<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
março 31, 2010

Quino - uma perspectiva crítica sempre actual

Mão amiga fez-me chegar os cartoons abaixo, que partilho convosco. Sempre apreciei Quino por aquilo que eu chamaria a sua crítica social corrosiva soft.

Tive, até, o grato prazer de ter sido apelidado de Mafaldinha quando a minha postura gerava incomodidade junto de posturas acomodadas... Enfim, não virá isso ao caso. Mas quantos pais queixosos dos descaminhos da sua gentil prole não se reverão nos cartoons que se seguem?

Já sabemos que a responsabilidade, bem como o exemplo, vêm de cima. Mas... e o que fazemos nós, os de cá de baixo?








Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:36


março 28, 2010

exposição colectiva de pintura
dos amigos de Carlos Peres Feio


Iniciativa com um colar de afectos em redor, na Sociedade Recreativa Musical de Carcavelos, hoje, pelas 17 horas, 20 amigos 20 do Carlos Peres Feio afoitam-se numa exposição colectiva, onde haverá, também, comes e bebes e música e poemas. Lá estarei!

E aqui fica um desvario, a propósito:
eu pinto
e pinto
e pintando
eu lanço na tela o que há de melhor em mim

e a tela
sempre ela
estrebucha
barafusta
e não quer que eu pinte assim

ah
no calor da refrega
em que eu brado
e ela estrafega
e o quadro não é pintado
no desespero de vê-la
tão assim fora de si
como eu estou fora de mim
vou-me a ela desvairado
e não pinto mais assim

… mas pinto assado!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:19


março 27, 2010

novo artigo na Free Zone

FREE ZONE INFORMAÇÃO ALTERNATIVA - Opinião

Escrito por Jorge Castro - Sexta, 26 Março 2010 01:05

Ó entrevistadores da minha terra

… agora é que eu não percebi! Porque cargas de água e de trabalhos é que, sempre que uma greve qualquer tem lugar, desatais invariável e monotonamente a entrevistar os supostos «lesados» com a greve, questionando-os sobre a dimensão dos seus encargos e transtornos?...

ler o artigo completo


FREE ZONE - http://www.freezone.pt/

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 08:38


março 25, 2010

quotidiano delirante (6)

- Assim, em forma de versalhada, riso pífio pela lógica que faz desperdiçar uma geração à rasca em trabalhos de vencimentos rascas, que os excelsos governantes - que nós elegemos, sim! - promovem, acarinham e acalentam...

sempre espantou o saber de alguns fecundos senhores
uns que se chamam doutores outros o que Deus quiser
mas que são maiores que o Mundo
outros que a Vida maiores e cultivam tais valores
são donos de tais saberes
que eu de pasmo me inundo
que eu de pasmo arregalo o meu olhar vagabundo
por esse saber maior
por esse saber profundo
que me leva em doce embalo até à Ursa Menor

assim sim vestido de urso já darei de mim melhor
por trazer vestido um curso com fitas de muita cor
curso fino com ciência
e dos pais a paciência p’ra fazer filho doutor

mas o destino aziago ou quiçá a conjuntura
recusou-me doce afago de perseguir tal ventura
e estou p’ràqui desolado de saber feito e candura
a dar troco a quanto pago numa infeliz urdidura
se faz num supermercado.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:31


março 22, 2010

A Senhora de Ofiúsa
- resumo de uma apresentação animada

Quem é o primordial agente do processo histórico: a individualidade ou a comunidade?

Este foi o centro das alocuções que a apresentação do livro de Gabriela Morais, A Senhora de Ofiúsa, suscitou.

Antiga disputa entre estudiosos e homens da ciência, mas também por assunção de postura filosófica e política, aos participantes nesta apresentação coube optar claramente pela comunidade como elemento criador desse processo, contra a orientação estreita e errónea, na opinião destes mesmos participantes, que aponta para a individualidade - mais ou menos inspirada e/ou salvadora - como eixo sobre o qual vai girando toda a Humanidade.

E muito longe nos leva esta urgente mudança radical de paradigma, pelo engrandecimento e notoriedade que essa nova abordagem confere o cidadão comum, integrado na sua comunidade - ou na sua circunstância, como motor e fautor da História do Homem ou do seu processo histórico.

A tanto nos conduz, também, A Senhora de Ofiúsa, percorrendo cerca de 30.000 anos da nossa História, estabelecendo um nexo lógico através daquilo que já se denomina por merecido reconhecimento, na comunidade científica internacional, o Paradigma da Continuidade Paleolítica, abordagem inovadora e desafiante sobre os caminhos da História da Europa... que, como é infeliz hábito, parece que apenas em Portugal não colhe eco.

Valham-nos as (pouquíssimas, ainda que ingentes) Gabrielas Morais e Fernandas Frazões que empunham este estandarte, contra ventos de acomodações e marés de ignorância.

A Comunidade de Leitores das Caldas da Rainha - com realce para Palmira Gaspar e Carlos Gaspar -, bem como a Biblioteca Municipal, na pessoa da Dra. Aida Reis, acolheram, em boa hora e com alargada visão de futuro, no passado dia 20 de Março, a apresentação e divulgação desta obra polémica, ainda que encantatória, e que tive, com o Pedro Laranjeira, a maior honra em secundar.

Destaque ainda para as participações do jovem acordeonista João Bernardino, do Conservatório das Caldas da Rainha, e dos Jograis do Canto Sénior, cujas participações, pela música e pela poesia, trouxeram mais riqueza, ainda, a uma sessão bem animada.


Gabriela Morais


Jorge Castro

Fernanda Frazão

Pedro Laranjeira


João Bernardino

Jograis do Canto Sénior


- Fotografias de Lídia Castro


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 16:20


março 21, 2010

as Noites e a Ti Miséria

Um evento miseravelmente rico foi o que tivemos na mais recente sessão das Noites com Poemas...

... com a sala bem preenchida, sem lugares sentados disponíveis...

... e com o conforto de mutas amizades pesentes...

Da alocução e apresentação iniciais, a cargo de quem tem a função de dinamizar...

... passou-se a palavra para Carlos Augusto Ribeiro, ilustrador do projecto e que nos contou como decorreu a sua génese...

De seguida, Joaninha Duarte mostrou, bem ao vivo e a cores, como sói dizer-se, como se conta um conto, acrescentando-lhe um ponto e coreografias várias...

Ignacio Vilariño, o «parteiro» do projecto, não deixando créditos por mãos alheias na arte de fazer reviver um conto...

A audiênca participativa, colaborante, interessada e bem humorada.

... não lhe faltando motivos para que tal fosse estimulado...

Depois, as vozes que já são da casa, mas que trazem sempre outro maior conforto...

... e alegria, de cada vez que marcam presença.

E se o enlevo é o esperado, para quem vem de novo, a surpresa é sempre grande.

Depois, também como matriz destes encontros, o apelo às participações de quantos se afoitam a trazer-nos as palavras que enchem a alma e podem dar outro sentido à vida...

... o que, obviamente, a todos gratifica.

Contámos com participações várias...

... de gente nova, que ali está por vontade própria, no ensaio, ousado ou tímido, de novas artes da vida...

... o que não pode deixar de ser sublinhado e nos proporciona, a par de responsabilidades acrescidas, um gozo enorme...

... pela consciência de estarmos a contribuir para as tais pontes com que o futuro se constrói...

... no tempo presente, também pelos caminhos da poesia - com recursos tecnológicos que nem são avessos à modernidade, pois cada um deve escolher os seus caminhos.

E chega ao ponto de um professor assumir o mérito de também acolher lições dos seus alunos, numa partilha que é criativa e inspiradora.

No círculo do eterno retorno, assistentes e convidados vão-se revezando na partilha de palavras e experiências, «segredo» desvendado da afluência a estes nossos encontros...

... onde a diversidade campeia e se assume não como factor de divergência...

... mas de mútuo enriquecimento.

Sem idade, pois que cada um traz de si o que a vida, mais ou menos extensa, mais ou menos intensa a sua vivência, o impele a partilhar, integrando e integrando-se na comunidade...

... e sedimentando outras lógicas relacionais que nos andam arredias, mas que é cada vez mais urgente restabelecer.

E, assim, a resultante necessária, o corolário evidente: talvez não a felicidade, mas a oportunidade imperdível de se criar um momento feliz.

A Ti Miséria, com quadras minhas e ilustrações do Carlos Augusto Ribeiro, o livro-folheto, desdobrável, comunhão de vontades e de saberes, exemplo palpável do que ficou dito e que o IELT - Instituto e Estudos de Literatura Tradicional apadrinhou, desapareceu num ápice...

- Fotografias de Lídia Castro e Lourdes Cameiro.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 07:53


março 18, 2010

A Senhora de Ofiúsa, de Gabriela Morais
dia 20, pelas 15 horas, nas Caldas da Rainha


CONVITE - Amanhã, dia 20, no Auditório da Biblioteca Municipal das Caldas da Rainha, respigando do programa:

Para Maria Teresa Meireles, professora e investigadora em Literatura Oral, "A Senhora de Ofiúsa é uma estória da História, uma forma inteligente, imaginativa e encantatória de viajar pelo tempo no espaço português, dando a conhecer o que as mais recentes investigações ensinam sobre as nossas invulgares e curiosas Raízes Culturais”.

A historiadora e investigadora Dra. Gabriela Morais, já em 2009, esteve na Biblioteca Municipal das Caldas da Rainha, aquando do lançamento do último livro do Poeta Jorge Castro, durante o qual fez uma curta e emocionante exposição sobre os nossos antepassados de há 30.000 anos. Contar-se-á, também, com a presença da Dra. Fernanda Frazão, em representação da editora Apenas Livros.

Na primeira parte do programa, participarão os poetas Jorge Castro e Pedro Laranjeira, já bem conhecidos no Oeste, que desde o início manifestaram a sua vontade de estar presentes.

Participam, ainda, os Jograis do Canto Sénior e João Bernardino, aluno do Conservatório de Caldas da Rainha. Quanto aos Jograis do Canto Sénior, dirigidos pelo Prof. José Correia, têm, actualmente, nove membros e desde 2007, ano da sua criação, têm participado frequentemente, em eventos culturais da Região, sendo esta, a sua 20.ª exibição pública. No que diz respeito ao Conservatório de Caldas da Rainha (CCR), é uma escola de ensino especializado da música, muito prestigiada na Região, cujo mérito e qualidade de trabalho desenvolvido, foram reconhecidos pelo Ministério da Educação, tendo-lhe sido atribuída autonomia pedagógica. Tem actualmente cerca de 50 Professores e 400 alunos. João Bernardino, um jovem acordeonista, natural das Caldas da Rainha, com 17 anos de idade, dotado de fino talento e invulgar musicalidade, vai interpretar peças de música clássica.

Com um programa tão aliciante e entrada livre, a Direcção da Biblioteca Municipal e a Comunidade de Leitores das Caldas da Rainha, têm o maior prazer em convidar todas as pessoas da Região para o dia 20 de Março às 15 horas, no Auditório da Biblioteca Municipal das Caldas da Rainha.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:29




ao Jorge Serra, amigo só porque sim
e sempre

de um amigo que deu
na vida toda
as razões
de ser a vida vivida
nunca perece
nem morre
o ter connosco existido

não há palavras que valham
quando um amigo nos deixa
só memórias
muito vivas
e sem delas termos queixa
quando as palavras nos falham

e a palavra é tão pobre
quando o amigo é sentido
que algum abraço descobre
no abraço a outro amigo
o quanto dele nos recobre
o quanto dele é abrigo

e ao sabermos que iremos
lá de onde nós viemos
em retorno eterno e vivo
é hoje e aqui que o sabemos
por haver sempre um motivo
de um pouco dele estar contigo
e outro tanto comigo.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:52


março 15, 2010

noites com poemas
- Ti Miséria e os contos tradicionais

Quem conta um conto acrescenta um ponto... E se for de cruz, tanto melhor. E de truz? Melhor ainda!

Na próxima sessão das Noites Com Poemas, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana, no próximo dia 18 de Março, pelas 21h30, com o lançamento do livro desdobrável - Ti Miséria -, com quadras minhas e belos desenhos de Carlos Augusto Ribeiro, com a Ana Paula Guimarães e o seu perene combate pela fusão da tradição com a modernidade, preparando o futuro, com pernas para andar, com a Joaninha, contando e encantando histórias, e Ignacio Vilariño, vindo da Galiza, com os seus bonecos e a graça de viver... além de todos vós, claro!

Por sobre nós pairará o apoio do IELT - Instituto de Estudos de Literatura Tradicional - tangível, tecendo a urdidura de que somos feitos, não desbaratando as palavras ao acaso, nem por mãos alheias.

Da massa de que somos feitos emerge como que um saber atávico, que nos dá corpo e forma e - quem sabe? - também modo de ser e de estar, através de um conjunto espiralado de contos, lendas, provérbios, cânticos, que se afeiçoam aos tempos feitos de mudança e ganham novos tons, desenhos, expressões, no eterno recomeço em que se desenvolve a Humanidade.

E, como sabeis, quando toca a falar-se de Humanidade, este trecho do mundo, virado ao Atlântico, tem, ancestralmente, muito para dizer e contar!

Lá estaremos? Vens, também...?



Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 21:43


março 14, 2010

soneto de pedras afeiçoado

- aos homens da História e, neles, aos Arqueólogos, na sua perene demanda de, pelas coisas, nos desvendarem os porquês de sermos quem somos

uma pedra é o bastante num caminho
p’ra nos dar breve visão do que já fomos
uma pedra muito mais do que supomos
um saber nela talhado em torvelinho

e sabê-la ara sagrada onde algum vinho
ou o sangue derramado que propomos
a alguma divindade que não somos
nos liberte de algum medo do vizinho

uma pedra coisa pouca mas ingente
uma pedra que rebrilha no escuro
do passado que se faz no olhar presente

uma pedra que tiramos de algum muro
quando ousamos para ele olhar de frente
entrevendo nesse olhar outro futuro.


- soneto de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:32


março 11, 2010

«Cadáver esquisito» - desafio superado

Conforme se respiga da Wikipédia: Cadáver esquisito é um jogo colectivo surrealista inventado por volta de 1925 em França.
No início do século XX, o
movimento surrealista francês inaugurou o método "cadavre exquis" (cadáver esquisito) que subvertia o discurso literário convencional. O cadáver esquisito tinha como propósito colocar na mesma frase palavras inusitadas e utiliza-se da seguinte estrutura frásica: artigo, substantivo, adjetivo e verbo. Outra curiosidade a respeito do método é que agrega mais de um autor. Cada um deles intervém da maneira que deseja, porém, dobrando o papel para que os demais colaboradores não tenham conhecimento do que foi escrito.
O título do jogo provém do primeiro dos cadáveres esquisitos conhecidos "O cadáver esquisito beberá / o vinho novo".
Eis o que resultou do desafio proposto, pela sugestão da imagem:


Meio sepultado nas ondas vivas, como um cadáver esquisito
eu, sobrevivente do naufráugio senti isto:
É uma arca, Noé?
Cadáver esquisito
de traineira derretida
pela vidraça torcida
choroso o fito

As folhas que se atolam na chuva
pescando dragões, a íris mergulha no mar da íbis, e ondina mito
"aqua-mater" ou "as águas de Março"
servem ?
Bote água nisso...
o mito desfaz-se – quanto do teu sal em água doce se esvai


Colaborações ((por ordem de chegada das mensagens):
- Francisco José Lampreia
- São Rosas
- Jaime Latino Ferreira
- Paula Raposo
- A Funda São
- Andréia Carvalho
- Manuel Filipe
- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:55


março 09, 2010

desafio - «cadáver esquisito»

A imagem abaixo, de minha autoria, foi obtida em Alcochete, há poucos dias atrás, e acreditem ou não é uma imagem «limpa», isto é, não foi submetida a qualquer efeito «photoshop» ou outro. A chuva no vidro do carro, apenas, serviu para crar o efeito.

Para se gerar aqui alguma interactividade - um dos pilares de sustentação, afinal, dos blogues - deixo-vos uma sugestão:

- remetam-me, para jc.orca@gmail.com, uma pequena frase que a imagem vos suscite - coloquem, por favor, no assunto a expressão «cadáver esquisito»...


Juntá-las-ei todas, tentando criar um todo coerente (ou não...) que, de seguida, aqui mesmo publicarei, com os nomes ou pseudónimos que cada um queira utilizar.

Vamos lá ver o que sairá daqui...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 20:16


março 08, 2010

dia intencional da Mulher

viva, Mulher, sê bem-vinda
companheira de folguedos
sem ti eu estaria ainda
a brincar com os penedos

não sei se tal como dizem
vieste ao mundo assim bela
por teres saído - avaliem
da minha excelsa costela

mas se foi – abençoado
osso meu em boa hora
por me dares com tanto agrado
tanto prazer vida fora


- quadras de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:17


março 06, 2010

quotidiano delirante (5)

O jornal Público cumpriu 20 anos. Parabéns a ele e a nós, pelo espaço de liberdade e pluralidade que ele representa.

Mas da leitura do seu número comemorativo, de 5 do corrente, para além de me ter entretido e cultivado com a diversidade de opiniões e imagens nele contidas, respigo dois apontamentos que, por razões diferenciadas, me titilaram ao pequeno-almoço:

1. Título de notícia: «Portugueses aceitam trabalhar mais por menos dinheiro» (pág. 8). Não sei que portugueses serão esses. Eu não sou um deles, de certeza. Mas de uma «sondagem» em que, para combater a presuntiva crise, se coloca como alternativas - entre outras de menor interesse - a) trabalhar mais tempo, b) reduzir salários, qualquer portuga, como qualquer cidadão do mundo tenderá a votar, lestamente, em a), sendo que a isso não se pode chamar alternativa.

Menos legítima será a conclusão - e como eu embirro com estas abrangências feitas a martelo - de que «os portugueses» etc., etc. Não! Apenas porque 28,5% dos poucos elementos abrangidos numa sondagem com questões condicionantes terá respondido afirmativamente a um quesito, isso não confere a ninguém a legitimidade de extrapolar uma abrangência que é, em meu entender, um insulto à inteligência de qualquer um.

Isto, para além de servir, objectivamente, para condicionar comportamentos ao leitor incauto, o que não será, seguramente, uma das nobres funções do jornalismo.

Cá fica à consideração de quem interesse.

2. Título de notícia: «Manuela Moura Guedes arrisca processos por difamação» (pág. 17) - Aqui a preocupação é outra. Vejamos: um cidadão é chamado a depor numa Comissão Parlamentar de Ética que se destina a apurar uma qualquer verdade no túnel de iniquidades em que o País está transformado.
Verdadeiras ou falsas, as suas declarações são matéria de análise e decorrente confrontação para a obtenção do tal apuro da verdade, por parte da Comissão Parlamentar.

Mas, entretanto, o ou os visados nas declarações - difundidas à tripa forra pelos meios de comunicação - vêm logo ameaçar com processos por difamação, exercendo, como me parece evidente, uma coacção directa sobre quantos mais venham a pronunciar-se sobre a mesma matéria em tal fórum.

Parecer-me-ia mais lógico, decente e democrático que esses visados exigissem, ao Parlamento, o exercício do contraditório. Mas não. Vai de lançar um pocesso judicial em cima, forma muito portuga de tramar a vida ao semelhante, face aos meandros processuais, despesas e tempo que irão implicar sobre o declarante.

Eu, se tivesse de lá ir falar, ou exigia audições à porta fechada ou uma extensão de imunidade parlamentar, caso contrário ficaria caladinho que nem rato...

Não será por estas e por outras que se fala do descrédito das instituições?

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:14


março 03, 2010

quotidiano delirante (4)
- a funda viola?
e, se sim, viola o quê?

Sou, muito honradamente, de há para cima de cinco anos, colaborador do blog A Funda São, espaço de liberdade e brejeirice onde, por muito que possa causar estranheza a almas pudicas, invariavelmente deparei com uma belo número de compinchas, de cabeça arejada, que trocam uma boa gargalhada por mil amarguras da vida e cuja abordagem à «coisa sexual» não dá guarida a teias de aranha nem a preconceitos idiotas que, obstinadamente, insistem em permanecer na cabeça de muito boa gente.

Ora, a cada passo, assiste-se à pretensão censória da administração do Blogger, que julgará, com os seus botões e a sua incapacidade para encarar a Vida, que lhe compete vir, em carga de cavalaria - mais parecendo de asnos, embora - defender a moral e os bons costumes, cancelando o acesso a este blog.

Apesar dos cuidados de alerta para os conteúdos que SEMPRE se pré-apresentam a quem quiser nele entrar e apesar, também, de reiterados pedidos de desculpa e reposição da normalidade que invariavelmente nas vezes anteriores ocorreram, uma vez mais aquilo a que Junqueiro chamaria a récua fradesca acordou de algum sono mal dormido e - zás! - vá de lançar o seu pudico manto negro sobre as «desvergonhas» do mundo, consubstanciadas no blog A Funda São...

A sanha inquisitorial permanece no século XXI, é a triste conclusão óbvia. Alguém irá, agora, calcorrear Seca e Meca para que a tal normalidade seja reposta, outra vez com pedidos de desculpa.

Entretanto, pornograficamente, a guerra e a fome vão matando, impavidamente, em todo o mundo, por acção do Homem, sem que estes tristes censores lhes descubram razões mais interessantes e mais dignas para a sua sanha de salvar a Humanidade, impedindo ou contrariando essas poucas-vergonhas.

Perdoai-lhes, meu Deus, por saberem tão mal (?) o que andam a fazer!

Se não for coisa enquadrável na teoria da conspiração, então poderá ser só um caso agudo de estupidez incurável, ainda que institucionalizada. Preocupante...

Pequenas coisas, dirão alguns com assumido cinismo. Pois sim, daquelas pequenas coisas com que se favorecem grandes desgraças. E a liberdade de expressão, mesmo que da ínfima dimensão do átomo, ainda assim é coisa sem medida.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:36


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas