<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
junho 29, 2007

Questões insidiosas...

Como se ligam os não-factos com que nos promovem o desviver?

Explicando-me:

1 - Há dias (poucos) a electricidade ia subir 15 ou 16% porque sim. O ministro da tutela disse que não podia ser. E, em presuntivo bem da nação, “só” subiria 6%! O povo, agradecido, curvou-se, em reverência… Meia-dúzia de dias (mal) passados e a electricidade vai baixar 3%!!

É milagre? Foi Deus? Nossa Senhora de Fátima protectora dos desvalidos? Ou tudo isto não passa de mais uma ignóbil treta?

2 - A “flexibilização laboral” à portuguesa, num mercado laboral em que tantos não cumprem a legislação existente, promovendo o cancro social do “recibo verde” com TOTAL conivência dos sucessivos governos, será mesmo necessária?

Ou será que o mero desconforto de vegetarem num pântano de ilegalidades faz com que tantos dos nossos “empresários-de-trazer-por-casa” sofram com insónias e dos governantes cúmplices padeçam de perturbações gástricas, ambas a serem dirimidas pela panaceia de uma legislação mais conveniente (ainda)? – Não vá algum incómodo e desalinhado organismo comunitário descobrir toda a tramóia… Ou até por mera desavença de comadres vir a descobrir-se o fundo ao tacho.

3 - Afinal, o legislador sempre proíbe ou não - ou talvez assim-assim - o fumo do tabaco nos locais públicos? Vai para a frente, vai para trás, vai para o lado, vai para cima… e amolece a cada dia que passa. Será apenas esta perturbação provocada pelas receitas arrecadadas nos impostos a funcionar como factor inibitório da decisão?

Na verdade, conforme a política-dos-nossos-políticos, segundo a qual “vale mais um pássaro na mão” do que o dia que lá vem, as receitas arrecadadas hoje são mais, mas muito mais importantes do que os encargos com a saúde a pagar amanhã. Assim c’umàssim, até amanhã privatiza-se a coisa da saúde e talvez até, no fim das contas, nem haja nada a pagar…

4 - Pelo meio desta salada, o nosso insuspeito Primeiro garante, com a mão esquerda, que em Portugal ninguém será perseguido por delito de opinião (falando do professor Charrua), enquanto move, com a mão direita, um processo contra o autor do blog Do Portugal Profundo.

Quantos de vocês imaginariam que o nosso Primeiro é ambidextro?

Enfim, tanto havia a dizer, mas não tenho tempo. Vou até ali a ver se vivo e já volto!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:57


junho 26, 2007

VII Encontra-A-Funda, danados e danações


Digam o que quiserem. Perturbem-se e estrebuchem os que para isso lhes dê. Escarranchem-se no lombo de mula velha, da cooperativa ou outra, se puderem... Mas que uma boa colecção de gargalhadas já ninguém nos tira do bucho, essa é que é essa!

Paisagens do melhor, vinho do melhor, insana loucura do melhor, comida do melhor, companheirismo do melhor... Ora, tenham lá santa paciência, mas metam as beatices e alguns pudores carunchosos na arca da velha avó - coitada, que no tempo dela, sabe-se lá, até parece que nem se faziam meninos e tal... - e roam-se as unhas até ao sabugo, espreitando algumas fotografias que dão apenas uma ténue imagem do que por lá se passou.

Um abraço enorme a todos, mas com muito especial destaque à Tuna Meliches e respectivas bailarinas que levaram à cena, com garbo e atropelo, por entre a maior humidade nocturna, o Auto das Danações, numa versão tão próxima do Inferno que dir-se-ia estarmos todos no Céu!

Também ao Pedro Laranjeira que, uma vez mais, comigo partilhou esses ínvios caminhos da poesia.

Uma palavra de justo reconhecimento à mentora do projecto, a inefável São Rosas, pela impecável organização do evento, sem mácula, nem atritos - coisa tão rara, que é comovedora (ou cu-movedora, como por lá se dirá, com mais propriedade).

Também ao David Caetano, da Arqueobeira, que sustentou com denodo a sua argumentação erudita em defesa do Centum Cellas e do símbolo fálico da vila do Ferro contra 'algumas vozes' de maldicência e outras insolências; ao João Carvalho, da Quinta dos Termos, no Carvalhal Formoso, e o seu excelente vinho; ao Pielas Bar, do Pedro Daniel, em Caria, com uma jeropiga só suplantada pela simpatia... e por uma aguardente de figo de fazer chorar os mais empedernidos; ao casal dos Pimpões, na Quinta do Panasco, em Caria, afáveis, amáveis, simpáticos e inexcedíveis anfitriões, a quem tiro o meu chapéu pela paciência e altruísmo; ao Hotel Belsol, em Belmonte, com excelentes alojamentos e uma óptima vista panorâmica; ao Restaurante D. Sancho I, em Sortelha, com belíssima decoração e que nos "arrumou" a todos com um prato de javali e outro de veado, ambos acompanhados com castanhas e regados a vinho da Quinta dos Termos... que nem vos conto!

Por aqui se descobre um sentido para a vida!

Nota - As fotos podem ser, também, consultadas, de futuro, ali na secção da esquerda.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:37


junho 21, 2007

Auto das Danações e
seu lançamento no VII Encontra-A-Funda

Nos próximos dias 23 e 24 de Junho, promovido pelo blog A Funda São, terá lugar, em Caria e arredores, o VII Encontra-A-Funda, saudável desvario iconoclasta, do qual muito me apraz participar.

A sua mentora, a inefável São Rosas, lançou-me, há uns meses atrás, um desafio que consistia em produzir um Auto, à moda de Gil Vicente, mas com a envolvência de personagens da "pós-modernidade".

Daí nasceu o "Auto das Danações", a minha obra mais recente, uma vez mais contando com a alegre e interessada edição da Apenas Livros, Lda., que acedeu, até, ao despautério de alinhar numa edição especial para os participantes naquele Encontro. A tanto chegou o espírito de colaboração...


Esta obra, que conta com o apoio, para o lançamento, do próprio Gil Vicente - o que não menos me apraz - irá ser conduzida em braços até à cena, na Quinta do Panasco (!?...), lá por Caria, pela reputada e inconcebível Tuna Meliches, da qual estou em condições de poder assegurar que sempre se pode esperar o pior.

Não posso deixar de aconselhar, pelo menos, uma vista de olhos pela programação do evento, através do link acima, garantindo que esta vida são dois dias (ou três, no máximo...), que convém aproveitar.
Permitam-me, então, que vos anuncie o prefácio da obra:

"Versalhada em um acto, que o tempo não está para desperdícios que não atem nem desatem.

Tendo Gil Vicente como fonte cristalina, fresca e exemplar nessa arte de bem zurzir quem o mereça, apreciando de viés o que o mundo nos mostra e tentando entrever o que ele nos esconde, assim foi concebido este Auto.

Será Auto de notícia que, se a vossa benevolência o permitir, ficará para o porvir como retrato a preto e branco, não revelado, isto é, em negativo, deste nosso tempo.

Não é todo o mundo – ou até tão só todo este nosso aprazível recanto - feito destas graças e desgraças. Mas muito dele é assim feito, por defeito, por acaso ou por conveniências. De qualquer modo, os retratos foram tirados a personagens da nossa praça, envoltos num caldo de cultura que, também esse, tem tonalidades muito nossas e entranhadas.

Há, como se presume, na massa do ilustre sangue lusitano, alguma valentia sorna, contraposta aos brandos costumes – que tanta vez escondem a hipócrita ou cínica violência - que nos moldam e por quem nos deixamos moldar e que, misturados no cadinho da vida, motivam esta tão peculiar forma de estar, sem paralelo mundial – pelo menos, tanto quanto diviso daqui da minha rua…


- Jorge Castro
Abril de 2007"

Nota - Os interessados na aquisição de um exemplar - custo de capa 3,10 € - peço que me dêem conhecimento através do email jc.orca@gmail.com.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 20:54


junho 15, 2007

noites com poemas - Torga

Na próxima sessão de Noites Com Poemas, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana, em 20 de Junho de 2007, pelas 22 horas, a conversa girará em torno de Miguel Torga.

Como programa adicional, será feita uma breve pré-apresentação do meu último livro de cordel, Auto das Danações... isso mesmo, à maneira de Gil Vicente e tal, que terá lançamento oficial a 24 de Junho, por Caria (cá vem o trocadilhozinho manhoso). E Caria, porquê? Ora, a bem da regionalização e por outras razões que a seu tempo anunciarei.
Há que tempos esperamos pela tua visita à Biblioteca! A ver se é desta...

A Miguel Torga

fontes
regatos
estrelas de papel
retratos que pintou a mel e fel
na terra agreste
e os montes pedregosos
junto ao céu
num grito de poeta que se ouviu
de leste a oeste

duras as pedras e o olhar
que o pão não nasce do chão
só por nascer
sem haver as mãos para o semear

um orgulho de crescer para trás dos montes
entre trigais e lameiros e granitos
onde se douram intensos como gritos
ervas do campo e horizontes

e as estevas
as urzes
entre os xistos
segredam-nos segredos que só vistos
por alguém que a si se faz
alto e sereno

um hino
a cada passo
ou então um ninho
em que sabe ouvir a voz de um passarinho
no fragor do temporal num mês de Março

mão amiga e redentora
que assegura
na rudeza cruel da desventura
poder ser melhor o seu destino
mas ter a grandeza
entre o negrume
de gritar numa voz acesa em lume
de ter ele feito o que fez
por ser capaz

e assim
mesmo sem querer
viver na paz
pela luta vivaz que à vida imprime
e assim
mesmo sem querer
ser sublime.
.

- cartaz de Alexandre Castro
- poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 18:27


junho 13, 2007

Quadras a Santo António neste ano da graça de 2007

Ter em Lisboa Esposende
Na noite de Santo António
É coisa que mal se entende
De demónio… ou de neurónio

Pior quando a marcha abriu
Logo mais com sarabanda
Com um samba do Brasil
Qual Carnaval de outra banda

Também vieram piratas
De trabuco e flauta lisa
Espanholas as gaiatas
A ver Lisboa em camisa

Pelo andar da romaria
No Carnaval de outra banda
Ao Brasil hão-de ir um dia
Os paulitos de Miranda

Santo António é manjerico
E cravo belo e faceiro
Por tanta flor é rico
Só não tem mesmo é dinheiro

Santo António é um magano
Que traz Lisboa ao pescoço
Vem cá uma vez ao ano
Come a carne e deixa o osso

Nestas marchas de Lisboa
Desfile em gato-sapato
Falta-nos ter numa boa
Santo António a candidato

Enquanto não acordasse
O pesadelo era enorme
Se Santo António sonhasse
O quanto Lisboa dorme

Não há fogueira como esta
Ele há coisas do demónio
Lá se vai Lisboa em festa
Saltar de António em António

E no palanque mais alto
Para regalo dos olhos
Candidatos ao assalto
Quais manjericos aos molhos

Entre um José e a Roseta
Um António deu à costa
Um Negrão correu à meta
Tudo a Lisboa se encosta

Haja pão e circo e tudo
Neste desfile na avenida
Que mais parece um Entrudo
Santo António… foi à vida!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:13


junho 12, 2007

a Milu, a Associação de Professores de Matemática e o totalitarismo

A propósito do estado a que vamos chegando e da política de "abate" que os actuais governantes do país parecem ter definido como forma superior e depurada de "diálogo", aqui vos deixo uma sugestão de visita, que ilustra o que fica dito: apm.pt/portal, para a qual peço a vossa viva atenção.

Coitada da APM (Associação de Professores de Matemática) que também não caiu nas boas graças da senhora ministra...

No fundo, esta atitude persecutória não difere em nadinha daquela outra da DREN, que se abateu sobre o professor Charrua, se atentarmos bem. Claro que o Ministério dirá que o assunto não é com ele e chutará responsabilidades para algum responsável de segunda ou terceira linhas.

A arrogância prepotente de qualquer autocrata assumido é conhecida. A vileza da hipocrisia cobarde institucionalizada é que vem assumindo foros de "originalidade".

Mas se aquela nos merece o zurzimento da paulada, esta não mais vale do que a chinelada do opróbio - entendamo-nos: neste "nos" estou a referir-me apenas aos cidadãos que valorizam esse estatuto.

Está a parecer-me ser esta a cada vez mais ténue diferença - aliás, meramente táctica, diga-se - entre a "outra senhora" e a "senhora actual".

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 08:59


junho 10, 2007

fotografando o dia (77)


ser-se português, pois então...

trago a matriz de Camões
impressa na carne viva
proa da nau de ilusões
que em cada dia se aviva

ao leme fendendo as vagas
em mar de infortúnio e morte
ou na alma cinco chagas
por lamentos de outra sorte

“eu sou português aqui”
diz quem sabe e faz a hora

e por quanto que vivi
enquanto viver aqui
eu sou português agora.


- foto e poema de Jorge Castro
sem "nacionalismos" nem xenofobias, apenas com esse orgulho de nos sabermos parte integrante e imprescindível do mundo.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 16:55


junho 08, 2007

"Tempo de Cinza", de Manuel Filipe, com amor...


Planto as mesmas rosas

Planto as mesmas rosas,

infindavelmente planto as mesmas rosas,

e poemas ou gaivotas são as rosas

que sulcam o meu olhar, quando anoitece.


Planto as mesmas rosas,

infindavelmente planto as mesmas rosas,

o desassossego de existir, atrás das rosas,

é o mais lúcido aprender que me acontece.


Planto as mesmas rosas,

infindavelmente planto as mesmas rosas,

e por vezes nada mais há do que tais rosas

na teia que minha mão entretece.


Planto as mesmas rosas,

gostava de as oferecer, se alguém quisesse...

- poema de Manuel Filipe

Tenho reiteradamente revelado que este tempo e experiências de partilha no mundo dos blogs me tem bastas vezes surpreendido com manifestações de afectos e solidariedades efectivas que, contrariando o "tempo de cinza" dos dias, me trazem à vida ânimo e alento e a certeza de que um mundo melhor está mais perto de nós do que a utopia.
Ontem mesmo, num encontro de amizades, tive o prazer e a distinção de ser presenteado com um livro, da autoria de Manuel Filipe, autor que me foi aqui revelado, e que tem esse deslumbramento sem preço de ter sido criado... para ser dedicado e amorosamente entregue aos amigos!

Da sua Nota Prévia, destaco:
"É a eles, e a todos os amigos que ganhei através da poesia, que dedico este livro. E, como um acto de amor se trata, queria que ele não tivesse preço. Que, por uma vez, afastada a lógica perversa de 'deve' e 'haver', fechássemos o círculo."

Direi, apenas, depois da sua leitura cuidada: bem aventurados os iniciados que tal círculo integram. Eu, grato, o abraço.

Notas - Edição da Apenas Livros, Maio de 2007, prefaciado por Urbano Tavares Rodrigues, com imagem de capa de José Escada.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:01


junho 05, 2007

fotografando o dia (76)


diga-me lá
seu grosseiro
como quer passo de dança?
passo-doble já o cansa
e singelo
mais maneiro
ficará
preso ao terreiro
estragando a contradança…

fique assim
só conversando
que na conversa versando
vai a gente descansando…

- foto e poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:46


junho 03, 2007

publicidade graciosa... isto é, cheia de graça

a Livraria Martins Fontes,
nas Caldas da Rainha
(Rua Miguel Bombarda, 49-A)

comemorou o seu primeiro aniversário,

ontem, dia 02 de Junho de 2007.

Ajudaram à comemoração os Sons do Bairro, com temas de reconfortar corações e almas, tendo a Isabel Sá-Lopes e eu próprio contribuído um pouco para o evento com poemas de nossa autoria e de circunstância.
Uma sala cheia (em dia de futebol!), apoiando um projecto de coragem e empenhamento, levam-me a assegurar que há, ainda, caminhos abertos a combater inculturas e abandonos.

Um excelente espaço e um não menos excelente acolhimento a quem chega, levam-me a recomendar este espaço, a todos os que passem pelas Caldas da Rainha, como ponto de paragem obrigatória. Por entre os livros, será servido um café adoçado, sem esforço aparente, por grandes doses de simpatia.

Com um grande abraço à Isabel, ao Rui e à restante equipa de corajosos, votos de longa vida a quem assim nos acolhe e trata!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:49


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas