<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
agosto 29, 2010

nova crónica na FreeZone...

Demagogia pura e dura, com alguma publicidade e ponderação reflexiva à mistura…

Se um político de topo, no legítimo exercício das suas nobres funções, tem – mas tem mesmo, não apenas por alegada «dignidade das funções» - necessidade imperiosa de uma viatura para o cabal desempenho da sua nobre função, viatura essa que o dinheiro do Estado, isto é, o dinheiro do contribuinte vai ter de adquirir para o legítimo e nobre efeito, uma de duas:

- ou adquire um Audi, um Mercedes, um BMW ou um Jaguar – que são as marcas geralmente seleccionadas – cujos preços, para as gamas intermédias-altas que são geralmente as seleccionadas, oscilam (e, repito, não se falando nos topos das gamas) entre os € 100.000 e os € 170.000 por unidade;

- ou adquire um Renault, um Nissan, um Ford ou um Fiat, também com ar condicionado, airbags, volante, quatro rodas, além da sobresselente, suspensão, retrovisores, rádio, com os leitores todos e gps e assentos e tudo e que até chegam aos 200 Km/hora, a que eles nem podem circular, aí por preços que oscilam entre os € 20.000 e os € 40.000, pela mesma unidade.

Se adicionarmos a isto as respectivas e proporcionais manutenções, revisões, consumos, lavagens, reparações, etc., o fosso da disparidade… dispara, mesmo.

LER toda a crónica AQUI

LER artigo relacionado AQUI

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:05


agosto 26, 2010

fotografando o dia (155)



antes do torna-viagem
há que cuidar da plumagem
como em palco de vaidades
- faz de conta que nem olho -
ataviam-se as beldades
catando bem o piolho

e quando der em partir
irão todas a seguir
cruzando as ventanias
uma e outra e mais de mil
esperando novos dias
que hão-de voltar lá p'ra Abril 

- fotografia e poema de Jorge Castro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:10


agosto 24, 2010

quotidiano delirante (8)... com Educação à ilharga

Mil oportunidades há e outras tantas, ainda e acrescidas, para discorrer sobre os mais desvairados temas que nos perturbam os neurónios e - nem que seja por presunção autoral - aflijam o País.

Daí que, contrariando o bichinho opinativo que me desassossega, me inibo frequentemente de lavrar por escrito os comentários que me são suscitados pelo quotidiano jornalístico, eivado de questões «sem-importância» mas que se revelam, tanta vez, de muito maior pujança do que pareceriam, à primeira vista.

Desta feita, ocorre-me especiosa questão:

- porque é que, invariavelmente, governo após governo, de há dezenas de anos a esta parte, todo e qualquer elenco do Ministério da Educação - e já foram tantos, os abençoados...! - escolhe SEMPRE o mês de Agosto, altura em que, recordemos, as escolas se encontram praticamente encerradas e todo o pessoal docente em gozo de férias, para dele emanar medidas ponderosas que alteram o modus operandi e o modus vivendi de todos e cada um dos estabelecimentos de ensino público, de quem lá trabalha e de quem lá aprende?   

No corrente ano, coube a Isabel Alçada o fardo deste tipo de desatino: primeiro, o anúncio de retirar as retenções de ano do processo avaliativo, leia-se acabar com os chumbos - devaneio sobre o qual emendou atabalhoadamente a mão, face à reacção generalizada da «sociedade civil»; depois, a escassas três semanas do início do ano lectivo é que é feito o anúncio de quais as 700 escolas que encerram, com manifesta perturbação para todos os envolvidos: pais, alunos, professores e as próprias entidades organizativas escolares; e ainda, também em Agosto, o anúncio, através de despacho assinado pela ministra Isabel Alçada, datado do dia 3, pelo qual se determinam novas condições no acesso ao apoio financeiro a conceder em 2010/2011 às escolas de ensino integrado (cooperativo), nomeadamente as escolas de música, o que coarcta esse acesso a inúmeras escolas... o que envolve, por sua vez, milhares de alunos nelas já inscritos, cujos pais estão, agora, em palpos de aranha para saber o que fazer.

E todas estas coisas neste período onde o remanso balnear ou campestre do bom povo português o desaconselharia, convenhamos.

Fica-me evidentemente a dúvida repartida, em partes iguais ou acumulada: será deliberada má-fé e/ou mera (conveniente mas pouco convincente) desorganização do ministério o que estas tomadas de decisões em tempo de férias denunciam?

Pois com este sentido de «oportunidade» evita-se maior e mais imediata contestação da parte de lesados; cria-se um clima generalizado de maior ansiedade e intranquilidade sobre docentes, alunos e respectivos encarregados de educação, coisa aparentemente tão cara a quem governa (ou manda e desmanda...) neste País.

Serão estes os intuitos? Pobres e lamentáveis deles. Mas é com estas espertezas, como sói chamar-se, que se estruma o caldo de cultura através do qual todos nos vamos transformando (uns com mais sucesso do que outros) em espertalhões oportunistas, como condição de lamentável sobrevivência, e perdemos totalmente o norte à solidariedade - também institucional - que nos devia enformar, enquanto povo, enquanto nação.

Como sempre, os exemplos vêm de cima. Depois queixam-se, com lágrimas de crocodilo, pela «ausência de valores»...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:24


agosto 22, 2010

quotidiano delirante (7)... olh'ó mamarracho

Tive ontem o ensejo de acompanhar uma interessantíssima visita guiada à Oeiras histórica, promovida pela Associação Espaço e Memória, e interessantíssima porque contou com os saberes de dois excelentes guias, o professor Jorge Miranda e o professor José Meco, historiadores ambos e envolvidíssimos no estudo aprofundado de todo o património (edificado ou documental) de Oeiras. 


No entanto, em pequeno-grande apontamento que não posso deixar de referir, no momento em que ouvíamos a apresentação do que seria o passeio guiado por parte dos nossos dois professores, em frente da actual Câmara Municipal de Oeiras, dei por mim a ser agredido por mais um aborto de betão (perfeitamente destacado na imagem acima), que fere gravosa e irremediavelmente toda a paisagem urbana daquele centro histórico.

Aliás, como veio a ser observado no decorrer do passeio que fizémos, a monstruosidade é vsível de toda a envolvente do núcleo urbano que, apesar de várias perturbações e outras barbaridades edificadas, mantém, ainda assim, uma certa coerência eventualmente aproveitável para se lhe atribuir uma unidade de sentido - com funcionalidades a discutir, porventura, pela comunidade oeirense.

Agora, o mamarracho pujantíssimo que atordoa os ares e os seres com aquela manifestação de pato-bravismo de que todos somos vítimas - e vamos estando anestesiados, por habituação -, esse é que lá vai crescendo. De pedra e cal, como sói dizer-se, manifesto da estupidez temperada a golpes de ganância do homem actual, sem princípios nem cultura, que até ao Marquês de Pombal havia de repugnar, ainda para mais pelas loas ao «progresso» que as alimárias responsáveis não se cansam de invocar...    

A falta gritante de elementar senso comum nestas matérias não deixa de me surpreender! E Isaltino Morais, obviamente, não pode sair incólume pela autorização de tal barbarismo. E tudo para quê? Para que meia-dúzia de nababos possa vender a outra meia-dúzia de nababos como eles mais uma excelente vista para o mar?

Esta «técnica» de dar uma no cravo e outra na ferradura, muito a par da ladaínha do venha a nós o vosso reino, produz aberrações destas. E, assim, lá vamos deixando um futuro de vergonha às gerações vindouras. 

Mas, afinal, não se pode mesmo demoli-lo?

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:30


agosto 20, 2010

fotografando o dia (154)


confidências
reticências
que correm de ela para ela

e no gosto do café
imagina-se o que é
que se passa na janela

- fotografia e poema de Jorge Castro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:11


agosto 17, 2010

era uma vez eu menino...

Homenageando um avô  António a quem o neto inspira excelente poesia, dei por mim a fazer eco das suas sugestivas imagens e a lançar-me em devaneios e, montando o cavalinho de pau, partir a dar-lhe  a esse amigo o abraço que este meio proporciona...

a idade dos moinhos que se queremos são gigantes
onde todos os combates que temos valem a pena
e o dia não se esgota na noite escura e pequena
por ânsias do novo dia que sabemos já lá vem
onde cavalgamos nuvens sem receio de cair
porque as nuvens dão as asas a quem as quiser ouvir
e onde a vida sempre sobra
e vai sempre mais além
e as frutas são lambuzos com que pintamos o vento
e as árvores castelos
e as campinas são de ouro
e o mar esse tesouro onde se perde o sonhar

a idade dos caminhos sem destino e sempre em frente
a descobrir algum ninho onde a vida é mais urgente
e correr nalgum trigal de espigas sempre-vivas
como à noite o madrigal de esperadas despedidas
renovadas
repetidas
boas sempre de esperar
montar cavalo de pau
e ter sempre alguma nau a jeitos de navegar

era uma vez eu menino
e tinha em mim a matriz de não crer nalgum destino
sem ser aquele que eu fizesse

ah voltar a ter moinhos
e destinos
e caminhos
todos quantos eu quisesse…

- poema de Jorge Castro, com um forte abraço ao Manel... António.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 16:02


agosto 15, 2010

Nova crónica (balnear) na FreeZone e outros abraços...

Sobre as aventuras e desventuras de um banhista nas salsas e excelsas ondas algarvias e do destempero comportamental de alguns confrades fica relato na minha nova crónica publicada na FreeZone e que podem ler, na íntegra, AQUI.

*

Ainda e sempre a tempo: no passado dia 30 de Julho, por amável convite da direcção da Biblioteca Municipal de Cascais, na pessoa da Dra. Paula Saraiva, o grupo das Noites com Poemas - que já assim se pode denominar... - fez uma acção de rua em homenagem a Matilde Rosa Araújo, aproveitando a Feira do Livro de Cascais, desta vez em frente da sua emblemática baía, ao cair da tarde.  


Francisco José Lampreia e Estefânia Estevens


Jorge Castro


David José Silva


Maria Francília Pinheiro


João Baptista Coelho


Paula Saraiva (Biblioteca Municipal de Cascais)

Registámos a ausência, pelos piores motivos, de Carlos Peres Feio, pelo falecimento do seu irmão, António Feio, ausência cuja justificação nos deu ensejo, entretanto, de tornar publicamente extensiva a homenagem que iria ter lugar também a este actor e, como diz o seu irmão (e eu subscrevo), um homem bom.   

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:53


agosto 12, 2010

fotografando o dia (153)


por convulsões terreais
bordam-se gritos na pedra 
sem destino
ou algo mais
e a vida toda que encerra
cada grito
que aí medra
esculpe sons espectrais

- Fotografia e poema de Jorge Castro

Castelejo, 2010 

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 17:07


agosto 07, 2010

fotografando o dia (152)


no meu sacro promontório
vejo o mar por um canudo
o bote a vaga fustiga
ao homem o mar castiga
por ter querido um empório
e por abrir mão de tudo

deu tantos mundos ao mundo
tantos jeitos de viver
tantos trejeitos no fundo
que são a arte de ser
e anda um barco perdido
sem leme
vela
ou sentido
sem saber que apetecer

e um canhão verte a ferrugem
dos que não tugem nem mugem
e vivem só por viver

- Fotografia e poema de Jorge Castro

Promontório de Sagres - 2010

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:23


agosto 04, 2010

fotografando o dia (151)


sopro a sopro
o vento molda
o que o mar moldara

e a rocha dura
se lhe durasse o tempo
decerto voara

- fotografia e poema de Jorge Castro
Burgau - 2010

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:28


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas