<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
setembro 30, 2008

fotografando o dia (110)


claro-escuro na paisagem
corro de encontro à miragem
num arroubo feito urgência
ímpeto quase demência
de haver mar mais além
onde a voz da minha mãe
me chama quase a chorar
receios de tanto mar
que por correr
me pertença

- foto e poema de Jorge Castro


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:04


setembro 27, 2008

CRAMOL no Mosteiro dos Jerónimos



Amanhã, dia 28 de Setembro, pelas 11h30 da manhã,

nos claustros do Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa,

o CRAMOL

A não perder!

*
E, pelo menos eu, não perdi!


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 18:34


setembro 26, 2008

lição de economia de mercado...

Acabadinha de receber, sem autoria anunciada, mas com uma abordagem que só pode ser científica, pelo menos... E, como eu me farto de dizer, não percebendo nada desta treta da «economia de mercado», todas as achegas para uma melhor comprensão são bem recebidas.

Então cá vai, com publicidade explícita e tudo, que o tempo não está para vergonhas, já que o rei vai nuzinho de todo:

- Se tivesses comprado, há um ano, 1.000 euros em acções da Nortel Networks, um dos gigantes da área das telecomunicações, hoje terias 59 euros...

- Se tivesses comprado, há um ano, 1.000 euros em acções da LucentTechnologies, outro gigante da área das telecomunicações, hoje terias 79 euros...

- Agora, se tivesses comprado, há um ano, 1.000 euros da Sagres (em CERVEJA, não em acções), tivesses bebido tudo e vendido as garrafas vazias, hoje terias 80 euros.

CONCLUSÃO - No cenário económico actual, perdes menos dinheiro se ficares sentado a beber Sagres o dia inteiro...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:43


setembro 24, 2008

Fernando Carvalho expõe em Cascais

Fernando Carvalho, companheiro recente de aventuras poéticas e fotográficas vai expor, individualmente pela 1ª vez, trabalhos de pintura, visando a forma geométrica e a cor.

Gostaria de nos ver na abertura da exposição – dia 26 de Setembro 2008 (6ªf.) a partir das 18h e até às 20h.

Entretanto, esta exposição poderá ser visitada até 21 de Outubro:
- 2ª a 6ª f. – das 9h às 17h
- sábados - das 15h às 19h

na Galeria da Junta de Freguesia de Cascais
Largo Cidade de Vitória ( junto à Farmácia Cordeiro )
CASCAIS telef. 21 484 95 50



Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:24


setembro 23, 2008

para a galeria dos ícones


Tem de haver alguma religiosidade em nós para sustentarmos, com afã e sem esmorecimento, a luta contra a adversidade...

Ontem, os pães e os peixes. Hoje, os «migalhães». Assim, miraculosamente, alcançaremos a redenção e será nosso, seguramente, o reino dos céus - e nem será necessário envolver a TAP ou a FA! Bastará uma angélica prova de Matemática e foguetório.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:46


setembro 20, 2008

Sócrates. Pinóquio, Bob Dylan e a esquizofrenia

Nada indiciaria eventuais ligações perigosas entre estas personagens de mistério...

Mas eis que Sócrates, confrontado por jornalistas acerca da descida do preço do crude e da manutenção dos preços da gasolina, em Portugal, chuta para canto e filosofa que o problema é a nossa grande dependência do petróleo e informa, com traquinice e denotando já algumas aulas de inglês de permeio, que a resposta «is blowing in the wind», trauteando o Dylan, referindo-se à necessidade imperiosa de apostarmos na energia eólica e, possivelmente, se o discernimento a tanto chegar, na energia das ondas.

Ora, o mesmo Sócrates, logo a 17 de Setembro, refere que «o conjunto de investimentos previstos para Sines nos próximos anos mostra que está de regresso o sonho de termos aí um dos maiores complexos petroquímicos do mundo».

Isto e o anterior foi dito de viva voz e pelo próprio, a menos de 24 horas de distância, e com a mesma ênfase, pelo que não deixa grandes margens de dúvida quanto à deriva da personagem.

Sócrates é assim e pronto. Diz o que lhe é útil em momento dado. Podemos chamar-lhe Pinóquio antes do arrependimento, abismarmo-nos com as suas evocações dos anos 60, denunciar-lhe os tiques esquizofrénicos... que ele não deixa de ser assim!

E pronto! Venha outro, que este já vimos. E, pelo menos eu, não compro.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:44


setembro 19, 2008

A propósito da Poesia Para Todos, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana

Carlos Carranca esteve em casa! E trouxe causas e coisas, Coimbra na sua voz. E com ele trouxe António Toscano (guitarra) e Teotónio Xavier (guitarra portuguesa) e a eles juntamos a nossa voz e parecia que a noite não estava ali para acabar.

Desengane-se quem pensar que tudo está dito ou feito. A palavra continua a ter o seu lugar, preciso, imperioso e urgente, e a ser o elo de união contra o abandono e a solidão. A palavra somos nós!

Uma palavra também, esta de agradecimento, à Directora da Biblioteca, Helena Xavier, pela disponibilização daqueles espaços e pelo seu empenho.




















A organização e dinamização destes encontros, que partilho com a Lídia Castro e com a Lourdes Calmeiro, tudo fica a dever, também, a todos quantos nos vão habituando à sua participação empenhada e, mais do que activa, já quase militante.
Eles aí estão, a darem-nos ânimo e vontade de continuar. Bem hajam!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 06:48


setembro 17, 2008

Noites Com Poemas, com Carlos Carranca

As Noites Com Poemas, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana, alteraram dia e hora, tentando acertar o ritmo com diversos pedidos que nos vêem sendo dirigidos.

Assim, passaram para as 21h30 das terceiras quintas-feiras de cada mês.

A do próximo dia 18 de Setembro contará com a presença do professor Carlos Carranca, que nos falará A propósito da poesia para todos.

Algo me leva a pensar que Coimbra estará presente através do som de guitarras...

O espaço é livre. A presença e participação de cada um é necessária. Eu quero contar convosco.

A propósito (ou talvez não), um poema:

o poeta às vezes chora
das risadas que não dá
(lembrou-me o Ferreira agora
«- o teu rebanho onde está?»)

por mágoas
por descaminhos
por duras fragas sem ninhos
pelo mais ao deus-dará
o poeta às vezes chora
no anseio de uma aurora
que nem sabe se virá

mas vem
que o dia dá tréguas
como nos prados
as éguas
dão potros como quem dá
um alento novo à vida
mesmo com lobos
desdouros
desgraças de matadouros
e o mais que eu sei lá

então o poeta chora
a rir-se
do oxalá.


- poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:12


setembro 14, 2008

fotografando o dia (109)


há sombras nos bastidores
do futuro que sonhamos
e se uns temem horrores
por haver da terra amos
outros vão pelos melhores
caminhos que inventamos

lado a lado sem temores
que os caminhos
os amores
o futuro que encontrarmos
hão-de sempre ser maiores
se o rasto que nós deixarmos
for das flores
desses amores
das melhores que cultivarmos.

- fotografia e poema de Jorge Castro

sobre instalação de Pedro Valdez Cardoso, «Time changes everything», 2008


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:59


setembro 11, 2008

alguns disparates sobre o Ensino que me ocorrem ao ouvir tantos disparates sobre o Ensino...

Um professor do Ensino oficial deve ter, como qualquer profissional, as suas competências. Neste caso, perfeitamente definidas e parametrizadas pela entidade para a qual presta serviço: o Ministério da Educação.

Uma e outra vez, ano após ano, a pesada máquina burocrática do Estado exigiu que cada professor declarasse as suas habilitações académicas para aceder a concurso de uma área lectiva específica e limitadíssima, em termos das tais habilitações literárias, condição sine qua non para garantir acesso à arte nobre de ensinar através dos malfadados concursos.

Com os tempos muito «modernos e tecnológicos», que assumiram algum fulgor com a Dona Manuela mas bateram forte com a Dona Maria, surgiram novas «lógicas» e preceitos que tudo subverteram, mandando às urtigas o edifício caótico que era o ME... para criarem outro tão caótico como este.

E começa a ouvir-se falar, com insistência suspeita, de polivalências.

Para promoverem a «polivalência» do pessoal docente - «polivalência» intimamente associada a conceitos (discutíveis) da mais estreita economia de meios e poupança de recursos, a que se chama abusivamente «racionalização», entenda-se... - passaram a promover algo que recorda um daqueles falsos silogismos que faziam as nossas delícias nas aulas de Filosofia: uma mesa tem pés, quem tem pés, tem dedos; quem tem dedos, tem unhas; ora, como quem tem unhas, toca guitarra, nada impede que uma mesa toque guitarra.

E eis os professores, mais ou menos titulares, transformados em guitarristas...

Não terão mesa, que as condições de trabalho são parcas, quando não porcas. Mas têm cátedra e, como é sabido, as cátedras também têm pernas, e quem tem pernas, tem pés, etc., etc.

Com uma oferta ilimitada de licenciados, sem destino nem futuro, a criar uma base amorfa e acrítica de carne para o canhão deste experimentalismo duvidoso, o futuro apresenta-se radioso para os mentores destas bizarrias.

Assim, a nova «lógica» tende a aproveitar os professores não através dos conhecimentos que os enformam, mas tão só pelo facto de serem... professores, prontos para todo o serviço, leccionando não em função das suas competências, mas sim em função das «apetências» de entidades mais ou menos oficiais, mas estranhas, no geral, ao ambiente da própria escola.

O modo abstruso como a sociedade portuguesa «evolui» também propicia o acomodamento quase diria sorna dos pais a este estado de coisas: descarregam-se os putos na escola, lá pelas oito da matina, o que dá tempo para uma bica antes de picar o ponto, e levanta-se o produto lá para as dezanove horitas, a tempo do telejornal e da telenovela. E até já trazem os TPC feitos!

Mas isto vai!... Daqui a uns anitos, qualquer professor do ensino básico público (e privado), em Portugal, fará inveja ao Leonardo da Vinci, com a gama de competências de que estará imbuído. Algumas de que o próprio Leonardo nem sonharia, como o de carpinteiro de toscos, pintor de paredes ou empregado da limpeza...

Também dificilmente se encontrarão baby-sitters mais qualificados e por tão baixo preço.

Espero bem - eu que vou entrando na idade - que esta filosofia vingue em estabelecimentos de ensino para a terceira idade. Vamos todos para a escola, que eles lá tomam conta de nós.Vejam lá o que vamos poder poupar em lares!


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:05


setembro 08, 2008

Fui a Miranda do Douro

No fim de semana que passou fui a Miranda do Douro, participando no 8º Encontro dos Antigos Alunos do Externato de São José.












A cidade esperava-nos, já alta a noite, com os
nossos anfitriões de atalaia, que a viagem é longa e os viajantes reconfortam-se com estas atenções...








Na manhã seguinte, temos o grato prazer de confirmar que Miranda do Douro se embeleza mais, a cada ano que passa, a bem de quem nela habita e para fruição dos que a visitam...







Procurámos-lhe as imagens retidas na nossa memória...



... buscámos as referências que até ela nos fizeram chegar...
















Reencontrámos as caras e os abraços de velhos tempos que sabem fazer-se sempre novos
.

Aplaudimos aqueles que têm sabido cuidar da nossa cidade.
















Experimentámos honrarias que nos exaltam
...
















Revisitámos os lugares que nos contam e relembram jeitos e modos por onde fomos crescendo...
















Já não chegam a Duas Igrejas nem os apitos dos velhos comboios nem as volutas de fumo denso e negro para o transporte do trigo ou para o aceno da esperança.
Obra do demo, resfolegante e trôpego, enquanto a velocidade não o fazia perder da vista naqueles carris que apontavam para o horizonte!

As pombas desabituaram-se do aconchego dos pombais
...


Mas a Natureza é a mesma e cresce, sem pedir licença, em gritos que quase são perceptíveis até pelos nossos ouvidos humanos, tão dasabituados, também, de ouvir tudo e todos.







O inusitado de uma brejeirice conforta-nos e, de algum modo, redime-nos dos dias sorumbáticos.











Há tempo, ainda, para novos enlaces: as pequenas represas acalmam o ribeirito, adoçam-no da agrura da invernia amealhando-lhe vida para o seco estio... E ele lá vai correndo para o Douro, como sempre. Talvez apenas um pouco mais lento... Mas há-de chegar à foz, que a água sempre corre e, se não a deixam, sempre voa.





As pedras, essas permanecem. Lá estão, compenetradas do seu papel, organizadas pelos homens que as talharam. O tempo as molda. As reorganiza.

Aos poucos vão-se assemelhando ao demais fraguedo, para que as nuvens as não desprezem.

Sim, que elas, as pedras, já viram muito para se deixarem convencer pelas ilusões de passagem por dá cá aquela palha...



A mim basta-me apenas a certeza de que sempre regressarei à minha terra de afecto.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:05


setembro 04, 2008

algo estupidamente perverso...

Case study 1 -

Tem de haver algo de estupidamente perverso na lógica de um país em que um arguido-já-condenado-mas-que-recorreu (o que lhe confere um estatuto, no mínimo, curioso...) leve tanto tempo a ser julgado de novo que, entretanto, é posto na rua perante o facto de se ter ultrapassado o prazo de prisão preventiva, por legítima presunção de inocência...

Perverso para o arguido, perverso para a eventual vítima, perverso para as respectivas famílias e perverso para os cidadãos, em geral. Para o réu, admitindo futura condenação por ser dado o crime como provado, é que esta lógica não é perversa.

Considero isto espantoso e digno da marquesa de um psiquiatra, se fosse viável levar um país à marquesa de Psiquiatria.

Case study 2 -

Se o estudo da Sábado, nº 227, de 04 a 10 de Setembro, está correcto - e eu permito-me avançar, desde já, que haverá, porventura, incorrecções várias por defeito, que não por excesso... - em Portugal, onde o salário mínimo é cerca de metade do mínimo praticado nos demais «companheiros de jornada» da Europa, jogar futebol pode justificar auferir-se para cima de € 114.000 por mês; mas ser-se Presidente do Supremo Tribunal de Justiça assegura apenas € 5.957 por mês.

Este tipo de circunstâncias, do conhecimento público, ainda que não circunstanciado, poderá dar sustentabilidade ao Case Study 1, por si só - e por muito que isso magoe as consciências impolutas que povoam os meandros da «inteligência» nacional.

No fundo, como se diz e com hipocrisias à parte, andamos todos ao mesmo, só que as motivações variam, consoante a massa com que os respectivos pães se fabricam. E, aqui, a massa não tem de ser entendida apenas em sentido figurado.

Case Study 3 -

Paulo Pedroso, vítima ou culpado, é ilibado pelo Tribunal - e isso é que importa, se ainda estamos num estado de direito! - e o Estado condenado a pagar indemnização pelo «erro grosseiro» em que consistiu a sua detenção.

Para além de ninguém me tirar da ideia de que esta foi uma das encenações escandalosamente montadas para tramar Ferro Rodrigues, o Estado, provisoriamente gerido pelo PS, acha que não deve pagar e recorre da sentença.

Porquê? Para não se dizer que é favorecimento por se tratar de um militante seu ou, tão somente, porque se tudo correr mal deixam a «bomboca» para os seus sucessores no governo do País? Ou por ambas as razões? Ou por outras que se prendem com o tal «assassinato político»?

Mas o Estado não tem de ser pessoa de bem?

Tenho para mim que não há nada que mais desmoralize a confiança dos cidadãos do que se aperceber de que o Estado, através dos governantes que elege, nestas matérias judiciais, se comporta como um vulgar e reles trampolineiro, apologista da iniquidade e da pelintrice, protelando tanto quanto possível para as calendas o cumprimentos e o pagamento das suas obrigações.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:42


setembro 01, 2008

a propósito do Hospital Ortopédico José d'Almeida, em Carcavelos, para quando, isso da Europa de corpo inteiro?

Com a devida vénia e aplauso, subscrevendo integralmente o que fica dito, solidário nas preocupações como nos anseios, aqui deixo um artigo do professor José d'Encarnação, publicado no Jornal da Costa do Sol, em 28 de Agosto de 2008, a página 4b, activamente à espera de que esta terra tome um diferente rumo, onde ser português faça sentido:

NOTAS & COMENTÁRIOS
Era para os pobres… será?

Em nota distribuída à imprensa, os serviços da CMC informaram – a propósito da recente exposição da maqueta do hospital em construção nos terrenos da bateria de Alcabideche – que «o patrono do novo Hospital será José de Almeida, insigne personalidade médica que se destacou no campo da solidariedade e beneficência».

Pois foi: insigne, solidário, beneficente! E o que deu? Nada mais nada menos que os terrenos e o próprio imóvel (antigo Forte do Junqueiro), em que está instalado o Hospital Ortopédico que tem o seu nome! Atribuir ao novo hospital o mesmo patrono traz, naturalmente, água no bico!...

É que o Ministério da Saúde, seu proprietário, terá em mente desactivar aquela unidade hospitalar, até porque – imagine-se!... – no Plano Director Municipal ainda vigente e gizado ao tempo da maioria socialista na Câmara, aquele espaço está classificado como… de “desenvolvimento turístico”!...

Onde andariam as preclaras mentes do nosso concelho e, designadamente, de Carcavelos, para não se terem insurgido, então, face à – mais que provável – possibilidade de ali vir a ser implantado, em vez da actual unidade hospitalar de méritos consagrados, um hotel ou, quiçá, porque é sempre possível dar a volta ao texto e considerá-lo ‘de utilidade turística’, um condomínio de luxo?!... Aliás, não houve em qualquer sítio um terreno alienado a baixo custo para nele se instalar um hotel, o hotel foi demolido e nele vai surgir um condomínio de luxo?

Pois o senhor doutor morreu pobrezinho, dedicou a vida aos pobrezinhos e criou um hospital para eles. Mas… os tempos mudam, os pobres viram ricos e… um património singular do ponto de vista arquitectónico e funcional em prol das populações corre sério risco – se nós deixarmos – de vir a ser delícia de apenas alguns. Aliás, idêntico perigo ameaça (dizem-me) o edifício do Hospital no centro da nossa vila, propriedade do Ministério dos Assuntos Sociais.

Alguém, ligado a Carcavelos, ao saber desta bem possível eventualidade, sonhou para ali «um espaço museológico vivo, ligado à ‘coisa hospitalar’, com aprazíveis recantos de lazer e de cultura», pois «as infra-estruturas estão lá, o espaço é magnífico e tem História...». É tão bom sonhar, amigo Jorge!

J. d’E.

E se o professor e amigo me permite a ousadia de um apontamento mais, direi que o tal interesse ou desinteresse pela «coisa pública» é, afinal, o que de mais marcante nos distancia da Europa, onde estamos enraizados de corpo e alma, mas cujo florescimento alguns aprendizes de feiticeiro alcandorados ao poder tanto fazem para abastardar, com as monomanias dos campos de golfe e quejandas, em prol da única classe que, aparentemente, lhes merece respeito e atenções, vulgarmente denominada de «os ricaços».

O meu comentário será «radicalóide»... mas aguardo que a evidência dos factos o contrarie.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:45


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas