<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
agosto 31, 2009

destino de férias (24)

Não sei se será por excessos de futebol ou de baixa política, mas ando com a sensação de que estamos todos a ficar mais burros. Burros, isso mesmo! Mas nada que nos assemelhe aos mui dignos representantes da raça equídea. Nada disso! Burros na acepção do calão que é sinónimo de ignorantes, obtusos e obstinados...

Vem isto a propósito de, no escasso espaço de duas semanas, ter assistido por duas vezes ao pré-pânico de grande parte dos meus companheiros de areal, perante o aparecimento, nas salsas ondas onde banhávamos as banhitas, de uma inofensiva alforreca. Ainda se fosse uma caravela portuguesa... Mas não, tratava-se, num e noutro caso, de uma alforrecazita de Lineu que o destino e a maré aproximaram muito mais da praia do que ela desejaria, se tivesse mais mão em si... e todos sabemos que as alforrecas, tendo vários braços, não têm mão alguma.

Num e noutro caso, também, um intrépido banhista, armado de uma pazita de plástico ou de um balde de fazer castelos na areia, trucidou e desmembrou o inofensivo e indefeso animal, perante o gáudio das massas, como se de algum feroz tubarão (dos filmes) se tratasse.

Pois é... até me assaltou um relampejo de versalhada, perante tão ingente manifestação de... sei lá bem de quê, eu...


a alforreca

na praia
pela manhã
um intrépido banhista
solidário e de cueca
viu dar à costa dourada
coisa que raro se avista:
o pavor de uma alforreca!

não fosse o demo tecê-las
em matreirices de algoz
muniu-se
pronto
de um balde
atacando a fera atroz
que ameaça o arrabalde

alertou novos e velhos
e entrou pelo mar adentro
com a coragem dos bravos
- já lhe chegando aos joelhos
a façanha
o espavento
a água e os seus conselhos –
pois não daria dois avos
ou coisa mais ordinária
por perna que se queimara
com a cruel alimária

e a turba amontoada
aplaudindo a bravura
da intrépida criatura
riu dessa coisa horrorosa
ser de pronto chacinada
coitada
gelatinosa
a golpes vis
à pazada
e em cruel desventura
ser na areia amortalhada

trouxemos do outro mundo
a trabuco
e mil façanhas
coisas tais como o jindungo
p’ra nos queimar as entranhas
e agora
em praia amena
temos pavor de um bichinho
que nos queime a bela perna

povo bravo que deu brado
nas praias do mundo todo
mesmo sendo meia-leca
votado assim
deste modo
de balde em riste e com medo
à chacina da alforreca…

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:41


agosto 30, 2009

destino de férias (23)
Redondo e Estremoz

Prosseguindo num périplo alentejano e raiano, primeiro o Redondo, das louças, do cante, entranhados de vivências que mal sabemos já onde moram...

O azul do céu trazido ao rés das casas, em vizinhanças que no Alentejo são mais vivas e aparentemente óbvias...

Também a monumentalidade e o asseio das ruas, a darem-nos lições de cidadania, a confundirem-se com o amor à terra, às raízes...

E a vista a perder-se nas lonjuras, tanta vez a ter de seu nada mais que o horizonte...


De seguida, um salto a Estremoz, caindo a tarde. O tenor Tomaz Alcaide lembrado num recanto acolhedor - «bendita a sua voz, cuja pureza / tendo o frescor da terra portuguesa, / tem o calor do Sol alentejano!»


Num apontamento breve, ressaltar o riquíssimo trabalhado das calçadas, em mármore, que pisámos tanta vez sem dar por ele, como se de perturbadora metáfora deste País se tratasse...


Depois do chão, olhos ao céu, para se espantar o olhar com o inusitado das carantonhas que nos espreitam da chaminé, vigiando os nossos passos...



Mais à frente, num ensurdecedor chilreio, a pardalada regressa dos campos, da sua faina diária em busca de sustento, vindo retemperar forças - vá lá saber-se porquê - nas árvores urbanas. E as ruas ficam em festa, nestes fins de tarde, com a algaraviada de milhares de aves, que vão chegando em revoadas constantes.


Não sei se alguém, com dotes de compositor, já terá atentado em tal sinfonia. A mim pareceu-me, escutando por momentos a estridência - que tanto me recordou as minhas queridas árvores mirandesas -, estar ali sobejo motivo para uma sinfonia campesina...



Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 06:58


agosto 28, 2009

destino de férias (22)
Monsaraz

No Alentejo, bem perto da fronteira, uma mão-cheia de quilómetros depois de Évora... Há quantos anos não visito eu Monsaraz!

As imagens que retinha, mantêm-se e com mais arranjo e limpeza. O xisto e o granito, empilhados pedra a pedra, ou ordenados nas calçadas centenárias, num grito contrastado pela cal e aquele azul intenso do céu alentejano...

A cada esquina um recanto, uma paisagem que espreita pelo apertado das ruelas. Aqui a dificuldade é não nos deixarmos cair na tentação fácil do mero postal ilustrado... Mas devemos agradecer aos deuses das coisas pequenas o já não estarmos limitados aos rolos de 36 fotografias, ou estaríamos em maus lençóis com o orçamento de férias.

Calcorreando as ruas da vila, para além do património edificado, ressalta a limpeza, preocupação constante das gentes alentejanas, e o seu afã diário em manter o espaço respectivo, na frente de cada casa, sem réstia de pó que seja...



Aqui e ali, os pormenores arquitectónicos decorativos, transmitem-nos uma sensação...


... intensa de que os objectos são entendidos como uma extensão de vivências humanas, muito para além, portanto, da sua funcionalidade imediata, pelo que há que lhes transmitir cor e forma, que melhor os afeiçoem.



A inevitável subida ao castelo revela-nos, uma outra vez e em visão mais alargada, de edifícios e horizontes, a que os líquenes conferem certificado de autenticidade.

Dentro do castelo, uma original arena centenária, palco de outras contendas entre homens e bichos, que vêm de longe mas, aparentemente, se exceptuarmos o limite mínimo da sobrevivência, nunca terão sido muito conclusivas...

De novo, a vila. Outra rua, outros encantos, outra oportrunidade para meter conversa e tentar apurar o porquê de algumas coisas, nem que seja para se ouvir um diz-que-disse, mas sempre temperado pelo sabor (e pelo saber) do linguajar local.

Depois da breve troca de palavras, certificando, ao de leve, que a vila é mais do que as pedras e o barro, o encaminhar-se cada um para o destino que vai traçando, com os amparos que lhe couberam em sorte...

Enfim, o repasto. A oferta é imensa, muito diferente do que ocorria quando, há mais de vinte anos, visitei Monsaraz.

Após breves hesitações, entrámos do restaurante Alcaide. Esplêndida vista para a planície, a temperar de forma excelente as tradicionais entradas de queijo e azeitonas - mas com os sabores que dificilmente encontro nas urbanidades que frequento.

Um régio vinho alentejano, a fazer as honras a um assado de bochecha de porco de fazer chegar uma lágrimazita ao canto do olho, de pura alegria...
E com tais manjares, porque não abrir mão do pormenor e deixarmo-nos cair na tal tentação do postal ilustrado, agora que não está ninguém a ver?

À cata do artesanato, tão genuíno quanto possível, espanto-me - sempre esta palermice de me espantar com coisas óbvias - com o facto daquele que me pareceu ser o melhor estabelecimento aberto ao público, para essa área, ser dirigido por uma senhora holandesa, de seu nome Mizette Nielsen, residente em Portugal desde 1960. Afável, simpática, bem humorada, disponível para explicar o porquê das coisas, desde uma manta tradicional à qual um novo design transformou em moderna capa, até às dedeiras de cana com que as ceifeiras protegiam os dedos: «- Sabe, agora isto já não é preciso, portanto há pouco quem as faça...».

Breve Viagem no Alentejo, é um livrinho por si publicado, com versão original, texto e pesquisa de Robert e Jane Wilson, e actualização de Maria do Carmo Piçarra, excelente roteiro da região... e que já cá canta, com autógrafo e tudo!

À porta do estabelecimento, um olhar cheio de condescendências perante os citadinos de um outro habitante, descansando ao abrigo do Sol inclemente das duas da tarde...

Com o rio Guadiana por perto e a edificação da barragem do Alqueva, esta região pode ter ganho outros motivos de interesse.

Por mim e ponderando alguns dos inconvenientes destas barragens artificiais, não posso deixar de referir o encanto que advém dos espelhos de água a enquadrarem a planura alentejana.

Possam eles ser, então, uma riqueza efectiva para as gentes daquelas terras, mais do que instrumentos de novas explorações «coloniais», outros abandonos e mais empobrecimento. E para a fruição de todos.
Antes da partida, uma rápida visita, em romagem, a alguns monumentos megalíticos em que aquela área é fértil - 150 vestígios do megalitismo rodeiam Monsaraz - testemunhos que (se desejaria) perenes de uma ocupação de vários milénios, contrariando esse conceito limitativo de que a nossa História começou nos Afonsinos, há apenas oitocentos e tal anos, quando há tantas e tantas marcas de uma ancestralidade que, a contar-se, leva já para cima de várias dezenas de milhares de anos.

Aqui vos deixo um mui digno representante do que ficou dito: o menir do Outeiro, nos arredores de Monsaraz. Dele, Torga disse: «falo sagrado... alada tesura de granito, que da terra emprenhada, emprenhas o infinito». E fiquem-se com essa!


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 08:03


agosto 25, 2009

destino de férias (21)Setúbal

Massacotes... Alcorazes (leia-se alcorrazes)... Sabem do que se trata? Pois bem, Setúbal será destino adequado para o descobrirem. Se a estranheza do nome vos fizer duvidar do sabor, pois fiquem-se vocências pelo tradicional choco frito e não ficareis nada mal.

Se o orçamento vos permitir, reguem tudo com um Dona Ermelinda, ali de Palmela, mesmo ao lado, e estarão bem encaminhados os vossos fados. Passe a publicidade, aqui vos deixo uma sugestão:

A seguir, para desmoer o lauto almoço, um passeiozinho ao rés da água, visitando glórias de outrora que ainda se fazem ao mar...


... ou, até, descobrir coisas tão improváveis como esta de uma ponta do verde ser cor de laranja... Talvez pré-avisos das campanhas que em breve nos assolarão.

Mas, muito exemplarmente, atentar nesta informação/advertência à beira-estuário plantado...



... e, logo depois, observar a olímpica indiferença, perante o perigo anunciado, que o comum cidadão assume.


Não havendo aqui falésia de derrocada iminente, dir-se-ia que o povo afronta a desgraça com o mesmo ímpeto marinheiro que deu novos mundos ao mundo... (NOTA - o aviso acima encontra-se profusamente distribuído ao longo do paredão - vide ali nas traseiras da senhora de verde-amarelado).

Perante tanta valentia, tanto pundonor, não será de estranhar que as fortificações fiquem sem serventia. O povo vai à luta de peito aberto e mãos vazias e o que tem de mais certo é que, desde que não perca, até poderá sair vencedor... por outro lado, não havendo ventos de feição, empata. Mas nisso também somos bons...


Entretanto, numa simpática homenagem ao Homem do Mar, um monumento evocativo à sua lide e à sua fé. Em fundo, a nova Tróia...


E, vá lá saber-se porquê, dei por mim a parafrasear o Pessoa: Deus quer, o Homem sonha... e o Belmiro lá vai construindo!



Pergunto-me, até, porque não sobram a estes furiosos edificadores do cimento, ímpetos que os aconselhem ou estimulem a recuperar o sem-número de belíssimas casas em adiantado grau de degradação em que a baixa de Setúbal é fértil - e, também aqui, me parece ver o significativo gesto que a figura altaneira que se divisa no topo de um desses edifícios nos faz. O preclaro Zé Povinho não o faria melhor.


(Crónicas de maldicência? Se calhar... Mas tenho tantos motivos para me orgulhar deste nosso Portugal como aqueles que me enchem de vergonha. Fico-me, então, assim, nestas meias tintas de dar uma no prego e outra na ditadura, como se diria nos idos de Abril... À espera de outro Abril.)


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:33


agosto 23, 2009

destino de férias (20)
Monserrate (Sintra)

Não sei se isto se passa convosco, mas eu, quando estou muito tempo sem me sujeitar à imponência do verde, fico em carências iguaizinhas àquelas que a separação do mar me dá.



Daí, ter rumado a Sintra, após ter ouvido uns zunzuns acerca do Palácio de Monserrate estar a ser reabilitado. Embora, a ver, que a última imagem que dele tenho, vai para uma mão-cheia de anos, era abaixo de deprimente, face ao seu total abandono e ruína.

Assim como assim, ganharia na mesma, em alternativa, com uma passeata pelos seus jardins...

Entrada a 5 euros, que parece constituir uma espécie de cartel entre entidades para definição de entrada em monumentos nacionais. Mas, para estas coisas, tendo a nem olhar muito aos custos...

E lá estava o palácio, sim senhor. Em plena recuperação, mas já com alguma coisa para ver, ainda que, ao contrário do que observei noutros destinos de férias, por cá nunca se veja ninguém a recuperar nada. Vê-se que está tudo em obras e já não é mau... Deve ser trabalho nocturno, para não apoquentar os turistas.

(Esta é, notavelmente, uma boca foleira, mas que é que hei-de fazer ou dizer perante estas evidências?)

Espreitando cá de fora e entrando, depois, nas zonas já visitáveis - atenção, nada de fotografias lá dentro! -podemos ter já uma ideia bastante precisa acerca da riqueza decorativa de tal espaço. Constou-me, entretanto, que os últimos proprietários leiloaram grandíssima parte do recheio, pelo que a autarquia se propõe reconsituir os mobiliários, estatuária, etc., etc.

Aí, valentes! Contam com o meu apoio, mesmo que elevem o preço das entradas...


Curiosidade satisfeita e anotações tomadas, lá fui dar a voltinha pelos jardins.

Aqui, a sensação que me ficou é a de que o abandono cavou aqui marcas profundas, também. Senti o espaço muito pior tratado do que na minha última e longínqua visita.

Mas saudei a velha araucária, com a imponência dos seus 50 metros de altura, bem como muitas das suas companheiras vegetais que por lá nos recebem.


Ao deitar-me no... ia dizer relvado, mas é mais certo chamar-lhe ervado, a contraposição da pequenez delicada com aquela desmesura vegetal...



Aqui e ali, uns recantos onde a beleza natural disfarça uma gritante falta de água em tudo que sejam locais para a dita.


À saída, duas quimeras acenaram-me a despedida. Quimeras... Bem precisados andamos delas, se soubermos encará-las com os pés bem firmados na terra.

Agora, vou-me. Tenho música ao vivo cá por casa. (Hehehe... Há quimeras assim, mais próximas do que as outras... Fiquem bem e façam o favor de ser felizes, como diria o velho Solnado).

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 20:42


agosto 22, 2009

destino de férias (19)
festival sete sóis sete luas
com Gema Jiménez

Volto a dizer que não sou um incondicional ou, sequer, grande aficionado do flamenco. Há coisas assim, ou nos estão entranhadas e gostamos, mesmo sem preocupações de porquês, ou lhes reconhecemos mestria na interpretação, podem mesmo chegar a «mexer» connosco, mas fica-nos sempre um distanciamento de alma, a que alguns chamam cultura.

Mas também a idade nos pode (e deve, digo eu) refinar o gosto e torná-lo mais abrangente, para além da mera condescendência.

Vem à colação a exibição de Gema Jiménez a que assisti na Fábrica da Pólvora, em Barcarena, integrada no festival Sete Sóis Sete Luas.


Excelentemente acompanhada por um guitarrista de primeira água - onde e como é que, a propósito, os espanhóis cultivam tanto guitarrista de qualidade...? -, assistimos a uma demonstração mais da força e vontade de viver (mesmo quando da morte se fala), em que nuestros hermanos são pródigos.

Dois dançarinos mais completaram o bouquet flamenco, também eles com aquele batimento de palmas impossível de acompanhar, a não ser por iniciados, e com uma fúria no sapateado de nos pôr os cabelos em pé.
Lá está: proporcionaram a quem assistiu, sem grandes problemas de divergências ou distanciamentos culturais, um despertar de emoções... E é suposto ser para isso que a Arte serve.




Uma pobre nota: algumas debandadas de público em plena actuação - e porque custará a crer que a todos tenha assolado uma simultânea e intempestiva necessidade de deslocação aos lavabos - denota um lamentável desrespeito quer pelos artistas, quer pelos espectadores ineteressados e denuncia a grosseria em que o portuga anda a deixar-se mergulhar.

Mais alto do que a intensidade do sapateado, fez-se sentir o som cavalar dos cascos de tanta besta!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:31


agosto 21, 2009

destino de férias (18)


- fotografia de Jorge Castro

Prelúdio em tom maior, de afinada sinfonia assardinhada. Na rua, sob um dossel de árvores. Abertura com um moscatel estupidamente gelado. Pão saloio, à espera dos óleos essenciais. Vinho, de preferência, bom e tinto. Queijos, vários, nacionais, amanteigados ou nem tanto. Conversa da boa, com amigos, sem horas nem compromissos. Fruta fresca e fria, quanta se possa. Um café, cheio ou curto, com ou sem açúcar, a gosto. Um medronho, gelado também, com aquele sabor da terra. Um Porto, talvez, ou um Carcavelos...

Pelo meio e quase em ritual à sardinha, até há quem diga um ou dois poemas alusivos ao repasto e ao convívio.

A tarde corre amena e prazenteira. De seguida, um passeio junto ao mar... Um pôr do sol, a que algumas nuvens emprestam profundidade...



Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 17:12


agosto 20, 2009

destino de férias (17)

Prosaica e tranquilamente, sentado numa cadeira de praia, lendo um bom livro e vendo o tempo passar, neste magnífico areal que é Carcavelos... desde que não haja criancinhas aos gritos, paizinhos a gritar com as criancinhas, esplendorosos jovens aos pontapés numa bola contra tudo o que mexa ou sonoridades de «bate-estaca» e «animação», pelo menos num raio de trezentos metros.
Enfim, o paraíso ao alcance de todas as bolsas... Pelo menos, até às onze horas que, depois, vêm de lá os ultravioletas normalizados e está tudo tramado! É a debandada geral! Mas eu abençoo o meu guarda-sol amigo, companheiro de vinte anos de sol e mar, que alguma ferrugem já perturba, mas que permite precaver-me contra estes perigos e desfrutar esta espécie de «terra de ninguém temporal», quando a pressão popular se atenua...


E passa o veleiro, passam as meninas, passa o casalinho, os banhistas passam o dia banhando-se na água muito razoavelmente limpa e eu passo a minha manhã a ver tudo passar... O forte, esse, não passa, fica. E deixa-se para ali estar a impor presença e moldura à praia...

Uma manhã mais, passada, a aproximar-me do tempo das maiores ralações e faltas de ar: crises, gripes, Iraques, (des)empregos, eleições... Mas, hoje, respiro esta bonomia que Agosto traz a esta terra, ainda assim beijada pela benção da Vida.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:15


agosto 19, 2009

destino de férias (16)
Convento de Cristo - Tomar
Castelo de Almourol

A escassa hora e meia de Lisboa, um destino que já não visitava há cerca de vinte e cinco anos: o Convento de Cristo e o Castelo dos Templários, em Tomar. Levava comigo alguma curiosidade em saber o estado de conservação deste extraordinário monumento, que então vi muito mal tratado e em preocupante devassa.


Magnífico conjunto arquitectónico, actualmente classificado pela UNESCO como património mundial, testemunha-nos grandezas e mistérios passados... ao lado de algumas fraquezas da nossa História mais recente...

A profusão decorativa, o rendilhado da pedra, a emprestar elegância e leveza à força bruta, não cessa de causar a minha admiração, até pela mestria das mãos que a executaram...

A profusão de claustros, a arquitectura e beleza cenogáfica de cada recanto, podem recomendar horas de contemplação.

A charola (século XII), em fase de restauro, é destino obrigatório...



... tanto quanto a janela do capítulo, do convento, da autoria de Diogo de Arruda, ex-libris deste conjunto monumental.


Um pequeno senão: se excluirmos o senhor que cobrava as entradas e a senhora que se afadigava, junto à charola, para que ninguém «fotografasse com flash», não topei com ninguém que pudesse ser interlocutor da visita. Também a loja encerra, salvo erro, entre o meio-dia e trinta e as duas da tarde, por falta de pessoal - ou de verba disponível, digo eu...


Sem estar para aqui com paranóias securitárias e apreciando mesmo alguma ausência (ou discrição) de vigilantes cuja imposição de presença pode incomodar o enlevo de uma visita deste tipo, verdade é que alguma presença humana institucional se recomendaria, como aconselhará o bom senso e atendendo a algumas posturas de «crianças sem pais à vista» e de adultos curiosos e recolectores em demasia. Nem oito nem oitenta...

Cá fora, já no estacionamento - que, para não destoar do panorama nacional, toda a gente parece ter-se esquecido de concluir e rematar, cheio de buracos, pedras soltas, poeirada e outras minudências -, uns poucos postos de venda, com fruta e outros mimos da região, que não me pareceram nada mal.

Já profusamente abastecido com os bons sabores dos velhos tempos - ah, as delícias da fruta fresca sem frigorífico! - louvo, então, esta iniciativa individual e muito privada - quem sabe um bom exemplo de parceria público privado... -, que não deixa de representar uma mais-valia à visita e - porque não? - uma originalidade nossa, de qualidade, em destino turístico.

Como fica provado, até os olhos se riram...

Descendo até Tomar - onde não encontrei, nos restaurantes onde procurei, um prato típico da região, com a honrosa excepção de um doce de ovos, ficando-me pelo que se come de norte a sul - revisitei o jardim em volta do rio Nabão...

... onde, em certo trecho, me imiscuí numa eterna conversa e mantive o diálogo possível com o maestro Fernando Lopes Graça e Fernando Araújo Ferreira (poeta e homem de cultura da terra). Na verdade, o Sol estava a pino e o conjunto, em bronze, fervia...

Junto à praça onde se encontra a estátua de Gualdim Pais, o fundador da cidade, não pude deixar de notar que, no meu lado direito não visível na fotografia, e tendo por trás de mim o edifício da Câmara, existia um lugar de estacionamento privado da autarquia.

Ora, havendo um enorme parque de estacionamento a escassos 50 metros dali, não deixa de ser bizarra aquele mordomia, até porque a viatura estacionada, por muito BMW que fosse, nada tem a ver com o demais contexto.

Se calhar, é um reflexo dessa mania que alguns autarcas têm de que «aquilo» é deles, enquanto lá estão, e não sempre dos munícipes... Aqui fica a nota, à consideração.

De regresso a casa, uma paragem junto ao Castelo de Almourol. Um barquinho, no cais, que transporta os visitantes por 1,5 € (ida e volta) - que não dão, aparentemente, direito a que o senhor barqueiro auxilie nas entradas e saídas dos passageiros -, numa viagem de 5 minutos... e, depois, o deserto. Ninguém e nada que nos despertasse para a aura de mistério e romantismo que este lugar evoca...

Uma vez mais, adivinho a falta de verbas (e de visão), que devem estar a ser arrecadadas para os tgvês das megalomanias, enquanto o passado e o presente se nos esboroam aos pés, apenas deixando lodo e areias para o futuro...

Que diabo, era dia da semana e eu contei para cima de oitenta visitantes, na horita que ali passei. Essa afluência não poderá justificar a permanência - pelo menos, em período de Verão - de alguém que, em tão privilegiado espaço, nos trouxesso história, contos e lendas do sítio, acrescentando saberes àquilo que os olhos enxergam?

De resto, uma esplêndida vista para ambos os lados do Tejo, num castelo absolutamente sem recheio algum, para além daquele que as pedras sustentam...

Fica no ar uma certa nostalgia pelo futuro, que, do passado, parece não haver nada para dizer. Uma certa amargura e acidez, também, talvez induzida pelo excesso de Sol, mas isto de destinos de férias nem sempre nos saem de feição, a cem por cento.

Mas a visita, ah, essa recomendo vivamente! Lugar de inspiração para quem a tenha. E que, como é sabido, é coisa arredia mas, ainda assim, baratinha.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 05:50


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017 Agosto 2017 Setembro 2017 Outubro 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas