<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
setembro 28, 2006

fotografando o dia (47)



flâmulas
funâmbulas
flamejam
erectas
aos céus que almejam
etéreas
eternas
oscilam
à brisa que branda
as viceja.

foto e poema de Jorge Castro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:43


setembro 26, 2006

fotografando o dia (46)



ao ler um livro
se gosto
é um reflexo de mim
e letra a letra
palavra
conceito
e tudo por fim
entra em mim e nele me enleio
e no doce devaneio
fica livro e eu
só um

foto e poema de Jorge Castro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:14


setembro 22, 2006

fotografando o dia (45)



Por terras de Miranda do Douro

no ar ressoam ribombos
caixas de guerra e os bombos dos regatos na invernia
e as gaitas de foles ecoam
entre um lhaço da gaitada no xisto da penedia
são festas do solstício
de caretos e alta berra
e cada dia é um início de bogalhos o bulício
mãos mergulhadas na terra


saia a chouriça com bulha
ou saia o bulho com cascas
que por lá o céu mais brilha entre o dourado das ervas
contra as vascas da agonia


junto ao folar da cor de ouro
pelas arribas do Douro
tamborilando na posta posta à mesa numa encosta
mais brava que bravo touro
ao céu se lançam arribas
transmontanas sem quartel
contra o fel crescem mais vivas
mais agrestes e sentidas bordadas a vinho e mel


e sem alma que o derrote
arre burro vai ligeiro
espevita-me esse trote sem arreios nem arnês
que ali vai um pauliteiro
que é português por inteiro
mas que fala mirandês.


foto e poema de Jorge Castro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:45


setembro 18, 2006

fotografando o dia (44)



olha
mãe
tenho fome de viver
dá-me calor
acalanto
mas dá-me também o tanto
de voar
e de saber

foto e poema de Jorge Castro

- Não me conformo! Aprendi com os meus pais e em quantos livros li que a edificação e abertura de uma escola tornava um país mais rico.

Quando seria de esperar o regozijo por se inaugurar uma escola lá onde a persistência das gentes, comendo tantas vezes o pão que o diabo amassa, colhe a alegria de contar AINDA com uma dezena de rebentos, os nossos "eleitos" decidem, a bem das finanças "públicas", encerrá-las.

A conversa é estafada. E, pessoalmente, também já estou estafado com ela. Mas eu, que sou homem de votar sempre, aqui declaro que jamais votarei em qualquer agrupamento político que defenda ou assuma esta atitude.

Não há, no meu ver de cidadão, qualquer legitimidade ou argumentação admissível para que o estado encerre uma escola, desde que haja UM aluno que possa frequentá-la. Não há, claro, exceptuando a da defesa inconfessável do ensino massificado, acrítico... floribélico. Mas tudo "alindado" com o argumento, ao rés do asco, da "racionalização de custos".

Ou, então, assuma-se de vez a incongruência do "interior" e proiba-se liminarmente que ele seja habitado por humanos. Fica tudo entregue à bicharada, que as organizações ambientalistas até agradecem e acaba-se de vez com argumentos hipócritas e mal amanhados que nos insultam a inteligência - o que, por si só, será já tarefa misericordiosa...

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:34


setembro 14, 2006

fotografando o dia (43)



digam lá qual é mais belo:
o verde?
o azul?
o amarelo?

ou o conjunto das cores
cada uma
a enriquecê-lo?


foto e poema de Jorge Castro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:36


setembro 12, 2006

consequências (retardadas) do 11 de Setembro, cá no burgo - um contributo filosófico

Tanto se ajuiza sobre o 11 de Setembro, alegando que nada ficou como dantes e porque já ninguém quer saber o que isso poderá significar, traduzido em miudos, tratando-se apenas de trazer para casa uma opinião embrulhada em plástico, pronta a digerir... e toca a andar, lembrei-me de me debruçar sobre as verdadeiras consequências do 11 de Setembro aqui, por este jardim mal amanhado...

E, contra opiniões cépticas, creio ter chegado a conclusões luminosas. Ei-las:

- O encerramento de escolas alegadamente com poucos alunos, contra a vontade de todos os agentes do tecido social portuga é uma das consequências! É indubitável que o baixo número de alunos nas turmas promove a maior capacidade de transmissão de conhecimentos. E nada pior do que um descontente, interior (pois, pois, o contrário de litoral...) e esclarecido. Dá terrorista pela certa!

- O aumento de produtividade das nossas empresas, traduzido pelo espantoso incremento das frotas automóveis de serventia aos respectivos gestores, que deixa a perder de vista os nossos congéneres europeus é outra consequência! Podemos imaginar o que seria centenas ou milhares de luso-endinheirados, obrigados a andar em chavecos tais quais os da populaça... Decerto canalizariam esse fatal descontentamento, essa raivinha social, para o subsídio a organizações pouco claras ou mesmo obscuras, de indizíveis objectivos!

- A promoção do futebol a alma mater dos nossos sentir e viver é, também ela e ainda, outra consequência do 11 de Setembro! Imaginem a quantidade de terroristas portugas à solta por esse país - que digo eu? - mundo fora, se a sua ociosidade não fosse tão ocupada com os pontapés na bola que os outros dão...

- O trânsito absolutamente caótico e as intermináveis obras viárias são, sem sombra de dúvida, consequências da terrível data! Quem poderá imaginar a preparação de um ataque bombista, um mero carro armadilhado, um suicida qualquer, a embrenhar-se no trânsito de Lisboa ou do Porto? Jamais, sim, jamais lograria alcançar a tempo o seu objectivo...

- As próprias maternidades, encerrando no interior... é porquê? Lá está! Combate ao terrorismo, claro! Nascerem pivetes ranhosos, filhos de pais ressabiados por não poderem usufruir de um bejeca by night nas Docas, ou de uma volta ao Castelo do Queijo, é promover gerações de descontentes, com pedras nos sapatos e a ira nos rostos! Acabe-se já com isso!...

Não me canso de descobrir exemplos de como o "espírito do 11 de Setembro" é benéfico para Portugal! E não me canso, outro tanto, de agradecer aos deuses das coisas pequenas a benesse que é para todos nós termos governantes assim, tão injustiçados, mas que tão bem sabem proteger-nos do "Mal"! Amen...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 20:29


setembro 10, 2006

fotografando o dia (42)



S. Miguel - Açores

sei de um mar de nuvens todo
que a brisa à solta estremece
verde-mar a ver de terra
nascente mal amanhece
e o verde dá tempo ao tempo
matiz de azul feito de água
que nem o sustenta a mágoa
nem de súbito enlouquece

cratera ventre do mundo
que a mão do homem conhece
feita de verde profundo
e tanto azul que entontece...

foto e poema de Jorge Castro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:21


setembro 06, 2006

Queixinhas!

Passei um excelente período de férias, rodeado de verde por todos os lados.

Por isso só agora tropecei com a saga da "polémica" - perdoem-me as aspas, mas a paciência é pouca; coisas da idade, claro... - criada pelas declarações que o crítico Eduardo Cintra Torres, na páginas do Público, dirigiu à Direcção de "Informação" - lá estão as malvadas aspas, outra vez... - da RTP, a propósito da alegada atitude de subserviência desta relativamente ao governo de Sócrates, na questão dos incêndios e com especial relevância para o grande incêndio que destruiu parte significativa do Gerês.

Face à acusação do crítico - que pela sua experiência no ramo, devo presumir que, ao citar "fontes" esclarecedoras e sabendo o vespeiro em que Portugal está atolado, sabia do que estava a falar e no que se estava a meter - logo irrompeu um coro de bonzos virginais (da RTP, claro, mas não só), com suposta dignidade violada, no aqui d'el-rei costumeiro de quem, brutalizado por tão extremo acto, jamais conhecerá a felicidade do matrimónio, por previsível repúdio dos seus pares e da sociedade em geral.

E, então, sem mais aquela, intentam de imediato lavar a honra ofendida com um processo em tribunal!...

Sabe quem me conhece que nem me movem especiais razões de simpatia pessoal por Eduardo Cintra Torres, o que não me impede, de todo, de em diversíssimas circunstâncias partilhar das suas opiniões e de aplaudir o seu desassombro analítico.

Dito isto, o busílis: o que é que tem de tão grave a acusação de Cintra Torres? Pior: o que é que contém de tão original que não o saibamos todos já, cá pelo burgo, matéria que prodigaliza constante falatório e anedotário nos meios mais díspares do diz-que-diz nacional?

O(s) governo(s) instrumentaliza(m) a RTP, a tal do serviço público? Ai, não me digam!!!... Será verdade??? E as demais empresas públicas e de serviços, mesmo as mais ou menos privadas? Ai, também??? Parece impossível!...

Ressalta, então, para mim, da referida "polémica" apenas a hipocrisia bajuladora dos tais bonzos que, presumivelmente, de tão aconchegados pelo poder, nem carecem de receber deste instrução precisa sobre esta ou qualquer outra matéria, pois eles lá estão exactamente para escudarem quem os mima e protege. Em boa verdade, não se escolhe gente desta à toa...

Por outro lado, ouvir da boca de um "jornalista" que anseia por assistir a um seu colega de ofício revelar, obrigado em tribunal, as suas fontes, é de uma miséria moral e argumentativa que causa pena, antes do asco.

Asco maior, por se saber o que significa "entalar" um cidadão com processos intermináveis nos tribunais a que temos direito.

Se o que Eduardo Cintra Torres revela não é verdade, então de que está à espera a Direcção de "Informação" para promover, nesse meio soberano que é a RTP, um cabal desmentido, trazendo ao ecrã um trabalho de fundo e objectivo sobre a catástrofe (leia-se pouca vergonha) nacional dos incêndios?

Isso é que seria um grande desmentido, não acham? E, a bem da objectividade, até o próprio Sócrates, nesse programa, poderia tentar esclarecer, por exemplo, ao vivo e a cores, porque é que as matas e florestas à guarda do governo não são limpas, enquanto os particulares sofrem tratos de polé se o não fazem nas sua propriedades privadas.

E assim destruiriam a tese de Eduardo Cintra Torres. Fácil, não é? Tribunais para quê, ó bonzos?... Queixinhas, é o que vocês são!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:40


setembro 05, 2006

era um tempo feito de verde-infinito

era um tempo feito de verde-infinito
era um tempo de água suave e neblinas
era um tempo de silêncios sem notícia
e a ondulação leve carícia contra o cais

era um tempo de flores e voo de aves
era um tempo inventado sem jamais
era um tempo só de azul das maresias
e amarras nunca mais - oh nunca mais

e era sempre esse mar todo a fluir
e era tanto de mim na brisa da tarde
e essa imensa vontade de sorrir
quando ao rés do choro o coração nos arde

e onde estavas enfim se te procuro
e o encontro resta em vão perto da prece?

e porque fica tão obscuro o desinteresse
quanto vago é o que à vida a vida empresta?

mas o verde e o azul do mar estão em festa
e amarras nunca mais - oh nunca mais!...

- poema de Jorge Castro


Apontamento:

É mesmo o Gerês que está a arder, de novo?

Ainda bem que há noticiários pois, em caso contrário, como saberíamos que, nesta terra, gostamos tanto de ser des(en)graçados... Não, não! Não estou a falar dos incêndios. Eu estou mesmo é a falar do futebol...

(Pouco claro, quem? Eu?... Essa agora! Se calhar estão à espera que eu também me deixe cair na esparrela do processo em tribunal... Vade retro!)

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:06


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas