<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
Outubro 30, 2004

Comentário sem paciência para o contraditório

Chegamos a uma altura do ano em que grandes empresas nacionais, por inconfessáveis desígnios (mas que talvez possamos associar à aproximação da época natalícia ou, mesmo, como algum ritual pós-moderno das celebrações do Solstício) desatam a anunciar em parangonas jornalísticas e alto brado televisivo, lucros que oscilam entre o fabuloso e o homérico...

Fala-se aqui, principalmente, daquelas empresas, ditas de serviços (ou pouco mais ou menos), de capitais públicos (ou pouco mais ou menos), que alucinogénicos conceitos de gestão vão privatizando (ou pouco mais ou menos), mas cujos gestores se mantêm, reverencialmente (ou pouco mais ou menos), ligados umbilicalmente à tutela estatal.

Entenda-se que também se poderia falar aqui das empresas todas privadas, coitadinhas, já privadas à nascença, e respectivos gestores (ou pouco mais ou menos) que mantêm a mesma ligação ardente e reverencial ao estado, apesar de passarem a vida a vender o artigo de que são independentes à brava... Vejam-se os contornos do recente caso prof. Marcelo versus Media-Capital, no caso de subsistirem dúvidas quanto àquela grande e indesmentível verdade que é: em Portugal, somos todos primos.

O próprio estado nos faz saber, com alegria, que já captou, até Agosto, as receitas previstas nos combustíveis até ao fim do ano. Viva, pois, o aumento do preço do petróleo e Deus queira que ele se mantenha, para que mestre Bagão não tenha de nos vender os anéis.

Tudo isto seria bom e todos incharíamos de ímpetos patrióticos e cachecóis verde-rubros, nas enormíssimas filas de trânsito entre a casa e o emprego, se não andassem a pregar-nos, vai para dois anos e tanto, que estamos atascados na mais inominável crise ou na mais pungente recessão económica. Uma e outra com origens no hediondo mundo capitalista em que vivemos – por azar nosso, mas que fazer?... – e às quais, crise e recessão, não é estranha a peculiar habilidade dos nossos governantes para as agravar até aos limites do absurdo.

E a nossa sacrossanta ingenuidade esperaria que, pelo menos, houvesse algum pudor, algum recato... Aquilo a que a populaça chama “um mamar doce”. Mas não. Com um sadismo gritante e um autismo esclarecedor, alegadas razões “de mercado” levam-nas a exporem-se, desavergonhadas e putas, em hasta pública, fazendo alarde do espólio sugado e atirando-o às trombas perplexas e basbaques do Zé Povinho, o único, afinal, que vive com a recessão e dorme com a crise.

Poderá, mesmo, admitir-se – e nem será por absurdo - que este estado de embrutecimento deve permanecer indefinidamente, a bem da economia nacional!... Haja coragem política para o assumir e talvez se faça escola.

Assim, a única coisa que me consola é não perceber nada (ou pouco mais ou menos) de Economia e Finanças, o que me confere um estatuto muito próximo do asno a quem, no estábulo da recessão, continua a ser apenas permitido retouçar nas palhinhas da crise, enquanto estas empresas de brincalhões medalhados no pueril jogo do Monopólio anunciam com despudor insultuoso os tais lucros de bradar aos céus e aos infernos, com os quais se compram, com carros, gasolinas, cartões de crédito e sabe-se lá que mais, aqueles de entre nós que estão sempre prontinhos para vender a alma ao diabo, a troco de um lugar no céu.

Como é diferente a crise, em Portugal...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:23


Outubro 28, 2004

Porque o nosso futuro também passa por termos presente o nosso passado

A casa onde Almeida Garrett viveu e morreu, nos nº 66 e 68 da Rua Saraiva de Carvalho, em Lisboa, encontra-se em risco iminente de destruição, o que terá três consequências graves:


1. Lisboa perderá mais uma casa antiga de indiscutível valor estético e histórico.
2. Abrir-se-á um precedente grave na manutenção da traça daquela rua de Lisboa.
3. Perder-se-á a oportunidade de termos em Lisboa uma casa-museu de Almeida Garrett.

Segundo entendidos na matéria, esta casa charmosa, apesar de aparência simples, "tem uma cobertura azulejar em losangos azul e branco, com interiores luminosos, de gosto romântico com estuques brancos, proporções elegantes e móveis clássicos, sobretudo do século XVII", e nunca deve ser demolida.


POR FAVOR ASSINE E PASSE PALAVRA:
www.petitiononline.com/casaag/

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:15




Falemos de coisas sérias: o ABC Dos Miúdos

Pois é. Enjoado de nojeiras e farto de fantochadas, ergui os olhos ao céu e, mesmo com tempo chuvoso, dei de caras com o ABC Dos Miúdos... e lavei a minha alma.

(Entenda-se, claro, todas estas religiosices em sentido metafórico. Mas há momentos em que estes tiques culturais nos saltam para melhor nos exprimirmos... E quem não apreciar, paciência, passe por cá mais logo.)

Vem a conversa a propósito do blog que aqui tenho o prazer de vos anunciar: o ABC Dos Miúdos, cuja autora é a minha "madrinha de blog", a Thita (uma história que já contei, em tempos).

Visitem-no. Colham a vossa opinião. E, se ela for tão positiva quanto a minha, divulguem-no. Pelo exemplo solidário. Pelo empenho.

E, até, se vos der na veneta, colaborem.

Porque ali não se espera pelos amanhãs que cantam. Canta-se hoje mesmo, que amanhã é outro dia.


(Como curiosidade adicional - e só para aqueles que não a conheçam - tentem adivinhar a idade da autora...)


Entretanto, façam-me todos o grande favor de ser felizes!


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:06


Outubro 25, 2004

Croniqueta datada

- De escárnio, talvez; de maldizer, seguramente... que isto vai um tempo que é uma pouca vergonha ou, como diria a santa avozinha: está o mundo roto, chove nele como na rua...


Há um túnel que descai e um outro que se esvai nesta capital do mundo
Há um metro já sem fundo e no ar um cheiro assaz preocupante pelo gás
Posto a eito em cada casa
Faltará um golpe de asa p’rà solvência destes males e mais que esperam que cales
Das estradas às portagens dos impostos às sondagens fica-se o país a esmo
Entre o pasmo e o marasmo
Para o gozo dos meninos que entre salmos e hinos vão aldrabando os papalvos
À espera de serem salvos

Pois a santanal figura
Improvável criatura de espavento e arrebiques
Governará lá os chiques butiques ou passarelas
Tias fingidas donzelas
Mas que faz ele ao país que distrata e que desdiz?
Vira-o dos pés p’rà cabeça em pressas de fogo à peça!
Faz disto a terra dos tolos e entre papas e bolos
Da cultura faz pepinos ou dos teatros casinos
De nada sabendo tudo
Faz do país um Entrudo e com o seu ar de maçada
De tudo faz palhaçada

Que falta nos faz O’Neil e Ary e outros mil
Para zurzir forte esta seita neste entremês de maleita
Talvez mesmo um Herculano a causar-lhes sério abano
Um Eça e mais um Ramalho a demolirem a malho
A corja fandanga e vil que vende ao retalho Abril

Se eles não estão
Estamos nós
Vai de aclarar a voz em gritos de fundo d’alma
Pois sabe-se que da espera nela ficar desespera
Doentia é esta calma com que pasmamos dolentes
Perdidos de ocidentes
Cabisbaixos contristados
Ao céu e ao mar especados

Parece até que apetece dizer de quanto acontece
Que nós por cá todos bem
Esperando que Belém
Em dia de inspiração
Se arvore em D. Sebastião...
Ou então em Pai Natal já que neste Carnaval
Ninguém leva nada a mal.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:52


Outubro 22, 2004

Dos caminhos da Utopia

Porque insistimos, tantos de nós e tantas vezes, em nos perdermos da utopia?

Não que alguém nos force, ainda que tantas sejam as forças adversas.
Não que desgostemos, ainda que sejam árduos os caminhos que a ela nos conduzem.
Apenas porque sim.
Porque é mais fácil deixarmo-nos amodorrar no declive dos dias, resvalando para esse estado letárgico, muito próximo da morte-em-vida, ainda que sem casulo ou, até, caixão que nos resguarde.
E, então, correm-nos as lágrimas pela face, pela tristeza de não sermos.

Outros há que escondem a cabeça no ninho de folhas que amontoaram e esgravatam, aves sem pena, enlouquecidas e ensimesmadas, até sem aperceberem que alguns dos gravetos que assim lançam, pelos ares e sem critério, embatem, crudelíssimos, naqueles que, à sua volta, vão passando.

Outros haverá...

E, afinal, no supermercado da vida, a oferta é variada:

- ele há as utopias do eterno retorno, atingindo nós, de cada vez, patamares mais elaborados de vivências, cada um deles mais subtil e encantatório;
- ele há a demanda da ilha-paraíso (o perdido, que se quer reencontrar) onde o néctar brota das fontes vinte e cinco horas por dia, onde as flores são as nossas roupas e tudo o mais está à distância ténue de um suspiro;
- ele há, ainda, a utopia do futuro, esse horizonte que de nós se afasta por cada passo da jornada e em igual proporção, mas de que não devemos abdicar pois que “o caminho se faz caminhando” e a beleza da vida deve ser encontrada, apenas e só, em cada uma das passadas;
- ele há, também, mais hodierna, essa utopia, sem tempo nem lugar, cibernáutica, internética, onde o Homem pode afirmar a sua individualidade, liberto enfim dos grilhões estreitos da Biologia...

Pois assim é, uma autêntica cebola da qual retiramos capa a capa, os olhos marejados de lágrimas que - e muito conveniente é que assim o seja... - hão-de ser de alegria!

NOTA IMPORTANTE: Em Portugal, algumas tentativas de criação de caminhos para a utopia têm, incompreensivelmente, tropeçado com aquilo que reputados cientistas caracterizam como "amolecimento do neurónio". Claro que, assim, tudo se torna mais difícil...
O exemplo abaixo ilustra uma dessas tentativas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 08:37


Outubro 19, 2004

Coitado do consultor...

Tenho-me debatido, de há uns tempos a esta parte, com uma espécie de fauna que assola o meu local de trabalho - corpos estranhos à empresa - que presumem dominar, numa escassa semana, o que todos os demais mortais levaram anos a fio a aprender. E, para além de serem assim inteligentes e espertos, estão sempre munidos de soluções milagrosas que passam, invariavelmente, pela "diminuição de recursos humanos" e que esgrimem contra o bom povo trabalhador, numa versão nova-vaga dos cavaleiros do Apocalipse.
Ah, já me esquecia.... Invariavelmente, também, eles e elas vestem de cinzento!
Apeteceu-me "cantá-los"...

Coitado do consultor
Estimável criatura que espiolha pela empresa
Com o empenho e a certeza
Do piolho na costura

Coitado do consultor
Que simula
Estimula
Puxa a carroça na praça com o empenho da mula

Sabe tudo sem saber que só se safa na praça
Porque na praça não passa sequer vestígio de mula

E passa ele - oh desgraça -
Pois que ficou a carroça e a mula foi a abater

Coitado do consultor
Que consulta pela gula de quem lhe paga melhor
Com certezas de saber
De nada tudo
E valer
De tudo nada saber

E faz de tudo a correr
Tira homem
Põe mulher
Muda o móvel se calhar
Para tudo render mais
E dizer logo depois em esquemas racionais
Que para a coisa avançar já há pessoal a mais

Coitado do consultor
Que é p’ró que der e vier
Saltando qual catapulta da consulta que resulta
Ao seja o que Deus quiser

Coitado do consultor
Quando o pobre descobrir que de consulta em consulta
Se hoje é ele quem exulta
Amanhã
Se Deus quiser e o Diabo deixar
Senta-se ele na catapulta...

... e ninguém o volta a ver!

- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:14


Outubro 18, 2004

Apelo

Traz-me
Oh homem viajante
Do redondo mundo
Hiante
Enorme
Azul
Sem cabeça
Algo melhor que a fome
E que apeteça

Talvez água
Talvez pão
Ou só um sonho
E mais não

Não preciso que me tragas
Nem gritos de armas
Nem sangue
Nem pavor de um ódio exangue
Vestido de ideal
Com capa de religião
Que nada disso dá pão

Traz a mão cheia de terra
E do saber que ela encerra
Mas se encontrares uma estrela
Tenta não te perder dela
E quando tu me encontrares
Abre tu essa janela
De par em par
E por ela
Deixa a sua luz entrar.


- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:21


Outubro 17, 2004

Arrumando a casa

Ontem e hoje foram dias de arrumação, cá pelos Sete Mares. New look, ma non troppo... aproveitando disponibilidades e sapiências informáticas do Skimmer.
Muito se agradece a qualquer visitante que tropece nalgum móvel mal arrumado, o favor de comunicar, para respectiva arrumação.
Até já.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 16:56


Outubro 16, 2004

À tia Esmeralda, com parabéns...

... porque nela noventa anos é coisa que se faça...



Alcançar noventa anos não será
Por si só esse feito de tal monta
Pois o tempo passa em nós e nem se dá
Que ele nos leva em cada dia que desponta

Outra coisa bem distinta
Bem diversa
É cumprir essas noventa primaveras
De quem sabe com flores estar à conversa
E da noite perceber tantas quimeras
Como saber de cada dia
A utopia

E levar assim a vida bem levada
Como água de um rio sempre limpo
A pintar de novas cores cada alvorada
Construindo aqui na terra o Monte Olimpo.

- Jorge Castro


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:09


Outubro 14, 2004

Da liberdade de expressão

Com a devida vénia, rapinei o texto abaixo do blog Os Estados Da Nação. Merece uma leitura interessada... e talvez sirva de alerta para algum incauto que esteja, sem se aperceber, a dar argumentos à entidade patronal para um "despedimento com justa causa". E não é flor de estilo nem novo mito urbano.

Cuidem-se, portanto, companheiros. Rebeldes, sim, mas reguilas!

Quinta-feira, Outubro 07, 2004

Também há censura na província (recebido por e-mail)


Exmo. Sr. ou Sr.ª:
Vem isto a propósito do caso Prof. Marcelo Rebelo de Sousa.
Nasci e tenho vivido num pequeno concelho (Pombal) do Litoral-Centro (Distrito de Leiria). Não milito em nenhum grupo partidário. Sou um simples cidadão nascido seis anos antes do 25 de Abril de 1974.
E como cidadão, ingénuo a pensar que haveria liberdade de expressão e de opinião, criei em Julho passado um “blog” na Internet que pretendia ser um espaço de reflexão e de debate de ideias, com críticas construtivas, sobre o que está a acontecer na minha Terra.
Nomeadamente sobre a actividade da respectiva Câmara Municipal e outras instituições.
Esse “blog” num espaço de dois meses registou mais de 6.700 visitas, tendo sido comentado em grande número por outros cidadãos/munícipes.
A respectiva autarquia, presidida pelo social-democrata Eng. Narciso Mota, nunca usou o princípio do contraditório. Apesar de reconhecer que alguns dos temas abordados tinham a sua veracidade, alterou alguns procedimentos, dando razão ao que por lá se escrevia.Reconhecendo que o “blog” era incómodo para o Poder (leia-se, Câmara Municipal), o senhor presidente entendeu que a melhor forma de usar o “contraditório” era acabar com o mesmo.
Vai daí, entrou em contacto com a direcção/administração da empresa onde eu trabalhava e denunciou a sua existência, fazendo ver que o “blog” era “gerido” em horas de expediente.
A direcção da empresa de imediato, e justificando que aquela situação lesava a relação institucional com a Câmara Municipal, até porque necessitava desta para legalizar algumas situações pendentes, despediu-me. Isto, não argumentando com falta de profissionalismo ou de produtividade. Mas sim, porque o senhor presidente da Câmara assim os contactou para o efeito.
Esclareci a situação e comprometi-me a eliminar de imediato o “blog”, o que foi feito e aceite. Precisamente um mês depois, e pelo meio alguns encontros realizados entre o presidente da Câmara e a direcção/administração da empresa, fui novamente confrontado com o despedimento. E perante duas opções: instauração de processo disciplinar ou demissão voluntária, optei pela segunda.
Ou seja, a intervenção do senhor presidente da Câmara Municipal de Pombal neste processo é um facto. Tanto o é que um dos seus vereadores afirmou perante algumas pessoas “já acabámos com o blog”.
Esta situação é notoriamente idêntica à que aconteceu com o Prof. Marcelo Rebelo de Sousa. Na sua proporção, obviamente. Mas, com um senão… o meu futuro. Estou desempregado, com duas crianças de 20 meses para criar, casa e carro para pagar. E esposa também desempregada.
E tanto mais que, ainda há dias, ouvi da boca de um eventual empregador: “reconheço que és a pessoa indicada para o meu projecto, mas quando o senhor presidente da Câmara soubesse, caía o Carmo e a Trindade. E eu não quero ter problemas com esse senhor”.
É triste que 30 anos depois de uma revolução, ainda haja quem de uma forma nojenta e vergonhosa, censure as vozes discordantes para que estas não expressem livremente as suas opiniões.
Com os melhores cumprimentos
Atentamente
Orlando Manuel S. Cardoso
Rua Paul Harris, nº 13 – 1º Esq3100-502 Pombal
Telef.: 236213594 – 936354363
E-mail: orlando.cardoso@zmail.pt
posted by JS @ 13:00

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:08


Outubro 12, 2004

Os Super-Heróis - poema para os mais novos (ou para a criança dentro de nós, como se diz...)

Ontem, dia 11 de Outubro de 2004, faleceu o actor Christopher Reeves, conhecido por ter encarnado a personagem da BD, o Super-Homem. Há vários anos lutava contra as consequências do grave acidente que o vitimou, quando montava a cavalo. E revelou-se, nessa luta pela vida, um Super-Homem que talvez ninguém adivinhasse.

Morreu-nos o Super-Homem
E não foi de kriptonite ou de algum vírus astral
Foi da queda de um cavalo
Num intervalo da luta contra o crime organizado
E outras forças do mal

Morreu e vai a enterrar
E fica o mundo mais frágil sem saber quem o proteja
Que já não há Super-Homem
O homem de aço a voar
Nos quadradinhos que lemos ao domingo num jornal

Hoje foi o Super-Homem
E amanhã quem será?
Talvez o Robin dos Bosques sem bosques para se ocultar
O nosso Zé do Telhado sem telhas para se abrigar
O Zorro desmascarado
Ou aquele Homem-Morcego já sem asas para voar

Voemos pois sem tardança
A construir mais heróis que o dia é uma criança
Mas a noite já lá vem e o medo não descansa...

Paremos por um momento
A retemperar o fôlego
Recobrando um novo alento...
Importará mais talvez ouvir com olhos de ver
E descobrir que a voz
Que os céus cruza sem temor
Afinal... somos só nós.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:49


Outubro 11, 2004

Dos discursos e da terra queimada

A nossa memória prega-nos destas partidas. Ainda hoje, ao ouvir um discurso dito "de estado", na RTP, ocorreu-me a recente devastação da Serra da Arrábida... Claro que não há nenhuma relação de causa e efeito, é só a memória a pregar-nos destas partidas...


Fotografia de Carlos Manuel Fonseca

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:49


Outubro 10, 2004

Lamento Marinheiro (III)

De noz em noz passámos nós
‘Inda para além da Taprobana
E tudo por mor de nós
E dos egrégios avós
Se fez de tantos mundos esta alma lusitana

Por tal somos bastas vezes só de nós próprios portais...
Talvez um pouco chineses
Ou goeses ou nipónicos em pendores orientais
Da Mafoma os mais cépticos ou quase cristãos atónitos
E de Buda reticentes
Visigóticos
Arábicos
Sem desdenharmos sequer o dom de sermos
Portuguêsmente malteses

E de tanto nós penarmos a fundo por tais degredos
Patagónias e Amazónias temerosas sem dar luta
Estremecem e entreabrem o livro dos seus segredos
A uma turba famélica inóspita e hirsuta
Ansiosa e ferrabrás
Que se diz aos quatro ventos de si mesma portuguesa

Nessa fúria fecunda e anseio bandeirante
De dar ao mundo infantes e desvendar outros mundos
Nessa força que à força tu me dizes quereres que seja
“Indómita e sem par” mas temperada com igrejas
Em cada rude e fera e vil longa viagem
Espalhámos pelo mundo a mestiçagem
A golpes de montante e bacamarte

Se dirá enfim que é cada um
De matriz feito para o que nasce
Mas de tanto espalhar por toda a parte
Esse amor lusitano algo esquizóide
Tanto engenho e arte em desperdício
Qual sacrifício de vulgar espermatozóide
Me parece ter restado
No primordial torrão amortalhado
Muito pouco dessa alma lusitana
E de amores só diviso de perfeitos
Os plantados no jardim mais que imperfeito
Que se queda junto ao mar
Sempre adiado.

- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 17:43


Outubro 08, 2004

Uma subjectiva achega acerca da liberdade de imprensa

Tenho seguido com enlevo a saga da TVI versus prof. Marcelo versus PSD. E, de tão enlevado com tanto comentário mais ou menos inteligente sobre a matéria, também a mim me apetece dar uma achega...

É, aliás, este o encanto dos blogs: apetece-me e lanço uma achega sobre qualquer coisa. O contraditório está implícito. Só me atura quem quiser e não estamos (até ver) perante uma actividade remunerada.

Bem, mas vamos lá à achega:

A liberdade da imprensa é um pouco como a plasticina: moldável sob pressão. Digo isto por conhecer, de muito perto, a realidade de uma grande empresa nacional de há algumas décadas a esta parte (acreditem, se fazem o obséquio!...). E conhecer essa realidade de forma interessada, crítica e participante, donde permitam-me invocar algum domínio de conhecimento.

Ora bem, não me lembro de ter alguma vez lido em qualquer órgão de grande comunicação uma notícia, uma só que fosse, que primasse pela objectividade, pelo rigor jornalístico, pela preocupação da informação versus desinformação, sempre que uma notícia sobre aquela grande empresa vem à ribalta e desce sobre o "grande público" pagante que, com generosidade, a sustenta.

Pressões grosseiras? Nada disso! Para quê? O tráfico de influências basta. Se calhar, o mero interessezinho reverencial, pois afinal somos todos primos, não é?... Não sei e nem me perguntem. Mas alguma coisa há-de ser...

Interessa, sim, apenas reafirmar o que já afirmei: em duas, três dezenas de anos, não me lembro de ter lido ou ouvido UMA só notícia objectiva e, daí, honesta, divulgadora, informativa, crítica, para amostra.

Em contrapartida, notícias por encomenda - daquelas de que já se conhece, internamente, o teor antes mesmo de serem editadas - são quase diárias.

E se assim é com uma empresa, imaginemos o que se passa com o espectro político...

Penso ser esta a preocupação que Sua Excelência, o senhor Presidente da Repúblida Jorge Sampaio exprimiu, ainda que de forma tão reticente, nas suas mais recentes declarações sobre o "caso" prof. Marcelo.

A liberdade de informação, neste Portugal que já se quis de Abril... só mesmo acompanhada pela canção do Jorge Palma: deixa-me rir...


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:36


Outubro 07, 2004

Boicote activo à TVI

Sucesso total e estrondoso!

Após o post anterior, entre comentários e mensagens de email, já contabilizo
17 adesões à causa!!! 17! DEZASSETE, vejam bem!

Já imaginaram o impacto que isto pode vir a ter na carteira publicitária da TVI?

O futuro sorri-nos!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:03


Outubro 06, 2004

Governo PSD + TVI = Escandaleira censória

NÃO QUEREM PENSAR EM BOICOTAR A TVI?

Se dúvidas houvesse quanto aos "tiques" censórios de tantos "representantes governamentais" feitos à pressa e, de facto, sem qualquer resquício de cultura democrática, teríamos aí o sr. ministro dos assuntos parlamentares, Rui Gomes da Silva, para desenganar os mais crédulos.

Abespinharam-se os meninos porque o prof. Marcelo, da mesma cor ainda que de diferente feitio, não alinhou no cortejo dos louvaminheiros e desancou o governo de Santana... E o sr. ministro vem exigir o "contraditório"!!! De quem, ó alma pura? Do Bloco de Esquerda, talvez?

E porquê, se não perdermos de vista que se fala aqui de um comentador? Castigado por delito de opinião? Um debate e um comentário não são a mesma coisa, como é evidente.

Santa estupidez! Esta gentinha estúpida e insegura até da sua inteligência tem medo!

Rui Gomes da Silva quereria o quê? Debates "democráticos" com as diversas nuances do PSD e talvez um ou outro PP, a acenar com a cabeça? Esgota-se-lhe ali o conceito de sociedade democrática?

Mas governo governa e vai de fazer pressões sobre Paes do Amaral, patrão da TVI, para aconselhar o professor a "amenizar" os comentários. E o Paes alinhou logo, claro, que isto de pressões de governo são sempre insustentáveis para quem está mais interessado em cair em graça do que em ser engraçado. Dizem-no privado mas, se calhar...

O prof. Marcelo que - goste-se ou não da personagem - parece manter uma coluna vertebral razoavelmente direita, honra lhe seja, manda dizer aos meninos que para este peditório já deu e bate com a porta, não se submetendo àquilo que é uma manifestação despudorada de CENSURA. Isso mesmo! E não há que estar com paninhos quentes: o episódio configura uma clara e institucional manifestação de censura!

Para mim a coisa é clara: a partir de hoje e enquanto se mantiver este "status", não voltarei a ver TVI. Inicio, pois, aqui um boicote activo àquela estação de tv.

Hoje, ainda, terá lugar um plenário cá em casa sobre o assunto e, amanhã, estenderei a atitude ao meu local de trabalho.

É pouco? É o que está ao alcance imediato do cidadão. E nem custa dinheiro... Haja cidadãos!



Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 18:43


Outubro 04, 2004

Última Hora - Em directo de Silly-con Farm

Ao olhar para aquele painel...

A alguém que se dê com a Júlia Pinheiro:

Por caridade, esse alguém que a avise que o Bibi, o próprio, ele também é uma celebridade. A própria mãe da Joana caminha a passos largos para o estrelato...

Será que, de facto, o dinheiro justifica tudo?

A TVI faculta-nos, assim, a rara oportunidade cultural de conhecer, por dentro, uma casa de alterne.

POST post POST: Claro que falando da coisa, se publicita a dita... e o vómito vive muito da transmissão porta-a-porta...
Mas prefiro cultivar o direito à indignação, tentando com isso inventar um antídoto a favor de alguma sanidade mental (principalmente da minha).
Tenho para mim que, embora todos tenhamos provavelmente um preço, isso não é sinónimo de que todos estejamos dispostos a tudo, desde que nos paguem bem.
Creio que a Júlia Pinheiro tem um curso de Germânicas. E prontifica-se a dar a cara por aquilo, porquê? No Parque Eduardo VII teria menos exposição e, com uma boa gestão, talvez idênticos proventos.
Ou, dito de outra maneira, não estou certo de que um Fialho Gouveia estivesse na disposição de apresentar uma trampa daquelas.
Que as boas acções fiquem com quem as pratica... e que a nossa memória não nos atraiçoe.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:02


Outubro 02, 2004

Do mar e do conhecimento

Fui à falésia a mais alta à minha volta
Tardio o dia por esse fim do meu dia
Só p’ra sentir do mar o azul e a revolta
E o céu de cobre já o azul enverdecia

Senti o vento que me trazia na espuma
Da onda brava a rebentar a maresia
E o fraguedo torturado que gemia
Assim exposto à branca vaga uma a uma

Quis ser o mar eu lá do alto e tão pequeno
Quis ter de mim leve vislumbre da utopia
Eu que não passo daquele grão de leve areia
Que o mar revolto da falésia desprendia

Quis de mim ter a envolvência tão diversa
Em que eu pudesse ser do mar singela ideia
E descobrir que o mar enfim era universo
E que eu de mar voltava a ser só grão da areia.


- Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 17:49


Outubro 01, 2004

Do ensino, da ginástica e do circo...

Acredite quem quiser: à minha-senhora-de-mim, a tal que é professora, ocorreu uma palhaçada memorável e que deverá ficar nos anais (e noutras partes pudendas) da História nacional contemporânea.

A saber: tirou a si mesma o lugar na Escola onde fora colocada! Relata-se o extraordinário caso em duas linhas: concorreu ao concurso "normal" para colocação de professores e, por imperativo legal, em simultâneo concorreu ao destacamento por condições especiais (no caso, familiar a cargo).

Foi colocada numa Escola a cinco minutos de casa, andando a pé, no tal concurso "normal", dito de efectivos...

Mas o outro concurso seguiu a sua marcha inexorável para o abismo. E não é que veio a ser destacada para uma outra Escola, por força desse segundo concurso? Só que esta fica a uma dezena de quilómetros de casa...

Atão, mas por que raios o 2º concurso não deu o mesmo resultado do 1º, já que a opção de Escola era a mesma?

Questionado o Ministério, a resposta é divinal: no 2º concurso não ficou na mesma Escola onde fora colocada no 1º concurso... porque a única vaga existente já estava preenchida - por ela mesma, esclareço eu! E, agora, há que alombar com a 2ª opção que, recorde-se, se destina a minorar sacrifícios para quem tenha a cruz de apoiar um familiar dependente...

Confusos?... Não vale a pena. Assim cum'àssim, para quem anda há já trinta anos a calcorrear o país, o que é que são dez quilometrozitos, perante o chorrilho de disparates que se vêem pelo mundo?

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:14


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas