<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
novembro 25, 2009

constantemente Victor

Constante, mesmo, é o regular aparecimento de Victor, o Constâncio, de quem não lhe ouço comentário que não vá no sentido de propor o congelamento salarial de (quase) tudo e de (quase) todos, em cada aparição nesta ribalta alugada que é a «comunicação social».

Alias e a propósito, o próprio nome da dita dita a sua improvável e desconexa existência. «Comunicação social» em contraponto com o quê? «Comunicação anti-social»? Existe uma «comunicação não social»?

Mas o certo é que o Victor, de Constâncio, lá nos trouxe mais um diktat para o Natal.

Ele que não é eleito, nem ninguém - que se saiba - lhe pede e segue opinião, faz questão de nos brindar com o desgosto da sua presença, de tempos a tempos, sempre cirurgicamente «oportunos» - preparam-se as discussões salariais do costume para o ano que vem - para meter o bedelho na vida dos concidadãos.

Guru, vestal ou oráculo, pranta sentenças sobre os dinheiros alheios como se alguém lhe encomendasse sermão. Ou será que alguém lho encomendou...?

E fica-me a inelutável certeza de que o Victor, tão Constâncio, lá vai cumprindo o frete, apenas se dirigindo aos pobrezinhos, aos desafortunados, à ralé. Àqueles para quem o sofisma, a ilusão de 1% de aumento ainda parece fazer diferença, que aos outros tanto se lhes dá. Estão sempre garantidos.

Constâncio, neste estado deplorável de coisas em que o País está transtornado, é aquilo que, tão lamentavelmente, temos de mais constante: a informação atempada de que são, estão e ficarão pobres todos aqueles que são, estão e ficarão pobres.

Parece que é para isso que lhe pagam, a ele, tão bem... Há bons empregos, neste País.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 14:22


novembro 24, 2009

a ser (mais uma) verdade...
Isabel alçada a ministra com um mestrado de fora?

Dizem-me, agora, que Isabel Alçada anuncia curricularmente um mestrado que é, afinal, um «masters» de dois mesitos, frequentado nos States, mas invocado como mestrado para consumo da indigência interna...

Tremendo, isto de alguém vir sentenciar que não será credível a ministra ajuizar sobre um mestrado qualquer, quando assim esgrime um seu «masters» a fazer de conta que é mestrado.

E lá se irá - a ser verdade - mais um crédito por água abaixo... Ah, esta mania dos títulos académicos, que tanto faz sofrer o novo-rico!

Nunca nada, em Portugal, é o que parece ou se anuncia. É, lamentável e recorrentemente, o triunfo da aldrabice, da pulhice, ou da esperteza saloia que campeiam impunemente.

Que treta de «cozinhado» andamos para aqui a condimentar para os nossos filhos!

Mas, afinal, digam-me cá: é mesmo verdade, isto? Ou não passa de boataria invejosa?
*
A propósito de uma oprtuna chamada de atenção que me é feita sobre a eventualidade de, através de um comentário do teor acima, estar também eu a dar eco àquilo que eco, porventura, não terá... eu direi que, sim, isso é verdade e o efeito pode ser, ele também, pernicioso para o «desidério nacional».

Ocorre, apenas, que se espera das figuras públicas uma impoluta postura de verdade curricular, mormente no que diga respeito a algo tão elementar como sejam as respectivas habilitações académicas.

Não me repugna, minimamente, que um varredor de ruas, ontem, venha a ser, hoje, ministro de uma administração interna, por exemplo. Haja mérito reconhecido, obra feita... e o tal currículo impoluto.

Mas é conhecido, em contraponto, o fascínio que o «canudo» exerce sobre os mal-formados do nosso quotidiano, como expressão (ou impressão) de poder, instrumento sem o qual se sentem incapazes de o exercer, por uma lógica social doentia e distorcida de que são mentores e subservientes.

Claro que o poder tem mais a fazer do que andar a correr atrás de boatos para os desmentir. Mas, perante os factos enunciados - de fácil desmontagem se não corresponderem à verdade - talvez fosse boa prática - democrática, civilizada, exemplar... - que um Ministério como o da Educação emitisse adequado desmentido oficial... devidamente factual, reservando-se o legítimo direito de penalizar os boateiros.

A sua ausência incomoda a minha cidadania.

Portugal precisa de ar e de claridade.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:18


novembro 21, 2009

uma semana com poemas

Noites com Poemas. Desta vez com Contares e Cantares de Goa.

Na abertura, tivemos a acolher-nos Helena Xavier, a nossa anfitriã de sempre, que compensa a sua habitual vontade de passar despercebida, com essa tão grande disposição e disponibilidade para ser a madrinha de tantos projectos culturais, mobilizadores da comunidade, em que nos apraz estar incluídos.

Depois, uma caixa de surpresas, de onde a poesia, o canto, a música, a dança, foram brotando. O Grupo EKVAT (RAÍZ, em concani), pontuados pela obra de poetas goeses que Elsa de Noronha nos foi trazendo...

Uma manifestação espantosa dessa multiculturalidade que os portugueses sempre abraçaram e promoveram, de modo talvez mais ou menos consciente mas que não convive bem com fronteiras geográficas, como ficou uma vez mais provado, quer pelo desempenho dos artistas presentes, quer pela receptividade da audiência, pois que uma sala como aquela assume, de súbito, a dimensão do mundo.

O salão polivalente cedo ficou composto. A curiosidade e a mobilização deram-se as mãos e cedo houve que reforçar os lugares para tamanha afluência.

Houve tempo, espaço e interesse em experimentar e aprender a graciosidade do sari, com os seus seis metros de fino tecido envolvendo o corpo feminino, oportunidade para acrescentar um prazenteiro exotismo à celebração.

Graciosidade e exotismo que nos chegava, ao mesmo tempo, das danças com que o Grupo Ekvat nos presenteou...

... gratificando-nos por essa inquietação que nos levou mundo afora, transformando, depois, este recanto ocidental no cadinho de culturas e saberes que nos enforma.

Houve alegria nos cantares, erradicando saudosismos. Porque a alegria é a manifestação de viver, hoje e aqui. Trazendo connosco o passado, mas de olhos postos no futuro.

Chegado o momento de homenagear João Coutinho, amigo de várias outras andanças, cujo empenhamento e envolvência na organização e congregação de tanta gente, tornaram todo esta sessão tão aparentemente fácil, com tudo tão colocado no seu sítio, fluente e agradavelmente disposto. E, de realçar, uma e outra vez, sem outro interesse envolvido para além da fruição e partilha do momento.

Homenagem, ainda, aos vinte elementos do Grupo Ekvat que, tão alegremente, nos trouxeram a distante Goa àquele chão de Tires.

Testemunho que o João rapidamente transmitiu a essa Senhora - com maiúscula assumida -, Elsa de Noronha, pela forma superior de comunicação em que ela sabe transformar a poesia dita... e de quem somos devedores de tanto ensinamento, que saberemos cultivar se a humildade nos suplantar a inveja.

E veio, de seguida, um cházinho goês, estranho, talvez, para paladar não habituado, mas delicioso e retemperador...

... promovendo e propiciando um generalizado convívio, gerador de salutares cumplicidades, manancial de novos projectos.

Os amigos de sempre disseram presente, como sempre deles se espera. Por eles, para eles e com eles faz sentido combater desânimos e picardias, com que o dia-a-dia nos transtorna o dia. E neles reside a emoção de um abraço.

Segundo alento da sessão, retomada por insistências várias, mesmo correndo o risco de perturbar o convívio entretanto instalado, mas dando cumprimento à nossa matriz de apelo à participação de todos os presentes. Uma outra vez, pelos caminhos dos poemas, com Elsa de Noronha oferecendo a flor do amor a quantos estavam. E como se não lhe bastassem as palavras, ofereceu-nos, cantada, uma emocionante versão muito pessoal da Ave Maria...

... que teve o condão de influenciar e sugestionar todos os presentes...

... que encetaram um coro espontâneo - e afinadinho, que a sala estava bem preenchida de belas e experientes vozes! - em volta de um tema popular português, pedra cimeira desta episódica construção, que, ainda assim, esperamos que se desenvolva todos os dias.


E porque agora de vozes se falou, vem a propósito o 30º Aniversário, comemorado no passado dia 18 do corrente, na Universidade Nova de Lisboa. Aniversário duplo, pois que era dia do CRAMOL e do IELT - Instituto de Estudos de Literatura Tradicional.

O CRAMOL com as suas vozes matriciais, o IELT com o seu incansável labor em prol da literatura tradicional portuguesa, meus já incontornáveis pilares do ser e do estar nesta vida de escrevinhações.

Aqui se pára! O parágrafo anterior traz-me à inquieta madrinha dessas minhas escrevinhações, desse novo alento trazido aos meus dias: Ana Paula Guimarães.

Para ela... nem sei bem que dizer. Talvez a urgência de lhe erguermos uma estátua que tente competir em pose com o que a Ana Paula traz à vida em substância. Perderá a estátua, é bom de ver, mas que exista para memorização de vindouros, já que temos necessidade de faróis para nos guiarmos.

Do CRAMOL, de algum modo também, pouparei em palavras por cuidar saber mal transmitir emoções, sem resvalar em lugares comuns. Aqui, o nosso silêncio, propiciador de lhes escutar o canto, através do qual podemos, enquanto o Diabo esfrega um olho, ser transportados do centro de Lisboa para uma ruralidade profunda que, tão cheios de betão, mal percebemos como ou porque mexe tanto connosco...

Corolário de anteriores dizeres, aí está a mais recente aventura da Ana Paula Guimarães, em parceria com Ana Gomes de Almeida e Miguel Magalhães: Artes de Cura e Espanta-Males (edição Gradiva, 2009).

Obra apoiada no espólio de recolhas sobre medicina popular de Michel Giacometti, esse estrangeiro que teve artes de nos mostrar transcendências do ser português e que ele próprio assumiu.

Com o apoio da Câmara Municipal de Cascais, teve, então, lugar na Museu da Música Portuguesa (Casa Verdades de Faria) o lançamento desta monumental obra - 657 páginas - na qual tenho o grato orgulho de também ter dado modesta colaboração, em forma de poemas alusivos à temática.

NOTA MUITO IMPORTANTE - Óptima sugestão de prenda de Natal para oferecer apenas àqueles que vos sejam muito queridos e dignos de o merecer! O critério é vosso...

Impagável, a chamada telefónica que Ana Paula Guimarães «recebeu» de Michel Giacometti, em plena apresentação da obra, pedindo desculpas ao auditório por não ser possível contornar uma chamada telefónica de tal envergadura...

Com uma arte cénica de se lhe tirar o chapéu - não te conhecia esta faceta, amiga! - envolveu-nos com um «diálogo», de que todos ficámos cúmplices, findo o qual... estava apresentado o livro, com todos os condimentos e precisões, e todo o mundo agradado por ter partlhado tão notável quanto inesperada «presença».

Pedra de remate na cumeeira do edifício, o excelente desempenho - perdoem-me o aparente exagero de adjectivos, mas o caso não é para menos - deste galego companheiro de IELT, Ignacio Vilariño.

Actor, contador de histórias, bonecreiro, animador... eu se lá, o que vocências quiserem! O homem enche-nos palco e alma com uma graça, um condimento de especiarias finas, que nos transporta, mundo afora, à Terra do Riso, onde nós, adultos, nos redescobrimos crianças, ainda que não se perca em nós o tempero brejeiro que a vida nos trouxe.

Em palco, um tipo do caraças, este grande Ignacio!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:14


novembro 17, 2009

noites com poemas
contares e cantares de Goa


Conservam alguns essa teimosia em cultivar a identidade cultural como se de flor intemporal sem preço, distância ou circunstância se tratasse... Contrariando a facilidade de modas incaracterísticas e massificadoras e clamando bem alto o seu direito à diferença, enriquecedora e redentora.

Vem isto a propósito de me ter apercebido dessa aparente contradição de ainda existir tanto de Portugal em Goa, ao mesmo tempo que há tanto de Goa em Portugal, cultivado esse ser e estar com um desvelo notável e sem aparente esmorecimento por uma comunidade ciosa, então, dessa identidade.

Com a preciosa ajuda do nosso amigo João Coutinho, oferecemos a quem queira deslocar-se, no próximo dia 19 de Novembro (quinta-feira), pelas 21h30, à Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana, exemplos vivos da cultura goesa, através da poesia dita por Elsa de Noronha e danças e cantares pelo grupo Ekvat... e o que mais por lá se verá.
Como é quase lema destas sessões, a vossa presença e participação é a sua razão de ser. Contamos convosco.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:30


novembro 15, 2009

12º Encontra A Funda

Rumo às Caldas da Rainha e a um cozido à portuguesa, no Restaurante o Selim, para início de conversa... Por lá decorre a 1ª Mostra Erótico-Paródica das Caldas da Rainha - Terra das Malandrices, o que é suposto constituir condimento necessário - que não se revelou, entretanto, suficiente - para o êxito do encontro.

Valeu o espírito dos convivas que supera, sempre, as expectativas (e as exposições com que se contava...), modelando esse barro que dá forma a um salutar cnvívio, de que andamos tão carenciados.


Dir-se-ia que, pelas Caldas da Rainha, o ambiente é fértil na promoção de inusitadas malandragens...

Depois, se nos imiscuirmos nos meandros da problemática, acabaremos por concluir que nem é tanto assim, falhando rotundamente quem assumiu institucionais responsabilidades mas cuja margem de subversão está arredada de tais pensadoras cabeças.

Mas o que interessa é a predisposição com que o grupo sempre se empenha em arejar ideias contra o habitual cinzentismo dos dias...

Antes de mais, uma passagem pelo mercado da fruta, esse sim genuíno, de legumes e de outros mimos da região, onde não faltaram sequer os beijinhos das Caldas e outras meiguices, como ponto de encontro, rumo a mais uma efeméride promovida pela Dona São...

Fizeram-se acções de rua, com música, canto e poesia, sem patrocínios ou empurrões, apenas pela fruição da coisa...

Calcorrearam-se, depois, os diversos espaços onde, se se podia testemunhar alguma irreverência criativa nos expositores, o abandono ou ausência de motivação, nesses mesmos espaços, deixava nas mãos da paciência e do espírito de curiosidade do visitante todas as despesas dos circuitos.

Como habitualmente e não deixando créditos por mãos alheias, demos a volta às exposições, promovendo entre os circunstantes as abordagens mais ou menos alucinadas à matéria em análise.

Chegou a constar que havia um grupo excursionista evoluindo pelas Caldas e que, em boa verdade, proporcionou algum calor humano aos espaços que mereceriam - até pela temática - outro calor ambiental, promovido pelas instituições envolvidas.

Depois, também, como habitualmente, a criatividade à solta permite desenvolvimentos que não lembrariam ao Diabo, se ele fosse gente...

Para vários gostos ou feitios, a aridez dos espaços promovia, no entanto e em contraponto, o esmorecimento de entusiasmos com que os visitantes iriam imbuídos...

Mas tristezas não pagam dívidas e lá fomos encontrando artes de animar o que morto parecia...
Deparámos, até, com velhas amizades, a trazerem-nos de longe, a tal irreverência que se buscava.

Encontros houve, por vez primeira, que, ainda ia a sessão a meio e já prometiam voltar....

Dos autóctones, a par de uma atitude aparentemente determinada, se recolhe, ainda assim, um discurso dúbio.

Então, porque dos fracos não reza a História, como é sabido, ressarcimo-nos, no Café Machado, ferrando o dente na matéria em apreço, que esta vida são dois dias...

E o café conheceu uma inesperada vitalidade, condimentada com cházinho e brejeirices.


Alguns costumeiros nestas andaças deram corpo ao manifesto e o momento aqueceu os espíritos


Na rua chovia, mas no Zé do Barrete o bacalhau estava uma delícia, a conversa boa e, uma outra vez, entre libações as mais variadas, se cantou e houve poesia.
Ao Paulo, à Joana e à Mariana fico devedor de mais uma belíssima versão cantada de um poema meu - ainda há-de sair cd, gentes!

Houve, ainda, quem se encontrasse, reencontrasse e treencontrasse, folgando e rodopiando a bel-prazer, com invejas indisfarçadas e explícitas de alguns outros.

Daqui vos asseguro, amizades, que só mesmo caso de forcinha muito maior me impedirá de estar no próximo... e isso é mesmo o que de melhor trago destes excelentes encontros: a saudade já do futuro!


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:00


novembro 12, 2009

so stupid...!

Leio, na Visão de hoje (pág. 96 e seguintes), que «o Ministério da Educação estuda a hipótese de, logo no 1º Ciclo, boa parte da matéria ser dada em inglês» (fim de citação). Isso mesmo: leccionar parte substantiva dos programas lectivos em inglês. No ensino público, entenda-se!

Qualquer coisa, dizem, de idêntico ao que já se faz aqui ao lado, em Espanha, com um «sucesso» extraordinário. Estas comparações idiotas têm invariavelmente o condão de mexerem muito comigo...

Se isto não é um descarado expediente para, entoando loas de «modernidade», se promover a mais infame massificação global, com inevitável perda progressiva de peso desse pilar fundamental e determinante de uma identidade cultural como é a língua que falamos, até à sua óbvia extinção, então é o quê?

O novo-riquismo balofo, boçal, subserviente, imbecil e imbecilizante, que espreita por detrás de uma abencerragem deste quilate mereceria, porventura, que os seus mentores - se eles existem, que estas coisas, por vezes, não passam de fogos-fátuos para apurar a reacção ou falta dela do povão - fossem rotulados de traidores à pátria e tratados como tal. Assim mesmo, sem mais, que estas coisas tendem a despertar-me o radicalismo bruto e abrupto.

Num país que se distingue pela facilidade em assumir o poliglotismo como algo que parece estar-nos na massa do sangue, depois e apesar dos tratos de polé que foram dados, nos programas do ensino, a todas as línguas que não fossem o inglês, esta proposta parece um absurdo imenso, desde logo por ser um atestado de incompetência passado a todos os docentes de línguas estrangeiras (especialmente o inglês), por Portugal sedeados.

Ou então, está tudo bem. Mas numa perspectiva de reciprocidade: abrimos uma dessas escolas, desde que haja uma repercussão idêntica, em absoluto, em Inglaterra ou nos Estados Unidos. Quando a escola de lá fechar, fecha, também, a de cá e vice-versa. Que tal? Mais democrático e saudavelmente globalizante, promovendo a diversidade e interculturalismo, não?

Porque, enquanto movimento unilateral, a canalhice e a subserviência cultural parecem-me óbvias. As negociatas menores (ou maiores) delas decorrentes, mais do que previsíveis. E aqui fica lavrado, então e desde já, o meu veemente repúdio.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:20


novembro 09, 2009

fotografando o dia (137)


está o mar cheio de oiro
e o velho do Restelo
a voltar costas
ao rei e ao mar

- diz-nos
velho
de que agoiro
nos querias tu avisar?

- fotografia e poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:06


novembro 07, 2009

margem esquerda

Pois é, Manel, há assim encontros fortuitos na cidade que trazem em si essa arte maior de nos devolver o intemporal da vida. Aqui fica, à nossa, algo que - vá lá saber-se porquê - me suscitou a nossa conversa...


há essa margem esquerda
no rio que me percorre
quer eu queira
quer não queira
e me traz viva essa perda
ao saber que o Che nos morre
ou na campina enlutada
dourada de liberdade
jaz Catarina perdida
dando outra verdade à vida
de papoilas ponteada
longo olhar na imensidade
da invenção do amor
tão perdidos na cidade
Daniel traz-nos vontade
de sermos amor maior
Zeca depois num alento
num doce tom de acalanto
de levar a nossa voz
muito para além de nós
para além da voz do vento

e no viver sem destino
neste meu sonho me deito
deixo-te
filho
o meu hino
do rio de que sou feito
- poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:19


novembro 04, 2009

face oculta

face oculta
descarada
nas prebendas
nos favores
de uns tantos biltres
senhores
da alta roda impostores
entre si trastes
mais nada

face oculta
escancarada
em tão altos pedestais
e tão sábias decisões
que se de perto os olhais
vereis ladrões
e mais nada

ditam leis
bradam sentenças
são os reis
das desavenças
e vós que os sustentais
vede bem quanto lhes dais
para não vos darem nada

récua vil
clube infecto
dejecto de Torquemada
são mais de mil
em seus fraques
com seus cheques
e achaques
perfídia é prato dilecto
desta corja nestes saques
sempre sugando a manada

e nós p’ra qui
vamos indo
nem chorando
nem sorrindo
apenas vendo
e mais nada…

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:18


novembro 01, 2009

pintando poemas

Carlos Peres Feio e Vítor Miranda, hoje, na Sociedade Recreativa Musical de Carcavelos, pelas 17 horas, inauguram uma exposição de Pintura, integrada na iniciativa Rumo ao Centenário, da Associação de Bombeiros Voluntários de Carcavelos e São Domingos de Rana.

La estarei, levando poemas aos quadros. A esse propósito:



de Cesário o vermelho das papoilas
numa tela afagada por Malhoa
um Almada a sorrir erguendo a proa
da canoa como seios de moçoilas

um trigal a ver o mar que fica perto
a dourada imensidão e os verdes mil
numa tela recoberta em tons de anil
onde o poeta pinta o mundo a descoberto

a fusão da palavra e um mar de cor
a metáfora maior que a vida exalte
e o poeta e o pintor como quem salte
de uma tela para um verso por amor

são as velas dessas novas caminhadas
onde encontra cada um essa grandeza
de trazer um olhar novo outra beleza
com poemas e pinturas de mãos dadas

- pintura e poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:07


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas