<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
janeiro 31, 2008

Convite


Hoje, dia 31 de Janeiro, pelas 16 horas
na Livraria-Galeria Municipal Verney, em Oeiras,
poemas meus de bem dizer e mal dizer.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:46


janeiro 30, 2008

nem a remodelação foi modelo...

Não foi um modelo de remodelação neste novelo de governação.

Nem foi remodelação, foi saturação,

foi um não querer mais, foi só demissão.

Se houvesse jograis com um verso à mão diriam que não

que não foi nenhuma remodelação...

depois da cegueira a obstinação,

nesta nossa ordeira obstipação

e fica-se assim de triste maneira a nossa nação


com certa razão alguém nos diria

que a remodelação foi anestesia

e assim perdemos todos mais um dia


e do que lá vem ao que lá virá

vai-se do deus-quer ao que deus-dará

que muito bem estamos todos nós por cá…

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:55


janeiro 28, 2008

fotografando o dia (100)



uma réstia só de azul
um estendal só de esperança
uma varanda no sul
de uma brisa de bonança
uma luz que pinta as casas
que não vem do candeeiro
ah que ao beco nasçam asas
p’ra voar pelo mundo inteiro

- foto e poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:21


janeiro 24, 2008

falando, outra vez, de pequenas coisas, verdadeiras ninharias...

Segundo a VIP (nº 549, de 23 de Janeiro), Ana Maria Vinhas abandona a redacção da TVI para integrar a Direcção de Marketing e Comunicação da EDP, passando a auferir cerca de 6.000 euros mensais, mais telemóvel, mais carro topo de gama, mais prémios de produtividade e etc..

Quem mo disse - e eu confirmei na revista citada - foi a senhora encarregada da limpeza do meu estaminé, coitada, que trabalha a tempo inteiro, mas às horas a que os outros dormem, para arrecadar € 390 por mês.

Entre outras particulares razões, a ex-pivô do Jornal Nacional da TVI - como nos vão dizendo as "fontes geralmente bem informadas" - casada recente, quer engravidar e (cito a VIP) "agora, com o emprego na EDP, passa a ter uma vida mais calma e com horários mais certos, propícios a uma vida familiar mais estável"...

Bom, eu não tenho nada com isso, pois a EDP paga o que quiser a quem quiser e, a haver alguém a pronunciar-se, serão os seus accionistas. Também da boca da própria não ouvi nada concordante com tal notícia, que até pode ser boataria da grossa, mas, a confirmar-se, é de esperar esclarecimentos ou desmentidos por parte da EDP.

Sim, que isto de se entrar numa empresa que se apresenta - ela sim e com aparente legitimidade - como topo de gama no sector energético internacional, para ela (a empresa, claro) andar a recrutar altos quadros para disfrutarem de uma vida calma, com horários mais certos e propiciadores de uma vida familiar mais estável por aquele preço, pode desencadear, por um lado, uma corrida desenfreada às cunhas, e por outro - e bem mais grave - uma desvalorização galopante na Bolsa, por óbvio descrédito quanto aos superiores objectivos que norteiam a privada empresa nacional da energia.

Aguardemos, para ver... se é que há algo de novo para ver.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:53


janeiro 23, 2008

a menina fuma?...

nota prévia - pela primeira vez, na existência deste blog, vai ser anunciada a concordância - ainda que circunstancial e muito relativa - com uma medida legislativa do actual governo, com explicação de porquês.
*
Não, nunca fumei... Pelo menos, nada daquilo que possa chamar-se fumar. Experimentei, menino e moço, as (então) inevitáveis barbas de milho, percorri uma passagem fugaz por uns Kentuky, apaladei uns Provisórios e não me deixei convencer pelos Definitivos. Na boca ficava-me, invariavelmente, um travo amargo e seco e, na parca semanada, um rombo enorme.

No fundo, não achei especial pilhéria àquilo e não se me deu em fumar - do meu, claro, que cigarrito dos outros levo já uma vida de fumaças, ainda que sempre condescendente e certo de que, a ser vítima de cancro do pulmão, ficaria a devê-lo, em grande parte, a alguns dos meus melhores amigos. Muitos deles, lamentavelmente, padecendo já de insuficiências respiratórias mais ou menos crónicas.

Claro que, por outro lado, esta falta de vício me coarctou um mar de possibilidades, ao longo da vida, de meter conversa, activa ou passivamente, com toda a moçoila que pairasse ao alcance do olhar e sob a batuta do vício, consubstanciada nesse arquétipo da conversa de engate: "- A menina fuma?..." (entenda-se aqui "engate" na mais nobre acepção do relacionamento humano, claro...). Mas aprendi a viver com esse handycap, que terá, porventura até, suscitado outros desafios para originalidades na abordagem.

Quem não conhece aquele que, não fumador, não deixa de trazer consigo o indispensável Zippo, que esgrime com donaire sempre que incauta donzela desembainha, imprevidente e em público, o seu cilindrozinho com filtro? E então quando era com a caída-em-desuso boquilha...

Pior, ainda, o que se dá ao deslumbramento de ser portador de cigarreira munida de refinadíssima marca, facultando dessa forma o fornecimento completo - mecha e fogo - que propicie mais especiosos avanços, nem que para tal se sacrifique, ele próprio, a umas quantas inalações solidárias, dando-se ao chique requintado de apagar o seu fumante à terceira passa!

No fundo, no fundo, é esta invasão dos prazeres por parte da etiqueta que subverte, como tanta vez e em tanta circunstância, a fruição plena da coisa.

Por estas e por outras, por aquilo que sai dificultado no enredo da sedução, é que pode vir a ser funesta esta actual legislação anti-tabágica. Quanto ao mais, das bolsas privadas até à saúde pública, creio que ficamos todos a ganhar.

Factor, por último, não despiciendo: de todos os melhores e mais cuidadosos fumadores que conheço há um efeito colateral a que nenhum, invariavelmente, escapa e que é a também colateral poluição, não aérea esta, mas mais terrestre. Na verdade, para onde vai a tirazinha de papel quando se abre o maço? E, depois, a cinza? Mais tarde, a beata? E, por fim, o amachucado maço vazio? Para cima da bela, inocente e conspurcada calçada portuguesa, claro!

E aqui está um curioso efeito do tabaco, ainda não estudado pela ciência contemporânea: o fumador - e, repito, até o mais escrupuloso - não se dá conta da cagada que está a perpetrar. Terrível e assustador! (Vá lá, quem nunca pecou, pode desatar à pedrada...)
*
notas finais - E é bom que se diga que, na concelebrada "naite" que faz as delícias de tantos, a minha relativa experiência mostra que, mais coisa, menos coisa, já estão a aparecer cartõezinhos azuis (de permissão de fumo) em muito mais sítios do que aquilo que seria imaginável. Nós temos sempre aquela extraordinária capacidade adaptativa que define os sobreviventes - mesmo que se trate aqui de propiciar a mortandade colectiva!...

Quanto ao dinheiro gasto, estamos conversados. Se, por um lado, cada um faz do seu o que muito bem lhe aprouver, certo é que está a meter uma bela maquia nos bolsos do Estado em cada maço adquirido. Maquia essa que, por imensa que seja, dificilmente sustenta os custos que, em termos de saúde, o Estado dispende com as maleitas provocadas pelo tabaco... O que é, convenhamos e salvo melhor opinião, uma redundância bastante irracional.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 16:35


janeiro 21, 2008

ah, grande Lisboa!... (11)


são caras, senhor, são caras
são caras de Portugal
se não escutas nem paras
as caras levam-te a mal

são caras de tal sucesso
são caras de chamariz
são caras sem abcesso
sem verruga no nariz

são caras de faz-de-conta
lançadas ao mundo a eito
se as não tomarmos de ponta
parece o mundo perfeito

com a escola indigente
vivo bem sem hospitais
cá por mim estou tão contente
há caras, que quero eu mais?

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:04


janeiro 14, 2008

noites com poemas - a poesia dita popular


- Cartaz de Alexandre Castro



Na próxima 3ª quarta-feira do mês, desta feita calhando a dia 16, como habitualmente vai para três anos, terá lugar uma nova sessão de Noites Com Poemas, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana, com início pelas 22 horas.

Desta vez, o nosso convidado especial é o Professor José d'Encarnação, que propôs como tema "Da Poesia Dita Popular".

A entrada, como sempre, é livre. O espaço, também. Quem vier pode trazer um poema (ou vários...) e haverá um tempo para o partilhar com os demais.

traz um poema e um amigo

dá-lhe voz e nada temas

que o dia se faz contigo

feita a noite com poemas

*

Grande dúvida

Alguém me disse, há muitos anos, citando Isaac Newton (pois, aquele que levou com uma maçã na pinha lá pelo século XVIII...): "Mesmo que eu soubesse que o mundo acabaria amanhã, ainda assim plantaria uma macieira".

Eu achei a abordagem curiosa e adoptei-a como lema para filosofia de vida.

Até que nasceu a internet e, a par de muita liberdade, multiplicaram-se, também, os factores de confusão. Ainda recentemente, percorrendo o universo da rede, apurei que, afinal, o autor daquela frase é nada mais nada menos que Martin Luther King (séc. XX)... Ainda mal refeito do choque, apuro que alguém refere a frase como sendo da autoria de Martinho Lutero (séc. XV).

Que possa haver aqui confusão de maçãs entre o Newton que levou com o fruto, até ao Luther King cujo discurso está disponibilizado pela Apple ou, ainda, com o nome de Luther, que tanto pode ser o King como o Martinho... o meu coração balança.

Alguém sabe, afinal, quem é que se lembrou das maçãs neste contexto? Por favor, faça a caridade de mo dizer nos comentários. Obrigado.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:58


janeiro 13, 2008

ah, grande Lisboa!... (10) - La Farse Manouche


Preciosidades - para quem diga que passo a vida a dizer mal, o que nem é verdade, mas não faz mal porque, por enquanto, eu vou dizendo o que dá na veneta... - e sugestão: se ouvirem falar do grupo La Farse Manouche, vão lá ver e ouvir e, depois, digam-me de vossa justiça.

Como anunciado em entrada anterior, na Sociedade Guilherme Cossoul, em Lisboa, assisti a uma sessão de jazz com este terceto (na foto, o guitarra Nuno Serra). Sugestões de Django Reinhartdt, inspiração em Biréli Lagrène, dois guitarras e um contrabaixo garantem a festa. Garanto-vos eu que saí de lá sem me doer nada e mortinho por saber onde será a próxima. Terapia ocupacional urbana do melhor.

No intervalo até se me deu para um "repente":



se ao som de notas me embalo
se noto em mim este som
porque não hei-de escutá-lo?
porque não sentir-lhe o tom?
porque lá falar eu falo
porque falar é um dom
mas ouvir é um regalo
que dá ao vento a feição

se ao som de notas me embalo
se eu bailo até mais não
se houver um céu vou tocá-lo
de pés assentes no chão

e na música revolta
que vai de mim ao infinito
hei-de em cada nota solta
soltar a voz com que grito


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 20:00


janeiro 10, 2008

jamé, jamé!...

- Esta indecisão de Suas Excelências é susceptível de provocar perturbações no mais avisado... Tanta certeza, tanto jamais, tanto deserto e tanto camelo, vai a ver-se e dá nisto. Não pode um cidadão confiar em ninguém. Abençoadas mãos caridosas que guiaram tanta cegueira, tanta imponderabilidade... E foi acto de caridade, que ainda hei-de ver o freeport de Alcochete ir, de joelhos, reverencialmente a Fátima.

Estava capaz de ensaiar um passinho de dança ao jeito popular:

Juraria ter ouvido
A decisão do ministro
Mário Lino pela Ota
Afinal foi um falsete
Indo da finta à batota
Sócrates quer Alcochete


Já não sei se faz sentido
A cantiga do bandido
Manobrada a toda a hora
A ver bem por este andar
Inda descobrem j'àgora
Ser melhor no alto mar…

- acróstico de Jorge Castro

*

Ainda a tempo de um bom início de fim de semana:

Hoje, à noite, pelas 21h30,

na Sociedade de Instrução Guilherme Cossoul

-Av. D. Carlos I, nº 61 - 1º, em Lisboa -

Alcides Miranda (guitarra)

Nuno Fernandes (contrabaixo)

Nuno Serra (guitarra),

inserido nos Encontros de Jazz, La Farse Manouche.

Música, pois. Toujours, toujours!...


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:29


janeiro 09, 2008

nem referendo, nem vergonha, nem Sócrates...

Parece-me evidente que, depois de tanta encenação, Sócrates não se arriscaria a correr o mais ínfimo risco de que um referendo, em Portugal, chumbasse o novo Tratado. Poder admitir o contrário é que me pareceu, desde sempre, algo néscio.

De Lisboa, já viram bem? Quanta glória imediata para quem enferma deste provincianismo militante de julgar que o título bastará para a nossa glorificação futura na História.

Curiosamente, dou por mim pouco ralado com esta aldrabice do Tratado... Ou também já estou a sofrer os efeitos das anestesias, ou é o meu inconsciente que, mais clarividente do que eu, já sabe que mais tratado, menos tratado, tudo irá seguindo o seu caminho: de um lado quem quer, do outro quem pode.

O que me interessa reter é, tão apenas, o seguinte: o referendo ao Tratado foi uma promessa eleitoral de Sócrates, com base na qual, entre outras, o bom povo português lhe proporcionou a maioria absoluta. Ponto final e não se fala, também, mais nisso.

Ele sabia bem ao que ia quando fez a promoção que fez durante a presidência europeia. Obviamente não iria deitar tudo a perder com uma eventual nega do bom povo português, algo imprevisível em momentos cruciais, o que iria criar um embaraço insustentável aos nossos queridos (des)governantes.

Os seus pares podem estar seguros: Sócrates não os trairá.

Da mesma forma, os portugueses podem estar seguros: Sócrates trai-los-á sempre que lhe for preciso ou conveniente.

Ninguém tem, pois, razões para andar enganado.
*
Amante fervoroso da liberdade, não cesso de me abismar com a estultícia do homo sapiens democraticus revelada em algumas formas que descobriu para atingir a chamada democracia representativa.

Aí está a campanha dos EUA. Os candidatos "democráticos" estoiram fortunas para ganharem posição sobre os outros candidatos... "democráticos". Os candidatos "republicanos"... fazem o mesmo em relação aos "republicanos".

No fim, o melhor de cada lado corre o risco de vir a ser vencido pelo (finalmente) suposto adversário não nas urnas, mas através de uma golpada administrativa qualquer, como aconteceu com Al Gore. O povão, entretanto, por lá anda...

E o mundo todo tão necessitado de recursos que assim se malbaratam em palhaçadas.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:37


janeiro 05, 2008

fait divers, que é como quem diz
factos diversos...

ensino de burka? ensino de borco? ensino burocra?...

Garanto-vos! A imagem abaixo apresenta um espécime de pessoal docente lusitano contemporâneo, obrigado a estar tanto tempo no ambiente soturno da escola onde faz reuniões, trata de papeladas e, nos tempos livres, dá aulas, que facilmente se ofusca quando tem uma nesga de oportunidade para ver a luz do dia...

felizmente há luar... e vaidades

Tenho andado perturbado, vai para cima de uma semana, porque estou sem saber por que cargas de água é que um tal Carlos Paredes tem andado baldado aos treinos do Sporting, em Alcochete. Perturbado, mais na perspectiva de tentar perceber o que é que eu tenho a ver com isso, para tanto jornalista andar nesse afã de perder horas e de mas fazer perder a mim com tão momentosa notícia.

Claro que imagino, na minha supina ignorância das coisas dos futebóis, que este Carlos Paredes nada tenha a haver daquele outro que nos delicia, recriando imaginários em tons ardentes de guitarra portuguesa e de quem tão poucos jornalistas falam...

Aí, a redenção: um amigo presenteia-me com mimo natalício, que me envaidece. E conta-se em duas penadas: tendo participado na organização de uma caminhada pela Serra da Arrábida, durante o repouso dos caminheiros em pleno areal, frente ao mar e em exercício de descontracção, promoveu esse meu amigo uma leitura colectiva do meu livro Sopa de Pedras, com agrado geral dos circunstantes, segundo relato que me fez chegar.

Estou vaidoso, claro. E embevecido, também. E quem nunca pecou, antes de lapidar alguém com fúria desconexa... que vá atirar pedras ao mar, que isso passa-lhe!






- fotos de
Maximiano Miguel


ontem, hoje e amanhã... ou como adorar os doces deuses caseiros

Não há muito tempo, abrir uma escola era motivo de orgulho nacional. Hoje, há quem se orgulhe e vanglorie de a fechar.

Não há muito tempo, preocupávamo-nos com a dificuldade em promover a saúde ao alcance de todos. Hoje, há quem contabilize os mortos por falta de assistência como meros acidentes de percurso.

Não há muito tempo, o público e o privado eram zonas eticamente imiscíveis. Hoje, há quem os considere parceiros de um swing deliberadamente obsceno e consensualmente apetecível.

Não há muito tempo, a justiça social era conceito que passava pela justa remuneração do trabalho ou da luta por esse objectivo. Hoje, há quem considere que um gestor pode auferir balúrdios pela 'dignidade' da sua função - que, na generalidade, se traduz em malbaratar dinheiros públicos e promover alucinados lucros privados - enquanto ao 'colaborador' (termo cretinóide e embusteiro que esses gestores da treta aplicam a quem trabalha) lhe basta sobreviver no limiar da indigência.

É, aliás, curioso e formativo ouvir entendidos de meia-tigela assegurarem que no 'mercado livre do trabalho', quando um trabalhador perde um emprego, ao mudar para outro (milagre, desde logo!) é natural que vá auferir de um salário inferior. Sempre vai começar algo novo, sem experiência, e tal...

O mesmo entendido da mesma meia-tigela considera, da mesma forma, natural que, sempre que um gestor rode de um poleiro para outro, vá sempre ganhando um pouco mais... quiçá por uma ordem divina das coisas e por uma lógica transcendente, que distingue o mundo e o divide com a aplicação de deuses de conveniência em função dos cargos desempenhados.

Equívocos, porventura. Embustes, seguramente. Eu, cá por mim, assisto à beleza constante de um pôr-do-sol que não há muito tempo era assim belo e que, hoje, continua a sê-lo... E, enfim, com toda a presunção que a água-benta me permita, não me tenho muito na conta de reaccionário, mas, humildemente, qual soldado Chveik do Jaroslav Hasek, aqui me deixo à avaliação de algum entendido...


- foto de Jorge Castro


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:54


janeiro 01, 2008

fotografando o dia (99)
2008, cá estamos!

Os mais longos voos, sobre as marés vivas em que voamos



os dias passam num novelo de ondas
e o que deles retemos é esse voar
que nos vem de longe
da luz das estrelas
transformado em asas
de poder sonhar

- foto e poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 08:58


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas