<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
março 28, 2005

Exortação com R

Algazarra
Alcaparra
Algo assim que prende a amarra
Algo agarra a cimitarra
Alguém dedilha a guitarra
Quem me acode? Quem me agarra?
Que força é esta que amarra
O corpo ao chão desta terra?
Ah mas que falta de garra
Só formiga
Só cigarra
Só não erra nesta guerra
Quem emperra à tripa-forra esta porra
Esta zorra
Esta plangente modorra
Este pavor de masmorra
Este nem mate nem morra
Faça pela vida
Homem
Corra!
Corra!
Berre!
Arrebate!
Solte a rédea!
Largue a parra!
Arre! Arre!
Irra!
Erre tanto! Urre! Corra!
Morda e grite!
E marre! Marre!
Toque esse sino a rebate!
Toque essa sina a galope!
Tudo a trote! Toc-toc!
Vai de agitar esta malta!
De levar tudo a reboque!
Vai de acordar esta porra!

- Jorge Castro


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:43


março 27, 2005

Mosaico

Dei por mim a vaguear por locais em que me encontro

nos tempos em que me perco.


Por estes dias levei a minha voz e outras mais aonde houvesse quem ouvisse.




Nalguns lugares encontrei muros tão feitos de pedras e outros só de palavras, que só palavras derrubam.


E os olhos olham, frontais, esperando um “nunca mais” que nunca mais acontece.
Ainda assim, amanhece cada dia outra vez. E o dia corre demais, sem esperar outros dias.

Soube-me bem ter-vos tido por cá, durante a minha ausência. A casa não esteve abandonada.



Poesias à parte – ou talvez não... melhor, seguramente, não! – dei por mim a embasbacar perante os vencimentos de administradores cá do burgo, publicados no último Diário Económico, em que se apura que há por aí personagens da ópera bufa em que se foi fazendo este país a auferirem mais de 10.000 contos por mês, fora as demais prebendas, conforme vencimentos auto-definidos e que ninguém controla. E isso não seria grande mal, se se lhes apurássemos obra feita. Mas não. Nada de nada vezes nada! Uma fugaz e reles passagem por alguma empresa mais a jeito... e ei-los de casa posta, mamando na pródiga teta da impunidade, neste país de tantos desabrigados e tão poucos desobrigados!


Depois, um anúncio obsceno, fez-me pensar na máxima d’A Funda São, segundo a qual “nem tudo o que nos fode é erótico” mas que a ética não deve ser um mero quadro sem moldura...


Dei por mim a vaguear por locais em que me encontro

nos tempos em que me perco.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 02:08


março 21, 2005

Telegrama

DIA MUNDIAL DA POESIA

Este, como o outro, é quando um homem quiser!

Criem-na, à Poesia. Mas não se esqueçam de a viver!



Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:44


março 17, 2005

A Poesia diz-se...

Ele há a seca e ele há a poesia.

Talvez esta nos ajude a descobrir ou inventar um manancial de futuro, por onde a vida brote mais cristalina e refrescante.

Este vosso amigo sai hoje para a rua, com poemas debaixo do braço, que lançará aos quatro ventos.

Regressarei, apenas, depois do dia 25 de Março, contando convosco.

Lembrem-se que é a palavra que nos une e que a vida se fez para ser vivida.

Até breve!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 21:50


março 16, 2005

Por vezes de uma pedra nasce um sonho

Por vezes de uma pedra nasce um sonho
Que se enforma como bilros entre as mãos
E é assim tão só por vezes um abandono
De nos sabermos só raízes deste chão

Sendo a vida cada folha que de nós
Se soltando cai na terra e se faz húmus
Essa terra em que somos tão diversos
Que a corrente desta vida faz ser unos

Tão diversa e adversa a vida toda
Tão dispersos que andamos desta vida
Que sentindo estar pulsante à nossa roda
Não colhemos dessa unidade a guarida

Mas vivemos e crescemos e gritamos
E sonhamos urdiduras de outro sonho
Que será de pedra feito pois sabemos
Que por vezes de uma pedra nasce um sonho.


- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:35


março 14, 2005

Despedida

- Ao meu amigo Alfredo, "que nunca mais acenderá no meu o seu cigarro..."

Os teus olhos fixaram-se em mim
Quase sem vida
Nem sei que lhes senti na despedida

E palavras já não tinhas para dar
Nem um lamento
Olhaste
Apenas

E tristemente
E no intenso frio desse olhar
O firmamento
Apagou do céu
Silente
Cada estrela

Ah amigo
Nem a tua mão tremente
Num afago final
Em cumprimento
Me causou dor tão intensa
Tão pungente
Quanto esse olhar temível
Sofredor
Que de tanto sofrer
Já nem sequer conserva a luz
Mais leve alento
De pressentir que alguém sente alguma dor

Dei por mim
Depois
A ver no mar e no horizonte
Buscando a mais ténue luz de estrela
Que brilhasse ainda
Ainda bela
Para a levar comigo no olhar
E te deixar com ela
Simplesmente
Roubada a esse mar
Ao horizonte
Para que brilhe
Ainda um pouco
O teu olhar...

- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:00


março 10, 2005

Há aves que poisam

Fotografia de Jorge Castro - Série Reflexos na Cidade

Há aves que poisam
Ao de leve
Fugidias
Neste beiral debruçado sobre um jardim de Lisboa

Há tantas aves que voam
Ainda no céu da cidade

Há um intenso azul quase roxo
Das árvores da cor do céu
Por baixo desses teus passos
Que são tais quais essas nuvens
Nas ruas desta Lisboa

Essa ave fugidia
E ao de leve poisada
No beiral à tua frente
É tão negra
Tão brilhante
Que parece mesmo azul como o céu desta Lisboa

Trouxe-te as copas das árvores
As calçadas
E os anseios
Da alma desta cidade

Depositou-os de leve
No beiral à tua frente

Saberia a negra ave
Feita azul só para ti
Qual a cor desta cidade

Que hoje amanheceu azul
Toda azul só para ti.


- Jorge Castro


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:35


março 08, 2005

Um dia como outro qualquer...

Dia Internacional da Mulher
Esse dia intencional em que adias a Mulher

Mulher que não é quem quer
Mas seja o que Deus quiser ou o Diabo deixar
Que se uma mulher quiser
Se outra mulher sonhar
Sempre que a mulher souber havemos de a ouvir cantar
Talvez saiba até voar como outra ave qualquer
Com os braços de embalar
Os seios de amanhecer
E os cabelos de histórias de contar e adormecer

Foste a minha Mãe
Mulher
E a outra que vier
Há-de ser Mãe outra vez
Se ela assim me quiser.



- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 16:50


março 06, 2005

Comentador, que comentas tu?

Foto de Jorge Castro - Série Reflexos na Cidade

Luisito sempre fora um puto mimado e dado à coscuvilhice, sendo que numa relação causa-efeito difícil seria apurar se o mimo lhe crescia a par do seu domínio da arte da intriga, ou se ser intriguista lhe apurava a inclinação para a mimalhice.

Senhor de uma cultura geral extensa, ainda que pouco profunda – lá está: a necessidade de meter o nariz em tudo, não pelo interesse na coisa em si, mas por uma curiosidade inconsequente e quase mórbida –, com o alto patrocínio de uns pais mais que remediados ainda que cautelosamente distantes, cedo o nosso Luisito aprendeu a discorrer sobre tudo, com desenvoltura e espavento.

Da cultura das bonsai até ao mais sofisticado e recente helicóptero, da semiótica à arte da guerra, das canalizações domésticas à economia mundial, era perguntarem-lhe qualquer coisa, que a resposta saltava, eloquente, assertiva e fluida, produzindo um efeito basbaque, receoso e louvaminheiro no distinto, ainda que pouco exigente, auditório.

Como todos os Luisitos, este Luisito cresceu da idade dos caracóis e dos guizos, até à idade dos namoros e, depois, da gravata, sempre mimalho e “cusca”. Com o tempo e a necessidade de fazer pela vida, decidiu-se a aproveitar as suas tão naturais e ostensivas apetências e deu em comentador político nos jornais, televisões e, até, no aconchego do lar, benza-o Deus.

Porque a sorte favorece os audazes, felizmente para ele, tinha nascido em Portugal, campo de cultura fértil onde mimos e coscuvilhices medram profusamente, sem noção de ética ou responsabilidade de qualquer ordem e sem carecer de estrume. Na pior das hipóteses, eles próprios são o estrume.

Hoje, é um guru da chamada “opinião pública”. Faz, na vida, a cabeça dos outros ou, pelo menos, disso está delirantemente convencido.

Ainda que ninguém saiba definir muito bem o que é isso da “opinião pública”, havendo até quem resvale na insolência de considerar que a “opinião pública” é coisa sem existência real, não passando de eufemismo metafórico, com tanta diversidade de cabeça pensadora que há por aí fora e estando provado que os neurónios se estabelecem em ligações magnificamente aleatórias ou talvez não, no cérebro de cada um, lá pelos dezoito mesitos de idade.

A ser verdadeira esta opinião – tão válida, porventura, como qualquer opinião do próprio Luisito – as consequências na vida do nosso comentador serão tremendas e devastadoras: uma vida dedicada a contribuir para algo que, afinal, não existe, deve ser demolidor para qualquer criatura.

Nota final: é óbvio que esta personagem é ficcionada, não tendo existência real (aqui, também...). Trata-se, apenas, de um exercício de má-língua, em que este país também é fértil...


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 08:58


março 03, 2005

O verso e o reverso

De bruços sobre o verso
Controverso
Depuro-o sem apelo
Pelo reverso
Num estilo porventura bem perverso
Só para ver se o verso versa
Contra o verso
Nessa pressa
Incontrolada
E manifesta
De saber da vida o verso
E o reverso
Que começa na aventura de um poema
Para que tudo
Por fim
Nos valha a pena.


- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 08:07


março 01, 2005

A Idade de Rosas

À Lourdes, no dia do seu aniversário

Nasce em busca do teu Sol
De orvalhadas primaveras
Cresce papoila em trigal
Cresce sempre no teu sul
De mar temperado e quimeras
Faz-te brisa na colina
Sente o musgo nas falésias
Corre já vento em escarpas
Leva o perfume das frésias
Ao mar alto em que te encarpas
Vê o que de novo nasce
Respira o pulsar dos mares
Sente a maré que já cresce
Lá por onde tu andares

Mas sê sempre uma roseira
De espinhos
Folhas
Flores
Pois representam caminhos
Tais quais fossem eles amores
Cresce botão pela seiva
Que em ti corre no anseio
De florir o ano inteiro

E quando
Enfim te cumprires
Em pétalas aveludadas
Vai-as deixando cair
No regato dos sentires
E leva ao mar do teu sul
Alvoradas perfumadas.

- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:59


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas