<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
setembro 28, 2014

ainda as 100 noites... com poemas

Será, se quiserem, um exercício de imodéstia que nem me importo de assumir. Mas é, muito mais, a retribuição pelo abraço que várias amizades fizeram questão em me dar, na forma de poema, durante a sessão comemorativa das 100 Noites e que aqui faço questão de dar realce.


- de MARIA DO ROSÁRIO FREITAS:

(Na 100ª sessão, um abraço com amizade - 19 de Setembro de 2014)

Noites com poemas

Noites brilhantes
Onde o calor
Irmana da amizade
Transpõe fronteiras
Envolve
Sussurra afectos
Constrói pontes
Oferece
Magia
Poética
Opera
Encanto
Música
Arte
Sabores sonhados

- de ANA FREITAS:

(para ti, Amigo, um grande abraço - 20-09-2014)

É com muita alegria e consideração que estou aqui hoje, aliás como sempre estive, mas hoje é especial, é a sessão 100.

Sou filha das Noites com Poemas, foi aqui que iniciei a minha aventura na poesia em 2009.

E isto porque encontrei um grupo de pessoas que sempre me acolheu bem e incentivou. Sempre senti uma satisfação e orgulho enormes em pertencer a este grupo. Muito obrigada a todos.

E tudo isto porque um dia conheci Jorge Castro, um poeta e dezedor fantásticos, um comunicador por excelência que me falou das suas andanças na poesia pelo simples prazer da palavra e por levar aos outros os seus ideais, sem qualquer retorno económico. Julgo que era este mundo que eu procurava, o da partilha pela partilha. E convidou-me a vir até aqui.

Grata para sempre, Jorge Castro.

E a Jorge Castro, um amigo de convicções e de luta, dedico este meu poema Abril em mãos (24-03-2014):

demos as mão por Abril
tomemos Abril nas mãos
que as mãos que fizeram Abril
têm o sabor a pão

tantas mãos hoje abertas
inertes
dolentes
onde a liberdade não mora
por onde a esperança se esvai

fechemo-las com garra
agarrando Abril
cantando um novo sol

demos as mãos por Abril
tomemos Abril nas mãos
que as mãos que fizeram Abril
têm o sabor a pão

- de FRANCISCO JOSÉ LAMPREIA:

Semearam poemas e sorrisos durante nove anos
- Os poemas não dão votos, concluíram.
Quando estas novas chegaram os poemas secaram, os sorrisos voaram
E a Terra ficou mais triste. 

- de EDUARDO MARTINS:

«Noites com Poemas», sessões cem...
E mais de cem razões para aqui estar.
Mas infelizmente, há sempre alguém,
Paa quem, melhor que resistir... é ignorar.

- de CARLOS PERES FEIO:

Amigos, afinal, 
presto-te uma homenagem
companheiros na mesma margem,
deste voz ao homem e à mulher
todos somos poucos para te agradecer 

- de DAVID SILVA:

«Quando as vozes não são ocas
e ão ardendo os mundos num grito
100 ainda são poucas
E para cada um nasce um mito»

- de LUÍS PERDIGÃO:

Mestre Jorge controla o tambor
Faz as palavras terem sabor
Quem sente aquilo que diz
vive sempre sempre mais faliz

- de ANA FREITAS:

um cento vivo de sessões
na bagagem poemas e afectos
pela partilha fomos
e o longe se fez perto
o tempo mais leve ficou
na voragem da vida que passou
Noites com Poemas
o futuro sem ti
seria o vazio que não queremos

- de LOURDES CALMEIRO:

Ao meu-senhor-de-mim
Por cumplicidade
Por afecto
Só por isso
e tudo mais
100 sorrisos

- de JOÃO BAPTISTA COELHO:

O mar da vida, um veleiro
vela panda em cada mastro.
Cem noites, e a tempo inteiro,
Dá-lhe o rumo... Jorge Castro!


Corolário deste afã de nove anos que não se esgotou, muito longe disso, nas sessões das Noites com Poemas, mas que se replicou e vai replicando em inúmeras manifestações a desvendar o «mistério de todas as coisas» - e que um poema é - estes companheiros de jornada porfiam, ainda, pelos amanhãs que cantam e por isso me são tão próximos. A cada um deles direi, então:   

dos demais não sei
que a vida nos desgasta
sei porém que tu me deste
o que te dei
e isso me basta!

O meu abraço.

Etiquetas: , , , ,


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:41


setembro 23, 2014

100 Noites com Poemas


Dizer que foi bonita a festa, pá, é verdade, mas é insuficiente. Estamos perante uma das flagrantes situações das quais se dirá que só presencialmente se poderá avaliar justamente o que se passou.

Dia 20 de Setembro, pelas 17h30, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana.

Corolário de nove anos de porfiados caminhos nas sendas da cidadania participativa, nesta sessão tivemos todos o grato prazer de apurar a dimensão da resposta que colhemos.


A recepção constou de um beberete da iniciativa da Biblioteca Municipal da Câmara Municipal de Cascais, enriquecido por generosos (e doces) acréscimos que alguns dos presentes decidiram, por alta recreação, trazer - também sinal do espírito festivo e solidário com que abordaram o evento.   


Cristina Pacheco, responsável pela Divisão do pelouro da Cultura, deu as simpáticas boas vindas e honrou todos os presentes com o cumprimento espontâneo por tamanha ter sido a comparência, na enorme sala que, progressivamente, se ia revelando, exígua para o afluxo de amigos.    



Valter Amaral, que dirige actualmente a Biblioteca de São Domingos de Rana, como sempre em sóbria mas assertiva economia de palavras, louvou também a iniciativa e todos os presentes, deixando por referir a excelente e muito empenhada colaboração que dele sempre contámos e que culminou no afã em tornar esta 100ª sessão das Noites com Poemas um caso sério no panorama dos eventos de cariz cultural neste concelho de Cascais.  


Coube-me, de seguida, fazer um extenso historial desta actividade que, tendo sido iniciada em Setembro de 2005, cresceu até Setembro de 2014... e tudo leva a crer que irá prosseguir.


Tarefa difícil, porquanto muitos companheiros há a referir nesta caminhada, cabendo a cada um a sua parte dos louros, pois que dúvidas não haja quanto ao facto de este edifício ter sabido contar com a quota-parte empenhada e interessada das muitas centenas de convidados, com quem contámos nas 99 sessões que precederam a presente e cujos nomes foram divulgados em folheto a tal destinado.


Do livro comemorativo da efeméride com que contávamos para lançamento nesta sessão - e cujo conteúdo se encontra concluído - se falou, para referir o adiamento de tal projecto por alegada e/ou consabida escassez de verbas... Enfim, um projecto a retomar em melhores dias. 


Entretanto e por iniciativa e criação de Lourdes Calmeiro, foi sendo projectada uma apresentação evocativa das 99 sessões decorridas, com exibição dos respectivos cartazes, nome de convidados e temas, bem como profusa documentação fotográfica, para memória futura - para cima de 750 slides  com milhares de fotografias.


De algum modo, esses convidados e amigos foram sendo, assim, a sombra tutelar da iniciativa.


Alexandre Castro expôs as razões que o levaram, com a Marta Casaca, a criar o muito original cartaz desta sessão, que haveria de vir a ser distribuído, unidade a unidade, com a funcionalidade de marcador de livros e, no seu verso, com os elementos essenciais da orgânica desta iniciativa, por todos quantos, na assistência, se mostraram interessados em reter este testemunho.

Afinal, um cartaz-metáfora do que têm vindo a ser, mês após mês, estas nossas Noites.  


De seguida, Luís Filipe Coelho, como representante da editora Apenas Livros e director da colecção Literatralha Nobelizável, apresentou sucintamente o livro de João Baptista Coelho, Filosofia Quadrada, preparado para comemorar, também, esta sessão e que se encontrava disponível na sala.

Disse Luís Filipe Coelho do autor que o equiparava a António Aleixo, referindo logo a seguir que considerava Aleixo um dos maiores nomes da poesia do século passado... E, muitas vezes, não é preciso dizer-se muito, para se dizer o que é preciso!


A par deste livro um outro, de autoria ignota, mas com o qual Luís Filipe Coelho lavrou o seu cunho peculiar de desassombro ao anunciar como outra obra presente na sala e criada para o efeito: Aporias da Pachacha.



Durante um breve intervalo, os assistentes foram convidados a deslocarem-se até ao cartaz criado para esta sessão por Alexandre Castro e Marta Casaca, a fim de obterem um dos marcadores de livros em que o mesmo se decompunha, num puzzle original, contendo no verso a referência (numerada) a esta 100ª sessão, constituindo assim um objecto único e marcante para todos aqueles que corresponderam à iniciativa.  


Os autores autografando cada peça original.


Também João Baptista Coelho não teve mãos a medir para os autógrafos solicitados à sua Filosofia Quadrada, cuja primeira tiragem, segundo julgo saber, se esgotou nesta sessão.


Deram, de seguida, entrada os coros, começando com o  Grupo Coral Estrelas do Guadiana, de Tires... 


... cuja presença nestas aventuras vai sendo costumeira, com a alta qualidade a que nos habituaram e sempre com reportório variado. 


- José Colaço, o porta-voz do grupo.


- Eduardo Martins, maestro do segundo grupo em presença...


... o Grupo Coral ViVa Voz, constituído pelos antigos alunos do Liceu de Oeiras e amigos... 


... do qual se poderá destacar o apurado e tão diversificado reportório, que têm artes de adequar às mil maravilhas a cada evento em que comparecem, a que aliam uma polifonia complexa, trabalhada e com efeitos surpreendentes, de excelente resultado final.   


Logo mais, lugar ao CRAMOL, grupo feminino de cantares tradicionais, sediado na Biblioteca Operária Oeirense, companheiras de tantas andanças em prol desse quase nada-quase tudo... 


... que são as melhores tradições culturais que nos enformam


Destas magníficas e poderosas vozes deixo aqui um comentário que me foi feito, durante a sessão, por alguém que mal as conhecia: «- Olha lá, tu tens a certeza de que elas não têm amplificação das vozes...? É que até parece impossível...!» 


E assim foi acontecendo, sem que a sala esmorecesse ou alguém arredasse pé.


Terceira parte inaugurada por uma surpresa orquestrada por Lourdes Calmeiro e todos os amigos e companheiros de lides poéticas neste espaço das Noites com Poemas, que constituem o chamado «núcleo duro», companheiros com os quais sempre soube contar para a elevação e enriquecimento deste espaço, no que se refere à participação qualificada, como na gestão dos afectos e cumplicidades... 


... sem os quais, é bem sabido, não chegamos nunca a lado nenhum. 


Um imenso abraço a todos, sem destrinça de qualquer ordem pela percepção nítida da riqueza diversificada de personalidades, mas com uma emoção muito grande!


E os demais amigos de sempre, marcando presença e engrossando o património imaterial desta nossa acção colectiva.


Nas Noites com Poemas havia que dar voz à poesia, desta feita, contudo, e por óbvias razões de tempo, sem tempo para a ronda pelo público que tem sido matriz das 99 sessões passadas.


Aberta apenas a excepção ao grupo de jograis Oeiras Verde, conduzido por Ana Patacho, que tantas vezes marcaram presença em diversas sessões e grupo que cheguei a integrar durante cerca de dois anos.

Logo depois, a palavra poética ao «naipe glorioso» - nunca assim foram chamados, mas agora apeteceu-me:

- Ana Freitas

- Carlos Peres Feio

- Eduardo Martins

- Francisco José Lampreia

- David Silva

- Lídia Castro, dizendo um poema de Maria Francília Pinheiro

- João Baptista Coelho

- Jorge Castro

- Luís Perdigão


Houve, até, insuspeitos «observadores estrangeiros» que manifestaram a sua admiração por tão intensa e ilustrada comemoração...


Os autores do cartaz, em registo para memória futura do «estado de carência» a que ficou reduzido o mesmo. Espera-se, como ficou dito, que cada uma das peças transportadas pelos assistentes venham a servir de esteio para que nos voltemos todos a encontrar daqui a uma década, para celebração deste evento e de tantas cumplicidades.


O aplauso final e alegre de quem gostou e nos acompanhou até ao final, passava já das 21 horas. Aplauso que retribuímos e retribuiremos sempre pois, como sempre ficou dito, tudo isto pouca graça teria sem a graça de quem assiste e apoia, de corpo e alma, iniciativas deste teor... em que, afinal, o país é fértil, realidade que os poderes instituídos fingem ignorar. Mas nós cá estamos!

- fotografias de Lourdes Calmeiro e de José Freitas

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:30


setembro 18, 2014



Tudo começou em Setembro de 2005... e, poema a poema, nove anos são passados e estamos a cumprir a 100ª sessão das Noites com Poemas! Será no próximo dia 20 de Setembro (sábado), com início às 17 horas e 30, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana

Sessão esta que será, obviamente, uma sessão comemorativa. De confraternização, também, como sempre, que a poesia quer-se na rua, mas com gente dentro. Se possível, de comer, como diria a Natália, mas de chorar por mais. E rir, sempre.

Teremos connosco, a ajudar à festa, três excelentes grupos corais:

- Estrelas do Guadiana
- Grupo Coral ViVa Voz
- CRAMOL

João Baptista Coelho, companheiro constante ao longo das 99 sessões, honrar-nos-á com o seu livro Filosofia Quadrada - cem quadras elaboradas, cada uma com a mestria e intenção que lhe conhecemos, integrando obra sugerida como marco desta efeméride e com a edição da Apenas Livros.  

Alexandre Castro propôs-nos, também, uma «surpresa gráfica» para memória futura.

Durante a sessão, contaremos com uma exibição simultânea de imagens evocativas das 100 sessões, da autoria de Lourdes Calmeiro

Luís Filipe Coelho vai trazer-nos, também, um ar da sua graça.

Muitos foram os demais companheiros de viagem desta saga, desde os convidados aos participantes, tornando-se impossível, obviamente, nomeá-los a todos, condignamente. Como breve apontamento, será distribuída durante a sessão a grelha-resumo de todas as sessões, para essa memória futura, com a nomeação individualizada dos convidados e de cada tema proposto.

Tudo isto se fez convosco. Tudo o que vier a ser feito sê-lo-á em colectivo de afectos. Nem a poesia tem muita graça se assim não for.  

Como sempre vos digo, o vosso lugar lá está, reservado. A vossa presença é, no entanto, necessária e conveniente.

Etiquetas:


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 13:09


setembro 10, 2014

postais de férias (4)

Ericeira, em demanda de uma incursão aos frutos do mar, que por ali são de boa frescura. 

Logo à chegada, uma boa recomendação, com vista para o mar:


Depois, um percurso pelo dédalo de ruínhas onde há muito para cuscuvilhar...


E, por falar nisso, há sempre uma invenção do amor a subverter os ditames de tempos obscuros:


Os veraneantes, pluralmente uniformes, colhem os benefícios do sol, ainda sem carga fiscal associada:  


Num outro recanto uma versão expositiva, talvez menos romântica, mas, ainda assim, evocativa:
«- São alhos, meu senhor...», que nem é usual ter rosas brancas à venda na região saloia.  


Depois, Mafra... já sem reis, mas também sem carrilhões... mas com feira, onde o pão, afinal, ostenta tantos buracos interiores como qualquer pão citadino sem tantos pergaminhos. O meu reino por um pão sem buracos, onde se possa fazer uma torrada com manteiga, sem ficarmos todos besuntados de escorrências...


- fotografias de Jorge Castro


Etiquetas: , ,


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:06


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas