<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
dezembro 27, 2011

memorando reflexivo contra a crise

Com a devida vénia ao sítio www.tabonito.pt, de onde recolhi a informação e imagem abaixo, aqui vos deixo uma pequena reflexão acerca dos tempos acrisolados que insistem em nos querer fazer viver, para nos amarfanharem o direito que temos de... viver.



Por outro lado, na VISÃO de 30 de Abril de 2009, pode ler-se:

O número é gordo: 810 891 euros. Foi este o salário médio que cada administrador executivo, de dez das maiores empresas portuguesas cotadas em bolsa, ganhou ao longo de 2008. Um rendimento 136 vezes superior ao de uma pessoa que tivesse auferido o salário mínimo em vigor durante o mesmo ano. Veja as contas: 14 meses x 426,5 euros = 5 971 euros. E um português que ganhe um salário médio estimado em torno dos mil euros necessitaria de duas vidas para conseguir um rendimento igual ao que um daqueles gestores aufere num ano.

Ler mais em http://aeiou.visao.pt/salarios-dos-gestores-a-crise-nao-e-para-todos=f506654


Apesar de alguma desactualização da informação obtida na VISÃO (Abril de 2009), podemos, ainda assim, ajuizar que com a disparidade verificada no referencial social que o salário mínimo não pode deixar de representar e coexistindo ele com tais «pináculos» remuneratórios dos gestores, ainda para mais gente ininputável e em quantidade imensa, talvez resida aqui uma prova dificilmente contestável da origem e manutenção da dita «crise» que afecta o mundo, com especial incidência na Europa e com curiosas particularidades em Portugal.   

Pelo caminho, hoje encerrou mais um serviço de urgência, desta vez no Hospital Curry Cabral, em Lisboa. Ouvi dizer que tinha uma afluência média de 190 pessoas por dia. Nada de muito relevante, pois.

Não pude confirmar estes dados. Mas o Ministro da Saúde parece que pôde, pois disse o senhor ministro que tinha estudos a justificarem que uma cidade como Lisboa apenas deve ter três serviços de urgência hospitalar, dado o número de hospitais que circundam a grande urbe.

Valham-nos estes homens que dominam os números, já que os números, esses, quando toca a caírem sobre nós quando temos de recorrer a uma urgência hospitalar, ainda nos pesam mais do que os ministros. Honni soit...

Etiquetas: ,


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 14:33


dezembro 23, 2011

um Natal para quem quiser...

era uma vez…
um natal feito desgraça
tão sem graça
a meio gás
sem luz nem riso na praça
às ordens do capataz
sem se iluminar a noite
com tudo o que nos apraz
sem coragem que se afoite
por raiva
amor
ou objecto
de saber que se é capaz
de dar brado e colher eco
cada um sob o seu tecto
mas irmanados na paz

era uma vez…
um natal de tal vergonha
dessa coisa vil
medonha
de não erguermos a voz
contra mantos de negrume
ou solitário azedume
sem vontade que se arrume
por não sabermos de nós…

e tudo era o que só era
sem apurarmos porém
que o amanhã está à espera
do dia que já lá vem…
não fiques então à espera
pois quem espera desespera
seja cá
seja em Belém

talvez se unirmos a voz
um ao outro
sem temores
seja o Natal mais de nós
e não de um outro qualquer
mais nosso
com mais valores
e será de mais amores
sempre que um homem quiser.

- Jorge Castro... Sendo esta a mensagem de Natal que me apetece deixar a quem por aqui passar.

Etiquetas: ,


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:14


dezembro 18, 2011

o CRAMOL
no Natal das Noites com Poemas


Recorri ao texto do professor Domingos Morais que prefacia o mais recente duplo cd do CRAMOL para fazer a sua apresentação...


Depois, como sempre acontece nos espaços que estas magníficas vozes preenchem...


... foi proporcionada a todos os presentes uma viagem primordial, tendo como pano de fundo e pretexto a quadra natalícia... 


... viagem essa pela qual nos é facultado o regresso aos ancestrais sabores e saberes de que a Mãe-Terra foi e deve continuar a ser a escola primeira...


Cânticos de trabalho, lúdicos, de adoração e de encantamento...


... algo assim de que cada um de nós terá já apenas uma noção imprecisa, 


... mas que habita o nosso inconsciente colectivo... 


... e que, graças a este precioso grupo de mulheres...  


... de tempos a tempos se reacende e revive...


... mantendo viva essa ancestralidade que nos enriquece e que é, afinal, a nossa matriz, enquanto povo.


Com a inestimável colaboração da editora Apenas Livros, foi oferecido a cada uma das moçoilas, um «chouriço literário» que, para além de despertar inocentes sorrisos, representou, ainda assim, um singelo mas sentido tributo a tão empolgante cantoria.   


Depois, Pedro Jardim falou-nos da sua homenagem, em forma de livro, a vivências de meninice alentejana na sua obra Crónicas do Avô Chico, com toda a lógica que o CRAMOL proporcionara ao tema.



Não faltaram, até, em jeitos de remate, uma modinhas à maneira, para aquecer o serão e as memórias. 


De seguida, com o destaque merecido por tão notável empenho,


... os poetas sempre presentes e participativos - que tal é, por força deles, também a matriz maior destes encontros - ...


.. trouxeram a todos o melhor de cada um...


... afoitando-se por esses caminhos, ora pedregosos, ora em mar de nuvens...


... de que a poesia é feita.


Por entre os primeiros passos dados...




... ou pelos caminhos já tantas vezes trilhados...


... surge-nos sempre o alento de partilhar as palavras que nos enformam...


... por conhecimentos antigos que se fazem novos, ou por aqueles mais recentes que, de súbito, nos parecem longevos...


... e que dão mais sentido a essa liminar circunstância de sermos humanos.


Rematou-se a sessão com as artes do encontro entre os presentes - quando há tanto desencontro nessa vida -, o que se vai tornando, também, habitual e parte não despicienda destas nossas Noites. 

- fotografias de Lourdes Calmeiro

E cá deixo, para quem lamentavelmente não pôde estar presente, uma pequena mas sumarenta amostra daquilo que perdeu:

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:23


dezembro 16, 2011

CONVITE
O Círculo, de Ana T. Freitas

Etiquetas: , ,


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 18:21


dezembro 14, 2011





No próximo dia 16 de Dezembro de 2011, pelas 21h30, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana, as magníficas vozes femininas do CRAMOL enriquecerão a nossa sessão das Noites com Poemas... sobre o Natal, evidentemente.

Quem não conhece, ainda, estas vozes e o seu trabalho, vozes da Mãe-Terra, permitam-me esclarecer que tal desconhecimento é imperdoável. Terão, então, oportunidade para colmatar agora essa temível brecha do vosso conhecimento sobre algo que é muito nosso neste nosso informal espaço.

Para os que já conhecem o CRAMOL... está tudo dito! Falta, tão-só ouvi-las de novo e outra vez e outra, até nos convencermos da grandeza e grandiosidade deste maltratado recanto, que é Portugal. E não se esqueçam de trazer os amigos. Principalmente aqueles que ainda não as conhecem... Mas os outros, também.

Durante a sessão, haverá ainda uma breve apresentação do livro Crónicas do Avô Chico, da autoria de Pedro Jardim. Talvez uma boa sugestão para uma prenda natalícia.

Haverá, ainda, disponíveis para aquisição, cd do CRAMOL e livros vários de desvairados autores presentes.

Nós por lá estaremos, ajudando à festa.

Aos que não puderem estar presentes pelas mais momentosas circunstâncias, aqui ficam, desde já os meus votos da maior coragem e voluntarismo no combate à «crise dos outros», que a fazem nossa, para este novo ano vindouro e as melhores festas que o orçamento pessoal ou familiar permita.
 
(Como elemento de referência, anexa-se o cartaz de anterior apresentação do livro de Pedro Jardim)
 


Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:04


dezembro 11, 2011

Vinte Poemas por Amor e Uma Canção Inesperada
com muitos afectos

Para memória futura. Como não me orgulhar?

A noite gelada propiciava muito mais a proximidade da lareira do que alguma deslocação com acompanhamento por devaneios mais ou menos líricos...


... mas, ainda assim, havia que dar bom cumprimento aos compromissos estabelecidos, antecipando, de caminho, alguma imprecação contra os deuses das intempéries, tão useiros e vezeiros em estragar as festas. 


Valter Amaral, enquanto anfitrião da Biblioteca,  honrou-me com uma muito simpática e amável introdução da sessão.


Fernanda Frazão esqueceu-se de ser a responsável da Editora Apenas Livros, para se remeter «apenas» ao papel de excelente amiga, em sala repleta de amizades.



A mim coube-me então falar do meu próprio livro, apresentando-o. O que cumpri através da leitura de vários dos poemas nele contidos. 


Mário Piçarra, companheiro de muitas estradas, presenteou-nos com criações musicais de sua autoria sobre poemas meus, revelando-se a muitos dos presentes como o óptimo compositor que é.  



Venha de lá esse cd que a amostra deixou-nos com água na boca...




Fechei o programa com a leitura de mais alguns poemas deste livro, que colheram farto aplauso, o que levo à conta da sala estar, como disse, muitíssimo bem preenchida de amizades de diversos quadrantes.


Ia a noite alta e ainda chegaram a tempo algumas imprescindíveis personagens, para o meu estado de graça mais se ampliar...


Leitura acompanhada, na verdadeira acepção do termo, que propicia uma maior comunhão entre quem diz, o que é dito e quem o recepciona.


Por fim, a inevitável «tendinite» dos autógrafos... e lá se foi a primeira tiragem, amiga Fernanda! 

- fotografias de Lourdes Calmeiro e de Lídia Castro

Deixo-vos com o soneto de abertura:

perdi tempo por demais na minha vida

perdi tempo por demais na minha vida
para não olhar agora para a flor
para agora me prender no desamor
de passar toda a vida mal vivida

olho e vejo tudo quanto em meu redor
me seduz ou conforta na corrida
me perturba ou magoa qual ferida        
mas transforma o porvir em bem maior

perdi tempo em desamor - em desatino
perdi tempo demais que tanto falta
neste andar sem ter norte - peregrino

e agora quero o tempo em maré alta
esse tempo da cor breve do destino
que por ser azul demais me sobressalta. 


Etiquetas: , ,


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 17:41


dezembro 06, 2011

convite
vinte poemas por amor e uma canção inesperada




Dei por ele, por aí, espantado com o estado de sítio das coisas. De Neruda se fala. Alguma amena cavaqueira depois, pedi-lhe autorização para abusar da sua inspiração e lancei-me por estes meus 

Vinte Poemas por Amor e Uma Canção Inesperada

passeando-me por reflexões várias sobre essa partícula curiosa, desvairada, polivalente e multifacetada do Universo a que convencionou chamar-se Ser Humano, muito particularmente este que vive entalado entre a História e o mar, em busca da Europa e para cá da Utopia. Europa de que, afinal, foi parteiro, se não o próprio pai.

E criei cada um destes poemas para não pasmar eu também, em constrangimentos respiratórios, num tempo que nos fazem perturbado. Dou-me a agitar as águas com as pedradas que posso, criando as metáforas nos círculos de afectos por onde me sabe bem correr os dias.

Com a amizade da Editora Apenas Livros e a vossa condescendência apresentar-vos-ei, então, este meu novo livro de cordel, no próximo dia 09 de Dezembro de 2011 (sexta-feira), pelas 21h30, no salão da Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana, da qual aproveito para realçar a amável e constante disponibilidade.

Eu estarei por lá, com bons amigos e alguns poemas (quem sabe cantados...), à vossa espera.    

Com um forte abraço,

Jorge Castro


Etiquetas: , ,


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:06


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017 Agosto 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas