<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
julho 29, 2008

vou de gozo e volto já

Férias? Gozo de licença anual, dizem-me e talvez soe um pouco mais burocrático, mas corresponde mais à verdade.

Aproveitemos o gozo, intenso enquanto dure; de licença, claro, por haver quem a peça e quem a autorize; anual é que não, que isto um homem goza quando quiser ou para tanto tiver engenho.

Comecei bem: a «ouver» o Caetano e fui apanhado por aquele «calor que provoca arrepio». Imbatível aquele gajo e farta-se de melhorar com a idade. Ay-ay-ay-ay-ay... no llores...

Bati asas e voei. Até já, que eu vou e volto já nesse bater de asas.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:11


julho 25, 2008

na noite de 23, foi assim...

Duo Vienalis
















Ana Cosme (Duo Vienalis)




















Luís Morais (Duo Vienalis)













Jorge Castro, Luís Morais e Ana Cosme










João Barbosa. Jorge Castro e Xosé Lluís Campal











Cláudia Marques (Biblioteca),
Fernanda Frazão (Apenas Livros)
e Jorge Castro













Os amigos, os interessados, os participativos...


















João Baptista Coelho














Maximiano Miguel














Xosé Lluís Campal













Pedro Mota













Manuel Filipe













Jaime Latino Ferreira














Uma sala cheia por quem acredita que se pode sempre voar mais longe...




















Carlos Peres Feio













Maria Francília Pinheiro



















Júlia Lello















Maria Aguiar














Cristina Vieira














Clarinda e Migui... ou Migui e Clarinda


















Hélio Proença





E pronto! Em Setembro há mais!

- fotos de Lourdes Calmeiro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:08


julho 21, 2008

noites com poemas - encerramento da temporada

No próximo dia 23 de Julho, pelas 21h30
na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana,
sessão especial, encerrando a época:

Os Poetas da Apenas
com o Duo Vienalis




A sessão contará com a participação de poetas que integram o projecto da editora Apenas Livros, Lda., apresentando poemas de sua autoria.

No entanto, como envolvência especial da poesia, esta sessão contará, também, com a presença do Duo Vienalis.

Fundado em 2005, o Duo Vienalis é constituído por Luis Morais (Violino) e Ana Cosme (Piano). Ambos obtiveram a sua formação na Universidade de Música e Arte dramática de Viena, Áustria, onde se encontram ainda no presente, a desempenhar as suas actividades profissionais. Têm-se apresentado diversas vezes em concerto, tanto em Portugal como na Áustria, nomeadamente em comemorações do ano Mozart (2006) e Grieg (2007). O seu repertório abrange obras que vão desde o período barroco até ao sec. XXI. Já contam com gravações e transmissões para a RDP (Antena 2 - Concerto Aberto).

No dia 23 de Julho, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana, o programa proposto pelo Duo Vienalis é o seguinte:

Beethoven - excerto da Sonata nº 8
J. Massenet - Thais - Meditation
A. Dvorak - Humoreske
M. Ravel - Pavane
V. Monti - Czardas
C. Gardel - Tango "por una cabeza"
C. Debussy - Clair de lune
J. Williams - "The Chairman´s Waltz" de "Memoirs of a Geisha"
F. Kreisler - Liebesleid Liebesfreud

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:14


julho 17, 2008

reflexão contra os analistas do «coitadinhos de nós»

Chateia-me esta história de, por sistema, algumas abetardas da nossa inteligência perorarem sobre esta fatalidade de sermos, no dizer deles, «um país periférico da Europa» e, por isso, discorrerem alarvemente acerca de um conjunto infinito de insuficiências crónicas que daí nos adviriam.

Eu acho graça - que é como quem diz, não lhes acho graça nenhuma - e pasmo.

Que tal considerarem o muito mais óbvio e geograficamente gritante que é o facto de Portugal, no concerto das nações e do mundo, ocupar uma posição geo-estratégica única ou ímpar, se quiserem: estamos, na verdade, no centro do mundo!

E descapitalizamos esta verdade gritante, em cada segundo que passa. Nem a saga das Descobertas, em que fomos universalmente grandes, ainda que com todas as fraquezas humanas, nos acorda.

Mas não, porque isso implicaria a necessidade de criar cidadãos de corpo inteiro para encarar os desafios dali decorrentes, o que é imcompatível com esta maneira amaneirada de ser muito mais fácil ter sob controlo os adeptos fervorosos da pimbalhice nacional.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:00


julho 16, 2008

a crise da crise

O que mais me incomoda, nesta «crise anunciada» em que vamos vivendo, é a sensação profunda de que estou a ser vítima de um colossal barrete.

Entendamo-nos: se a crise chegasse, séria, honesta, cara ao sol e ao vento, anunciando: «- Meus senhores, cheguei. Não queria vir, mas lá teve de ser. Isto está mau para todos e tal, vamos tentar levar a coisa da melhor forma possível... até que eu possa ir embora e todos vocês respirem mais aliviados», isso, sim, seria uma crise a sério.

Mas não. A crise chega anunciada por terceiros, quase sempre economistas, prevista e previsível a meses (quando não a dias, que jamais a anos) de distância. Instala-se rodeada de mordomias e aconchegos, propiciados exactamente por aqueles que mais deviam zelar para que os seus efeitos menos se fizessem sentir: os governos e os seus agentes tentaculares.

Constâncio desperta, de tempos a tempos, do seu sono de vestal e, analisadas as vísceras do povo, instrói-nos sobre a penosidade dos dias e as cem maneiras de cozinhar o «tem-de-ser». Condimentos restritos da sua pindérica cozinha: despedimentos, diminuições salariais, diminuições salariais e despedimentos.

Os governos, de que Sócrates é só mais um - e do mesmo, dir-se-ia, ainda que lhe reconheçam maior obstinação -, vão dizendo coisas profundíssimas como: «- Aumentar os salários? Nunca! Isso iria desenvolver uma espiral inflaccionária!».

Muito bem, Então baixem-nos assumidamente, porra, que assim é que não chegamos a lado nenhum. Nem à bengalada, que tantos merecem.

Os Mexias aumentam-se cento e tal por cento e dizem-se confortáveis com isso. Claro! Quem não estaria? E merecem-no? Se sim, vamos a isso. Mas aumentem-se, na mesma óptica, todos os cidadãos num esquema de meritocracia... Ou, então, degredem-se para uma qualquer enxovia, fétida e pútrida, se se provar embuste, falácia e dolo.

Ninguém explica essa treta dos combustíveis aumentarem, pagos em dólares, quando nós nos regulamos por euros, que deixaram o dólar a perder de vista há vários anos. E ele é o «stocking» e outras «tretings», enquanto o estado cobra o bom e o bonito por cada litro de combustível vendido.

Baixá-lo? Claro que não, que só favoreceria o aumento do consumo e lá iria o ambiente de pantanas. Então, vamos para as alternativas! Que não, que também não pode ser, pelos interesses instituídos... Veja-se o que se passou com a autarquia da Ericeira.

E o governo arrecada menos porque a malta compra menos - outra tanga, pois o que entra, entra sem esforço e conta!

Depois, vem uma taxa «Robin dos Bosques», de que qualquer Zé do Telhado se envergonharia, com flecha de ponta romba e arco sem corda, que é outro embuste, outra falácia, outro dolo.

E o País esvai-se, foge para o estrangeiro, como sempre, - sim, na Finlândia estão a construir centrais nucleares, 'bora ver o que será isso... -, o País reforma-se e vai para baixo da ponte passar férias, o País constitui-se em gangs em defesa de muito particulares interesses, as polícias fazem greve de zelo e os agentes do poder - alguns, só alguns, que a maioria é demasiado séria para isso, como todos sabemos - alberga-se em mansões senhoriais que fariam empalidecer de inveja a antiga nobreza aristocrática.

Mas o Carlos Queirós regressou e outro ciclo se irá iniciar nas nossas vidas. A Ínclita Geração deverá estar mesmo a considerar ressuscitar para alinhar neste novo alento que à lusa gente faltava.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:06


julho 12, 2008

da relatividade numérica (ou da ressaca de uma semana algo complicada...)

Porque sempre fui pouco mais do que sofrível a Matemática, ao perder-me numa carreira brilhante em Aritmética, desenvolvi este malfadado espírito da dúvida pouco metódica que, perante os mais recentes desenvolvimentos colhidos no previsível sucesso (anunciado) das políticas governamentais dos últimos 20 anos, na área da Educação, me faz estremecer de incertezas...

1 + 1 = 2 (chamado senso comum, processo em fase de extinção, não aconselhável em modelos de apresentação em Powerpoint, por supostamente estar muito visto)

1 + 1 = 11 (matemática pós-socrática que conduz a sucessos numericamente fabulosos - de fábula, entenda-se)

1 + 1 = 0 (resultado contabilístico atingido por um casal em que ambos auferem vencimentos a recibo verde, depois de liquidarem as diversas prestações em que estão comprometidos)

1 + 1 = -1 (casal com problemas relacionais, em busca de experiências novas)

1 + 1 = + ou - (o mesmo casal antes de se decidir a experimentar as tais experiências novas)

1 + 1 = ? ( a eterna indecisão... quem sou? de onde venho? para onde vou?...)

1 + 1 = ! (imperativo existencial: a fé é que nos salva)

1 + 1 = ... (imobilismo que pode resultar de algumas confusões de conceitos e precipitações de palavras de ordem do tipo «todos diferentes, todos iguais», se não se apura qual o termo da igualdade)

1 + 1 = 1+1+1+1+1+1+1+1+1+1+1+1+1+1+1+1... (adivinharam: um casal de coelhos, porventura aqueles que deveriam ser chamados a regular o País, por índices de produtividade comprovados; reflexo, também, do estado de graça pelo qual esperam as clientelas políticas, de cada vez que o poder político muda de mãos).

1 + 1 = 0 + 0 (apreciação regular de Medina Carreira, face às políticas e aos políticos que nos vão calhando em sorte).

Com um largo sorriso de satisfação, aqui lanço contributos muito sérios que me chegam de quem anda atento a estas contas da vida:

São Rosas:
1 + 1 = 1/2 (um meio... de os políticos nos tramarem)

Jaime Latino Ferreira - algumas variações:
1 (sem mais contas, a valer pelo indivíduo)

1 = 3 (o «eu», o reflexo desse «eu» no outro e o alter ego que «distanciado da interacção, logo tenta ver de fora»)

1 = ou 0 («do um se chega ao infinito e ao zero, a superfície do espelho para cá e para lá da qual, a numeração se perpetua e metamorfoseia bem como perenes o zero absorvente e o indelével infinito»)

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:14


julho 06, 2008

fotografando o dia (107)


navegar é sempre longe
entre o acaso
e a distância

se ficar sempre na margem
de leme ao medo submisso
não há mar
nem inconstância
fica o lodo por viagem
e o não ser
compromisso

- foto e poema de Jorge Castro

Não sendo hábito meu, mas porque hábitos, como regulamentos, sabe bem subvertê-los uma vez por outra, aqui vos deixo uma réplica que o meu amigo Jaime Latino Ferreira achou por bem elaborar sobre o poema acima:

AI NAVEGAR

O não ser por compromisso
Se o lodo é a viagem
Logo me sinto submisso
Se não saio desta margem

O navegar é omisso
Sem a rota da miragem

( Variação sobre um poema de Jorge Castro)

Jaime Latino Ferreira
Estoril, 7 de Julho de 2008

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:49


julho 03, 2008

Nas Palmas da Noite, de Manuel Filipe


Amigo e poeta, brindou-me Manuel Filipe com mais um trabalho seu publicado pela Apenas Livros. E digo brindou-me bem ciente do que vos digo, pois o Manuel Filipe partilha comigo esse estar na poesia tão só por gosto, pelo fluir fruído das palavras, sem peias nem constrangimentos para além daqueles que ele próprio se imponha.

Acabado de chegar de um aprazível encontro, leio todo este livro de um fôlego. E ganho alento. Deixo-vos com dois poemas de Nas Palmas da Noite, na convicção de que estou a partilhar convosco o que de melhor me acontece. Podereis avaliar:

O FUNÂMBULO

O funâmbulo encontra no trajecto o seu alento,
por um fio de aço, ascendendo, contra o tempo.

O olhar busca o frágil vulto desterrado,
num esplendor de projectores, encandeado.

Por uma eternidade parecera dar-lhe o vento,
(estivera um instante ausente, e desatento).

Só, no espaço, sua atenção é exigida,
pois apenas um arame o prende à vida.


Mas desliza, agita o ar, num gesto alado,
e sobe ao refúgio, no zimbório prateado.


O PINTASSILGO

Num dia claro
uma ave - um pintassilgo -
vem-me dizer
que o silêncio
é um lugar cinzento
onde viver.

- Desperto o silêncio.
Diz
perto
o pintassilgo.

- Morrerei se emudecer.


- poemas de Manuel Filipe

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:08


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas