<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
março 30, 2008

fotografando o dia (103)

a Coimbra

vendo as águas do Mondego
tão serenas
tão espelho do céu de nuvens bordado
diz-me a brisa
num quebranto
num sossego
o enredo
que o rio
traz guardado

sons de passos
cruzam surdos as ruelas
em histórias mil de mil estudantadas
e os recantos mais esconsos das vielas
cantam contos
em dolentes guitarradas


- foto e poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:00


março 26, 2008

intervalo

Por razões alheias à vontade do autor este blog encontra-se em profundo estado de intervalo até ao próximo dia 30 de Março.

Até lá.

(Entretanto, podem continuar a visualizar as fotos do lançamento dos POEMAS DE MENAGEM, da autoria de Lourdes Calmeiro e de Alexandre Castro, AQUI, ou no conjunto de fotografias sobre o mesmo tema ali no lado esquerdo do Sete Mares.)


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 08:14


março 23, 2008

ccb-Lisboa - Festa da Poesia
- Diga lá um poema...

22 de Março, CCB, em Lisboa -
O espaço "Diga lá um poema" proporcionou inusitados encontros...








(Ainda os POEMAS DE MENAGEM: quem quiser ver as fotos do evento, da autoria de Lourdes Calmeiro e de Alexandre Castro, clique AQUI, ou no conjunto de fotografias sobre o mesmo tema ali no lado esquerdo do Sete Mares.)


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:33


março 21, 2008

e, pronto, lá voltou a Primavera... apesar das Carolinas Michaëllis do nosso descontentamento.

Ainda os POEMAS DE MENAGEM: quem quiser ver as fotos do evento, da autoria de Lourdes Calmeiro e de Alexandre Castro, clique AQUI, ou no conjunto de fotografias sobre o mesmo tema ali no lado esquerdo do Sete Mares.



os passarinhos
e os passarões
tão engraçados
tratam da vida
dando passinhos
ou encontrões
bem apressados


e os patinhos
já de saída
tão delicados
co'a mãe na mira
fazem p'la vida
comendo pão
deliciados
que alguém atira

há as flores
trazendo odores
a tal concerto

ninguém diria
estar o inverno
'inda tão perto...

- fotos (obtidas nos jardins da Gulbenkian) e poeminha de Jorge Castro


Um comentário só relativamente ao já saturado vídeo da agressão à Professora de Francês na Escola Carolina Michëallis, no Porto, por ter «confiscado» um telemóvel a uma aluna histérica:

- Distinga-se e louve-se a serenidade da Professora, apesar das circunstâncias. Mesmo sem conhecer os antecedentes da situação, perante uma atitude daquelas eu, muito provavelmente, teria pespegado o que na Invicta se chamava um gloriosa lamparina na garina, para ver se lhe acalmava os ímpetos. Claro que isso daria pior resultado, mas a paciência tem limites... A desta Professora, pelos vistos, supera em muito a minha.

- Consta-me que a «pobre» proto-delinquente já terá, por esta altura, sido transferida de escola, com o consequente branqueamento da sua atitude ou, pior, com o estatuto, entre os colegas, de heroína caceteira, a fazer exemplo - mau para a escola de onde sai e mau para a escola para onde foi transferida, difundindo, assim, o péssimo referencial.

- Mais me aprazaria saber:
  • De exemplar punição, com ampla divulgação na escola e nos media, com recurso a todo e qualquer meio legal ou regulamentar disponível para o efeito (se é que eles existem, o que duvido!...) ;
  • De exemplar punição para todos aqueles que, na turma, se solidarizaram com tão abjecta e idiota atitude, por não serem estes os exemplos de cidadania de que o país carece. Na verdade, os gritinhos parvos de gáudio e regozijo que se ouvem no vídeo são uma vergonha tão grande como a da agressão propriamente dita. Não gostaria de estar na pele dos pais de tal prole...
Mal estaremos todos nós se, naquela Escola, os seus responsáveis não forem capazes de louvar a atitude da professora, envolvendo, também, a solidariedade de toda a comunidade escolar, extensiva obviamente a alunos e pais, em torno da atitude exemplar da Professora que, vítima de elementar agressão no exercício da sua actividade profissional, conseguiu não perder as estribeiras, não respondendo a essa agressão como a sua condição humana recomendaria.

Pelo caminho, fica-nos mais um lamentável exemplo do estado a que as nossas escolas chegaram, por força das sucessivas erráticas e desgraçadas «políticas» que, da Justiça ao Ensino, avassalam o país em ondas de irresponsabilidade e de mediocridade.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 16:38


março 20, 2008

dos Poemas de Menagem...

... porque o dia do pai traz a Primavera e por com ela se remoçar o alento da poesia...



AO MEU VELHO PAI
“Estas páginas foram escritas sobre a água” – Jorge Sousa Braga

singro em ondas
que estão além da saudade
travessias de outro mar azul profundo
onde tanta falta faz o teu estai
drapejam velas ‘inda agora prenhes
pela fúria tormentosa destes ventos
em que vales tu de leme
velho pai

e respiravas como as ondas
e bramias
e lutavas como elas e sofrias
e de repente
a distância era tão perto

hoje só por amor é que te sei
do meu tempo leve brisa te baniu
à cabeceira das minhas ilusões
junto à foto de um menino que cresceu
tenho apenas esse muito velho livro
com que abrias as janelas para a vida

e no mar tão estranho em que fiquei
sem as velas que me façam estar contigo
é agora ele o meu melhor amigo

e um tempo tão sem mágoas corre lento
como correm já de mim estas palavras
que eu lanço para ti por sobre as águas
do mar todo em que te foste transformando

pois é
meu velho pai
o mundo avança
mas eu sei que nalgum tempo e algum lugar
longe da mágoa mas tão próximo do mar
virás tu
como eu
ao rés da água
onde me sei sempre outra vez feito criança.


- poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 20:23


março 18, 2008

noites com poemas

Dia 19 de Março - 22 horas -
Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana.

Sessão com Carlos Peres Feio, com o seu livro recém-editado, e João Baptista Coelho, porventura um dos poetas portugueses mais premiado, subordinada ao tema Auto-Retrato do Poeta.

Dois percursos, duas abordagens, duas histórias de vida contadas. Para estímulo, para memória, para aprendizagem. A vida não tem hora para manifestar as suas vontades. Eles ambos nos dirão algo sobre isso. E, enfim, procurando pistas:


em mim só vejo caminhos
bosques densos
arvoredos
lezírias
verdes campinas
regatos rumorejantes
sei segredos mais intensos
densos medos
de valquírias
ou de donzelas-meninas
em qualquer dos meus quadrantes
e parto para cada luta
com as mãos vazias
que os dias
escondem uma da outra
pois quando de um hino eu rio
seja de fome ou de frio
sequer agitar de lenços
nalgum cais de amargo embarque
eu sinto o berço na carne
buscando o braço que irmane
céu e terra num olhar
que de onde estou
eu abarque


- poema de Jorge Castro


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:39


março 16, 2008

poemas de menagem - viva quem canta

O mundo pula e avança em cada frágil momento de uma breve inspiração. Sabemos dele ser feito de mudança e não carecemos de arautos de «choques tecnológicos» nem de profetas da desgraça para o sabermos. Nem para o vivermos.

Porque a vida se faz connosco e é cada um de nós esse agente da mudança, sem que haja necessidade de alguma sombra tutelar que ilumine os nossos passos, para que o dia de amanhã chegue. Entretanto, quando escrevo, agora, a primeira palavra vertida é o passado e o futuro dificilmente saberei dele, para além de elementares expectativas.

Daí que tenhamos de escorar alguns momentos das nossas vidas, para nortear o que somos, preparando o novo dia que vier.

Ontem, dia 15 de Março de 2008, ocorreu o lançamento do meu livro Poemas de Menagem
, um desses momentos que o bom senso me aconselha a reter. Com orgulho, claro. Que a modéstia, tendo cabimento, as mais das vezes só atrapalha. Aqui fica, pois, o apontamento através dos agradecimentos que enderecei a quantos deram alma ao evento:


- à Junta de Freguesia de Carcavelos, na pessoa da sua Presidente, a Drª. Zilda Costa da Silva, pelo seu desafio corajoso, e pelo sequencial apoio, sem hesitações ou demoras, e a quantos, colaboradores da Junta, com o seu labor tornaram também possível o evento;


- ao CRAMOL, por essa felicidade terrena de sabermos de um grupo de mulheres que nos cantam, encantando-nos; mas, principalmente, por nos trazerem o cântico da terra, ajudando-nos a conservar a matriz de que somos feitos, num tempo em que é tão fácil perdermo-nos de nós;

- à Fernanda Frazão, a minha editora e responsável pela Apenas Livros, pela cumplicidade, prontidão, paciência, disponibilidade e carinho com que me vai mal habituando, numa relação em que o tempo só tem vindo a reforçar os créditos.

- à Rosário Rodrigues, que me acompanha com esse tipo de amizade desde os primeiros passos nesta aventura da escrita, com um entusiasmo contido e inteligente que me permite, tantas vezes por simples leitura de entrelinhas, emendar a mão sem que para tal seja preciso um explícito reparo;

- ao Rui Farinha, querido companheiro de lides poéticas, excelente intérprete da “coisa poética”, cuja presença é um estímulo e cuja amizade, recheada de saberes, enriquece sempre os meus dias;

- ao Mário Piçarra, companheiro de muitas e antigas lutas em busca de um mundo melhor, que temos ambos a certeza de que existe, embora partilhemos algumas dúvidas acerca do local exacto onde o possamos encontrar;

- à Estefânia Estevens, conhecimento recente das sessões das Noites Com Poemas, na Biblioteca de São Domingos de Rana, que, acompanhando os poemas de Francisco Lampreia, nos deslumbram, a mim e a todos quantos têm tido o privilégio de os ouvirem;




Imagens da audiência, de quantos me deram o prazer de estar presentes, daqueles a quem pude dar o meu livro e o meu abraço.

Por fim, ao Professor José d’Encarnação – de quem tanto lamento a ausência motivada por razões pessoais inadiáveis – pela amável disponibilidade e empenho, a que devo ainda acrescentar o destemor, por apadrinhar este nascimento.

Também à Lourdes Calmeiro, a minha-senhora-de-mim, que me ofereceu a capa heróica, e ao meu filho Alexandre bem como aos seus colegas e amigos pelo contributo precioso dado para que este livro se erguesse do chão.

NOTA - Ver reportagem muito personalizada no blog da Tuna Meliches!


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:38


março 11, 2008

convite - Poemas de Menagem

dia 15 de Março (sábado), pelas 16 horas na

Junta de Freguesia de Carcavelos

será lançado o meu novo livro

Poemas de Menagem


Entrada livre - este convite tem, por destino, todos.


a um poeta
a um pintor
a um amigo
a alguém que cruzou os céus comigo
na urgência de viver
sem querer saber
de que é feito o amor
ou o destino
nessa arte que se tem de ser feliz
por saber de tanta cor

o arco-íris


A sessão, apoiada pela Junta de Freguesia de Carcavelos,
com a presença da sua Presidente, Zilda Costa da Silva,
contará com as participações de
Rosário Rodrigues, Rui Farinha, Cramol e Mário Piçarra


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:54


março 10, 2008

ainda a Educação, em Portugal, porque o tema tem importância, hoje e sempre

Por entre a miríade de ideias que fervilham por esse país fora, pouco mais haverá para dizer sobre o «fenómeno», nem eu sustento cátedra que me sustente nesta matéria.

Mas como cidadão atento e interventivo, há uma pequena achega que julgo vir a propósito e que - devo registá-lo com agrado - vi ser opinião partilhada em recente artigo de António Barreto.


A questão da avaliação de desempenho


Tornou-se, aparentemente, um chavão todos os professores dizerem que não são contra o modelo de avaliação que o Ministério lhes quer impor como suposta panaceia para a melhoria do Ensino, mas apenas contra o seu tempo e o seu modo.

Esta concordância ab initio denota, desde logo, uma preocupação simpática em não querer hostilizar em demasia as «forças vivas (?)» do Ministério mas eu, se fosse a eles, não comprava tão barato esse artigo.

Vejamos: desenvolvo a minha actividade numa empresa que aplica modelos (vários) de avaliação de desempenho, vai para cima de uma dúzia de anos. Qual o resultado prático, independentemente do modelo aplicado? - Nenhum! Para além da burocratice instalada e o faz-de-conta-que-isto-é-sério, que aproveita à comodidade das hierarquias e à acomodação dos subordinados. A lógica instalada é a mesma de que enferma o funcionalismo: vale mais cair em graça que ser engraçado. Conceitos de eficácia e de eficiência, bem como de competência articulada com a concelebrada inteligência emocional não passam por ali.

Neste contexto, a questão que se coloca é a seguinte: em que é que um qualquer modelo de avaliação de professores vai promover a qualidade EFECTIVA do Ensino? E como será possível estabelecer parâmetros - e quem qualificadamente os avalie - para comparação de realidades orgânicas tão diversas quanto o serão uma escola de Freixo de Espada à Cinta, uma escola de Cascais ou uma outra da Reboleira?

E em que é que estabelecer-se que, numa determinada escola, 5% dos professores correspondem a um mirífico padrão de excelência e os outros 95% nem por isso, poderá contribuir para uma melhoria objectiva dessa sagrada arte de transmitir conhecimentos aos alunos?

Dizendo de outra forma, como se medirá o nível de afabilidade de um mestre que, apesar de algumas limitações no seu domínio de conhecimento, tem artes de se fazer entender melhor e ter mais audiência e envolvimento por parte dos alunos relativamente a um seu colega, de longa cátedra suma cum laude, que promove o bocejo e assusta a criatividade?

Estas manias de que a avaliação é redentora e substituirá o mar de carências em que o Ensino - e o resto! - navega, em Portugal, apenas agradam e são sustentados por tecnocratas de pacotilha, cujo objectivo na vida é excitarem-se com números que, de uma forma cada vez mais redonda, provem e sustentem que o quadrado das suas «verdades» deixou de ter vértices e colhe ali prova.

Entretanto, a vida passa por eles, sem que se dêem conta mas, curiosamente, pula e avança!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 18:56


março 08, 2008

obviamente, demita-se!


100.000 opiniões desfavoráveis não lhes chegam?


Contra uma "maioria absoluta" desacreditada,
uma maioria absolutamente qualificada.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:36


março 07, 2008

salários e Professores: poesia procura-se!...

O fosso salarial... fede.


Não posso deixar de assinalar a quantidade de lágrimas de crocodilo com que, de tempos a tempos mas cada vez com maior frequência, surgem referências ao aumento do fosso entre os muito ricos e os muito pobres.

Registo, com enlevo, a preocupação manifesta dos media relativamente a este "fenómeno" social, aparentemente - hipocritamente, dir-se-ia - incontrolável.

Entretanto - e como há longos anos venho denunciando em fora adequados - mal se entende que as sacrossantas negociações salariais que ocorrem anualmente tenham como parâmetro a referência percentual o que, como até um aluno medíocre em Matemática poderá constatar, promovem esse fosso, promovendo gritantes desigualdades e injustiças sociais, em terrível escalada e progressão neste nosso democrático Portugal.

A velha história de que um aumento de 10% vale 100 para quem ganha 1.000, mas apenas vale 10 para quem ganha 100...

A ligeira diferença de 90 define a capacidade de um cidadão poder, com dificuldade, alimentar-se a papo-secos, enquanto o outro cidadão irmão alimenta a angústia de passar férias no Algarve, em Biarritz ou nas Seychelles.

Nada disto é de estranhar, sabendo quem controla os cordelinhos da economia nacional e mundial. Apenas me incomoda apurar que os sindicatos se deixam levar neste engodo.

*

Estou com os Professores!

Amanhã estarei, de corpo e alma, com a manifestação de indignação dos Professores.

Contra o cinismo de quem, a pretexto falacioso da "modernização", quer transformar o Ensino Público num pântano de burocracias e de ineficiências, que apenas abrirão caminho - uma vez mais - aos interesses privados.

Acompanho, de muito perto e vai para mais de trinta anos, toda esta saga: enquanto cidadão, enquanto encarregado de educação e enquanto cônjuge de professora. E não tenho a menor dúvida no meu espírito quanto ao lado da barricada em que me quero encontrar.

Não tenho, também, qualquer dúvida quanto à cegueira consciente e ao nepotismo destes "aprendizes de feiticeiro" que nos saíram na rifa das eleições.

Com todas as diversidades, sensibilidades e atitudes, estou com os Professores!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:08


março 06, 2008

Hoje, ainda, na Livraria Verney, em Oeiras...




Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:11


março 05, 2008

estou solidário com a manifestação da indignação dos Professores...

... no próximo sábado, dia 08, em Lisboa.

Não entendo, no entanto - e a ser verdade - o facto de haver uma contra-manifestação supostamente organizada pelo Partido Socialista, marcada para o mesmo dia e de suposto apoio ao Governo.

Se é este o entendimento dos actuais responsáveis do PS pela procura de soluções que atenuem as tensões sociais... eu vou ali e já venho!

Ó bom povo português, exercita bem a memória e vê lá se nunca mais - mas nunca mais! - concedes, com o teu voto, uma maioria absoluta a ninguém, já que ninguém a merece e, mal por mal, que os ovos se distribuam pelo maior número de cestos possível.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:25


março 04, 2008

com muitos mais prós do que contras... ainda os Professores

Se eu não fosse tão ingénuo quanto sou, diria que o programa de ontem, da RTP, o prós e contras da D. Fátima Campos Ferreira, foi imaginado com a pífia intenção - objectivamente falando, claro - de desmobilizar a grande manifestação de professores prevista para o próximo dia 08 de Março.

De novo, relativamente às questões de fundo que enformam a imensa onda de descontentamento e indignação que atravessa um dos sectores mais sensíveis da população - a classe docente - pouco ou nada este programa trouxe para o enriquecimento da análise que aponte para uma solução airosa da crise instalada.

Crise que - e interessa sublinhar - é de exclusiva génese governamental e, nela, a cara visível é a senhora ministra, que, com brutalidade, desregramento, hipocrisia e liminar aldrabice, decidiu atirar todo o ónus de dezenas de anos de estupidez governativa, na área da educação, para cima dos professores.

Sempre a eterna e imbecil "solução" mal remendada dos bodes expiatórios, através da qual tudo foi feito para voltar a opinião pública nacional contra tudo quanto fosse professor, fragilizando ainda mais uma relação que já vivia horas de amargura.

Cá por mim, sempre pensei que um bom professor é aquele que transmite bem conhecimentos. Por outro lado, a massa com que cada professor lida é por demais heterogénea, flutuante e volúvel, para podermos padronizar comportamentos e resultados, ou prescrever receitas universais. Mas com a sanha da "perspectiva empresarial", Sócrates ignora tudo isso.

Na verdade e como corolário dessa cegueira consciente, ninguém mais do que os actuais "responsáveis" pelo Ministério da Educação favoreceu a indisciplina nas escolas e o desrespeito pelo pessoal docente.

Ora, essas atitudes néscias e míopes podem pagar-se caro, já que a multidão não é fácil de controlar quando toma "o freio nos dentes". E isto tanto vale para uma multidão de pais, como para uma multidão de professores.

É neste contexto que - pasmem, ó gentes da minha terra! - um cérebro brilhante propõe que, na sociedade civil se crie um grupo de "mediadores" que interfira na crise e se sente sobre ela, equidistante do Ministério e dos professores, na tentativa de promover uma reconciliação e procura de soluções. E a D. Fátima, moderadora do debate, abraçou a causa, com empenho e denodo.

Eu ouço coisas que me deslumbram! Então, em regime democrático, com um governo democraticamente eleito, há que recorrer a terceiros para apaziguar tensões entre governantes e governados, como se estivéssemos em estado de guerra? Sempre pensei que, democraticamente, isso se derimia nas urnas dos votos... ou não?

E, já agora, onde procurar essas personagens independentes, num momento em que já toda a sociedade tomou partido?

Sócrates não previu a dimensão do combate? Foi pena. Mas foi pena para toda a sociedade portuguesa e não apenas para a classe docente. Como ele assegura que faz questão de manter este elenco governativo, na área da Educação, a casmurrice é para manter. Ele lá saberá o que quer.

Eu, confesso, não percebo o que ele quer! Ou, então, se percebo, receio perceber...

Nota final - A D. Fátima, com um zelo notável, fez questão de informar o povo de que o jovem professor que, na sessão anterior, denunciara pressões oficiais para fazer subir as notas dos seus alunos, se teria retractado, confessado precipitação e pedindo desculpas. Tem graça... a mim constou-me que ele tinha sido vítima de um processo disciplinar! Mas deve ter sido boato!...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:34


março 01, 2008

Ecos de fim de semana...

Os professores, finalmente, vieram para a rua. Para a rua da liberdade, da dignidade e do combate por ideias e ideais. Abençoados!

Fica provado que nem só de modorra vive este país.

Entretanto, a senhora a quem entregaram a pasta da Educação aceita os louvores desbragados, com beijos e abraços, de uma personagem tão insuspeita quanto Valentim Loureiro. Dir-se-ia, cinicamente e a dar para o culto que les beaux esprits se rencontrent... ou em português mais comezinho, diz-me com quem andas...

Pelo meio das louvaminhas um pseudo-"representante dos pais" - e digo pseudo, que eu sou pai e ele não me representa, seguramente - dinossauricamente instalado em tal farpela, faz questão de nos mostrar a sua máscara naquele desconcerto de caretos. Bem bons estão uns para os outros!...

*

Como sinal lamentável dos desmandos em que vamos sobrevivendo, a criminalidade violenta aumenta. Sem querer estar, hipocritamente, a alimentar demagogias sobre causas e efeitos sociais deste fenómeno, ocorreu-me uma solução piramidal para, porventura, atenuar tal escalada:

- Portugal é um país recordista em apreensão de drogas, as mais variadas e para todos os gostos. Há, até, quem diga que a sua queima, pairando nos céus urbanos, é que nos traz a todos meio aluados...

Ora bem, mediante prescrição médica ou emissão de um qualquer atestado que um serviço público idóneo - talvez ainda os haja - poderia emitir, que tal distribui-la gratuitamente a quem a consome?

Já viram o alcance da jogada? Dava-se um golpe drástico no seu tráfico, pois deixava de ser rentável, e acabava-se com a necessidade de andar no gamanço para alimentar o viciozito.

Assim como assim, com tanta medida estúpida que os nossos governantes preconizam, porque não poderei eu, comum cidadão, seguir-lhes o exemplo?...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 21:08


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017 Agosto 2017 Setembro 2017 Outubro 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas