<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
setembro 30, 2011

não sei porquê, fez-me lembrar José Niza…

Iniciava cedo o seu labor da pedincha. Ainda a manhã se estremunhava, com os olhares sonolentos dos passantes que madrugavam a caminho do cafezinho que antecede o labor diário e já ela se apressava a tomar o seu posto, ali ao Campo Pequeno, vinda de longínquas Bulgárias ou Ucrânias ou o que fosse o seu ponto de partida que ali desembocava, rodeada das latas e copos de plástico vazios e sujos da cerveja da véspera.

Com a ponta do xaile, ponteado a branco e preto em arremedos de pied-de-poule para pobres, sentou-se sobre um minúsculo rectângulo de cartão que trazia escondido na roupa, limpou o copo de plástico mais próximo, atirou lá para dentro duas ou três moedas escuras, com que fabricou uma espécie de chocalho a rebate da pobreza.

E a manhã passou a contar com mais aquela melopeia monocórdica, monótona, impessoal e pungente, de uma voz anasalada com o chamamento à atenção de cada passante reforçado pelo chocalhar da miséria.

Não sei que artes teve este quadro para me evocar o E Depois do Adeus, do José Niza. Talvez aquele céu matinal, de pouco azul e sol nascente a furar nuvens inconsistentes e tíbias tivesse ajudado um pouco à melancolia e o poema de Abril, expurgado de quanto um amor entre dois seres revela, apenas me deixasse alguns versos de angústia e nostalgia:

Quis saber quem sou
O que faço aqui
Quem me abandonou
De quem me esqueci
(…)
Em silêncio, amor
Em tristeza e fim
Eu te sinto, em flor
Eu te sofro, em mim
(…)
E depois do amor
E depois de nós
O dizer adeus
O ficarmos sós

Coisas da «crise», decerto, que eu não me dou nem com angústias nem com nostalgias. Mas ainda estou a trautear a canção e já vai alta a manhã.

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:19


setembro 25, 2011

Dionísio Leitão - um abraço sem tempo

Captador de imagens de primeira água, como o são todos aqueles - e apenas esses - que olham o mundo com olhos de ver e sabem descortinar o outro lado das coisas, das pessoas, da Vida, o Dionísio Leitão, através do seu blog Catedral, primeiro, e depois em várias outras circunstâncias de vida, foi um companheiro cujo convívio se me revelou sempre um estímulo para momentos de poesia - e de cidadania - de que fazíamos mútuo eco.

Recebi, há momentos, uma mensagem de amiga comum, informando-me do seu falecimento... Não encontro melhor homenagem a prestar a este amigo do que deixar aqui duas imagens com que ele nos brindou e a que eu tive o privilégio de poder juntar a minha poesia. 

Dois poemas, também, que tive a honra de ver publicados no seu blog, numa simbiose de sentimentos e sensibilidades a que, amigo Dionísio, ainda haveremos de brindar uma vez mais e outra e outra nalgum recanto do universo.  


Esta noite poderia escrever-te os versos mais tristes
como Pablo Neruda
ou dizer-te da minha recorrente vontade de ir a Samarcanda
como Bernardo Soares
diversa apenas a vontade de ir a Samarcanda
porque a tua presença me seria imprescindível
eu que nem mesmo sei que língua falam hoje em Samarcanda
ou o que por lá estará hoje acontecendo
Porque a tua ausência te cala em mim
poderia mesmo escrever-te uma carta de amar
que gritasse dentro de mim a tua ausência
e que no voo tangente das palavras
todos achariam ridícula
só eu não
- e daí quem sabe? -
Poderia imaginar-te silhueta
por entre silhuetas de pinheiros
feita de bilros e devaneios da Lua Cheia
derramando-se de luz ao longo de todo o mar
até tropeçar com o areal
e a terra toda
até envolver todos os amantes
que à beira-mar se consumam
como se o tempo se lhes acabasse ali como a terra
ou apenas se desesperam no amor
como se amassem apenas porque se procuram
quando o areal barra a luz fluida vertida pela Lua
poderia dançar contigo um tango argentino
conduzir-te na volúpia dessa dança
que
conforme dizem
ao homem compete conduzir
apenas para
e por uma vez só
te conduzir
eu de negro
Gardel
Terrível e alucinado
e tu
o teu vestido vermelho
rasgado com uma faca de seda
ambos efémeros, diáfanos e amantes
... se eu soubesse dançar
Ah, se eu soubesse dançar!
Poderia até tentar dizer-te um poema
que me impressionasse
apenas por te impressionar
um poema que falasse de Neruda
de Bernardo Soares
e de silhuetas diluídas nos pinheiros
mas que tivesse um lugar íntimo
para as estrelas de outros céus imaginados
luas
amores
e areais de vento
um lugar que nos enleasse no ritmo das marés
e seríamos românticos e dramáticos personagens de Pratt
solitários navegantes numa paixão de quimeras
Maltese com um brinco a preto e branco
vendo o Sol poente enfunando as nossas velas
com cores de luz que o Sol traz do mundo todo
E é por isso
que aqui estou
perto de ti
tenho as mãos quase cheias de nada para te dar
mas tenho um mar que não é meu
e um poema
sinto a Lua que nos foge entre os pinheiros
sinto ânsias de enleio em doce tango argentino
e hei-de sentir-te junto a mim em Samarcanda

-Jorge Castro -


Amizades inocentes. Verdadeiras.

Entretanto o OrCa resolveu legendar a fotografia e, portanto, aqui vai ela:

Beija-lhes a água os pés
Numa carícia de mãos
Será só água talvez
Mas para os dois é um chão
De crescer
E de verdade
Ao longe adivinho amor
De perto sei amizade...

- Jorge Castro -

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:00


setembro 20, 2011

convite para a próxima sexta-feira, dia 23, pelas 18 horas...


Uma viagem panorâmica pelos últimos 200 anos da história política e cultural de Portugal à luz da poesia militante da causa republicana, que desde cedo entendeu fazer dela uma das principais armas do seu combate ideológico.

Dia 23 de Setembro (6.ª feira), pelas 18h, no Espaço Memória dos Exílios (polo cultural da Câmara Municipal de Cascais), sito na Av.ª Marginal, 7152-A – Estoril (antigo edifício da Estação dos Correios, frente à Estação de comboios)

Coordenação de David Zink e Isabel Lousada

Leitura de poemas: Antónia Pereira, Estefânia Estevens, Francisco José Lampreia, Jorge Castro, Júlia Lello e Rita Soares

Entrada livre (condicionada à lotação do espaço).

telef. 21 481 59 30  -   21 481 59 09

(conforme informação recolhida AQUI)

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:01


setembro 19, 2011

67ª sessão das Noites com Poemas, com Manuel Freire
e os versos com reversos

eram p'ra cima de oitenta os marcianos


que o dia dezasseis viu à procura  


de - quem sabe? - um grito, um riso ou desenganos


da subtil ironia da mistura 


mistura de tais gentes, tais saberes 


preclaros num acorde desvalido


nas palavras que brotaram sem haveres


mas de teres que conhecemos de ouvido


e o sonho despontou 'inda era noite


a parecer um renascer feito de esperança


onde a Lua aconselha a que se afoite


todo aquele qu'inda sabe ser criança


solta a voz entre o luar da palavra


solta a vida na promessa de um poema


cada um no amanho da sua lavra


dá o fruto inspirado que fez tema


e o futuro chega a todos sem que algum


se lastime de agruras do passado


num presente em que todos são só um


abraçados em cadência, lado a lado


e por fim resta apenas a certeza


do incerto que é viver pelo contrário


num eterno combate, na grandeza, 


de ser uno, integral  mas solidário.

- Fotografias de Lídia Castro e de Lourdes Calmeiro -  

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:11


setembro 13, 2011

noites com poemas
com Manuel Freire
-Versos com Reverso

- cartaz de Alexandre Castro - 


Direis que tudo isto que irei dizer já foi dito, ouvido, revisto e, porventura, arquivado... Mas quem sabe em que beco esconso se ocultará, hoje, aquele casal que inventava o amor nos idos de 60? Porque há coisas que atravessam o tempo, cumprindo ciclos de esquecimento mas, ao mesmo tempo, de permanente renovação.

É assim, também, o sonho, essa «constante da vida, tão concreta e definida como outra coisa qualquer» no poema de António Gedeão a que Manuel Freire um dia deu voz e inscreveram ambos, assim, para sempre - pelo menos enquanto a tanto chegar a memória colectiva alertada por algum bardo inquieto e incómodo -, entranhadas na nossa pele como algo identitário, as palavras tão leves quanto leve brisa mas contendo em si o peso do universo.

No próximo dia 16 de Setembro de 2011 (sexta-feira), pelas 21h30, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana, teremos, então, como convidado Manuel Freire. Vai trazer-nos, neste tempo adverso, Versos com Reverso.

E mais não vos direi, pois que adiantaria ao mundo e ao Manuel mais alguma louvaminha? Não, senhores. A ele interessa dar voz e ouvi-lo. Teremos essa oportunidade na data anunciada.

Esperamos por todos, claro... E, tal como vai correndo o mundo, todos poderemos não ser demais.

Até lá, um abraço.

Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:01


setembro 10, 2011

sessões com a Associação Espaço e Memória (Oeiras) - II

Nova visita ao Forte de São Julião da Barra. Desta feita, com visita guiada por José Meco...  


... que trouxe novos olhares a uma realidade que, apesar de anteriores muito interessantes e esclarecedoras visitas...


... geralmente com visita guiada a cargo de Joaquim Boiça, não deixou de nos revelar mais um pouco da complexidade que subjaz a um património que, lamentavelmente...


... e, porventura, contrariando até alguma lógica aparentemente evidente, está muito longe de ser do domínio público.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:47


setembro 03, 2011

sessões com a Associação Espaço e Memória (Oeiras) - I

Com uma notável programação, esta associação cultural, a que tenho a sorte e o gosto de pertencer, tem vindo a preencher este meu Verão com visitas memoráveis:


Lá por finais de Julho, a visita, jantar e palestra no Forte das Maias, ali no final da praia de Oeiras, fortificação em recuperação e restauro - cuja cor escolhida para o mesmo, bastante mais rosada do que aquela que eu aqui aplico, levou algém a dizer que «há quem escolha cores para estes edifícios históricos como quem escolhe cuecas»... - não deixa, entretanto, de ser coisa notável de ser vista. Ainda que eu partilhe a opinião atrás vertida.


Com belos espaços que virão a ser orienatados para actividades culturais, aí está uma Oeiras para se recomendar.


«As viagens cruzadas de Fernão Mendes Pinto», palestra a cargo de Jaime Ramalhete Neves, condimentou o jantar, partilhado entre os sócios da Espaço e Memória e os Rotários de Oeiras, que o espaço dá bem para muitos..


Depois, rumando ao farol do Bugio, onde Joaquim Boiça sempre nos prende nos caminhos entre o seu saber e o seu sentimento, por ser ele filho de um dos últimos faroleiros e ser essa uma vertente da vida que desfralda qual bandeira, de que traz cada uma das cores no coração.  


É aquele um lugar mágico ou encantatório, ali semi-perdido, semi-esquecido, a meio do rio Tejo, testemunha de pedra à espera de maior sageza dos homens... E tal me sugeriu, no local, a circunstância:

entre o Tejo e o mar
ao sabor do encontro das águas
flutua um farol por desvendar
feito de sonhos e de mágoas

povoado de fantasmas sós
de maré-cheia - maré-vasa
aponta ao céu a sua voz
no grito que lhe traga o golpe de asa

e se nos serviu sempre e nos deu colo
sem receio das águas - sem ter sono
hoje o rio e o mar só lhe dão consolo
entre as praias distantes do abandono...

- poema e desenhações de Jorge Castro

Etiquetas: ,


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 18:28


setembro 02, 2011

nem tudo o que luz é oiro...

- Antes de mais: fala-se, nesta crónica, das arrebatadas razões esgrimidas por um jovem num dos recentes Prós e Contras da RTP, coisa que poderá ser vista aqui, para melhor esclarecimento.

Pronto! Depois de muito batalhar a ouvir o que um Miguel Gonçalves disse no programa Prós e Contras e que circula por aí como exemplo de nova militância obreira, acabei de concluir que o rapaz, embora possa até estar imbuído das melhores intenções, não passa, objectivamente, de assumir o papel de vendedor da banha da cobra dos tempos modernos.

E por variadíssima ordem de razões. Desde logo porque parte, sem medo, de uma série de pressupostos que, por muito má sorte nossa, não existem.

Não existe isso de tentar uma solução de vida uma vez e outra e mais outra e outra ainda, sem que todos os dias, enquanto se vai tentando, haja necessidade de comer - o que, por si só, condiciona a abordagem ao «mercado».

Não existe isso de «oferecer a mais-valia que o empresário procura» na traineira que sai para a pesca, pelo menos na perspectiva modernaça que o jovem Miguel lhe quer atribuir, sob pena do jovem em início de laboração na pesca ser lançado borda fora, no máximo, ao segundo dia, pelo mestre.

Não existe isso da criatividade exacerbada e sempre à frente quando se trata de fazer uma recolha diária de lixo municipal ou providenciar a limpeza de dejectos de cão na via pública.

Não existe também essa capacidade de perseverança quando a vergonha e/ou a penúria em casa obrigam um jovem licenciado a inscrever-se como caixa do supermercado, como forma liminar de prover ao sustento do dia-a-dia.
 
Ver a crónica completa no blog PERSUACÇÃO

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:19


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas