<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
abril 30, 2011

o tapete persa

escrevo este poema desabridamente
sem lhe saber de contornos
ou até sequer dos cornos de agarrar o destino

escrevo-o assim
simplesmente
sem lhe querer humores de hino
que esse virá mais à frente

não!
ele hoje é só o menino do Torga
com seu cordel
que lanço aqui ao papel
e deita a língua de fora
à vida
e ao romper da aurora
quando nada há ainda urgente
e corre pelas ameias
do castelo das ideias – guardião do pensamento

nem corre
voa
em mil sinas
por montes
vales e campinas
tangido pela voz do vento

e lá vou com ele voando
através das neblinas
sem querer saber até quando
sem lhe ouvir sequer lamento
apenas pela alegria
que esta sim é viagem
pela infinita utopia
pelo longe da miragem
sobre o meu tapete persa

o resto?
ora adeus
são histórias
serão lérias
são mentiras
que me dás e que me tiras

tudo o mais é só conversa!

- poema de Jorge Castro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 18:51


abril 25, 2011

mais Abril!

Mais Abril, sim, de referências. Abril desse orgulho de se tomar em nossas mãos o destino, hasteando bandeiras de Liberdade - essa mesma, a que se escreve com maiúscula, no tempo e no modo!


- ... Era a manhã imatura de neblinas de 25 de Abril de 1974. Nas mãos trementes, uma máquina fotográfica Voightlander, com filme de 36 fotografias, a preto e branco; mas no coração ganhava alento uma aventura de mil arco íris. Com 25 de Abril, sempre!     

quando Abril chega mais perto
cansa o viver de joelhos
neste tempo sempre incerto
de secar cravos vermelhos

no presente enclausurado
sem golpe de asa que o fira
vive um povo amortalhado
nos pântanos da mentira

na tristeza triste infinda
do país onde me perco
quantos se lembram ainda
da flor nascida no esterco?

a nossa raiz de esperança
que em tempos de solidão
na noite mais triste lança
a sua voz que diz NÃO!

não ao inglório viver
não ao pasmo não à fome
não a um futuro sem ser
não a um povo sem nome

triste foi Pedro soldado
sem barcos e já sem guerra
desfeito o nome bordado
mas dando o seu nome à terra

terra de uma flor ridente
das portas que Abril abriu
soldado poeta gente
flor de mãos que aí floriu

erguida por mãos libertas
noutro sonho noutro dia
tantas novas descobertas
de outra cor de outra harmonia

e lá vem sempre outro Abril
um combate outra vontade
outra cor no céu de anil
que anuncia a liberdade

por Abril por mim por ti
Abril maior mundo afora
e ser português aqui
por ser português agora!


- Fotografia e poema de Jorge Castro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 00:01


abril 24, 2011

fotografando o dia (164)


nota de viagem

não esquecer quem me diz
que há sempre dois arco-íris
no céu pardo da lonjura

e há-de voar quem o quis
por se afoitar - ser feliz
entre as cores de uma aventura

- fotografia e poema de Jorge Castro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:27


abril 20, 2011

no jardim do nunca

(Deixo uma história, em forma de poema, em versão adaptada por mim a novas realidades e a outros tempos...)

no Jardim do Nunca
todos os capitães fazem ganchos
todas as Sininhos tocam a rebate
todos os crocodilos soltam lágrimas pelas horas mal passadas
e pelos estômagos a dar horas

no Jardim do Nunca
Peter Pan é uma imitação de mineiro
que esgravata galerias pelas entranhas da Terra
buscando-lhe o centro
e pretende desesperadamente encontrá-lo
para nele se sentar a descansar para o resto da vida

no Jardim do Nunca
tudo é o que não parece
e sempre é uma palavra proibida
pelo medo liminar de que aconteça

no Jardim do Nunca
todas as crianças nascem cheias de idade
de rugas
e de preconceitos
e vestem-se de cinzento
nos dias mais enevoados
para se confundirem com as sombras esbatidas
dos acinzentados edifícios
onde há sempre Meninos Perdidos
porque as forças da ordem nunca os irão encontrar

no Jardim do Nunca
as únicas sombras são as imaginadas nas neblinas
criadas pelos incêndios das florestas
que pairam sobre os lagos obscuros de mistérios
onde se diluem impérios nebulosos e equívocos desejados

no Jardim do Nunca
umas poucas sereias e outros tantos piratas
pairam em algumas esquinas de má-fama
onde se fala de fado e de saudade
e vontades de seguir fabulosos Peter Pan
que consta que voam mas nunca ninguém o pôde confirmar
porque o único de que se tem conhecimento
vive soterrado esgravatando em busca do centro da Terra

no Jardim do Nunca
os índios vagueiam perdidos
cavalgando os seus cavalos de pau e caruncho
em busca da tribo a que já não pertencem
e dos territórios das grandes caçadas ancestrais que já não existem

no Jardim do Nunca
tudo está parado
e ninguém pode fazer nada sem ordens precisas do Peter Pan
que anda demasiadamente ocupado
em imitações de mineiro buscando o centro da Terra
para nele se sentar a descansar para o resto da vida

no Jardim do Nunca
aguarda-se sempre
a nova dimensão da esperança
e a carapaça do medo persiste
de casca toda estalada
à espera de um novo alento de vida que a destrua…

- poema de Jorge Castro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:44


abril 17, 2011

um fim de semana bem ocupado...

dia 15 de Abril - Noites com Poemas - COMEMORANDO A REPÚBLICA - A Execução da Lei da Separação do Estado das Igrejas no Concelho de Cascais, com Ana Gaspar, na Biblioteca Municipal de Cascais - São Domingos de Rana.

















Perguntaram-me já, com curiosidades e objectivos diversos, qual o interesse em documentar tão profusamente estes eventos, porventura com uma insistência que pode chegar até à saturação das paciências dos mui distintos visitantes deste blog...

Pois não haverá razão nenhuma para além daquela, elementar e assumida, de que estes nossos encontros - que já totalizam o interessante número de 63 - são uma prova da vitalidade de quantos, independentemente de credos e afeições, não desistem de afirmar o seu inconformismo, de o manifestarem em forma de poesia, e de que disso há que lavrar testemunho. 

Um espaço que se constrói com todos, por todos... e apesar de tudo! E tanto apenas à conta do «amor à arte»! Não serão todos e cada um dos participantes dignos dos maiores encómios?    

*

dia 16 de Abril - Apresentação do livro Poesia ao Vento, da autoria de Maria Francília Pinheiro e edição da Apenas Livros, com o apoio do CENCO, no Auditório César Batalha, nas Galerias Alto da Barra, em Oeiras.

















Uma outra vez onde tanta gente fez questão de dizer presente em volta dessa coisa aleatória, efémera, misteriosa que é a poesia... A autora que estava em pavores de ansiedade receando uma sala vazia, teve o grato prazer de se ver contrariada em toda a linha. Temeu-se que o grande auditório não chegasse para as encomendas, como sói dizer-se... Conclusões, que cada um retire as suas.

Coube-me a missão de fazer a apresentação deste livro e, de algum modo, também da sua autora, companheira já de incontáveis sessões poéticas. Missão fácil e prazenteira, por óbvias razões, mas que no local e em presença fiz questão de enunciar. E se o público correspondeu, não falharam também aqueles que quiseram dar voz à poesia de Francília Pinheiro, num alargado e caloroso naipe de afectos... 

Etiquetas: ,


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:03


abril 15, 2011

convite
Poesia ao Vento
de Maria Francília Pinheiro


No próximo sábado (daqui a muito pouco), dia 16, pelas 17 horas, no Auditório Municipal César Batalha, nas Galerias do Alto da Barra, em São Julião da Barra, Oeiras, a nossa amiga Maria Francília Pinheiro fará nascer o seu novo livro de poemas Poesia ao Vento, com edição da editora Apenas Livros.

Coube-me a missão de apresentar este novo livro desta nossa tão constante companheira de lides poéticas, o que me orgulha e para o que darei o meu contributo empenhado.

Desde logo, por esta liminar circunstância: Maria Francília Pinheiro parece-me mais um desses casos notáveis de perseverança na vida e de empenhamento partilhado no que à poesia respeita, que nos leva a pensar não apenas que há mais coisas à face da Terra para além da deprimida «crise», como também que há nesta terra muita gente de forte e enraizada cêpa, que nos engrandece, para além dos «circunstantes políticos» que nos vão caindo no prato...

Para saberem mais... pois tentarei dizê-lo na sessão de apresentação, para a qual contaremos também com vários amigos que nos trarão a poesia de Francília.

Eu sei que a tarde é de imensa «oferta» e de opção difícil. Mas acreditem que, sem poesia, pouca margem de manobra nos restará.

Conto, pois, com todos e com cada um. Até breve, com abraços.

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:59


abril 12, 2011

a aplicação da Lei da Separação do Estado das Igrejas
no concelho de Cascais
com Ana Gaspar
nas noites com poemas

- cartaz da autoria de Alexandre Castro

A nossa convidada para a sessão de Abril das Noites com Poemas, Ana Gaspar, virá propor-nos um tema que, podendo parecer insólito em termos de poesia, não deixa de ser profundamente desafiante:

- Celebrando a República - a aplicação da Lei da Separação do Estado das Igrejas no concelho de Cascais

Conforme as palavras da nossa convidada: a 20 de Abril de 1911 foi publicado um dos principais diplomas da República: a Lei da Separação do Estado das Igrejas. Além de ter colocado a religião no estrito foro da família, separando-a do Estado, através desta iniciativa legislativa a República regulamentou e administrou as actividades cultuais e, sobretudo, integrou na Fazenda Nacional o riquíssimo património da Igreja Católica.

Bastante polémica, provocou a animosidade da hierarquia da Igreja Católica, nomeadamente de todos bispos portugueses e da própria Santa Sé e, segundo alguns autores, foi, a par da participação de Portugal na I Guerra Mundial, responsável pela queda da I República.

Pretende mostrar-se a aplicação da Lei da Separação no concelho de Cascais, as suas consequências e reacções, à luz da documentação administrativa do poder central republicano.

Aos demais participantes caberá a arte de descobrir os caminhos poéticos que conduzam ao tema proposto, sempre na perspectiva que defendemos de que a poesia se faz da própria vida, para ser viva. E actual, para ser actuante.

Dia 15 de Abril (sexta-feira), pelas 21h30, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana, lá estaremos, contando com todos e cada um.

Junta-se um esquema facilitador para quem se desloque, pela primeira vez, à Biblioteca de São Domingos de Rana:

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:51


abril 10, 2011

47 razões para andarmos baralhados…

- Novo artigo no blog Persuacção:

O Expresso trouxe-nos, neste fim de semana, o preclaro documento de quarenta e sete insuspeitas (algumas nem tanto e outras nem por isso…) individualidades quanto à imperiosa necessidade de haver, em Portugal, e cito: «um compromisso entre o Presidente da República, o Governo e os principais partidos, para garantir a capacidade de execução de um plano de acção imediato, que permita assegurar a credibilidade externa e o regular financiamento da economia, evitando perturbações adicionais numa campanha eleitoral que deve contribuir para uma escolha serena, livre e informada».

Referem também tais eminências nacionais, insistentemente, nessa «maioria inequívoca», como base de sustentação do tal «compromisso entre os principais partidos…», etc., etc.

Ora, no estado a que as coisas chegaram impor-se-á, obviamente, um pragmatismo – termo tão caro aos políticos da treta, quando as coisas não correm de feição… - na lide da coisa pública. Creio que nisso teremos de estar todos de acordo e, nesta fase da conversa, quer queiramos, quer não.

Perturba-me, no entanto e sobremaneira, a expressão da «maioria inequívoca dos principais partidos» e o que ela tem implícita. Esta exclusão, à partida, dos presuntivos partidos «não principais», assumindo as tais eminências que serão despiciendos no panorama político português, marginaliza, assim, antidemocraticamente, porventura dos mais significativos grupos de cidadãos activos e de profunda consciência de cidadania, goste-se ou não dos dirigentes que, em dado momento, possam estar alcandorados ao topo hierárquico das respectivas organizações, ou das ideologias que professem (...).

- ler toda a crónica aqui.

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:06


abril 09, 2011

o Oeiras Verde com a APOIAR
no Santiago Alquimista - Lisboa


Dando início a uma série de acções de divulgação da Associação APOIAR, junto das freguesias de Lisboa, no seu objectivo de apoio e conforto a uma realidade pouco e mal conhecida entre nós - as vítimas do stress de guerra - o Oeiras Verde levou ao Santiago Alquimista, em Lisboa...



... no passado dia 07 de Abril, um conjunto diversificado de poemas sobre a temática da guerra de um alargado leque de autores portugueses...


Uma vez mais e sempre no sentido de proporcionar um futuro mais erradicado dos males que nos constrangem...

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:33


abril 06, 2011

de bradar aos céus… e aos infernos!

- Depois de ter apurado que, após aquisição de viatura nova, o Estado me tinha cobrado um valor de IVA à taxa de 20%, que incidiu sobre o preço base acrescido do então IA, hoje ISV – Imposto Sobre Veículos, e que tal incidência violava normas comunitárias relativas ao mesmo IVA;

- Depois de ter tido conhecimento do acórdão C-98/05 do Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias sobre a matéria, segundo o qual o valor do IA/ISV não pode ser incluído no valor tributável do IVA a liquidar sobre a compra do veículo;

- Depois de ter tido conhecimento do processo de infracção nº 2006/4398 que a Comissão Europeia instaurou contra a República Portuguesa, tendo em vista a alteração das normas que violam o direito europeu;

- Depois de ter tido conhecimento de que o Estado Português já reconheceu a necessidade de excluir a incidência do IVA sobre o IA/ISV, tendo introduzido essa alteração na Proposta de Lei nº 42/2010, que aprovou o orçamento de Estado para 2010

Dirigi exposição ao Exmo. Sr. Director Geral das Contribuições e Impostos, através de carta registada com aviso de recepção, já em meados do ano de 2010, requerendo a revisão oficiosa da liquidação efectuada, bem como a restituição do IVA cobrado em violação das normas europeias, acrescido de juros vencidos e vincendos, desde a data da cobrança até à data da respectiva devolução.

Bom… e o tempo foi passando. E eu fui, como qualquer contribuinte que se preza, pagando outros IVA, IRS, IMI, etc., etc., etc., aguardando a devida devolução daquele por parte do Estado… já para não referir uma carta – a que, salvo erro, a lei obriga o Estado, também – de resposta à minha exposição. Sem êxito, uma e outra.

Passado que foi cerca de um ano e já muitos impostos por mim desembolsados, sem outras notícias,  decidi tentar um primeiro contacto/esclarecimento, através do telefone 707 206 707 do sítio oficial da Direcção Geral das Contribuições e Impostos.. Eram as 15h30, do dia 05 de Abril de 2010.

O cavalheiro que me atendeu, após esclarecimento sumário da minha parte ao que vinha, soltou uma sonora gargalhada… Perante alguma (não muita, confesso) perplexidade minha, questionou-me o meu interlocutor se pretendia continuar a conversa com ele enquanto funcionário público e das Finanças, ou como mero cidadão.

Estranhando um pouco a questão e porque o contacto era directo e o homem nem me pediu para premir nenhuma tecla do meu telefone, optei pela versão «cidadão», até para podermos estar numa amena cavaqueira, como sói dizer-se, à mesa do café.

Disse-me, então, esse amigalhaço   que se identificou e tudo, pois assim já vai a coisa – que nem pensasse nisso e as palavras foram estas: «– E onde é que o meu amigo acha que o Estado vai buscar o dinheiro para pagar o que lhe deve? Isto não há dinheiro para ninguém!»

Ainda lhe fui dizendo que talvez se pudesse considerar os descontos que eu faço religiosamente, todos os meses, para a brutalidade do IRS; tartamudeei qualquer coisa acerca do IMI, que terei de pagar, com língua de palmo, até ao final de Abril, a gasolina… Qual nada! Com uma nova e ainda mais sonora gargalhada – que, confesso, me levou ao tapete – garantiu-me que há muitos milhares como eu e que não há nada para ninguém, rematando com um elucidativo «aguente!».

Desliguei, claro, reconhecido e obrigado…

Excelente técnica (e técnico) de Relações Públicas: KO técnico ao cidadão contribuinte ao fim de um assalto! E nem foi preciso ir às cordas!

Questão que coloco à distinta audiência: quando me dirigir, pessoalmente, a um balcão das Finanças para tentar confirmar o que me foi assim dito por um «recebedor» oficial e informativo privilegiado, a fim de chegar a um bom porto qualquer, devo ir munido, em alternativa ou acumulação, de:

a) um fato de palhaço?
b) um taco de beisebol?
c) a equipa do Gato Fedorento?
d) uma moca de Rio Maior?
e) Sua Excelência o senhor Presidente da República Aníbal Cavaco Silva?
f)  o senhor advogado Sá Fernandes?
g) a Comissão Política Concelhia de Lisboa do PS?
h) tudo junto?

Sem fazer outros comentários por considerar tal esforço despiciendo, sempre digo que a sacana da mulher de César está num tal estado de abandalhamento que já nem cuida, sequer, de parecer outra coisa que não seja uma irremediável e indecorosa relaxadona.

A bem da nação… ou, muito provavelmente, não.

(NOTA - Este texto foi publicado, também, no blog Persuacção.)

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:19


abril 05, 2011

passageiros...

- Em favor da sessão que hoje terá lugar e que na entrada anterior é anunciada, cá vos deixo um soneto de circunstância, temperado pelos ares acrisolados que vivemos:

PASSAGEIROS

todos somos passageiros da aventura
e cruzamos pontes feitas de esperança
ao buscarmos ventos que trazem bonança
dela vem o prenúncio da amargura

o espaço não nos sobra e porventura
resta em nós um resquício de temperança
uma breve partitura – essa balança
de que sendo nós o mal somos a cura

e o destino far-se-á de céu ou chão
seja Verão Outono Inverno ou Primavera
mas maior se nascer da nossa mão

a utopia já lá vem com a quimera
a passada será dada querendo ou não
o caminho aí está à nossa espera…

- poema de Jorge Castro

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:15


abril 04, 2011

convite
«Os Passageiros», de Sérgio Guerreiro
fotografia e poemas


No próximo dia 5 de Abril, pelas 18 horas, no ESPAÇO PT, na Rua Andrade Corvo, em Lisboa, inauguração da exposição de fotografias de Sérgio Guerreiro, Os Passageiros, transportados por uma mão cheia de poetas, nos mais desvairados meios de transporte...

Lá estaremos. Lá contaremos consigo... 

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:20


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017 Agosto 2017 Setembro 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas