALAVRAS (edição da Edium Editores), também colectânea de textos nascida de um desafio criado entre a «comunidade» de blogs, para a apresentação do qual tive a honra de ser convidado e que veio a constituir-se, também, como uma excelente oportunidade de rever velhas amizades.


(Ver imagens aqui ou nos álbuns à esquerda do blog)



- Domingo, dia 23, nas Caldas da Rainha, Óbidos, Vau e Guisado, tempo ainda de participar no último dia do X ENCONTRA A FUNDA, oportunidade sempre irrepetível de fazer da alegria brejeira uma outra salutar forma de se respirar a vida.

(Ver imagens aqui ou nos álbuns à esquerda no blog)

Perdoar-me-ão por não me alongar em mais considerações mas, como diria o José Gomes Ferreira, amar muito também cansa... e este foi um fim de semana de papinho cheio!


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:50


novembro 20, 2008

22 Olhares Sobre 12 Palavras


22 se uniram em torno de 12 palavras, numa távola a que se convencionou chamar livro. Um jogo, um desfrute, uma colecção de cumplicidades.
(Ver mais informações aqui)


Uma outra vez, a «comunidade» dos blogs produz obra impressa, contra o cinzentismo dos dias.

E decidiram convidar-me para apresentar tal obra. Subida honra, enorme risco, que tentarei não defraudar lá por terras da invicta cidade.

O convite é dirigido a todos os que me visitem... e, já agora, fiquem com a informação de que haverá uma réplica deste lançamento, desta feita em Lisboa, no próximo dia 5 de Dezembro, pelas 19h30, na Livraria Barata (à Avenida de Roma).

Façam o favor de aparecer que isto sem vocês tem muito menos graça.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 14:51




qualquer semelhança com realidades conhecidas é pura coincidência...
ou da arte de cavalgar o centro em qualquer sela

ao centro um
outro ao centro
numa pilhéria pegada
quem me dera vê-los dentro
um ao outro
à bordoada

da obtusa teimosia à ironia obtusa
fica Portugal pasmado já sem calção nem blusa
entre faduncho fanado e filósofo trafulha
ah quem me dera a mim vê-los
a puxarem-se os cabelos
numa jaula em bruta bulha!



... que o melhor mesmo é rir e rir cada vez mais alvarmente desta tropa fandanga e trampolineira!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:28


novembro 16, 2008

Noites com Poemas
com o professor José Meco, os «Azulejos Falantes»


Na próxima quinta-feira, dia 20 de Novembro, a sessão das Noites Com Poemas, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana, contará com a presença do professor José Meco, como convidado especial, que nos falará sobre os «Azulejos Falantes».

Como sempre, o convidado ajudar-nos-á a desvendar outros caminhos de abordagem poética ao mundo que nos rodeia. Como sempre, também, a segunda parte destinar-se-á à participação e à fruição poética de quantos marcarem presença.

A entrada é livre e o espaço está à nossa disposição. Venham daí.

UM AZULEJO

um azulejo
é um ensejo
de um quadrado
ser um bocado
do abstracto
se ver concreto

e seja azul nalgum painel
ou dimensão de capitel
que sobressai da cantaria
ele faz-se assim um fingidor
dando diversa noção de ser
o que não é
por não haver
mais do que o olhar
para essa cor
que algum pintor
pintou de cor
criando o espaço
muito maior
do que o seu braço
pode alcançar

e nesse espaço feito a retalho
cada pedaço do seu trabalho
lembra o percurso da nossa vida
onde a porção parece incerta
mas participa na descoberta
de ser no todo mais percebida.

- poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:49


novembro 14, 2008

as avaliações - falemos claro

Uma inverdade, quando não uma mentira, de tantas vezes repetida tende a levar-se à conta de verdade, como é sabido.

Vem isto a propósito da «guerra das avaliações» que o Ministério da Educação de Sócrates quer, à força e com desatino, impôr aos professores. Pergunto-me porquê e para quê...

Ninguém fala de conteúdos lectivos, de falta de condições elementares nos estabelecimentos de ensino públicos, por onde passa a devastadora carência de pessoal não docente, das misérias sociais que «obrigam» os pais a armazenarem os filhos cada vez por mais tempo nas escolas... Não, dessas minudências não se fala!

Interessa, sim, a avaliação dos professores, ou o método para tal (des)dita.

De tanto se bater com a picareta argumentativa, todos - Ministério, sindicatos e os próprios professores, passando pelos habituais «fazedores de opinião» - parecem assumir que a avaliação, uma qualquer, melhor ou pior, é que redimirá a tendência de catástrofe para onde se encaminha o ensino público.

Ora, aqui começa e acaba a falácia.

A paranóia da avaliação atravessa há já longos anos o mundo empresarial privado e, já abandonada em muitos locais ou descredibilizada noutros, para que serviu a sua prática?

Para estabelecer novos compadrios, novas acomodações, «lógicas» de tráfico de influências que acirraram rivalidades pessoais em detrimento de eficácias e competências, geralmente em troca dos pratos de lentilhas que fazem correr os arrivistas, estímulo negativo para os cobardes, que ainda se enclausuraram mais dentro dos seus medos...

Mas não serviram para estruturar as empresas através de reconhecidos méritos que as tais avaliações propiciariam, como se poderia pensar nos discursos laudatórios dos seus mentores.

Quem quiser casos concretos, venha até cá, que tenho muitos e bons para sustentar as afirmações precedentes.

E é, então, esta panaceia que faz correr os neo-liberais no governo da nação? É a comparação entre um docente de uma escola de um bairro problemático com um outro de uma escola frequentada por filhos de ministros - se é que algum ainda tem filhos no Ensino Público!... - que nos vai levar ao céu?

Tenham lá santa paciência, mas não é, definitivamente, para isto que eu ando a pagar impostos!
*
Deixo-vos com um pequeno momento de lucidez, daquela que a Maria de Lourdes Rodrigues está a promover no Ensino Público:

Redassão: 'O mano'

Quando eu tiver um mano,
vai-se chamar Herrar,
porque Herrar é o mano.

Fin.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 08:11


novembro 11, 2008

um voto a menos...

Poderá parecer desnecessário ou excessivo voltar-se, uma e outra vez, à questão do Ensino, em Portugal, e a sua correlação com o actual quadro governativo, com especial incidência no elenco do Ministério da Educação.

Mas não. Porque tudo está longe de se apaziguar e está em causa, na verdade, o futuro do País, o qual não tem hora nem lugar para ser tratado, porque essa hora e esse lugar são sempre.

Como é sabido, não sou professor. Mas vivo com uma professora e tenho-me na conta de bom observador.

Uma professora das tais que gosta de ensinar, que sempre encarou a docência como uma arte nobre, que se desdobra e multiplica em acções de apoio aos seus alunos, nas mais variadas vertentes em que esse apoio possa ter lugar. Dessas que cultivam e encaram a absorção e aplicação de conhecimentos por parte dos seus alunos como o seu objectivo maior de vida, mais do que como mero desígnio profissional.

Como ela - e até por força do convívio com a classe docente que aquela minha relação facilita - tenho conhecido número incontável de professores que assumem que, para além da profissão, o seu dia-a-dia tem foros de missão, cientes da influência que o seu exemplo pode significar nas jovens vidas que lhes são confiadas.

Tenho assistido, de muito perto, não apenas naquela qualidade, mas também como pai, participativo e atento, aos tratos de polé a que os professores sempre foram sujeitos; à falta de qualidade - e de dignidade elementar! - das suas condições de trabalho; aos parcos vencimentos pagos a quem tanto se exige, etc., etc.

E arrogo-me o direito de generalizar pela positiva, pois estou bem ciente de que as «ovelhas ronhosas» da classe docente - que as há, como em todas as classes profissionais, e também tive oportunidade de tropeçar com elas - constituem desprezível minoria.

É neste contexto que, enquanto cidadão português e perante a enormidade aberrante das políticas e práticas de certa gentinha que se alcandorou ao governo de Portugal, de que as atitudes da ministra da Educação e dos seus secretários são exemplo destacado, me repugna ver o que vejo e ouvir o que ouço.

Tanto mais que se embrulham com a capa do Socialismo, cinicamente invocando um voto popular que traíram sem elementar pudor, Socialismo do qual renegaram conteúdos, práticas e, até, atitudes, assumindo posturas de arrogância, intolerância e inverdade que querem e sabem apoiadas no estado de desinformação que alimentam e da ignorância em que fazem questão de manter grande parte dos seu «súbditos».

Sou, também, socialista, por formação e cultura, se quiserem, sem que para tanto careça de cartão passado aos clientes desses albergues de pedinchice em que se constituíram os «grandes partidos».

Por isso mesmo, aqui declaro, desde já e para quem interessar possa, que Sócrates - que, de socialista, não terá nem os chinelos de quarto - não contará com o meu voto, em circunstância alguma, em processo eleitoral algum.

Essa é uma das minhas armas. E há capitais de confiança que, uma vez perdidos, são irrecuperáveis.

Por extensão, mal vai o PS ao albergar tais abencerragens no seu seio... e, ainda por cima, dirigentes. Em direcção a quê?

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 18:41


novembro 10, 2008

As Caldas da Rainha, a Farândola... e os professores


Pois decorreu muito bem a apresentação da Farândola do Solstício, lá pelas Caldas da Rainha, na Livraria Martins Fontes, no passado dia 8 do corrente.

Agradecimentos à Cristina Horta, pela amável apresentação do autor; à Teresa Perdigão, pela apresentação interessantíssima da obra; à Fernanda Frazão, mais do que representando a Apenas Livros, uma amiga; ao Rui Calisto, simpático anfitrião; à Comunidade de Leitores das Caldas da Rainha, nas pessoas da Palmira e do Carlos Gaspar, sempre incansáveis; ao João Pequito, amigo e companheiro dos tempos de que se fala no livro... E a quantos mais me honraram com a presença e participação.

A festa foi apenas e muito ao de leve ensombrada pela ausência - mais do que justificada - de muitos professores que conto entre os meus amigos das Caldas da Rainha. Malhas que o calendário tece...

Eu próprio, longe de deter dons de ubiquidade, me vi impedido de participar solidariamente na gigantesca manifestação que teve lugar em Lisboa.

Porque, meus amigos, é disso mesmo que se trata: esta luta não é só dos professores. É de toda a sociedade. O que se discute não é uma mera avaliação, mas sim o futuro da qualidade do Ensino público em Portugal.

E a questão do Ensino toca a todos. Pobres dos néscios que se deixam convencer de que estas questões não lhes dizem respeito. Quando menos esperarem, descobrem que, longe de viverem num país, estão é acorrentados às galés da intolerância, da incompetência e do posso-quero-e-mando. Então, como é bom de ver, será tarde para lamentos.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:17


novembro 05, 2008

Farândola do Solstício
apresentação nas Caldas da Rainha
convite


Por iniciativa e amável convite da Comunidade de Leitores das Caldas da Rainha, farei uma apresentação do meu livro Farândola do Solstício - memórias de infância por terras de Miranda, no próximo dia 08 de Novembro, sábado, pelas 16h30, na Livraria Martins Fontes (Portugal), sita na Rua Miguel Bombarda, 49 A, nas Caldas da Rainha, para a qual muito gostaria de contar com a vossa presença.

Já sei que para algumas das amizades que agora convoco não haverá possibilidade de estarem fisicamente presentes, mas, ainda assim, cumpre-me dar-lhes conta, em forma de convite, desta iniciativa, pelas razões que o afecto sustenta.

A sessão contará com a presença de Teresa Perdigão, antropóloga, representante do IELT - Instituto de Estudos de Literatura Tradicional, e de Fernanda Frazão, representando a Editora Apenas Livros, para além de representantes da Comunidade de Leitores das Caldas da Rainha e da Livraria Martins Fontes. Claro que eu também tenciono estar presente...

Convido-vos, pois, para mais este encontro de amizades, num espaço simpático e inovador, nessa terra que acolheu os meus primeiros passos nestas artes de juntar palavras com um carinho e entusiasmo que me ajudaram a convencer de que valia a pena perseverar.

Também, muitos de vocês terão já a Farândola... Mas as Caldas da Rainha são um bom destino para um passeio de fim de semana e um abraço é coisa de que, cada vez mais, vamos sentindo a falta.

Aqui deixo o meu, virtual, esperando pelo próximo sábado para vos dar um outro, mais substantivo.

Jorge Castro

- Nessa data decorrerá a manifestação de professores, em Lisboa, com a qual estou absolutamente solidário, ainda que lamente razões que a razão desconhece e que levaram à alteração da sua data de 15 para 8 de Novembro.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:52


novembro 04, 2008

quadras soltas...

de migalhães vendilhão
de caixeiro viajante
de pavor na educação
de consumado tratante

de ricaço ganha pão
de saúde perturbante
de discurso maganão
de boleia do tunante

de economia no chão
de forças periclitante
de não ser sim nem ser não
de ser a posta restante

assim vai esta nação
em socrático levante
fora de pé e de mão
pelo inferno de Dante

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:39


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas