<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
agosto 30, 2005

sons de alvorada

poema sugerido pela audição do “Trumpet Ensemble”, da Academia Nacional Superior de Orquestra, em 09 de Julho de 2005, no Centro Cultural de Cascais


correm corcéis como trompetes
por vergéis e vales ensolarados
catedrais de pináculos ogivais
florestais alguns e muitos prados
pompas de circunstância
dós de peito
em polícromos crescendos matinais
e a orvalhada reluzente faz-se brado
polvilhando o ar num eco de alvoradas

e em cada recanto um encanto de espavento
em trote alado alisando os verdes prados
e um regato ecoando a voz do vento
canta intenso nos ressaltos empedrados

correm os corcéis e tão vibrantes
os trompetes na estridência da mensagem
que se abrem em voragem nas campinas
e alados vão
soltos ao vento
nesse voo de horizontes e miragens

porque não irmos também nessa viagem?

- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:34


agosto 27, 2005

como imaginar tormentoso este mar calmo?

como imaginar tormentoso este mar calmo?

este mar que respira tão temperadas
as dolências do luar
e de alvoradas
e a areia doura as ondas
ofegante
entre marés de volúpia
sem sossego

o vai-vem das traineiras
deixa traços
de bilros ondulantes na sua faina
são as redes que se lançam
esquadrias
de buscar no mar sustento
em cada dia

de buscar no mar alento
de outro dia
de outro mar até
de outra alegria

como imaginar tormentoso este mar calmo?

- Jorge Castro




Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:31


agosto 26, 2005

Será que ninguém vê?

Sem comentários desnecessários
mas realçando a coragem,
aqui vos deixo um artigo do jornalista
José Gomes Ferreira
sobre a praga alucinante dos incêndios.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:37


agosto 25, 2005

ainda haverá tempo para um hino?

terra de mortalhas
de canalhas
e do gume alucinado das navalhas cruentas dos interesses simulados
pasmo de ódios e de invejas
e dos cínicos pecados que se lavam na água benta e pia das igrejas

e depois da inveja a indiferença
temperada por ganâncias
cobardias
e a terra que nos morre em agonias

arde-nos esta terra
esta mágoa
(e que bem aqui ficavam uns olhinhos rasos de água…
mas o olhar seco de miragens só pelo fumo se destrambelha de lágrimas)

arde a cidade e a aldeia
arde a terra e a vontade
arde o verde de uma ideia
arde o Sol e o luar
há esta ardência no ar que pega até fogo à morte
que lança até fogo ao mar

fica uma raiva no peito
punho cerrado
escorreito
sem saber como gritar

arde nos olhos a urgência de trilhar outro destino
de sarar as cicatrizes que nos cruzam as raízes
deste solo amortalhado

toque-se a rebate o sino
a inventar outro hino só de esperança e de vontade
que num rasgo de ousadia rasgue os muros
rompa os ares
traga nova liberdade.


- Jorge Castro


Coimbra - Agosto de 2005


Nota - Desconheço a autoria da foto. Se alguém que me ler o souber, agradeço que me informe para respectiva menção



Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:27


agosto 24, 2005

lamento marinheiro (V) - com exortação

donde nos virá maré
ou de feição algum vento sem lugar de nostalgia?
e nós presos neste chão
nesta aflição
enlodados no jamais sem alegria

geme o madeirame podre em agonias
sob as negras velas pandas que envelhecem
ah tão fétido este odor ao rés do cais
da malsã torpeza de almas que apodrecem

mas navegar quando?
e como?
e onde ?
e gritar porquê do lodo que nos tolhe?

logo além do pontão de um olhar preso
nesse molhe que é de choro e de azedume
se pressente a centelha
um céu de lume
por se ouvir já sobre limos e neblinas
o bramir daquele mar de luz aceso

porque não vemos tal mar?
porque persiste
sempre triste em nós quedar na embocadura
deste rio sem corrente ou desvario?
e tanto o frio
tanta a dor
tanta a amargura
tanto mar em nós perdido sem ventura

mas a barca ainda tem leme
e o braço é forte
e vede!
não teme a estrela de ser norte
nem o Sol de romper em cada dia

haja em nós o mar
o vento que transporte
a esperança
para além da nostalgia.


- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:21


agosto 19, 2005

da solidão mitigada

velhos
sendo os trapos
e alguns outros seres usados
que constrangem a cidade acética
a cidade atípica
a cidade elíptica
há sempre alguém
nalgum lugar
e alguma coisa
cujo manto de solidão mal nos perturba

deixa-te
então
estar
nesse prado verdejante a ver o mar
e espera que o entardecer te lance
o seu calor inesperado

quando
logo após atentares bem junto a ti
decerto haverá vozes e alguns olhares
murmúrios quase que te cercam

não haverá
no entanto
razões para sobressaltos

a vida é assim mesmo
que nos une.

- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:27


agosto 17, 2005

Rescaldo de mais uma época balnear

Fui a banhos e voltei. E como a imodéstia me segredou, verifico que, na minha ausência e apesar dela, nada mudou.


Portugal arde, manso e quedo, como em anos anteriores. No mundo, o petróleo não cessa de subir. Em Gaza, os israelitas encenam uma retirada da treta. Pelo Iraque, os soldados americanos olham para os atentados como nós para os incêndios, com a agravante de que aquilo nem é deles. Jorge Sampaio interrompe férias para condecorar os U2, discursando em inglês, como bom português que é. Bono, de chapéu na cabeça e mãos nos bolsos, nem precisa de agradecer. Entretanto, caem alguns aviões. E os chineses continuam a abrir estabelecimentos na sua perturbadora e preocupante sociedade de formigas – já alguém viu algum chinês, cá pelo burgo, passeando a família e o lazer num centro comercial, na praia ou nalgum cinema?... Não, pois não? É, também tenho essa ideia...


Pela ordem natural das coisas, já em Agosto, nasceram mais seres humanos do que aqueles que morreram. Sendo o nascimento tão crucial quanto a morte, seria natural esperar que as cadeias noticiosas divulgassem o acontecimento… mas, nada! Na informação, só morre gente.


Como o estado está de tanga – ainda que apenas para algumas coisas - cada vez mais o combate aos incêndios é entregue nas mãos de interesses privados, enquanto os nossos militares, por exemplo, coçam as micoses nos quartéis, contando a densidade de moscas por sala e estudando uns raides humanitários ao Médio Oriente que, apesar dos eventuais riscos, sempre compõem o orçamento familiar. Haja low profile (o que, como toda a gente sabe, quer dizer baixo perfil).


Claro que amanhã, se não houver incêndios, o que farão aqueles interesses privados para assegurarem a sua subsistência? Atearão novos fogos, claro, que esta vida são dois dias. Pelo caminho, talvez invistam em campanhas autárquicas “independentes”, sabe-se lá, que ele há fogos e fogos…


O IKEA – passe a publicidade – quando abre, no nosso país, pratica os preços mais altos da Europa; a nossa gasolina, tal como a electricidade, pela ganância desmedida mas estúpida e sem visão dos nossos governantes, é a mais cara da Europa; os medicamentos vendidos cá, mesmo apesar da legislação que o contraria, são os mais caros da Europa… Numa simples expressão: tudo goza com a cara do portuga.


Portugal teve as campanhas do trigo, do pinheiro, do eucalipto, de Sines, do Alqueva, quase sempre suportadas por engenhosos argumentos, carregados de falácias, em prol da alegada “riqueza nacional”. Meia dúzia encheram-se, à grande e à francesa, com tais campanhas… E agora? Não temos trigo e os solos estão semi-perdidos e desertificados, a nossa maior produção nacional é madeira ardida, o mais profundo porto marítimo do mundo e arredores está a banhos, o Alqueva nem rega nem produz energia…


Mas temos estádios de futebol como o caraças e campos de golfe a perder de vista, com relvados que consomem a água que falta nas aldeias e nas cidades; um Sol lindo e desperdiçado; umas excelentemente poluídas praias, submersas por urbanizações; teremos o TGV e a OTA e os casinos do ti Belmiro em Tróia; pelo Bairro Alto, em Lisboa, em vez de cultura, promoveremos os condomínios fechados… e, aparentemente, temos também uma incomensurável falta de vergonha na cara e um futuro brilhante e irremediavelmente hipotecado à nossa frente.


FINAL 1 - Assim como assim, à falta de novidades e já que é para termos mais do mesmo, estou seriamente a considerar voltar para os banhos…

FINAL 2 - Vamos à luta, companheiros, que estamos a deixar um país de merda aos nossos filhos!


Nota final – Ainda temos Sócrates ou também emigrou? É que não há quem o veja e quase nem se dá pela ausência… E como o país arde, com ou sem governantes activos, sem eles sempre a coisa sairia mais barata ao erário público. Pelo andar da carruagem, ainda vamos criar o primeiro estado anarca do mundo.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 20:54


agosto 16, 2005

Lugares ainda mais comuns

Pronto... estou a regressar.
Devagarinho,
que a pele por demais tostada não recomenda excessos de agitação.

A todos os companheiros que vieram até cá espreitar ou deixar votos de boas férias, os meus abraços, beijos e retribuições de votos.
É agradável dar convosco no regresso.

Por hoje, com calma, só venho marcar presença, mas sem picar o ponto.
A partir de amanhã, regresso à faina.

Até já...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 17:16


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas