<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
outubro 29, 2012

viagem a Cabo Verde
nas noites com poemas

No passado dia 19 de Outubro, teve lugar mais uma sessão - a 79ª - das Noites com Poemas.

Desta vez celebrou-se Cabo Verde e a sua cultura, pela mão de Heloisa Monteiro e um belo grupo de amigos, que proporcionaram um excelente passeio  pelo arquipélago das dez ilhas, que tanto nos diz... 

Houve uma pequena exposição: artesanato, livros, CDs, instrumentos musicais etc…

... bem como uma feira do livro caboverdiano que nos chegou pela mão de Inês Ramos


Se tem sido uma constante, a boa moldura humana com que vimos contando, de sessão para sessão...


... para esta foram excedidas muitas das expectativas e o salão nobre da Biblioteca Municipal de Cascais - São Domingos de Rana foi pequeno para responder a tanta afluência.

Seguindo-se a uma breve explicação sobre o tema deste nosso encontro...


... teve lugar o visionamento do filme “Uma viagem a Cabo Verde”



Logo mais, o lugar dado aos muitos e diversificados intervenientes, pelos caminhos da poesia e da música:  Carlota de Barros, Regina Correia, Xan, Sissi, Mário, Fátima, Lulú, Heloisa, Tonecas...









... que nos encheram a noite das suaves e mornas cadências nascidas e criadas em Cabo Verde...


... excelentemente interpretadas por um naipe de músicos de muito boa craveira.


Como seria de esperar, dançou-se e cantou-se em toda a sala cheia de Sodade...

Inês Ramos falou-nos sobre a sua estadia por terras de Cabo Verde e das experiências editoriais a que se entregou, integrando e integrando-se nas comunidades que a acolheram.  


Por fim e como sempre é apanágio destas sessões...











... muitos dos presentes devolveram, em forma de poema, a dádiva recebida dos nossos convidados...

... todos comungando em mais uma sessão memorável, também ajudados pelos docinhos «diabo dentro», por sua vez acompanhados por algumas bebidas de que diria que melhor é experimentá-las...

- fotografias de Lourdes Calmeiro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:43


outubro 26, 2012

enquanto não tenho tempo...

... para postar algo do muito em que tenho andado envolvido, aqui deixo, a título de mero intervalo introspectivo na emissão, pois de certeza o programa seguirá dentro de momentos....


A informação não é recente, é verdade. No entanto, tenho para mim que, a ser actualizada, ainda seria pior.

É com estas certezas que percorremos os nossos incertos caminhos...

Então, e esta? Fresquinha...:

Economia (Editorial de mediacapital ) - 30 edifícios das Forças Armadas à venda
Decisão foi tomada em conselho de ministros
PorRedacção 2012-10-25 15:55 ·

Cerca de 30 edifícios das Forças Armadas, entre quartéis, terrenos e palácios, vão ficar à venda. A decisão foi tomada esta quinta-feira em conselho de ministros, visando atender às necessidades do fundo de pensões das Forças Armadas.
Ficaram ainda mandatados os ministros da Defesa Nacional, Aguiar Branco, e das Finanças, Vítor Gaspar, para «poder indicar outros imóveis» a vender.
«O mecanismo de rentabilização é a venda ou constituição de direito de superfície por hasta pública ou negociação nos termos da lei», explicou o secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, Marques Guedes, em conferência de imprensa no final da reunião.
O objetivo é «gerar receita passível de colmatar as necessidades de curto prazo, que a descapitalização do Fundo de Pensões dos Militares das Forças Armadas tem vindo a evidenciar», cita a Lusa.
Questionado sobre qual é a estimativa de encaixe, Marques Guedes disse não ter conhecimento desses dados, referindo apenas que «dependerá da recetividade do próprio mercado».
Da lista, divulgada aos jornalistas, fazem parte o palácio e quinta de Caxias, em Oeiras, palácio e quinta da Alfarrobeira, Lisboa, quartel de Penafiel, quartel da Azeda de Baixo, Setúbal, quartel de Sá, Aveiro, quartel da Lapa, Figueira da Foz, prédios habitacionais e terrenos.
Recorde-se que, já em setembro, o Governo decidiu libertar Portugal de património «desactivado» em várias cidades do mundo para arrecadar 22 milhões de euros.

E, por fim, uma adivinha: qual das duas personagens gradas abaixo já tratou dos papéis para a reforma?

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:10


outubro 22, 2012

CARTA DE DESPEDIDA AO PRESIDENTE DA REPUBLICA" - Pedro Marques

Solidário, no geral, com o testemunho do Enfermeiro Pedro Marques e com a cara coberta de vergonha por cada momento em que colaborei, por cada passo que não dei mais além,  com este estado de coisas.... Este é um poema, como punhos!

"Vossa Excelencia,

Não me conhece, mas eu conheço-o e, por isso, espero que não se importe que lhe dê alguns dados biográficos. Chamo-me Pedro Miguel, tenho 22 anos, sou um recém-licenciado da Escola Superior de Enfermagem do Porto. Nasci no dia 31 de Julho de 1990 na freguesia de Miragaia. Cresci em Alijó com os meus avós paternos, brinquei na rua e frequentava a creche da Vila. Outras vezes acompanhava a minha avó e o meu avô quando estes iam trabalhar para o Meiral, um terreno de árvores de fruto, vinha (como a maioria daquela zona), entre outros. Aprendi a dizer “bom dia”, “boa tarde”, “boa noite” quando me cruzava na rua com terceiros. Aprendi que a vida se conquista com trabalho e dedicação. Aprendi, ou melhor dizendo, ficou em mim a génesis da ideia de que o valor de um homem reside no poder e força das suas convicções, no trato que dá aos seus iguais, no respeito pelo que o rodeia.

Voltei para a cidade onde continuei o meu percurso: andei numa creche em Aldoar, freguesia do Porto e no Patronato de Santa Teresinha; frequentei a escola João de Deus durante os primeiros 4 anos de escolaridade, o Grande Colégio Universal até ao 10º ano e a Escola Secundária João Gonçalves Zarco nos dois anos de ensino secundário que restam. Em 2008 candidatei-me e fui aceite na Escola Superior de Enfermagem do Porto, como referi, tendo terminado o meu curso em 2012 com a classificação de Bom. Nunca reprovei nenhum ano. No ensino superior conclui todas as unidades curriculares sem “deixar nenhuma cadeira para trás” como se costuma dizer.

Durante estes 20 anos em que vivi no Grande Porto, cresci em tamanho, em sabedoria e em graça. Fui educado por uma freira, a irmã Celeste, da qual ainda me recordo de a ver tirar o véu e ficar surpreendido por ela ter cabelo; tive professores que me ensinaram a ver o mundo (nem todos bons, mas alguns dignos de serem apelidados de Professores, assim mesmo com P maiúsculo); tive catequistas que, mais do que religião, me ensinaram muito sobre amizade, amor, convivência, sobre a vida no geral; tive a minha família que me acompanhou e me fez; tive amigos que partilharam muito, alguns segredos, algumas loucuras próprias dos anos em flor; tive Praxe, aquilo que tanta polémica dá, não tendo uma única queixa da mesma, discutindo Praxe várias vezes com diversos professores e outras pessoas, e posso afirmar ter sido ela que me fez crescer muito, perceber muita coisa diferente, conviver com outras realidades, ter tirado da minha boca para poder oferecer um lanche a um colega que não tinha que comer nesse dia. Tudo isto me engrandeceu o espírito. E cresci, tornei-me um cidadão que, não sendo perfeito, luto pelas coisas em que eu acredito, persigo objetivos e almejo, como todos os demais, a felicidade, a presença de um propósito em existirmos. Sou exigente comigo mesmo, em ser cada vez melhor, em ter um lugar no mundo, poder dizer “eu existo, eu marquei o mundo com os meus atos”.

Pergunta agora o senhor por que razão estarei eu a contar-lhe isto. Eu respondo-lhe: quero despedir-me de si. Em menos de 48 horas estarei a embarcar para o Reino Unido numa viagem só de ida. É curioso, creio eu, porque a minha família (inclusive o meu pai) foi emigrante em França (onde ainda conservo parte da minha família) e agora também eu o sou. Os motivos são outros, claro, mas o objetivo é mesmo: trabalhar, ter dinheiro, ter um futuro. Lamento não poder dar ao meu país o que ele me deu. Junto comigo levo mais 24 pessoas de vários pontos do país, de várias escolas de Enfermagem. Somos dos melhores do mundo, sabia? E não somos reconhecidos, não somos contratados, não somos respeitados. O respeito foi uma das palavras que mais habituado cresci a ouvir. A par dessa também a responsabilidade pelos meus atos, o assumir da consequência, boa ou má (não me considero, volto a dizer, perfeito).

Esse assumir de uma consequência, a pro-atividade para fazer mais, o pensar, ter uma perspetiva sobre as coisas, é algo que falta em Portugal. Considero ridículas estas últimas semanas. Não entendo as manifestações que se fazem que não sejam pacíficas. Não sou a favor das multidões em protesto com caras tapadas (se estão lá, deem a cara pelo que lutam), daqueles que batem em polícias e afins. Mais, a culpa do país estar como está não é sua, nem dos sucessivos governos rosas e laranjas com um azul à mistura: a culpa é de todos. Porquê? Porque vivemos com uma Assembleia que pretende ser representativa, existindo, por isso, eleições. A culpa é nossa que vos pusemos nesse pódio onde não merecem estar. Contudo o povo cansou-se da ausência de alternativas, da austeridade, do desemprego, das taxas, dos impostos. E pedem um novo Abril. Para quê? O Abril somos nós, a liberdade é nossa. E é essa liberdade que nos permite sair à rua, que me permite escrever estas linhas. O que nós precisamos é que se recorde que Abril existiu para ser o povo quem “mais ordena”. E a precisarmos de algo, precisamos que nos seja relembrado as nossas funções, os nossos direitos, mas, sobretudo, principalmente, com muita ênfase, os nossos deveres.

Porém, irei partir. Dia 18 de Outubro levarei um cachecol de Portugal ao pescoço e uma bandeira na bagagem de mão. Levarei a Pátria para outra Pátria, levarei a excelência do que todas as pessoas me deram para outro país. Mostrarei o que sou, conquistarei mais. Mas não me esquecerei nunca do que deixei cá. Nunca. Deixo amigos, deixo a minha família. Como posso explicar à minha sobrinha que tem um ano que eu a amo, mas que não posso estar junto dela? Como posso justificar a minha ausência? Como posso dizer adeus aos meus avós, aos meus tios, ao meu pai? Eles criaram, fizeram-me um Homem. Sou sem dúvida um privilegiado. Ainda consigo ter dinheiro para emigrar, o que não é para todos. Sou educado, tenho objetivos, tenho valores. Sou um privilegiado.

E é por isso que lhe faço um último pedido. Por favor, não crie um imposto sobre as lágrimas e muito menos sobre a saudade. Permita-me chorar, odiar este país por minutos que sejam, por não me permitir viver no meu país, trabalhar no meu país, envelhecer no meu país. Permita-me sentir falta do cheiro a mar, do sol, da comida, dos campos da minha aldeia. Permita-me, sim? E verá que nos meus olhos haverá saudade e a esperança de um dia aqui voltar, voltar à minha terra. Voltarei com mágoa, mas sem ressentimentos, ao país que, lá bem no fundo, me expulsou dele mesmo.

Não pretendo que me responda, sinceramente. Sei que ser político obriga a ser politicamente correto, que me desejará boa sorte, felicidades. Prefiro ouvir isso de quem o diz com uma lágrima no coração, com o desejo ardente de que de facto essa sorte exista no meu caminho.

Cumprimentos,

Pedro Marques"

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 14:52


outubro 20, 2012

Bienal de Artes de Carcavelos


Carcavelos e a sua Junta de Freguesia comemoram mais um aniversário, desta feita com um extenso programa de actividades que abrangem toda a semana de 20 a 27 de Outubro. Para uma total elucidação da oferta existente nestas comemorações, nas quais me encontro também grandemenete envolvido, integrando uma equipa de amantes de Carcavelos, podem consultar www.jf-carcavelos.pt.

Podem, também, consultar programação mais abaixo.

Entretanto, permitam-me, sem detrimento dos demais eventos, que aqui realce o dia da inauguração, a 20 de Outubro, com início pelas 17 horas, com o lançamento do II Volume do livro Carcavelos dos Cinco Sentidos, nas instalações da Junta de Freguesia, a História de Carcavelos contada num mosaico colorido de abordagens pelos seus habitantes. De seguida, e logo após a actuação do Trio Scherzo - que nos tem habituado a excelentes interpretações! - será inaugurada a Bienal de Artes de Carcavelos (exposição de pintura, escultura, cerâmica, fotografia...), a qual estará patente ao longo de toda a semana, na Sociedade Recreativa e Musical de Carcavelos.

Mas há muito mais: uma sessão de fados, com excelentes intérpretes, canto tradicional português, com Cramol e Estrelas do Guadiana, sessão de poemas... etc., etc., etc. - aí está o programa para acompanhamento dia a dia.

Local aprazível, belo acolhimento... A vossa presença é imprescindível para compor ainda mais o ramalhete. Contamos convosco!

Outubro de 2012 - FESTAS DA FREGUESIA

BIENAL DE ARTES DE CARCAVELOS
PROGRAMA

Dia 20 (Sábado)
Local: Junta de Freguesia
17 horas
Abertura das Comemorações do Aniversário da Freguesia
Lançamento do livro “Carcavelos dos Cinco Sentidos - Volume II
18 horas
Música - actuação do Trio Scherzo
(piano Mercedes Cabanach, violoncelo Luís Sá Pessoa, violino José Pereira)
Local: Sociedade Musical Recreativa de Carcavelos
19 horas
Abertura da Exposição de Artes Plásticas “Carcavelos” de honra

Dia 21 (Domingo)
Celebração do dia de Nossa Senhora dos Remédios
Local: Jardim da Quinta da Alagoa
11.30 horas
Missa Campal celebrada pelo Cardeal Patriarca, D. José Policarpo
16.30 horas
Procissão com saída do Jardim da Quinta da Alagoa

Dia 22 (Segunda)
Local: Sociedade Musical Recreativa de Carcavelos
21 horas
Música – Vocal da CAPO
22 horas
Vamos falar de artes radicais - Grafitis versus Street Art”.
Moderador - Adilson Lima de Auxiliador Oradores - (Graffiti) Nomem- (Street Art) Leonor Morais

Dia 23 (Terça)
Local: Centro Paroquial (no edifício da Igreja da Carcavelos)
21 horas
Música - Noite de Fado
Voz - António Pinto Basto- Isabel Figueiredo - Isabel Costa de Sousa
Cordas - Ricardo Rocha - Jaime Santos - Tó Moliças

Dia 24 (Quarta)
Local: Sociedade Musical Recreativa de Carcavelos
21 horas
Representação - “dez anos (de)mente aberta" Simbiose - Nuno Pardal

Dia 25 (Quinta)

Local: Sociedade Musical Recreativa de Carcavelos
18 horas
Recomposição dos dias” - colagens e reutilização de
materiais - Lourdes Calmeiro
21 horas
Música - CRAMOL - Canto Tradicional de Mulheres
Grupo Coral Estrelas do Guadiana

Dia 26 (Sexta)

Local: Sociedade Musical Recreativa de Carcavelos
21 horas
noite com poemas
- quatro dizedores/poetas
Carlos Peres Feio
Eduardo Martins
Francisco José Lampreia
Jorge Castro
21.45 horas
Musica - Mário Piçarra
(Sessão aberta a alguns dizedores/poetas que queiram fechar a sessão com Poesia)

Dia 27 (Sábado)
Local: Sociedade Musical Recreativa de Carcavelos
21 horas
Musica – Trio de Brahms:
Alexei Eremine – Piano; Alexandre Delgado – Violeta; Guenrikh Elessine – Violoncelo

Nota - Exposição - na Sociedade Musical, todos os dias
(21 - 27 Out, das 16h00 às 20h00)

Etiquetas: , ,


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:00


outubro 17, 2012

convite
- viagem a Cabo Verde
com Heloisa Monteiro e amigos


A nossa 79ª sessão das Noites com Poemas - na Biblioteca Municipal de Cascais em São Domingos de Rana, no próximo dia 19 de Outubro de 2012, pelas 21h30 - terá como convidada: Heloisa Monteiro, que se constituirá como maestrina da acção “Viagem a Cabo Verde - Roteiro Poético-Musical”.

Terá como objectivo viver a cultura cabo-verdiana através da música, da palavra dita e de uma pequena mostra de alguns aspectos das tradições das ilhas. Como metodologia proposta, teremos:

a) Visionamento do filme “Uma viagem a Cabo Verde” (cerca de 15 minutos)
b) Introdução/pequena explicação sobre a temática
c) Manifestações culturais: poesia, música, dança e gastronomia

Como convidados da nossa convidada, contaremos com Carlota de Barros, Regina Correia, Xan, Sissi, Mário e Lulú (poesia); Heloisa, Tonecas, Mário, etc… (música); (batucadeira).

Contaremos ainda com uma pequena exposição: artesanato, livros, CDs, instrumentos musicais etc… E, por fim, o saborear de uns pastelinhos “Diabo dentro”, de milho recheado com atum, regado com ponche e licor ...

Pois é, caros amigos: que mais vos poderemos dar, além de afectos, em troca de alguns poemas? Sim, que na parte final, haverá o tempo a eles destinado, como sempre. E o vosso lugar lá está reservado... nem que tenhamos de descobrir mais umas quantas cadeiras.

Abraços e até lá.

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:47


outubro 16, 2012

O problema não é a falta de coerência no discurso de Gaspar;
o nosso problema é essa coerência.

Estrebucharam mil opiniões – muitas delas supostamente da própria cor ou muito chegada – por reacção à discurseta do ministro Gaspar quanto à inevitabilidade do aumento da carga fiscal que sua excelência propõe no Orçamento de Estado para 2013, em ordem a «manter o capital de credibilidade e confiança de Portugal no estrangeiro», seja lá isso o que for.

Estrebucharam mal e porcamente, quase sempre. Ah, porque ele devia ter deixado uma margenzita de manobra aqui; porque deveria contemplar uma finta de corpo acolá; ou até porque uma leve condescendência corporativa, aqui ou ali, só lhe ficariam bem…

Néscios, mentecaptos, líricos ou vendidos os que tal propõem.

De facto, o discurso de Gaspar é de uma coerência gritante que assusta. De uma clareza chã que apavora. De uma desfaçatez que aterroriza.

Gaspar sabe bem o que quer e ao que vem. Sabe o como e o porquê. Sabe o quanto e até onde. Gaspar sabe bem o que quer! E quando se pretenda contestá-lo usando a mesma argumentação ou trilhando os mesmos caminhos, quem o fizer estará votado ao fracasso, tão límpida, clara e intransponível é a sua dialética.

Mesmo que não seja a dialética de mais ninguém – para além dos seus amigos mais chegados – é a SUA dialética.

Olhai-o, irmãos, vestido de burel e de baraço ao pescço, que pretende até restituir ao País o quanto o País nele investiu com artes de o moldar ao gosto do seu estereotipado desígnio… mas, ainda assim, desígnio.

Não veio de Santa Comba. Mas poderia muito bem ter vindo. Salvará a Pátria com a mesma inatacável perseverança e determinação com que o Botas a salvou, quase até à nossa extinção.

Porque o Gaspar sabe muito bem o que quer.

Interessa é saber se o que ele quer é coincidente com o que eu quero. Com o que tu queres. Com o que nós queremos. E, isso, o Gaspar nunca curou de saber. Porque ele sabe o que sabe e isso lhe basta.

O Gaspar é pois um presuntivo ditador, que apenas não o é efectivamente, porque a História lhe é adversa. Ainda assim, presume poder interromper a vigência da Democracia em Portugal – como alguém antes dele lhe sugeriu – pelos meses ou anos que muito bem entender.

O Gaspar é o principal agente da rotura do contrato social em Portugal. O Gaspar será o responsável por cada montra quebrada. Por cada empresa falida. Por cada cabeça partida. Por cada alma estilhaçada.

O Gaspar terá contas a prestar à História, disso não me restam dúvidas algumas.

Mas lá que ele é coerente, disso também não tenho dúvidas nenhumas.

Apenas falta apurar quem o sugeriu, quem o impôs, quem o chamou. Apenas falta, afinal, apurar quando e como seremos, outra vez, um povo livre.

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 18:30


outubro 15, 2012

até sempre, Victor Duarte!


Foi com o maior constrangimento que recebi a notícia do falecimento do Victor Duarte.

Excelente companheiro e amigo, dentro e fora do SINDEL, um militante empenhado na causa sindical, com um profundo conhecimento da realidade de cada local de trabalho, bem como dos desafios que o combate sindical tem pela frente, tinha artes de aliar essa vertente a uma gestão de afectos que o tornava sempre próximo, à distância de um abraço, jamais se furtando a um apelo de índole sindical ou pessoal, em qualquer lugar e em qualquer hora que a sua complexa agenda permitisse...

De alguns se diz que o seu desaparecimento tem, em nós, o peso de uma montanha. Este é, seguramente, o caso do Victor Duarte.

Na impossibilidade de ter estado presente na sua derradeira despedida, o que muito lamento, aqui lhe deixo, em jeito de pobre homenagem, o abraço que não tive tempo para lhe dar.

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 16:36


outubro 14, 2012

Luiz Goes - é preciso acreditar!


Luiz Goes (1933-2012) deixou-nos uma voz identitária. Ao ouvi-la, em qualquer recanto, por mais recôndito do globo, um português reconhece-a e reconhece-se. É assim e de algum modo uma voz que representa a consciência de uma cultura.

E porque uma evocação faz-se sempre que um homem quiser e porque, ao ouvi-lo, há palavras que se mantêm de sentido tão actual, agora me apeteceu fazer esta:




A nós, sobrevivos, fica a missão de o trazer ao nosso convívio em cada momento em que essa voz faça sentido... O que o mesmo é dizer-se sempre.

Luiz Goes - É Preciso Acreditar   -   Homem Só, Meu Irmão

Canção Para Quase Todos

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:32


outubro 13, 2012

Feliz Natal - Aviso (com tempo para não haver surpresas)

Anos anteriores:


Este ano:


Este ano, no Natal, vou fazer o presépio apenas com o Baltazar e o Belchior….

O Gaspar vai servir de acendalha para a lareira…

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:09


outubro 12, 2012

cerco por cerco

Recebi esta mensagem na minha caixa do correio. Dizer que o Parlamento é o bastião da democracia e, enquanto tal deve ser respeitado, é um lugar-comum. Mas ver o Parlamento SER um bastião da democracia é outra coisa. E, lamentavelmente, muito pouco comum. Assim e como o saber não ocupa lugar, aqui se divulga...


Movimentos sociais e cidadãos organizam a concentração:Cerco ao Parlamento

Objectivo é chumbar o Orçamento nas ruas no dia em que ele é apresentado na Assembleia da República e exigir a queda do governo
Dia 15 de Outubro de 2012 é a data limite para a apresentação do Orçamento de Estado para 2013. Marcámos por isso neste dia uma concentração para expressar o nosso descontentamento em relação às políticas do actual Governo e ao seu orçamento criminoso.
Opomo-nos a que o sacrifício continue a ser feito sobre os de sempre, os que trabalham, e que continue a deixar de lado o capital improdutivo, as mais valias bolsistas, os movimentos de capital, as fugas de capital para o exterior para, em vez disso, insistir na destruição do que resta do período inicial do pós 25 de Abril.
Não podemos aceitar que a destruição da economia prossiga, que quem trabalha continue a perder poder de compra, que os jovens continuem abandonar as universidades, que os mais velhos continuem a não conseguir aceder nem a comida nem a medicamentos, nem que as crianças continuem a não ter o essencial para o seu desenvolvimento. Não podemos permitir que, enquanto isso, as PPP continuem a existir e que prossiga a privatização dos bens públicos, que são de todos.
Consideramos inaceitável que a larga maioria da população continue a empobrecer para que uma minoria mantenha os seus privilégios.
Rejeitamos, principalmente, que a redução do preço na força de trabalho seja solução para a recuperação económica.
Por tudo isto, nesta 2ªfeira, às 19 horas, estaremos em S. Bento e levantaremos as nossas vozes: BASTA! FIM A ESTAS MEDIDAS HOMICIDAS! GOVERNO PARA RUA JÁ!
Conferência de Imprensa, dia 13, às 12:00, em S. Bento.
Concentração em S. Bento a partir das 18h do dia 15 de Outubro.

Para mais informações:
Evento no Facebook: http://www.facebook.com/events/369654943113491/
Página no Facebook: http://www.facebook.com/CercoASBentoEsteNaoEONossoOrcamento
Manifesto: http://cercoaoparlamento.blogspot.pt/p/este-nao-e-o-nosso-orcamento.html 

Etiquetas: ,


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:58


outubro 08, 2012

de uma bandeira ao contrário

Terá sido um lapso; terá sido um boicote; terá sido qualquer coisa que não devia ter sido, como tanta coisa que por cá se vai passando e não se devia passar...

- imagem obtida, com a devida vénia, no sítio do Diário de Notícias 

não que me afecte a bandeira
hasteada em modo vário
quem sabe bem mais faceira
de lado ou pelo contrário
e até chegar ao hino
com candura e muito imposto
e pô-lo a fazer o pino
de pés p’rò ar que é um gosto
marchando «contra os canhões»
e acabando com os «heróis»

seja lá por que razões
ou por sujos maus lençóis

porque afinal já se diz
estar a bandeira direita
mas ser bem mais infeliz
ver quanto o país se ajeita
ao facto extraordinário
de estar de pernas p’rò ar
e tal ser já ordinário
sem parecer ter volta a dar

pois que ao país não se acerta
sem protocolo a preceito

assim cá deixo um alerta:
dêmos-lhe a volta com jeito
com jeitinho mas denodo
zurzindo nos maus mandantes
voltando Abril de outro modo
sem nos ficar como d’antes

e rimar nação com povo
de canhões contra os tratantes.
 
- versalhada de Jorge Castro

Última actualização do Google Maps...

Etiquetas: , , ,


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:32


outubro 02, 2012

Lançamento de “Canções Peripatéticas”, de Nuno Rebocho
- edições Apenas Livros
6 de Outubro

18h – Lançamento do livro de Nuno Rebocho, apresentado por Fernanda Frazão (da editora Apenas) e o jornalista Mário Galego, que representará o autor, ausente em Cabo Verde. Os poemas serão ditos pelo poeta e diseur Jorge Castro.


Escritor, poeta, jornalista, Nuno Rebocho chefiou, durante anos, a Informação da RDP-Antena 2. Foi animador cultural, aprendiz de político e de sindicalismo, entre outros vícios, chateou-se com a terra que, por mal dos seus pecados, o viu nascer e retomou as suas raízes africanas. Escolheu Cabo Verde para viver, onde vai escrevendo. Reivindica uma nacionalidade: a lusofonia.

20h – Jantar Caboverdiano com música ao vivo na voz e violão de Paló
Sujeito a inscrição prévia por telefone ou e-mail. Preço por pessoa: 15 crioulos – jantar e música ao vivo.

Centro InterculturaCidade

Travessa do Convento de Jesus, 16 A – 1200-126 Lisboa

Marcações para os jantares: centro.interculturacidade@gmail.com -  21 820 76 57

Lotação limitada. É necessário efectuar marcação até dia 5/09/12


Etiquetas: , ,


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 17:36


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017 Agosto 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas