<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
Outubro 29, 2009

alienação... ou talvez não



Com a devida vénia ao Google, mas sem cobrar nada, também, pela publicidade, aqui deixo o meu abraço a esses nossos ancestrais, Astérix e Obélix, que me deliciaram nas imberbes meninices como na «idade da experiência». Aliás, essa será a diferença subtil entre épocas da nossa vida: a idade das experiências e a idade da experiência... Entendam-se sempre ambas como valores relativos, claro.

Nos jornais, nos noticiários de rádio e tv, mais um atentado, no Médio Oriente, com não sei quantas centenas de vítimas, uma criança a morrer de gripe A ou talvez não, com deficiente assistência ou talvez não, uma mão-cheia de pequenos tubarões da costa portuguesa que foram constituídos arguidos em mais um intrincado mistério que será insolúvel, como todos os mistérios dignos desse nome, em que somos férteis, ou talvez não...

Depois, a xaropada dos futebóis em que apenas me consigo espantar com a capacidade infinita de se poder comentar até ao infinito com baboseiras, lugares comuns e absolutas faltas de senso com os quais, apesar disso, toda ou quase toda uma comunidade se deixa envolver, como se disso resultasse o pão que falta às bocas.

Há um padre pistoleiro, ou talvez não. Uma criança russa abusada por um tribunal português, ou talvez não. Um espectáculo ao vivo feito por um artista ao morto. Há um índice qualquer que regista que o cidadão português pode contar, por vida, com cerca de quarenta e tal anos de felicidade, o que, sendo simpático e auspicioso, é pouco credível.

E há o Astérix e o Obélix, se calhar filhos dos nossos ancestrais avós, mais consistentes, mais reais, mais próximos do que toda aquela chusma de delírios em que os noticiários transformam o nosso mundo quotidiano.

Valha-me uma poção mágica que me proteja da invasão noticiosa, bem mais invasiva do que a romana...


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 14:03


Outubro 27, 2009

o fado, de Malhoa


fado
de ferir como punhais
tempos houve era de amor
ciumeiras
coisas tais

(será hoje
outra conversa
bem mais sonsa
mais preversa
e vem sempre nos jornais)

um Amâncio
uma Adelaide
da facada em rosto aberto
ele canalha
ela mortalha
mas de peito descoberto

se Malhoa
os descobriu
nalgum recanto do céu
mal ele sabe o quanto viu
naqueles dois
que é tanto meu

- poema de Jorge Castro

Anda tanta Amália no ar, que também me achei no direito de fazer uma breve incursão por referências obrigatórias. Não sei se teve algo a ver com uma tomada de posse a que assisti hoje... Mas o mais certo é não.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:00


Outubro 24, 2009

diversos, plurais, úteis

Dir-me-ão que águas passadas não movem moinhos, mas tal não vem ao caso por não ser esse o objectivo desta entrada, o mover moinhos... Apenas apontamentos dispersos de recentes acasos em que me deixei envolver, ao longo desta semana que passou e que representam outros tantos exemplos de que a Terra ainda roda sobre o seu eixo e à volta do Sol e no concerto sideral.

Em Santo Amaro de Oeiras, uma comunidade de moradores promove encontros de vizinhos, cria feiras de bairro, organiza eventos musicais, divulga e protege a miríade de aves que habitam um espaço ainda frondosamente vegetal...

O meu chapéu por tanto afecto. Pareceu-me até, divisar numa velha árvore um discreto sorriso de cetáceo, congratulando-se com tanto desvelo.

Em Carcavelos, reatada a tradição da procissão de Nossa Senhora dos Remédios, a comunidade agita-se, entre fé, devoção ou mera curiosidade, em torno de, afinal, um pretexto mais para as gentes se encontrarem...


... ou as forças vivas darem um ar da sua graça, reconquistando e devolvendo, ainda que por breves momentos, o espaço urbano para outras graças que transcendem a sem-graça do ramerrão quotidiano.


A Banda da Sociedade Recreativa e Musical de Carcavelos que mantém um invejável currículo que ultrapassa a centena de anos.

Num salto à Sociedade Portuguesa de Autores, com o Pedro Barroso e o seu último livro, editado pela editora Temas Originais, caímos no braço dos Contos Anarquistas, expressão de ser e de estar a ver e interferir no mundo à nossa volta...


... num exercício de cidadania partilhada - se me for permitida a redundância - em forma de pequenos contos saídos da alma que temos. Eivados, também, daquele modo danadinho de ser e de estar que nos enforma e que um olhar interessado captou, para próprio e alheio desfrute.


Pela livraria Ler Devagar, foi ontem o lançamento de uma revista de artes, a Inútil. Uma sala cheia de gente que se preocupa com essas deliquescentes inutilidades em forma de música ou poema ou fotografia ou... seja lá o que for que passe pela cabeça de alguém, na qualidade de ser vivente, que lhe basta. Uma coisa Inútil, pois, que não será demais...



Em remate de apontamentos, aquele a que crinhosamente chamarei de maduro, o Michel, que pela Ler Devagar expõe, há largos meses, os seus objectos moventes - que explica e descreve com minúcia a quem mostre interesse em ouvi-lo -, construídos com restos de quase tudo e com os quais reconstrói o tempo, a cidade, o universo.

Deles fala com uma evidência lógica que apenas pressentimos através das suas palavras, mas a que rapidamente aderimos, se o quisermos, com um brilho menino no olhar que mais não é, afinal, do que a cumplicidade que ele busca, para que o seu universo faça sentido...


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:40


Outubro 20, 2009

passeio das mouras (V)

Irei hoje concluir o brevíssimo resumo deste Passeio das Mouras, em que participei, entre os dias 2 e 5 de Outubro, por terras de Lamego, Tabuaço e Castro Daire.


Ainda no dia 4, caía a tarde, e a poucos quilómetros de Castro Daire decidimos, em boa hora, fazer um desvio do caminho principal para um destino não programado, mas cujo nome nos suscitou curiosidade: Moura Morta.

Mal chegados e tivemos pronta confirmação da boa escolha feita. Regressados a uma viagem no tempo, dir-se-ia, ao passar pelo vetusto de construções e empedrado, em que o forte e omnipresente odor a estrume de gado, antes mesmo de tropeçarmos com ser humano vivente, nos dizia estarmos ainda numa comunidade viva.

Pelos demais companheiros de jornada não posso falar, mas, quanto a mim me respeita, dir-vos-ei que tudo se conjugava para me transportar às minhas memórias primordiais, passadas em terras transmontanas dos avós maternos.


Do inusitado da denominação da terra nos falou, em forma de história em verso, a D. Célia Matias, a quem fomos levados por uma embaixada de mocinhas dos seus dez anitos, outra prova da vitalidade da terra...

Talvez a mera intenção de efeito decorativo não o tivesse pensado, mas a mim pareceu-me estar ali um verdadeiro ex-libris da povoação, que nos saudava mal entrámos em Moura Morta...

... Depois, alguns dos responsáveis pelo olor que cobria a povoação entraram em cena, à hora do regresso das pastagens, bamboleando a sua pachorrenta mas determinada caminhada, mil vezes calcorreada, a causar apreensão aos citadinos.

Nem a suave beleza da pelagem fazia esquecer a cornamenta, que parecia atravessar a estreitíssima estrada, de lado a lado...

Dia 5, já próxmos do termo do passeio, foi o momento de visitar o Mosteiro de Santa Maria de Cárquere.

Ali por onde vagueiam lendas de D. Afonso Henriques, fomos espreitar, por detrás do altar-mor, a pedra sobre a qual teria ocorrido o milagre que lhe curou as pernas e salvou o reinado, mandando a boa-fé acreditar que assim teria nascido Portugal, ainda que a prudência aconselhe outros aprofundamentos e estudos que permitam casar a lenda com a realidade, tanto quanto o correr dos séculos o permita.

No segundo altar da nave principal, um misterioso segredo:

- o altar móvel esconde uma série de pinturas murais, das quais não logrei apurar a origem.

Como habitualmente, quem sabia partilhava o seu saber com os demais, em enriquecedoras palestras de circunstância, que deram outro tempero à viagem.

Aproximava-se o remate da aventura. Apeteceu-me colocar aqui, quase como corolário do passeio, a Menina Sol, pintura da nossa companheira de viagem, Aline Daka...

... que veio do Brasil para ser recebida pelas magníficas cores outonais com que os nossos campos se vestem.

Porventura, por estas e por outras, a nossa proverbial fama de hospitaleiros...

Eu dei por mim a jogar ao Jogo do Galo, lançando caruma de pinheiro e bolotas sobre o velho granito da escadaria perto do Mosteiro, pois a cada um a sua arte própria de buscar o segredo das coisas...

... como a Fernanda Frazão nos parece mostrar, sob o olhar aquiescente da Manuela.

Havíamos, ainda de seguir para o Mezio, para uma lauta e tradicional refeição de feijoada de chouriço.

Mas, de algum modo, ficou ali, junto ao Mosteiro de Santa Maria de Cárquere, escrito o encerramento do Passeio das Mouras, reflectido o céu no tanque onde repousavam as flutuantes folhas do Outono, num toque de melancolia que rima bem com estas circunstâncias.


À nossa anfitriã, Maria Estela Guedes (ver TRIPLOV), os nossos agradecimentos por este transporte ao mundo real dos sonhos. Haveria que muito esmiuçar para revelar uma falha na organização e que, afinal, apenas serviria para lhe realçar o brilho de todo o enredo.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:29




(há quanto tempo não recorria ao verso branco...)

nada digo de meu
mas a voz ecoa-me no silêncio dos labirintos
coisas de nada
nexos esparsos na bruteza dos dias
onde a pele se nos muda
no atrito áspero dos caminhos
percorridos

nada digo de meu
mas a fronte lateja-me em cada palavra solta
ali
onde o vento fustiga
a carne viva das falésias
abismo que os meus pés pressentem
atraídos por poentes luminosos

nada digo de meu
mas fere-me esta vontade de gritar
que se rasga na garganta
em tom de fado
encenado por um actor impávido
num palco sem plateia
buscando uma deixa que alivie o olhar
já cego de tantos projectores

por fim
epitáfio

nada digo de meu

de resto
são só palavras o que tinha para vos deixar

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:54


Outubro 18, 2009

sem tempo

há tão pouco tempo
para o tempo
que ao passar por nós
nos leva o tempo
de ter tempo p'ra dar voz
ao nosso tempo

sobrevem depois o vão intento
de não ser em vão o pouco tempo
em que tento
emprestar-lhe um novo alento

mas o tempo a destempo
dá-me tempo
num espaço fugaz
num contratempo
de dizer
afinal
que estou sem tempo

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:30


Outubro 12, 2009

noites com poemas e com Paula Raposo
intervalo no passeio das mouras


Dia 15 de Outubro, quinta-feira, pelas 21h30
- Biblioteca Municipal de Cascais,
em São Domingos de Rana


Convidada: Paula Raposo

Colaboração de Ilda Oliveira, Clarinda Galante e Maria Francília Pinheiro

Tema - Marcas ou Memórias do Vento


Sabem como é... Um dia descobrimos-lhe uma leve penugem, que amanhã é já pluma. Depois, asa. Daí ao golpe da dita tudo vai da vontade, do ímpeto. Um poema a modos que assim, como diria o poeta, logo mais é um poema a modos que ah, afinal ali há coisa.

Ouve-se, diz-se, partilha-se... e nasce um livro. E mais outro. E outro, ainda. Blogs por todos os poros e também já fotografa como gente grande.

Eis a autora. Um dia, o desafio: - Não eras mulher para fazer uma Noite Com Poemas? - Com ajudas? - Claro... as Noites querem-se, também, uma eterna entreajuda.

- Só por isso, já agora lanço um novo livrinho de cordel, da Apenas, nesse dia! Será o Marcas ou Memórias do Vento...

- Ah, é? Então, força! Venham daí. A Paula Raposo não há meio de estar sem escrever. Até parece um nervoso miudinho. Um vício. Uma janela aberta ao mundo, que partilhará com quem muito bem lhe aprouver aparecer.

Depois, o habitual espaço para a troca geral de galhardetes, onde muito me apraz contar convosco.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:42


Outubro 11, 2009

passeio das mouras (IV)

Dia 4 de Outubro - Destino: Granja do Tedo. Tanto quanto se sabe, mais uma reminiscência do já referido cavaleiro D. Tedon.


A povoação, incrustada na serra e na verdura que a recobre, desvenda-nos os recantos encantados que, misteriosamente, vamos sabendo preservar, contra a voragem dos «progressos»...

... ainda que logo alguém nos recorde a quantas duras penas tal ocorre.


Entretanto, a visita trazia «água no bico».

Quem havia de saber (se ninguém no-lo contasse) que, lá por meados do século XIX, uma mulher, Maria Coroada de sua graça, encabeçou um original movimento que, com sede na Granja do Tedo, subverteu usos e costumes - decretando, nomeadamente, o fim dos casamentos -, instaurando uma nova ordem da qual se perderam quase integralmente os ecos?


Deixo-vos uma pista possível: tentem encontrar o Turismo de Tabuaço aberto e perguntem sobre a matéria... Ou, então, mais simplesmente, tentem ouvir da boca dos próprios habitantes da Granja do Tedo que decidiram assumir esta herança, até através da atribuição de toponímia evocativa.


Parece que um velho alfarrábio, descoberto em Paris, nos conta a história. Alguns afortunados possuem uma cópia. Conto vir a ser um desses...


Enquanto isso, fica-nos a grandeza evocativa das pedras - uma vez mais e sempre, aquelas que resistem à voragem do tempo...


Como um velho pelourinho que, enraizado no meio de um povoado, parece pregar naquele chão a sua alma... Talvez que por isso haja por eles um especial cuidado.


A água de um fontanário regista a passagem de um olhar interessado que, vindo de longe, lhe sabe a proximidade...


De novo em viagem, repassámos por um dos flagelos mais recorrentes dos nossos dias: os incêndios. Do dramatismo de um fogo vivo à desolação dos campos ardidos, venha o Diabo e escolha.

Em qualquer caso, este parece ter passado a ser um companheiro constante e não desejado do viajante.
Castro Daire - Ermida - Igreja de Nossa Senhora da Conceição ou das Siglas: construída na segunda metade do século XII, pertencia, segundo parece, à Ordem Premonstratense de Santo Agostinho.

Ora aí está um bom motivo, se mais não houvera, para justificação destas viagens, aos olhos do viajante curioso: saber da existência de uma Ordem Premonstratense...

Para além disso a inevitável curiosidade que decorre da profusão de assinaturas (siglas) que os canteiros espalharam por toda a edificação, a desafiar-nos a inspiração para solver tal atiitude ou o que terá presidido à sua confecção.
No exterior, dir-se-ia o explícito implícito, a agravar a charada que este monumento suscita...

No interior, de novo uma Senhora da Conceição que se apoia no mundo que uma cobra rodeia...


... nem faltando, nesta imagem, o transporte da maçã, numa sugestão que, a meu ver e no que ao meu parco saber respeita, carece de melhor e maior aprofundamento.

Pelo sim, pelo não, o conforto relativo de uma outra imagem que parece reconduzir os conceitos ao seu eixo normalizado.

Perante a originalidade das diversas sugestões e desafios que os - chamemos-lhes assim por facilidade de enquadramento - elementos decorativos suscitavam, as explicações ou interpretações de quem sabe mais sobre a matéria, a trazer literalmente mais luz ao assunto.

No exterior, como no interior, maiores as sombras do que as personagens, cenário que o Sol do fim da tarde propiciava.

E, uma outra vez, nos fica esta perplexidade perante uma grandiosidade e riqueza patrimonial, histórica, que não se pode medir e que não pode deixar de nos correr nas veias e ser matriz do nosso ADN mas que anda tão arredia da nossa cultura hodierna.
Para encerrar este capítulo de tão rico passeio, uma foto de família (incompleta), iluminada pelo fugidio pôr do sol que, pelas serranias, nos foge mais cedo e sem aviso, mas ainda a tempo de criar uma auréola, talvez ténue e fugaz, mas que confere, assim mesmo, diversa qualidade aos que se deixam beijar pela curiosidade e abraçar pelo saber.

Ah, é verdade! Hoje houve eleições. Eu fui votar, claro. Espero que também tenham ido. Hoje estivemos a escolher aqueles que estão mais próximos das coisas de que tenho andado a falar, partilhando convosco este Passeio das Mouras. Aqueles que ficam com a particular responsabilidade de fazer chegar, condignamente, estes testemunhos às gerações vindouras.

Esperemos que eles encontrem artes e saberes para que assim seja, pois, a cada passo dado, me fica mais arraigada essa certeza de que esta coisa da «portugalidade» ainda tem muito que se lhe desvende e muito mais, ainda, que dela se diga.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 19:39


Outubro 08, 2009

passeio das mouras (III)



dia 3 de Outubro - Por Lamego, contámos os minutos para cumprir projectos: bairro do castelo, castelo, catedral e museu...



Pelo caminho, um relance ao Teatro Ribeiro Conceição onde, na noite anterior, decorreu o Filo-Café.

Já nos clautros da Sé Catedral de Lamego. Fundada em 1129, este monumento gótico ostenta sinais bem visíveis das modificações que foram sendo introduzidas, nomeadamente nos sécs. XVI e XVIII, de onde destacaria o claustro renascentista.

Curiosamente, verificámos que, muito ao contrário de muitas vozes, pelo menos por Lamego há uma ideia precisa de qual seja o sexo dos anjos...


... do mesmo modo que apreciámos, nos frisos da porta principal que, na Idade Média, nem tudo era tristeza ou obscurantismo e que, mesmo em lugar sagrado - ou talvez por isso mesmo... - havia boas razões para a vida ser vivida.

Da sua grandeza e monumentalidade estamos conversados. E quem não conhece, já sabe onde fica.

Ah, e ali numa ruinha , do lado direito, a uns cinquenta metros, chega-se a uma casa onde nos podemos (e pudemos!) abastecer com a afamada bola de carne de Lamego.

Pela mão da Estela Guedes e numa aprazível esplanada defronte da Catedral fizemos as honras devidas à bola, por entre conversaduras e desconversas...

Faltava-nos, claro está, a inevitável romagem ao Santuário de Nossa Senhora dos Remédios que, recomendou o bom senso e alguma lassidão do corpo, que iniciássemos a visita pelo cimo da escadaria.

Por concepção de Nasoni, a sua construção inicia-se no séc XVIII e termina já com o século XX adiantado.

Deslumbrei-me com dois ancestrais e monumentais castanheiros que ficam no largo lateral ao santuário, um já morto, mas a que as heras conferem um simulacro de vida; o outro pujante, ainda, mas ambos distintos representantes dessa árvore sacra, culto de antigos e pasmo de novos...

«Levantou-se então o Arcebispo de Braga e pondo a Corôa na cabeça a El Rei disse: Bendito seja o senhor Deos, que sempre me ajudou, quando vos livrava de nossos inimigos com esta espada que sustento para vossa defesa» - Primeiras Cortes de Portugal

De novo por bandas do século XII, a visita à Igreja de Almacave, onde se diz que poderão ter tido lugar as primeiras cortes, em Portugal. Da sua antiguidade não restam dúvidas, apesar dos incidentes vários de que foi vítima. Pinho Leal afirma mesmo ter sido a Sé dos Suevos e Godos, até 716, sendo uma Mesquita moura, até 1102.

Desta ocupação lhe advirá o nome estranho e de incógnita procedência.

À noite, de regresso a Britiande e após uma lauta refeição de cabrito assado, fomos escutar, na Casa do Povo, uma palestra de Fernanda Frazão e Gabriela Morais sobre as mouras, o seu significado e interligações com a História de Portugal. Sobre o nosso papel nessa História que vem do fundo dos tempos, a contar-se por largas dezenas de milhares de anos... e o papel dos bardos nesse passar dos anos.

Claro que a sessão foi rematada com poesia, a que se seguiu um passeio nocturno pela povoação.


dia 4 - Em direcção a Tabuaço, pelos caminhos do Pinhão.

O espelho de água do Douro duplica o comboio que nos acompanhou na viagem...

Há quantos anos ando para fazer aquele passeio de comboio ao longo do rio...! Uma verdadeira provocação, tendo por cenário a paisagem única onde a mão do homem moldou cada palmo de terra em seu proveito, pelo seu suor.
Em Tabuaço, uma imponente araucária saudou-nos... E ela só, pois o Turismo, em pleno dia de Domingo, estava encerrado, como em tantas localidades País fora.

Por lá íamos, munirmo-nos de bases documentais para um dos próximos destinos, a Granja do Tedo com a sua muito peculiar história da Maria Coroada.

Mas a porta do Turismo e os nossos narizes foram os únicos a encontrarem-se.
Rezam lendas que dois irmãos cavaleiros, D. Tedon e D. Rausendo, a terão erigido, lá pelos séculos X ou XI. Mais rezam que a moura Ardinga se perdeu de amores por D. Tedon - mesmo sem o conhecer, que os tempos propiciavam os amores platónicos e desesperados - coisa que o senhor seu pai. o emir de Lamego, não teria apreciado sobremaneira, tendo degolado, ali mesmo, a desventurada apaixonada...

Malhas que a história tece e entretece.

Certa é a sua disposição, de costas para o rio Távora e tendo a porta principal e frente - a um metro escasso - de um penhasco, o que nos leva a pensar quão estranhos podem ser os desígnios da razão.


Por certa, também, me fica a ideia de que uma vida inteira não chegaria para lobrigarmos o quanto temos de património riquíssimo na sua ancestralidade, nas histórias, contos ou lendas que o envolvem em teias de mistério e de encantamento, que são, afinal, aquilo de que a nossa alma deve ser feita - embora tantos de nós, lamentavelmente, o não saibamos.

Alguém falou de que ali, perto da Ermida, haveria uma praia fluvial.

Outro alguém repousou dos árduos caminhos em banco natural, predisposto a arengar às massas de tal palanque... não o tendo encontrado tanto de feição à descida.
A praia fluvial é esplêndida e verdadeiro corolário da lenda da moura Andringa, fazendo-lhe jus com o seu espelho de água onde as escarpas reflectidas assemelhavam o portal para um outro mundo, que Tedons, mouras e emires povoarão, ainda, se o ousarmos cruzar.

Para remate deste capítulo, as durezas de castanho e dourado, a guardar o trecho de água, a roubar-nos a vontade de dali sair...


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 21:31


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas