<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
outubro 28, 2006

fotografando o dia (50)



 
se tivesse mais de azul seria excesso
se houvera mais de rosa uma miragem

assim tive eu o dia
assim o meço
sem que ninguém cruze o enredo da paisagem


foto e poema de Jorge Castro


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:24


outubro 24, 2006

algumas causas - boas, digo eu...

AS JÓIAS DA COROA PORTUGUESA, mal emprestadas à Holanda... e roubadas (petição)

UM ACTO DE BARBÁRIE - ENCERRAMENTO DO MUSEU DE ARTE POPULAR (petição)

Não se salvará o mundo e há, até, quem diga que estas petições têm um futuro duvidoso. Mas "enquanto dura, vida doçura"... E nunca são demais os despertadores de consciência em terra de sonolências.


---*---

Entretanto, o meu amigo Pedro Mota lança um livro, no dia 26 do corrente. Porque "sou homem e nada do que é humano me é estranho", vejam lá se vos interessa, também, saber:

A Princípia Editora, através da sua marca Lucerna, e a Livraria Ler Devagar convidam para a sessão de lançamento do livro de
Alexandre Coutinho, Luís Filipe Mota Machado e Pedro Mota Machado
A IRMANDADE DOS ROMEIROS


que terá lugar na Galeria Zé dos Bois, na Rua da Barroca 59, Bairro Alto, Lisboa, no próximo dia 26 de Outubro de 2006, às 21h30m,

com apresentação de João Bosco Mota Amaral.

A IRMANDADE
DOS ROMEIROS

de Alexandre Coutinho, Luis Mota Machado e Pedro Mota Machado

As Romarias de São Miguel constituem a peregrinação mais completa que se efectua, hoje, em Portugal. Trata-se de uma manifestação genuína de fé que emana do povo e é absolutamente única no mundo, por se tratar de um périplo em torno da ilha, que começa e termina na mesma igreja. Trata-se de uma tradição velha de mais de 400 anos, que teve a sua origem em Vila Franca do Campo, na sequência do sismo que destruiu a povoação por completo em 22 de Outubro de 1522. Alexandre Coutinho, jornalista, viveu pessoalmente esta experiência única de penitência individual e colectiva, de que dá conta num texto permeado de reflexões pessoais que enaltece as virtudes e o valor dos romeiros. As inúmeras fotografias deste livro foram feitas nos dois últimos anos por dois irmãos açorianos, Luís Filipe e Pedro Mota Machado, e já foram objecto de uma exposição – «Bordões de Luz» – no Centro Municipal de Cultura de Ponta Delgada. Da autoria de Pedro Mota Machado são também os textos de invulgar beleza poética enquadrados nas caixas que o livro apresenta a par e passo em complemento ao texto-base.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:46


outubro 21, 2006

fotografando o dia (49)


levando aromas à rua
naquele recanto da vida
em que rua é tanto sua
e ali o sol a dar nelas
solidário a dar-lhes vida
sob o olhar das janelas
em vasinhos de cheirinhos
o verde ao negro dá vida
na lonjura dos caminhos

foto e poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:55


outubro 18, 2006

Miguelancho Prado chama-lhe
“Quotidiano Delirante”

Falta de Educação

Ouvi o primeiro-ministro José Sócrates dizer não ser admissível que os professores portugueses sejam o único grupo profissional que atinge “obrigatoriamente” o topo de carreira no fim da sua vida profissional. Para além da enormidade e falta de rigor da afirmação, não acreditei nos meus ouvidos.

Inadmissível porquê? Não foi o estado português a criar estas e tantas outras regras, como “pagamentos em géneros” aos funcionários públicos (que os professores do ensino oficial também são), anos e anos a fio, para “evitar” puxar pelos cordões à bolsa através de pagamento de ordenados mais “europeus”? Ou terão sido os próprios professores, clandestinamente e à revelia do estado, a cozinhar o pratinho e todos andamos iludidos, até o próprio estado, coitado, porventura apanhado a dormir na forma?

E José Sócrates, neste contexto, é mal-intencionado, ignorante, distraído ou mentiroso? Não lhe vislumbrando eu outras alternativas de postura, qualquer das opções não me augura nada de bom para o exercício da minha cidadania…
A propósito, uma sugestão para as justas causas dos professores: deixem lá as greves, que apenas ajudam as finanças públicas e favorecem as demagogias de quem vos quer "entalar".
Que tal fazerem greve, sim, mas às avaliações oficiais dos alunos? Aos excelentíssimos progenitores até poderiam ser transmitidas as informações sobre o aproveitamento escolar dos seus pimpolhos, o que atenuaria amarguras. Mas oficialmente, nada!

Afinal, a gritante e absoluta falta de condições de trabalho nas escolas daria sustentabilidade bastante à atitude.

Talvez assim os nossos governantes se preocupassem, enfim, em redescobrir o verdadeiro caminho marítimo para a Finlândia...

Energia… da boa

A Entidade Reguladora (???) do Sector Eléctrico anuncia a “inevitabilidade” de aumentos de 15,7% no tarifário dos consumidores de baixa tensão – aqueles, afinal, que já pagam regularmente a fatia mais que substancial da factura que permite o anúncio, também ele regular, de lucros piramidais à EDP… Ainda para mais, se esta Empresa se encontra mais saudável do que nunca, financeiramente falando...

Além disso, a electricidade não é já bem mais barata aqui ao lado, em Espanha? E não é suposto que o mercado foi (ou está para ser, a breve trecho) liberalizado?

Então, trata-se de impor, aos diversos “parceiros” futuramente no terreno, uma bitola mínima, contrariando toda a lógica de mercado ou isto é o quê? Ah, sugere um secretário de estado que o aumento será para "ajudar" as empresas... Mas desde quando, na iniciativa privada, é o cliente que trata, pelo menos directa e despudoradamente, do saneamento financeiro das empresas? Isto não será raciocínio movido a álcool? Ou a EDP vai transformar-se numa cooperativa?


Post-post, em 20 de Outubro - Após ouvir, embevecido, a miríade de esclarecimentos que os mais esclarecidos entendidos têm vindo a produzir sobre esta ponderosa e obscura matéria, concluindo pela minha abissal ignorância, aliada à certeza de que todo o mundo anda a produzir números fabricados, para iludir o zé-povinho e espevitar accionistas - assim a modos que um jogo do monopólio, com dinheiro (nosso) a sério - deixaria uma sugestão:

- perante a inevitabilidade de toda esta desgraceira, que tal pensarmos, seriamente, em adquirir a energia, toda e de uma vez por todas, em Espanha, que eles por lá têm artes de produzir tudo mais barato, em vez de andarmos a brincar às casinhas?... E com as poupanças, investíamos a sério em energias alternativas, mais "limpas" e que nos tornam menos dependentes de combustíveis que não temos.

O único óbice seria a soberania. Mas isso interessa a alguém para alguma coisa?...


Já agora e por falar em energia… fui hoje abastecer a minha viatura a um posto da Galp. Ao lado da fila de pagantes, uma espantosa e belíssima jovem, dona de umas espantosas pernas e de um espantoso tudo o resto, vestida com uns minúsculos calções – ainda para mais, dois ou três números abaixo do que parecia recomendado para o corpo que vestiam, o mesmo acontecendo com a alva camisa que descobria o tronco – do alto dos seus tacões de duplo decímetro, ostentava um braçado de balõezinhos de cor laranja, com publicidade à firma, que ia entregando… mas só depois do pagamento de combustível efectuado.

Era inegavelmente um prazer para a vista, no fim de um dia de trabalho. Mas, para além desse prazer visual e à falta de algum peludo exemplar “musculino” que - imagino-o de fio dental e botas de montar - contrabalançasse democraticamente tal desequilíbrio social, pergunto-me:

- Aquela jovem estará assim tão desesperada para ganhar dinheiro que se presta àquele ridículo de canhestro apelo sexual em local público? E quem a contratou para aquilo terá filhas? Se sim, porque não terá lá posto as suas? Sempre sairia mais barato à empresa. Seguramente. Ou talvez não.

Querem saber? Afinal, acabei por nem aceitar o balãozinho...

No fundo, concluo que eu é que estou a ficar um sórdido moralista, essa é que é essa!... Tudo o mais será este absurdo "progresso" e esta perturbada "modernidade" a que nos querem conceder "direito" (abençoadas aspas!).

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:58


outubro 16, 2006

fotografando o dia (48)


quando o mar nos faltar
sobre o engenho...

mas irá o mar voltar
com o mesmo empenho?

- Oeiras, escultura de Augusto Cid
Foto e poema de Jorge Castro

CONVITE
Dia 18 de Outubro, na Biblioteca de Cascais, em São Domingos de Rana,

a sessão mensal de NOITES COM POEMAS, subordinada ao tema

Da Vida À Mourão-Ferreira



Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:35


outubro 11, 2006

convites
- Caos Organizado, de Bruno Paiva
- Paula Raposo lança "Canela e Erva Doce"
- Adriano Correia de Oliveira vive

Convite 1


Bruno Paiva
expõe a sua pintura em Almada, a partir do próximo dia 13 de Outubro de 2006.

Tema: Caos Organizado

Serão ditos poemas por Jorge Castro e Rui Farinha

Local e hora do evento: Imargem - Galeria
(Rua Torcato José Clavine, 19 - Piso 03, no Pragal - largo das Finanças),
a partir das 21h30
Convite 2
Lançamento de livro
No Sábado, dia 14 de Outubro às 18.30, será lançado o meu livro de poesia “Canela e Erva Doce”, no bar Onda Jazz, que fica junto ao Campo das Cebolas.O livro foi prefaciado pelo Gonçalo Nuno Martins e será e editado pela Magna Editora. E este post é um convite a todos os que aqui me lêem para que compareçam neste lançamento. Terei imenso gosto em contar com a vossa companhia. A entrada é, logicamente, livre. E pronto… é só isto…
posted by Paula Raposo
(... E eu também por lá direi uns poeminhas...)

Convite 3


Etiquetas: , ,


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:02


outubro 09, 2006

Em Miranda do Douro houve trigo



Por Miranda passámos. Houve encontros, desencontros; risos e queixas, como quando muitos humanos partilham um espaço...

Mas prevaleceu sempre - corrija-me quem assim não julgar - a tentativa de abrir janelas de vida entre cada um dos participantes.

Não se tratou, apenas, de lançar o meu pequeno livro no mar tumultuoso do acaso, mas sim de o fazer por entre uma corrente de afectos, num recanto ainda mal conhecido de Portugal, mas que tem essa bandeira maior de ter sido capaz de criar e sustentar uma língua - hoje oficial - talvez por combate, talvez por teimosia, seguramente por afirmação do direito à diferença, que a todos nos enriquece.

Na verdade, a larga maioria da cerca de uma centena de amizades que se uniram a mim neste desafio nunca visitara o planalto transmontano, neste seu recanto mais recôndito.

Congratulo-me, pois, por ter aberto essa janela florida, lançando, apesar do tempo escasso, sementes de curiosidade e pistas para a descoberta.

E porque todo o acontecimento se produz graças à abnegação solidária de poucos (mas bons) para que muitos disfrutem, aqui fica, com um abraço imenso, o reconhecimento e agradecimento públicos aos meus grandes amigos Alberto Nobre, de Sendim, a quem todos ficamos a dever a presença graciosa dos gaiteiros e tamborileiros de Palaçoulo e a organização daquele precioso jantar e ao Edgar Dolgner, pela disponibilidade e brilhante exposição na visita guiada ao Aproveitamento Hidroeléctrico de Picote, no Barrocal do Douro.

VER FOTOGRAFIAS AQUI

Etiquetas: ,


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:23


outubro 04, 2006

La Lhéngua Mirandesa

E lá me vou até Miranda do Douro, terra dos meus afectos e da minha "nineç"...

Desta feita, levo comigo setenta amigos, em preito de homenagem a quem teve artes de sustentar a diferença e o seu direito a ela. Por lá apresentarei o meu livro "Havia Trigo", em versão bilingue (português e mirandês).

Até para a semana. Deixo-vos com a lhéngua mirandesa:

La Lhéngua Mirandesa, doce cumo ua meligrana, guapa i capechana, nun yê de onte, detrasdonte ou trasdontonte mas cunta cun uito séclos de eijistência.

Sien se subreponer a la "lhéngua fidalga i grabe" l Pertués, yê tan nobre cumo eilha ou outra qualquiêra.

Hoije recebiu bida nuôba.Saliu de l absedo i de l cenceinho an que bibiu tantos anhos. Deixou de s'acrucar, znudou-se de la bargonha, ampimponou-se para, assi, poder bolar, strebolar i çcampar l probenir.Agarrou l ranhadeiro para abibar l lhume de l'alma i l sangre dun cuôrpo bien sano.

Chena de proua, abriu la puôrta de la sue priêça de casa, puso fincones ne l sou ser, saliu pa las ourriêtas i preinadas...

Lhibre, cumo l reoxenhor i la chelubrina, yá puôde cantar, yá se puôde afirmar. A la par de l Pertués, a partir de hoije, yê lhuç de Miranda, lhuç de Pertual.


Texto de Apresentação do Projecto Lei de reconhecimento dos direitos linguísticos da Comunidade Mirandesa.
Assembleia da República
Lisboa, 17 de Setembro de 1998

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:44


outubro 03, 2006

Bestiário

Dos jornais, de 03 de Outubro de 2006: “os caracóis são peixes de água doce”, afirmação constante na legislação comunitária que sustenta a manutenção de subsídios às quintas de caracóis francesas…


um caracol dá em peixe
um chuvisco em trovoada
uma alforreca em desleixe
cruza as pernas na esplanada

um gato que não é cão
uiva e ladra aos quatro ventos
arengando até mais não
quando lhe afagam lamentos

o bacalhau do sustento
é peça de fino trato
e pelo mesmo espavento
vai o carapau do gato

o pelintra chico-esperto
com padrinho e de gamela
prédio a prédio é mais que certo
ter comenda e vida bela

ninguém dele fica seguro
de sequer valer um chavo
mas é cão – é mula – é duro
pantanoso é pato-bravo

rataria é já família
os porcos são bons dadores
cágados vão p’la mobília
tudo engenheiros - doutores

na urbe o cão proletário
vadiando o doce embalo
tropeça num dromedário
dando chutos no cavalo

pelo andar que isto leva
tenho por certo e sinistro
que bruto sem saber peva
irá de burro a ministro

p’ra tanto lhe bastará
ter padrinho e bom cangaço
fretes dando ao deus-dará
jeitinhos de torcer braço

nem se leve ao bicho a mal
tanta cruz tanta agonia
que frete a frete afinal
depressa lhe rende o dia

e tanto sapo engolido
sem irmos à desobriga
p’lo beijo do conto lido
cresce-nos rei na barriga

por tanto vamos vivendo
contentinhos que nem ratos
pouco temos nada tendo
neste quá-quá-quá de patos

na labuta quais formigas
na alegria tais cigarras
felizes estamos p’las migas
ao som quente das guitarras

e há ursos – há camelos
bezerros pelas touradas
crescem a todos os pêlos
mas em todos há peladas

e chocas são mais que muitas
bestas que o povo consente
sejam às riscas - às pintas
tudo vai p’lo inteligente

chatos – pulgas – carrapatos
sanguessugas e carraças
há que dar corda aos sapatos
e fugir deles… cu’mò caraças!


- versinhos de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 16:10


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017 Agosto 2017 Setembro 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas