<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
junho 30, 2010

os ais do futebol...

Pronto! Agora que acabou, uma vez mais, a nossa sublimação de vontades e anseios de Quinto Império ao pontapé e que é fácil dizer-se mal das opções de Carlos Queirós, vou aproveitar para dizer mal das opções de Carlos Queirós:

- Cristiano Ronaldo, pouco menos do que um verbo de encher em campo, não foi substituído apenas por ser a bandeira de um certo Portugal em forma de gente? Terá algum «lobby» de sustentação? Ali pela Madeira passam-se coisas tão estranhas, que eu nem estranharia...

- E substituir quem quer que seja no momento único em que a selecção portuguesa estava com claro ascendente sobre a selecção espanhola e na iminência de marcar um golo ... Ainda para mais, substituir o melhor e mais pujante atacante, no mesmo momento, foi de mestre! 

Isto será síndrome suicidária ou sou eu que não percebo nada de futebol?  

Em qualquer caso, lá estamos nós mais aproximados da crise, de corpo e alma, sem devaneios megalómanos, talvez com discernimento ainda para ver, com outros olhos, o que carece ser visto.  

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:41


junho 26, 2010

fotografando o dia (147)


que fugaz noção de ter a liberdade
que me traz aquela mão ao libertar-me
e eu que estava para aqui preso à vontade
estou livre nesta mão a asfixiar-me

- fotografia sobre imagem publicitária e quadra de Jorge Castro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:03


junho 25, 2010

chi(s)p com todos - reflexões na ponta do pé...

Notícia do dia: estudos recentes, de âmbito mundial, esclarecem que há mais mais ricos no mundo e, ao mesmo tempo, há mais mais pobres.

Se o assunto fosse propenso à graça dir-se-ia que o mundo está propício à gaguez... 

*


Lá está! Se as bolas do Mundial já tivessem instalado o chip do Sócrates, o Cristiano não teria perdido, momentaneamente, a noção da sua localização... Mas, se calhar, também não teria marcado o golo, a seguir.  

Provavelmente, será o que vai acontecer ao Sócrates: instala o chip nas viaturas, fica a saber onde todos estamos... mas nunca mais marca golos. 

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:57


junho 22, 2010

fábulas, parábolas e outras rábulas
apontamentos de uma apresentação
- ver, também, o meu mais recente artigo na FreeZone: Pontes e Escolas

NOTA PRÉVIA - Este meu livro terá, pela primeira vez, distribuição nacional. No entanto, se a alguém interessar adquiri-lo directamente ao autor, peço o favor de me dirigir mensagem nesse sentido para o seguinte endereço: jc.orca@gmail.com. O preço de capa (com portes incluídos) é de € 15.



Dia 19 de Junho, sábado, pelas 16 horas. José Saramago concluía a sua última viagem entre Lanzarote e Lisboa. Ali, pelo Campo Grande, em Lisboa, era apresentado o meu mais recente livro, com edição da Temas Originais.

Calcorreando um caminho de escrevinhações que toca no exemplo de Saramago, que mais não seja pelo seu início tardio, pois já dobrara o cabo dos 50 quando a minha primeira obra viu a luz do dia, certo é que já lá vai uma boa mão-cheia de interrogações e proposições à vida...   

Deste colhe-se, entre outras coisas, a graça de conter um texto que foi sugerido pelo estilo de escrita de Saramago e do qual colhi apreciação interessada. Por coincidência de oportunidade infeliz, esse texto integra um livro que é lançado, então, ao jeito de despedida. 

Contrariando o que tem sido, até aqui, uma opção - ou uma postura - no que à difusão dos meus livros respeita, desta vez, as Fábulas, Parábolas e Outras Rábulas terão difusão «institucional» e de âmbito nacional.

Conto, para tanto, com a cumplicidade e os bons ofícios da Temas Originais, aqui representada por Xavier Zarco, que abriu a sessão, introduzindo o assunto e os participantes. 


Carlos Peres Feio fez a apologia da obra, com uma mão-cheia de afectos e com a bonomia e bom humor que o revestem, como se de segunda pele se tratasse.


Apesar dos pesares, das praias, dos futebóis, das inúmeras propostas de programas coincidentes e do aconchego do lar, um bom grupo de amigos fez questão de marcar presença e manifestar apoio, circunstância para a qual já me escasseiam palavras de reconhecimento.  


Estefânia Estevens e Francisco José Lampreia contaram, dizendo e cantando, algumas histórias que deram mais corpo ao nosso encontro. Bem hajam, também, pela amável disponibilidade e empenhamento. 


O autor, mais do que a apologia da obra - que essa aí fica para quem a queira apurar - aproveitou o tempo para falar do estar na Vida, arte cada vez mais espinhosa, quando a alicerça a procura e a cumplicidade do outro.  

Depois, um pouco de exercício em favor da tendinite, que os amigos merecem... 


Ainda houve um pouquinho de tempo para uma amena cavaqueira num recanto que seria mais aprazível se quem dele cuida se tivesse disponibilizado para aplicar mais cinco minutos, servindo uma dúzia de cafezinhos ou, talvez até, uma ou outra torradinha... Mas não, que já estava em cima da sua hora de encerrar e, aparentemente, o negócio não se compadece com relógios.


*

Para ler o meu último artigo, na FreeZone:



Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:16


junho 20, 2010

ditos e reditos, com Elisa Costa
nas noites com poemas

Porque as tarefas nem sempre nos deixam tempo de sobra para tudo, apenas agora publico as imagens da mais recente sessão das Noites com Poemas, que teve lugar no passado dia 17 de Junho.

Com Elisa Costa como convidada, passeámos pelo seu livro Ditos e Reditos, a que se acrescentaram dizedelas de todos os tempos, como excelente pretexto para se discorrer também sobre a biodiversidade, tema caro a muitos dos presentes.


Aproveito a oportunidade para deixar singela homenagem à mana Li, sempre afadigada na recolha de imagens, ao lado da Lourdes, imagens que sempre têm muita procura, por parte dos convidados como dos diversos participantes em cada sessão.   




Recorreu a Elisa Costa a alguns desses participantes para entremear a sua tese com exemplos vivos dos tais ditos e reditos, que povoam a nossa memória e dão voz a tantos saberes que trazemos entranhados na pele. 

Chegado o momento dos participantes, estes não se fazem esperar e apresentam-se, cada vez mais afoitos e confiantes, de sessão para sessão, o que - como recorrentemente venho dizendo - nos enriquece aquele espaço...


... sem fronteiras de idade ou formação, mas tão só com o intuito de se dar a conhecer e à sua obra, mais sedimentada ou nos seus primeiros mas firmes passos.  


E, de súbito, se descobre que, afinal, uma voz não tem idade, quando trilha os caminhos da descoberta e da partilha...


Uma noite mais e memorável, como tantas outras que vão ocorrendo onde a motivação é a fruição de um poema dito ou ouvido, que suscita uma alegria, um riso, um lamento, um choro. Enfim, uma emoção, que é sempre uma coisa altamente recomendável para quem gosta de se sentir vivo. 

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:40


junho 18, 2010

fábulas, parábolas e outras rábulas...


Amizades,

Gostaria de contar com a vossa presença no próximo dia 19 de Junho (sábado), pelas 16 horas, no Auditório do Campo Grande, nº 56, em Lisboa (junto a entre Campos e cerca de 100 metros depois da Livraria Bulhosa), para vos apresentar o meu mais recente livro, desta feita em prosa, editado pela Temas Originais, no qual coleccionei quarenta histórias em que, de um ou de outro modo, muitos de vós estareis provavelmente presentes, por esse fluxo de vida que os afectos sustentam.

Chamei-lhe Fábulas, Parábolas e Outra Rábulas e nele tentei cultivar o exercício da intemporalidade, sem me esquecer, no entanto, de o condimentar com os circunstancialismos que nos envolvem. Afinal, eu sou português, aqui, como diz o José Fanha.

Histórias de vidas. Histórias devidas. A necessidade/obrigação de transmitir testemunhos, retribuindo o que a vida nos traz, que nos dêem forma e que sustentem uma ética.

Conto com a amizade de Carlos Peres Feio, Estefânia Estevens e Francisco José Lampreia, companheiros já de muitas jornadas, para me ajudarem a dar corpo a mais este nascimento.

E gostaria de contar convosco, com a vossa presença, pois sem haver quem nos ouça o exercício da palavra perde muito do seu sentido... tal como a vida.
 

Ainda a tempo: Para além do lugar-comum do amor-ódio a José Saramago, fique-nos, em jeito de homenagem, o reconhecimento pela determinação, o controverso amor à terra-mãe, o ser escritor levantado do chão num País tão dominado por doutores da mula-ruça, o exercício e exorcismo da amargura que pela sua obra perpassa, características de que faço questão de aqui deixar referência, no momento em que cessou a sua existência física - pois que a obra fica connosco.

Tive o ensejo de o contactar pessoalmente para lhe apresentar um dos textos que encorpora este meu livro amanhã lançado - Um Memorial de Nomes do Evangelho em Cerco de Pedra, recordando José Saramago - tendo dele recebido um claro e desassombrado incentivo na assunção do meu caminho literário.

Momento há em que talvez fosse melhor não se verificarem coincidências. Mas elas aí estão. Vivamos com elas, pois, e congratulemo-nos por esta dádiva que é a Vida.   


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 08:59


junho 15, 2010

noites com poemas
com Elisa Costa
– Ditos e Reditos: dizedelas de todos os tempos


No próximo dia 17 de Junho (quinta-feira), pelas 21h30, como sempre, encontrar-nos-emos na Biblioteca Municipal de Cascais - São Domingos de Rana (Bairro Massapés, em Tires) para falarmos e ouvirmos falar de ditos e reditos, provérbios e anexins... Saberes que o tempo subverte mas, ao mesmo tempo, âncoras de referência na vida.

Elisa Costa, autora de livro com o mesmo título e presença não rara nos nossos encontros, será a nossa convidada.

Venham daí, dizendo e redizendo o que por melhor acharem, de vossa justiça. Nós lá estaremos.


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 17:24




XIII Encontra-A-Funda - uma cedilha na Pica

Para os curiosos, proponho uma visita ao blog Charamela do Bairro, onde podem apurar algumas imagens de mais um excelente convívio que teve lugar neste passado fim-de-semana.

Ainda que melhor seja experimentá-lo que julgá-lo...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:40


junho 11, 2010

passeio pelo nordeste extremo (II)

Manhã cedo, despertar. Quem é cliente habitual tem algumas prerrogativas. E como o meu poiso habitual é na Residencial A Morgadinha, tenho artes de poder disfrutar desta esplêndida vista sobre a albufeira da barragem de Miranda do Douro, da varanda do meu quarto.

Margem direita, Portugal; margem esquerda, Espanha. O céu por cima, ainda que, por fugaz momento, se possa imaginar, também, o céu por baixo...


Também da varanda se tem uma vista privilegiada para a Sé de Miranda, beijada pelo sol matinal, eespreitando o pormenor, o embarcadouro onde tomaremos o barco especial que nos levará, rio acima, até onde a albufeira for navegável, num passeio ecológico que faço sempre que lá vou e do qual nunca me enfastio.


Pequeno-almoço tomado - sempre com aquela magnífica vista sobre a albufeira, e rumámos aos meus lugares de meninice, agora redimensionados ao olhar adulto, mas onde o veludo gritante das papoilas mantém a sua consistência e uma multidão de bichinhos, bichos e bicharocos lá faz pela vida, pois, pelos vistos, para eles não era dia de férias...


Verifico, uma vez mais, com algum espanto e satisfação, que a nossa velha casa de madeira, cedida a meus pais pela Hidro-Eléctrica do Douro, lá pelos idos de 60 - e que era suposto apenas se aguentar uns dez anitos - lá se mantém, aparentemente para lavar e durar, ainda que sem a cercadura de cultivo que lhe conhecia quando a habitámos.

Os socalcos de xisto, que definiam as culturas - aqui alfaces, ali couves, além morangos, ao fundo batatas... - esses lá estão, bandeira de sólida construção, que o tempo parece não querer estragar.

Bem como a árvore, imensa, que sombreava a piscina das aventuras de juventude, e que já me pareceu ter ido desta para melhor, em anterior visita, agora me recebeu revigorada, com o verde a recobrir a galharia antiga e morta.     


O que não se altera na sua decadência é a (ainda) bela edificação que é a estação de caminhos de ferro de Duas Igrejas, com os seus interessantes painéis de azulejos, retratando usos e costumes da região.

A forretice do Estado Novo achou por bem terminar ali a linha de comboio, por ser o local dos silos cerealíferos, ao tempo da campanha do trigo, que abrangeu não só o Alentejo, mas também o planalto nordestino transmontano... e não estendeu a linha até Miranda do Douro, a escassa meia-dúzia de quilómetros!

Hoje, assim como assim, já nem a Duas Igrejas chega. Dir-se-ia que o nível de forretice se agravou, de modo muito substancial.

Aproveitam-na, à estação, as andorinhas, espantadas com aquela não esperada invasão, espreitando de um ninho a metro e meio do pavimento. Que alguém a aproveite, enfim. 


A seguir, uma saltada até à aldeia de Picote, para ver o seu velho e tradicional casario, bem como para nos chegarmos à Peinha de'l Puio, a juzante da barragem do Barrocal do Douro (Picote), onde o rio nos dá conta das voltas que a vida dá e que ele próprio teve de procurar, no seu caminho até ao longínquo Porto, para cumprimento do seu ciclo de vida. 


E, a cada passo, o nosso olhar a desviar-se para as coisas triviais que, em determinados enquadramentos, parecem assumir outra diversa dimensão e sentido.

Lada a lado com a natureza, a mão do homem, em apuros de ancestralidade e que ali estão, ainda operacionais, ajudando ao pão nosso de cada dia... 


Farei aqui um outro intervalo, este ligeiramente mais longo pois estou a caminho de CUCUJÃES (Oliveira de Azeméis), onde me espera mais um regabofe que não dispenso. Eu volto já...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:56


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas