<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
maio 31, 2010

porque junho chegou...

... e cidade se enche do lilás de jacarandá, em dádivas que as árvores insistem em nos entregar, às mãos cheias, alheias às inconsistências dos homens.

de súbito uma nuvem
uma aragem feita de aromas de rosas
e a acidez intempestiva dos espinhos

de súbito um vagar
uma tremura entre versos entre prosas
na intimidade feita só de desalinhos

de súbito uma fome
dos teus seios de medronhos
e receios de não haver mais caminhos

e trilhar uma a uma as partes todas
do teu corpo
onde moram os meus sonhos

- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:59


maio 30, 2010

corart - Associação de Artesanato de Coruche
- a cortiça

Desta Associação em que participo recebi o convite/desafio de realizar trabalhos, tendo como matéria-prima a cortiça - esse produto tão ligado à terra e a nós e ainda tão pouco e mal aproveitado por nós próprios -, a integrar na Feira Internacional de Cortiça de Coruche, que está a realizar-se, neste momento.  


Aqui fica um dos meus trabalhos - Um Cacho de Rolhas -, já presente no stand da CORART, porque afinal muitos são os caminhos que devemos percorrer... 

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:24


maio 28, 2010

HISTÓRIA, MEMÓRIA E IDENTIDADE

Hoje, com início às 20 horas, no Restaurante Caravela, em Algés,

com a Associação Espaço e Memória

terei o grato prazer de apresentar aos presentes as duas palestrantes

 - Fernanda Frazão e Gabriela Morais -

que disserterão sobre a temática acima,
articulada com o Paradigma da Continuidade Paleolítica.

Aqui vos deixo, para aguçar apetites, o texto de apresentação que as duas investigadoras nos fizeram chegar:

Ao longo dos anos, quer individualmente, quer em comum, a nossa ideia de História nunca se enquadrou na oficial. Os compartimentos da História, as listas de povos conquistadores, que se substituíam ininterruptamente, sempre provenientes do Oriente, os políticos que pareciam governar apenas uma população de iguais: tudo isto num mundo em que «tudo o resto é paisagem»... Os portugueses parecem surgir de um não-passado, sem pais, nem avós, enfim, «uns filhos das ervas»... Esta é ainda a pouca e desinteressante História que se ensina. Há obras antigas ainda hoje malditas e outras que parecem imprescindíveis; autores desprezados e outros que ganharam espaços que hoje já não se entende, mas que continuam a ser marcos. Porquê?

Nos últimos quarenta anos a ciência teve um desenvolvimento espantosamente acelerado, aplicado também às ciências históricas. Mas a historiografia ainda não deu um passo para o acompanhar e, pelo contrário, continua a afunilar numa especialização um pouco incompreensível. Estes quarenta anos de desenvolvimento científico devolveram-nos um homo sapiens vivo e operante neste território há mais de 40 mil anos; iniciador de uma expansão marítima há mais de 8 mil anos e possuidor de uma língua franca desde então; e poeta/historiador desde os tempos paleomesolíticos. E isto para não falar do milhão e quinhentos mil anos de homo antecessor...

O que nos propomos fazer é partilhar esse português velho de 40 mil anos que se tem vindo a revelar pouco a pouco através de ciências velhas e novas e das vozes de muitos cientistas europeus.

- Fernanda Frazão e Gabriela Morais


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:41


maio 27, 2010

Da prostituta ao prostituidor, as duas faces da mesma moeda...

Hoje proponho-vos uma visita a um blog - A Funda São -  em que tenho o grato prazer de colaborar e onde escrevi isto: 

A(o) prostituta(o) - que designação rebuscada... - e o(a) prostituidor(a) são as duas faces da mesma moeda. Assim posto isto, lapalicianamente, tudo fica obscuramente claro. A saber: ele há-as por todos os motivos e para todos os gostos... e, quanto a eles, eles, também. É a Humanidade, senhores, e está tudo dito. Claro que estou muito de acordo quando aqui se introduz, na conversa, a questão do dinheiro envolvido, como é óbvio.

Agora, quanto à necessidade da dar a queca marginal - ou alguma das suas envolventes - e de haver quem, pelo tal dinheirinho, esteja disposta(o) a levá-la – ou a alinhar nas tais envolvências -, isso parece-me que tem mais a ver com o que alguns estudiosos da matéria chamam «miséria sexual».

Na verdade, parece-me historicamente admissível e de fácil prova que a necessidade de vender (ou comprar) o corpo por dinheiro se prende com a invenção do dito dinheiro, nem que seja na sua forma mais elementar da troca directa de bens ou, se se quiser ser mais técnico, de mercadorias.

Ver o restante texto aqui

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 16:07


maio 23, 2010

três dias, três encontros...

- dia 20 de Maio - Noites Com Poemas - Arte e Reciclagem com Alberto Simões de Almeida, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana: 



- dia 21 de Maio - Escola Secundária da Quinta do Marquês, em Oeiras, comemorando o Dia do Autor, a convite de David José Silva e da Direcção da Escola: 


- dia 22 de Maio - Poesia Vadia, no Café Pituca Premium, nas Caldas da Rainha, a convite da Comunidade de Leitores das Caldas da Rainha:



Desta vez, não legendo as fotografias. Os intervenientes reconhecem-se. Nas passagens desta vida, aqui documentadas, aquele forte abraço a alguns companheiros de caminhada com quem muito me apraz saber que posso contar:

- Carlos Peres Feio
- David José Silva
- Carlos Gaspar
- João Baptista Coelho
- Maria Francília Pinheiro
- Estefânia Estevens
- Francisco José Lampreia
- Palmira Gaspar
- Edite Gil
- Francisco Félix Machado

... a que posso acrescentar, jornada após jornada, a professora Olga Afonso, Ana Patacho e os jograis Oeiras Verde, os Jograis do Canto Sénior, o João Bernardino... David, como é que se chama aquele teu amigo que canta?... - Pois, é verdade! É o João Mateus.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:04




fotografando o dia (145)


será virtude da hera
que naquele muro era
e que agora já não é
ter sido o que foi outrora
no rasto do que já fora
e que hera já não é

- fotografia e poema de Jorge Castro

*

Nota aos interessados que me acompanharam nestes passados três dias de aventuras várias - Tentarei publicar algumas imagens dos três eventos ainda hoje, assim me chegue o tempo... 

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:43


maio 19, 2010

noites com Poemas
Arte e Reciclagem
com Alberto Simões de Almeida


Imaginando um passeio ao longo de um qualquer areal... A poucos metros de nós, um gasto, retorcido e carcomido madeiro, velho como o tempo, polido por ondas e intempéries, quase nos sugere... - o quê? - uma ave, talvez, uma imagem de santo...

Depois, lá mais perto de casa, um vizinho deixa, para recolha de lixo, um velho sofá, esventrado, meio desfeito; um braço desengonça-se onde as molas estão à vista, e no lusco-fusco tardio, naquela inusual posição, ao alto, em que o vizinho o deixara, a sua silhueta faz lembrar uma sentinela, em continência ao bairro e a quem passa...

E, depois, falarmos destas impressões do quotidiano próximo, do encontro com o novo uso do objecto já usado, a propor cumplicidades a quem saiba divisar, nos contornos das nuvens, outros enlaces, outros horizontes.

É esse o trabalho de escultura que apuro em Alberto Simões de Almeida, que nos honrará com a sua presença e que dessas suas aventuras/desafios em forma de Escultura nos dará conta na próxima sessão das Noite Com Poemas, na Biblioteca Municipal de Cacais, em São Domingos de Rana, no próximo dia 20 de Maio (quinta-feira), pelas 21h30, como habitualmente.

Poesia? Sempre! Traz um amigo, junto com o teu poema, e faremos a nossa festa.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:28


maio 17, 2010

soube da professora despida... e depois
tive medo!

Mirandela resolveu rivalizar com Bragança. Pelo menos na sanha pseudo moralista com que fez cair o gládio das virtudes balofas em defesa da «honra e integridade da Pátria», desta feita sobre uma professora de música que decidiu posar nua para a revista Playboy.

O director do Agrupamento de Escolas da Torre de Dona Chama, clarinho como a água de tanta ribeira poluída deste País, nos afiançou: "Aparecer numa revista sem roupa não é compatível com a função de professora e de educadora". E daí a anunciar a rescisão do respectivo contrato foi um ápice.

E logo sequenciado por pudibunda e pressurosa vereadora que de pronto retirou a senhora da escola e catrafiou-a num arquivo, a bem da moral e dos bons costumes, quiçá ao abrigo dos olhares concupiscentes, protegendo-a a ela da gula dos concidadãos e aos concidadãos do pecado da gula (para além de outros menores, claro). Fica-me, confesso, a inveja dos bichinhos-de-prata, useiros e vezeiros nestas coisas dos livros e papéis velhos e que poderão desfrutar à vontade de quanto ao comum cidadão foi sonegado…
 
(Se gostou do que leu até aqui, veja, por favor, o restante em FREEZONE

*

Acabei de receber esta na minha caixa de correio e - que querem? - achei-lhe graça:

Quinta-feira, 13 Maio de 2010:

- A RTP 1 transmitia em directo as cerimónias de Fátima.

- A SIC transmitia em directo as cerimónias de Fátima.

- A TVI transmitia em directo as cerimónias de Fátima.

- A RTP África transmitia em directo as cerimónias de Fátima.

- A TSF transmitia em directo as cerimónias de Fátima.

- A  Rádio Renascença transmitia em directo as cerimónias de Fátima.

Tive medo de ligar a torradeira...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:32


maio 13, 2010

vou ao ContemFesta, no Porto
- 'bora, ir!


Vou ao CONTEMFESTA, no Porto!

Vejam o programa todo aqui 


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 14:51


maio 11, 2010

a crise acabou...
- meu novo artigo na FreeZone

As recentes provas de aferição de Matemática para o 4º ano de escolaridade chegaram-me por via do relatório mais ou menos circunstanciado que um sobrinho meu, nessa primavera da Vida, me fez.

Confessou-me o promissor e alegre cidadão que ainda não decorrera metade do tempo previsto para a conclusão da mesma, ele e com ele os demais colegas de sala tinham já a prova concluída, com a relativa certeza de muito bom sucesso no evento.

Parece que o maior escolho na referida prova era uma operação elementar de subtracção, onde nem haveria lugar a decimais ou outros que tais para não se desviar a atenção da geração vindoura do cerne da problemática e da conjuntura...

- Se esta amostra lhe suscita curiosidade, leia, por favor, o restante artigo aqui:

 Freezone
*

E, sim, não estou nada de acordo com as tolerâncias de ponto à conta da visita papal. Cristão digno desse nome e trabalhador por conta de outrém houvera de ter espírito de sacrifício bastante para abrir mão de um diazito de férias - que foi também para isso que eles foram feitos: para usufruir para aquilo que nos apeteça e isso não se esgota nas idas à praia!

Mas não. Ameaçam lixar-nos o 13º mês, à conta da crise. Mas as despesas sumptuárias e a paragem da nação - laica, republicana e tal... - está aí para os aproveitadores, com o beneplácito de Sócrates.

Bem aventurados os hipócritas... pois parece que também para eles há um lugar guardado nos céus.    

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:13


maio 09, 2010

novos poemas de Manuel Filipe

Há cerca de 5 anos, através da actividade nos blogs, tive oportunidade de travar conhecimento, que se desenrolou em amizade, com Manuel Filipe. Amizade profíqua, que se traduz em encontros, sem regularidade mas com constância, onde cultivámos artes de proximidade e de afectos, não descurando a poesia, bem como os comentários sobre o mundo que nos envolve... enfim, pondo, como sói dizer-se, a matéria em dia.  

Com as nossas companheiras, preferencialmente em presença de um lauto repasto, em local tranquilo...


E vem isto ao caso de cultivarmos, também, a troca de galhardetes, habitualmente em volta das nossas produções - sempre que tal nos seja possível. 

Foi assim que em Abril floriram mais dois volumes da sua produção poética, a que apenas alguns poucos afortunados acedem e que muito me apraz ser contado como um desses: Medusa e Eis Uma Casa

Prego-lhe, depois, a partida de desvendar em hasta pública um pouco do seu espírito, em homenagem mais do que merecida, respigando um ou outro dos seus poemas e convosco os partilhando:

Já Foi Árvore

Ali, fustigada em seu balcão
já foi árvore arrancada a qualquer bosque,
mais tarde enterrada em chão de rochas, 
e amorosamente colhida nessa praia 
por um recolector de perfis abandonados,
porque ele bruscamente adivinhou
que um contorno virgem dera à costa
e no madeiro estropiado e convoluto
viu braços,
e seios,
e estranhas asas
que lhe nasceram, talvez, a navegar
e só não viu
- por estarem fatigados -
os seus olhos
que tinham abarcado terra e mar.

(in Medusa) 


Casa Branca

O sol espelha longamente
o rosto ígneo
na branca fachada
que não quer acordar
do sono displicente.

Rompe agora
um silvo duro e insistente
mas na gare despojada
não assoma ninguém...

E o comboio
nem por água
se detém.

(in Eis Uma Casa)

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:43


maio 05, 2010

fotografando o dia (144)


há ali
qualquer coisa de Dali
se bem o vejo daqui

há um céu
e um rebéubeu
tanto quanto vejo eu

a força que dá a terra
que naquele corpo se encerra
e a Vida toda descerra...

- fotografia e poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:44


maio 02, 2010

ventos de Maio

vou de porta em porta em Maio
buscando o florir das flores
vou e percebo um desmaio
qual arco-íris sem cores

nos passos do meu caminho
sinto a moleza do dia
como se o tonel de vinho
vertesse só água fria

perde-se a gotas o gosto
que o saber da vida empresta
perde-se o vinho e o mosto
é tudo quanto nos resta

e na modorra parada
da jornada que em mim corra
quando ficar já sem nada
fica da vida a masmorra

há que mudar de querena
se o vento vier usai-o
que há-de valer sempre a pena
singrar em ventos de Maio

- quadras de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:07


maio 01, 2010

visitas papais, pontes a mais e outras coisas anormais
na FreeZone

É entrar, senhorias, a ver o que lá escrevo... na

 
FreeZone - informação alternativa,

 
o meu mais recente artigo:

Entre visitas papais, pontes a mais e outras coisas anormais...

Pelo meio de todas estas virtualidades pouco ou nada virtuosas, onde nos fica a problemática da couve portuguesa? Sim, isso mesmo, aquela que nos enriquece o cozido.

É que à força de ouvir tantos gurus do mercado a venderem a nova (?) banha-da-cobra, sem açúcar nem afecto, desestabilizando-nos o dia com o tormento da catástrofe de bancarrotas anunciadas dia-sim, dia-não, dou por mim sem saber se o nosso querido cozido à portuguesa há-de levar a bela couvinha ou, pelo contrário, face à crise não será de o fazer acompanhar, por monomania dos tais imperativos de mercado, com o movimento bolsista, ou com um novo diktat de uma qualquer agência especializada em rating…

... O restante por lá fica, se vocências quiserem dar-se ao trabalho de me honrar com a vossa leitura.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:59


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas