<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
fevereiro 28, 2013

tu aqui não tens nada p'ra dizer...

  - a propósito do movimento de cidadania que tem boicotado as intervenções de governantes, mormente de
  um tal Relvas, este e outros quejandos os verdadeiros fautores actuais do desgoverno e da desobediência civil, os agentes do «mercado» que eles bajulam e alimentam ao arrepio de toda a Humanidade.

     tu aqui não tens nada p’ra dizer

nem de ti tenho nada para ouvir

a palavra
esse dom de humanidade
e de livre pensamento
não se colhe no entulho da aldrabice
nem a queremos ver medrando entre a miséria e o lamento
com que tu e os teus pares nos vão cercando
sempre ao mando e ao desmando
e da pulhice

e não venhas com plangências democráticas
porque em ti tudo teu é fraco e falso
e nem mesmo de algumas almas erráticas
vais a tempo de fugir ao cadafalso

a palavra é um direito
é um dever
é o abraço que nos une e nos irmana
mas trânsfugas que o povo tomam de assalto
uma só me ocorre agora
e é «sacana»

e sacana é aquele que eu não quero nem ouvir
lobrigar sequer por perto
e assim sendo se falar queres
podes ir
p’ràs profundas mais remotas do deserto

aqui não
que não és tu cidadão
mas ladrão que me assalta a descoberto
e em ti cada palavra é a facada
que se paga sempre em sangue e agonia
nesse dia que constróis com injustiças
atropelos
violência
e vilania
e assim medras
tu e toda essa canalha
que na sede deste sangue te igualha
e se amanha no seu sinistro porvir

tu aqui não tens nada p’ra dizer

nem de ti tenho nada para ouvir

nada tens afinal mais p’ra dizer
de ti já se ouviu toda a missa farta
e se vieres que seja só p’ra acontecer
a providência de um raio que te parta!



Etiquetas: ,


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:02


fevereiro 23, 2013

noites com poemas com
Maria Mamede e Sofia Barros
e a música e a voz de Rogério Charraz

Por Amor Às Palavras (edição da Edium Editores) e Antes de Sermos Dia (edição da Lua de Marfim), com autorias respectivamente, de Maria Mamede e de Sofia Barros extravasaram o estrito conceito de  títulos para que nasceram e, numa feliz e afectuosa simbiose, uniram-se para dar o mote a mais uma belíssima sessão das Noites com Poemas, que ocorreu no passado dia 15 de Fevereiro.

 (fotografia de Alexandre Gandum)


Numa mesa alargada, bem disposta e disponível, houve provas sobejas e gritantes de que o encontro e a partilha podem ser - e são-no sempre que o quisermos - bem mais fecundos do que espúrias ou estultas rivalidades.

 (fotografia de Alexandre Gandum)


Maria Mamede, dona de créditos bem firmados no que concerne a obra publicada e militância em prol da poesia, que nos chegou de terras nortenhas, arrostando com distâncias e incomodidades diversas, mas que fez questão de nos honrar com a sua presença... 


Sofia Barros, iniciando vigorosamente percursos poéticos, afoitando-se a desbravar os caminhos que ela própria irá criando por cada poema seu do amor pleno, da espera e da saudade, no dizer de José Fanha.


Rogério Charraz, de quem vamos tendo notícia no campo da música e que nos encanta com os seus originais tanto quanto com as suas originais versões de nomes maiores da nossa música (José Afonso, José Mário Branco...), foi um excelente companheiro de viagem, pontuando com a sua bela voz e arte musical, cada momento da sessão.

Como ouvi de alguém, uma cabeça bem feita e estruturada que sabe dar às suas interpretações algo mais do que o efémero do momento musical, criando os enlaces que dão corpo e forma a cada um desses momentos. 

 (fotografia de Alexandre Gandum)

Falta apenas a componente de remate destas sessões: a moldura humana, que contribui decisivamente para a criação da envolvente de interesse e de afectos que fazem com que todo o esforço valha a pena. 


A. S. Castelo Branco, da editora Edium (www.ediumeditores.org)


Paulo Afonso Ramos, da editora Lua de Marfim (http://luademarfim.pt)  


Uma referência sublinhada à presença do amigo Alexandre Gandum (à direita na imagem), excelente fotógrafo, cujo contributo enriquece, também, esta breve notícia de um serão bem passado.




Desdobrou-se a sessão em momentos diversos, entre canções e poemas, trazidos pelas mãos dos seus autores que nos proporcionaram a boa conta do recado que todos tiveram artes para dar, da forma aos conteúdos, ...   





... e, também, cada um a seu jeito, no enlace que quisemos e soubemos fazer, percorrendo os caminhos por outros desbravados mas proporcionando os olhares, outros, que sempre nos causam alguma estranheza e constante desafio. 

Como momento de transição para a «segunda parte» a cargo dos participantes do público, houve lugar a uma breve homenagem a um querido amigo que já não se encontra connosco, Dionísio Leitão, cujo blog de referência A Catedral, tão bem funcionou, durante anos a fio, como elemento de apresentação e ligação entre tantos cultivadores de poemas, como era o caso de diversas personagens presentes na sala.

 (fotografia de Alexandre Gandum)

Por essa «segunda parte» fora, os nossos amigos da poesia, com maior ou menor enquadramento com a própria sessão e a temática proposta, mas sempre dispostos a seguirem por amor às palavras e antes de sermos dia...

- Maria Maya

- Rosário Freitas

- João Baptista Coelho

- Francisco José Lampreia

- Ana Freitas

-Estefânia Estevens

- Humberto Seriz



Com a costumeira sessão de autógrafos, encerrámos, ia alta a noite, mais um percurso, destes com que contrariamos algum cinzentismo no viver e, em boa verdade que não é demais repetir, sempre por amor às palavras e antes de sermos dia...

Ainda a tempo e mal cabendo em mim, aqui vos deixo um mimo que Maria Mamede, entretanto, me remeteu:

(Ao Amigo Jorge Castro, que me deu uma noite Mágica)

…e choveu nos meus olhos!
Somente porque e Noite
se fez de prata
e o luar enevoado
deu ao meu coração
a cortina que faltava
num palco improviso
feito de afetos…
ontem
choveu nos meus olhos
e os da alma
rasinhos de água
eram ribeiros de estrelas
que passaram rentes ao chão
a abraçar a Amizade.
…e hoje, ao lembrar
ainda chove nos meus olhos!...

 
- Fotografias de Alexandre Gandum (assinaladas) e de Lourdes Calmeiro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:21


fevereiro 18, 2013

súmula descritiva


de uma romagem a terras do planalto mirandês com a
EMACO – Espaço e Memória Associação Cultural de Oeiras,

nos dias 09, 10 e 11 de Fevereiro de 2013


Dia 09 de Fevereiro

– Saída de Oeiras – Galerias Alto da Barra – Previsão de hora de saída: 6h. Saída efectiva pelas 6h45, em camioneta da DELTA BUS conduzida por José Gomes, entretanto vítima de pequeno atraso involuntário.



– Grupo constituído por 29 romeiros. Distribuição de documentação diversa, por parte da direcção da EMACO, relacionada com a temática dos lugares a visitar e distribuição do livro Havia Trigo - Habie Trigo, da autoria de Jorge Castro e retroversão para mirandês de Bárbolo Alves, edição da Apenas Livros (2003).    


– Chegada a Miranda do Douro às 13h30 – check in no Hotel Turismo (Rua 1º de Maio – vide http://hotelturismomiranda.pai.pt/), unidade hoteleira que, após minuciosa investigação, sempre confirmámos que, afinal, dispunha de água quente, bem como dos demais aconchegos expectáveis. Mais do que isso, todos se manifestaram muito satisfeitos e aconchegados com o alojamento.




– Recepção, no largo do mercado e à entrada do Restaurante Capa d’Honras, por um conjunto de três jovens, equipados com gaita-de-foles, caixa e bombo e trajes a rigor, anunciando que, por ali, a música é outra.

– 14h – Almoço no Restaurante Capa d’Honras (capadhonras@hotmail.com), situado na Travessa do Castelo, com início de pequeno (…?!...) festival gastronómico, proposto por Paulo Gomes, dono do restaurante e nosso anfitrião. Para além das soberbas entradas, a fazer honra ao fumeiro da região, e do vinho da casa – vítima, aliás, de profusas e reiteradas libações –, o prato forte foi o Cozido à Mirandesa, para retempero do desgaste da viagem.

– Pelas 16h30, visita guiada e minuciosa à Central Hidroeléctrica de Miranda do Douro (EDP), muito interessadamente conduzida por dois jovens – David Silva e Hugo Palhares – que não se pouparam a esforços para divulgar até onde pode ir a mão e o engenho humanos, quer metafórica como materializado no terreno.




 





– Após uma breve passagem pelo Hotel Turismo e atendendo ao adiantado da hora, rumámos, de novo, ao Capa d’Honras, onde nos esperava um Cabrito Mirandês grelhado, que suscitou inúmeras comoções ao rés das lágrimas, ao longo do repasto. Uma referência especial a uma saladinha de merujas ou meruges, planta selvagem, aquática e susceptível,que fez as nossas delícias. Já num registo mais apurado, em modo de Rui Costa Pinto dixit, estaremos em presença de uma erva anual, ou bienal, da família Portulacaeae, com caules (5-50 cm) ramificados nos nós inferiores, com ramos geralmente prostrados; folhas algo suculentas, sésseis, aproximadamente espatuladas, inteiras, opostas; flores diminutas, com 5 pétalas brancas, dispostas em cimeiras terminais e laterais, em qualquer caso, com poucas flores…

– Passeio noctuno para esmoer, a 1º acima de zero, pela cidade de Miranda – Sé (e ninguém conseguiu ver o 2…!), Paço Episcopal, Biblioteca Municipal (antiga Igreja dos Frades Trinos), zona exterior da muralha, Rua da Costanilha, etc.. Todos sobreviveram, apesar dalguma refrigeração ambiental, após o que se dirigiu cada um a seu quarto.


Dia 10 de Fevereiro

– Pequeno-almoço no Hotel Turismo entre as 08h15 e as 09h da manhã.

– A partir das 09h, passeio diurno por Miranda do Douro, em busca das coisas da terra e modo airoso de aliviar um pouco as bolsas.

– Às 09h, na porta de entrada da zona histórica da cidade, dissertação a cargo de Joaquim Boiça sobre as origens e evolução da povoação de Miranda do Douro, com especial incidência na sua praça-forte e as suas tremendas vicissitudes.

– Às 09h30, visita do grupo ao Museu da Terra de Miranda, onde se pode ver muito da etnografia da região mas onde uma senhora, aqui e ali austera e em bom cumprimento de superiores ditames, não permitia que tirássemos fotografias…

– Pelas 10h15, visita à Sé de Miranda do Douro e ao Menino Jesus da Cartolinha, para além dos anjos e das anjas, mais ou menos alados e/ou expostos. No final, várias e vários conseguiram descortinar o 2 na arriba espanhola do rio Douro!
  



– Convívio de café e novo passeio, agora diurno, por alguns locais emblemáticos da cidade, com relevo para os cachorros zambargonhados encontradiços na Rua da Costanilha, e torres das muralhas. A chuvinha, condimentando um vento frio de rachar, rapidamente aconselhou a deslocação ao almoço.






– Pelas 12h30, almoço no Capa d’Honras. Prato que nos esperava – outra vez, depois de excelentes entradas variadas – era um Bacalhau à moda da casa, que nos aqueceu para o período da tarde.

– 15 horas: visita à albufeira da barragem de Picote no Barrocal do Douro, seguida de vista de olhos, lamentavelmente perturbada pela chuva intensa, ao Moderno Escondido, estilo arquitectónico único (meados do século XX), que integrava as infraestruturas do estaleiro edificado para a construção da Central Hidroeléctrica de Picote, da Hidro-Eléctrica do Douro. Este conjunto encontra-se em franca recuperação (igreja, «centro comercial», pousada, habitações de quadros superiores, etc.).



– 16h30, chegada à aldeia de Picote, com passeio (chuvoso) até ao miradouro de la Peinha de l Puio, para vista dramática sobre o rio Doutro, tendo como anfitrião o professor António Bárbolo Alves que, logo mais, nos levou até ao Ecomuseu Terra Mater – Ecomuseu de la Tierra de Miranda, instituição que dirige através da FRAUGA – Associaçon pa l Zambolbimiento Antegrado de Picuote (http://www.frauga.pt/). Projecção de um filme sobre as actividades da Associação e do Ecomuseu, a que se seguiu dissertação sobre o tema, com sessão de perguntas e respostas. Por fim, ouviu-se a sonoridade do linguajar mirandês, através de leitura de textos e breve sessão de poesia.    








– 20h – Regresso a Miranda do Douro, ao Capa d’Honras, para fazer as honras a um Cabrito Mirandês na grelha, já alcandorado a património bem material da Humanidade. Convívio e conversa da boa, pela noite fora.

–  De regresso ao Hotel Turismo, alguns houve que ainda prolongaram o dia em bar aberto (ainda que seco…), onde a única coisa bebível foram as palavras e a boa disposição que encheram a noite.

Dia 11 de Fevereiro

– 08h15 – Pequeno almoço e check out. Pelas 09h30 e alguns minutos mais, depois de desbaste nas publicações disponíveis no Turismo e em presença de uma bela manhã ensolarada, saída de Miranda do Douro, até mais ver.

– 09h45 – breve paragem na antiga e abandonada estação de comboios de Duas Igrejas para, a par da constatação de breve queda de neve durante a noite que nos deixou um inefável e inconstante véu branco na paisagem, observarmos os curiosos painéis de azulejos, documentando usos e costumes da região, que forram o exterior do edifício.





– 10h15 – chegada a Palaçoulo e, aqui, às Cutelarias FILMAM, Lda. (http://www.filmam.com/), onde se efectuou visita guiada a esta unidade fabril, com 140 anos de arte na cutelaria, e onde cada um, no final, se muniu de navalhicas M.A.M. para todos os gostos e desvairadas funções. (Aqui também não permitiam fotografias...) 

– 11h30 – Visita guiada à empresa Tanoaria J. M. Gonçalves (http://www.jmgoncalves.com), também em Palaçoulo e também com actividade centenária, onde são produzidos os «Rolls Royce das pipas», com exportação para todo o mundo… conceito extensivo a Oeiras, pois são elas que acolhem o vinho de Carcavelos, actualmente produzido na Estação Agronómica de Oeiras, conforme recente visita da EMACO nos permitiu observar. Entretanto e pelo meio da viagem, deparámos com um simpático passageiro clandestino que logo se fez velha companhia...





– 12h30 – Visita, em Atenor, à AEPGA - Associação para o Estudo e Protecção do Gado Asinino (http://www.aepga.pt/), onde assistimos a uma excelente e motivadora prelecção de Miguel Nóvoa sobre os objectivos e os resultados já alcançados por esta Associação na protecção, salvaguarda e sustentabilidade desta espécie asinina, e onde tivemos oportunidade para travar conhecimento muito próximo com os burros lhanudos mirandeses, animais dóceis mas ponderados, donos de uma inteligência persistente, dir-se-ia. No final, registou-se um «assalto» por curiosidade às instalações administrativas da Associação, talvez decorrente de uma súbita apetência para também podermos e querermos assumir ser «burros» de uma outra maneira… Desta visita decorreu uma outra ideia: vir a ser a EMACO madrinha de um burrico lanudo mirandês – e está a ideia no ar.






– 14h – Romagem ao Restaurante Burela, de regresso a Palaçoulo, onde nos esperava uma cordial recepção e uma Posta Mirandesa que, se a alguns causou alguma estranheza por não se apresentar cada unidade com as dimensões pantagruélicas de outras eras, não foi menos certo de que se estava em presença de excelentes e saborosíssimos nacos de carne mirandesa, a fazer jus ao nome e à fama. No final, sobremesa típica com queijo e marmelada (ou doces), exemplos superiores de confecção caseira e regional. 


Tempo ainda para travar novos conhecimentos...


– 15h30 – despedida às terras de Miranda, em Sendim, com visita «desesperada» ao talho da Dona Alice e à casa de confecções de Susana Castro. E se, no primeiro, nos munimos das celebradas alheiras de Miranda – que nada ficam a dever às outras, bem pelo contrário –­, na segunda, fizeram-se os derradeiros desvarios de compras nos produtos em burel, pardo e surrobeco, bem como em velhos sacos de cereais reaproveitados, matérias-primas de uma interessantíssima e muito original linha de produtos de vestuário e afins.

– 16h30 – início do regresso a casa, que se registou às 11h45, nas Galerias Alto da Barra, em Oeiras, sob chuva miudinha, que não teve artes de arrefecer os encantos da jornada.

Uma palavra final de explicação para a única expectativa gorada deste passeio – ainda que largamente substituída por alternativas disponíveis – e que foi o cruzeiro ambiental no rio Douro. Já um ex libris da cidade de Miranda do Douro, não nos esteve acessível por deficiente e tardia informação. De facto, o barco ambiental encontrava-se em manutenção e os cruzeiros temporariamente interrompidos, o que apenas pudemos apurar na véspera da nossa partida.

Entretanto, como saldo derradeiro da iniciativa, apenas me ocorre parafrasear o Luís Vaz, lá pel’Os Lusíadas: melhor experimentá-lo que julgá-lo, mas julgue-o quem não pôde experimentá-lo… E não, não se encontrou pelourinho afeiçoado o bastante para ser condigno a expor poetas às vicissitudes da jornada – ainda que presuntivo juiz não deva imiscuir-se em causa própria.
    

Etiquetas: , , ,


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:12


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017 Agosto 2017 Setembro 2017 Outubro 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas