<$BlogRSDUrl$>

mundo
Todas as coisas têm o seu mistério
e a poesia
é o mistério de todas as coisas

Federico García Lorca

Sendo este um BLOG DE MARÉS, a inconstância delas reflectirá a intranquilidade do mundo.
Ficar-nos-á este imperativo de respirar o ar em grandes golfadas.
julho 28, 2007

fotografando o dia (82)


depois do voo
o pássaro procria

ficam-lhe mãos que voam
e as penas cheias de sol
descem à terra insegura

são assim as aves

também elas vivem
a aventura.

- foto e poema de Jorge Castro

(Imagem de Sete Sonhos de Pássaros,
da Companhia Portuguesa de Bailado Contemporâneo,
com coreografia de Vasco Wellencamp,
levado à cena no Auditório Fernando Lopes-Graça, no Parque Palmela
- Cascais - Julho de 2007)


Desafia-me o meu amigo Morfeu, do Anomalias, a que divulgue cinco livros marcantes na minha vida. Estes desafios são sempre da maior complexidade, pois cada dia nos traz novos desafios e novas surpresas. E a relevância de cada um pode ser - e geralmente é - determinada pelas nossas circunstâncias temporais.

Tentando não matutar muito no assunto, para não subverter a espontaneidade, eis o que me ocorre, não com a preocupação da obra de arte literária, mas como, na verdade, momento marcante e influente na minha vida – tanto quanto um livro possa ser:

- Um Estranho Numa Terra Estranha – de Robert A. Heinlein

- A Última Fome – de Pierre Boule

- Uma Campanha Alegre – de Eça de Queirós

- O Nariz – de Nikolai Gógol

- A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado – de Friedrich Engels

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:12


julho 25, 2007

provérbios educacionais pós-modernos

Afinal, o Professor Charrua sempre foi vítima de "excessos", conforme terá reconhecido hoje o Ministério da Educação: excesso de zelo, excesso de hipocrisia, excesso de pulhice, excesso de servilismo, excesso de... excessos, digo eu.

A quantidade de coisas óbvias que este Ministério anda a concluir, nos últimos tempos e com uma rapidez esfuziante, fazem-me suspeitar de que andam por lá com acções de formação aceleradas. Ou serão os parceiros da Europa a darem-lhes umas toutiçadas, pois o que é demais é moléstia e incómodo a mais também cansa? E fica sempre bem dar uma de magnanimidade...

A propósito, ocorrem-me alguns provérbios ou ditos populares, actualizados, com a devida vénia:


- Os cães ladram e o Charrua passa.

- Vale mais um Charrua na mão que duas DREN a voar.

- Processo a processo, enche o Charrua o papo.

- Charrua que vai à frente alumia duas vezes.

- Se um Charrua incomoda muita gente, dois Charruas incomodam muito mais.

- Mais vale Milu que me leve, que Charrua que me derrube (lamentação dreniana).

- Diz-me com quem andas… e eu contar-te-ei a história do Charrua.

- Fia-te na DREN e não corras e verás o tombo que levas.

- Milu és, DREN terás.

- Amigo que não presta e DREN toda torta, que se percam pouco importa.

- Ir buscar Charrua e sair lavrado.

- Por São Charrua se vê que a DREN vai nua.

- Por um Charrua perdeu a DREN o mundo.

- Perde-se a DREN por não poder e a Milu por não saber.


Ah, pois, ainda a propósito, que tal uma questão retórica? Assim: face aos últimos desvarios linguísticos de Jardim relativamente à não aplicação da legislação sobre a IVG na Madeira, se José Sócrates enviar, em comissão de Serviço, a Directora da DREN para o arquipélago, a quem irá a senhora aliar-se?


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:25




fotografando o dia (81)


a mesa da sueca

em redor do verdor daquela mesa
onde cartas se debatem sem destino
cada trunfo tem a cor do desatino
cada mão fecha o ciclo da certeza

voam naipes num volteio com leveza
paus espadas ouros copas como um sino
cujo timbre quase soa como um hino
ecoando pelos cantos da incerteza

cada par se entendendo frente a frente
entre voltas feitas de quatro intenções
nos olhares cada qual o mais ausente

e por fim ao somar pontuações
num ensejo de preguiça mais ridente
volta a vida a sorrir com marcações.


- foto e poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 01:25


julho 23, 2007

um agradecimento público....



Um nome é algo que vale muito. O nosso nome, quando assinado por nós, tem esse valor acrescentado de ser, de algum modo, a nossa imagem, o nosso testemunho assumido, o afirmar-se aos quatro ventos: eu passei por aqui!

Acabei de receber um exemplar do meu livro “Auto das Danações” - em edição especial de lançamento, com o apoio da inefável Funda São e a condescendência aventureira da Editora Apenas Livros - que me traz, no seu interior, os autógrafos de todos os actores que o levaram à cena na Quinta do Panasco, em Caria, com o brilhantismo destemperado que noutros locais e em devido tempo já foi referido (e se documentou fotograficamente).

De actores amadores se fala aqui. Amadores porque fazem o que fazem amando, em coreografia de afectos.

Neste caso, amando a fruição, a partilha… dando assim novos mundos ao mundo, que é aquela corrente de loucura que nos atravessa, de vez em quando, sem marcação de lugar nem de hora e de resultados tão imprevisíveis, como dar a volta a esse mundo ou descobrir novos caminhos marítimos para tantas Índias.

Bem hajam, Amigos da Tuna Meliches e restante seita... Só por vós já teria valido a pena escrever o livro!
E aqui se abriu um belo tinto da Quinta dos Termos, à vossa!

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 23:25


julho 21, 2007

"com mãos tudo se faz e se desfaz..."


Não vou a tempo de vos convidar para a inauguração da exposição de fotografia "Mãos", da autoria de Fernando Carvalho, que teve lugar no dia 20 de Julho de 2007, pelas 19 horas, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana.

Mas, ainda assim, não tenho qualquer dúvida em sugerir uma visita, até 11 de Agosto. Mais: para aqueles que façam o culto da arte de juntar palavras, sugiro mesmo que vão munidos de um bloco de apontamentos, pois encontrarão nesta exposição, seguramente, momentos de inspiração.

O autor, Fernando Carvalho, fez idêntica aventura. Perante o poema de Manuel Alegre, as fotos foram surgindo, num encadeado lógico e coerente, pois "com mãos tudo se faz e se desfaz", haja quem para elas saiba olhar.


Fernando Carvalho, em conversa de amizade, junto a um dos seus trabalhos.
A exposição é constituída por 22 fotografias a "preto e branco", em papel baritado, de 20x30 cm.

Diz-nos o autor:

"- Procuro, nesta exposição, mostrar as mãos em intervenções comuns
- Fazendo, Construindo, Criando.

Não são estas as mãos que desfazem
a tranquilidade, a esperança ou o amor."

A não perder, digo eu.
.....................................................

NOTA - A quem interessar possa:

Sai hoje, na página 16 da revista Perspectiva (distribuída gratuitamente com o jornal Público), um artigo meu sobre o caso da indecência cometida por uma Junta "Médica" ao Professor Artur Silva, de Braga. Para memória futura e a bem da nossa sanidade mental.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 09:03


julho 19, 2007

fotografando o dia (80)

se o mar fizesse na areia
os castelos como nós
só o vento os desfaria
e o vento é o mar que o faz

mas vento ronda castelos
rasga sulcos ao passar
marca o rumo pelas estrelas
e leva-os de volta ao mar


- foto e poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:40


julho 15, 2007

Duas sugestões
para o próximo dia 18 de Julho
em Cascais


Está prevista para o dia 18, a partir das 18.30 h., no Centro Cultural de Cascais, a apresentação, pelo Professor Marcelo Rebelo de Sousa, do livro Recantos de Cascais, da autoria do Professor José d’Encarnação.

No sábado seguinte, dia 21, das 17 às 19 h., haverá sessão de autógrafos na Feira do Livro, em Cascais.

Trata-se de uma edição da Câmara Municipal de Cascais e de Edições Colibri, que teve o apoio do Jornal da Região, da Sociedade Estoril-Sol e das juntas de freguesia de Carcavelos, Cascais, Estoril, Parede e S. Domingos de Rana.

Para aguçar um pouco a vossa curiosidade, direi apenas que, conforme estamos habituados por parte do seu autor, não deixará de constituir, a par de um cordão encadeado de afectos, um acervo de conhecimentos, referências e curiosidades sobre o concelho de Cascais, as suas gentes e os seus lugares. A não perder, pois, por todos aqueles que se interessam por estas "pequenas" coisas de que, afinal, nós e o mundo somos feitos.

Noites com Poemas
- cartaz de Alexandre Castro

Após essa apresentação, haverá decerto tempo para participar no encontro de poesia Noites Com Poemas, pelas 22 horas, na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana.

Desta feita, o tema proposto para a sessão é Canto de Cor(es), sugerindo aos participantes a poesia cantabile, colorida e de coração.
Eu lá estarei, contando ou cantando consigo, contigo, convosco.

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:47


julho 11, 2007

Das realidades criadas por alguns Belmiros que outros Sócrates sustentam - ou um certo Portugal de futuro incerto e precário, a 500 € por mês...

... e já gozas… Numa família perto de si.
Não, não é ficção. E também nem drama é.
É uma merda!

- Estou, mãe? Olha, pá, queria que me fizesses um favor…

Trabalha há cerca de cinco anos. Tem um décimo segundo para acabar e já ultrapassou os vinte e cinco de idade. Entre vodafones daqui e grandes superfícies dali, entremeadas com uma loja que vendia periquitos num Centro Comercial e que, entretanto, faliu, conta já com uma meia-dúzia de empregos ao longo de oito anos de vida. Este último tem estado a correr bem. Ganha quase 500 € por mês e, apesar de ter uma carga horária de quase doze horas por dia, não é mau. É chato, aquilo da caixa, quando falta dinheiro mas, entre todos, lá se vão safando, que a equipa até que nem são maus gajos.

Vai uma vez por outra beber uns copos com os amigos, mas é raro. Por acaso até nem engraça com o futebol. É um tipo certinho, todos dizem. Puto normal. Até percebe umas becas de computadores, que andou aí a tirar uns cursos. Caros, p'ra caraças, mas ainda assim, que quem não sabe de computadores, já se sabe como é que é...

Com o IRS é que vai uma confusão danada. Recibos verdes a meias com esquemas de ocasião, é de um tipo se passar e o melhor é arranjar um contabilista, pois está farto de pagar às Finanças aquilo que não entende. A chatice é que os gajos pagam-se…

- Pois, mãe. Apareceu-me aqui um aviso dos correios… Tem oito dias para levantar e já passaram três e eu, às horas que os gajos dizem, não posso lá ir, senão correm comigo do emprego. Ainda para mais o encarregado anda a dizer que há gente ali que já ali anda há muito tempo…

Acabou de comprar uma casa num bairro de Lisboa. Baratucha, claro. Um grande esquema que a mãe lhe arranjou com gente amiga. Uma velhota que morreu, sem chatices com herdeiros. Pequenita e tal, a precisar de umas obritas, mas é fixe, ali perto da baixa. O empréstimo é que foram elas. E, agora, o que lhe vale é que a mãe lhe paga metade da prestação, senão estava feito. Mais de trezentos euros por mês, meu!... Mais transportes e chope-chope, já nem sobra p'rà luz e pr'ò gás. Mas este último emprego já dura há mais de oito meses e ele é a namorada e tal, ‘tás a ver? Eh, pá, que um tipo tem de orientar a vida. Até ver, está lá sozinho, mas está a pensar convencer a miuda, que também já faz uns biscates para uma firma de arquitectos, a juntar os trapinhos...

- Olha que eu tenho a impressão que isto é das Finanças. Diz aqui que é de uma DG qualquer coisa, que não se consegue ler… Sabes o que é? Se calhar não está completo… Mas diz que é uma carta. Mas eu não consigo lá ir a estas horas… Não és capaz de me desenrascar isto? Pá, a declaração do ano passado parece que estava toda engatada e, se calhar, é isso. Também, a tipa lá dos pássaros nunca me passou os recibos dos pagamentos e, na volta, engatei a declaração toda. Mas acho que ela declarou os pagamentos ou não sei quê… Tás a ver? Mas o pior é que eu não tenho tempo para tratar disto.

A mãe tem um emprego estável, com uma boa mão-cheia de anos de casa e um percurso profissional longe de brilhante, mas digno do maior crédito por parte da entidade patronal, que lha paga… pagando a tempo e horas, ainda que isto para promoções esteja mau, não é?, o que faz com que ela se mantenha, solidamente, na mesma categoria vai para quinze anos.

- Está bem, filho. Eu a ver se logo me desenfio daqui um bocado mais cedo, que o patrão nem nota, e vou lá dar um salto aos correios a ver disso. De caminho deixo-te lá umas coisas em casa… O frigorífico já está bom, não está? E deixo-te a camisa e as calças da farda, que já fui buscar à lavandaria. Vê lá se consegues que te dêem outra farda, que isto assim é uma canseira e uma correria e eu também não tenho tempo para tudo.

Afinal, o filho perdeu o emprego naquele mesmo dia. O encarregado estava farto de o avisar que não havia chamadas particulares para ninguém no horário de serviço. Bem argumentou que a mãe é que lhe tinha ligado…

- Isto é assim: aqui quem quer emprego, cumpre! Estás farto de saber como é que é, pá! Tem paciência. Também, já cá estavas quase há um ano… Olha, é assim: deixa-te lá estar inscrito onde estavas, que eu daqui a dois ou três meses estou a precisar de gente. De certezinha!

O encarregado anda sempre de fato. Tem trinta anos e já está naquilo vai para três. Não conhece ninguém que tenha aguentado tanto tempo. Parece que lá na Direcção gostam dele. E ai dele se não controla aqueles putos. Mais uns anitos e até são capazes de o deixar entrar para o quadro. Agora estes putos, parece impossível, esta malta não cresce, pá!...

(Na volta, podia deixar-se isto à consideração da dúzia e tal de candidatos à Câmara de Lisboa, para o repovoamento da capital.

Ah, e se alguém me vier com tretas de que isto é um dramazito de classe média baixa, pode meter a opinião onde o sol não brilha! Opiniões dessas, tenho para aí às dúzias. Interessa é saber que, afinal, se calhar é com estas e algumas outras que se arranja o dinheirinho para brincar às OPAS... não será?

Entretanto, claro, se alguém arranjar para aí um ganchozito, o puto agradece, pois está outra vez pendurado...)

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 22:00


julho 08, 2007

fotografando o dia (79)


ter apenas de nós breve momento
na vitrina intemporal
de cada dia
que se faz de nós feito
e já sem tempo
deixa em nós
o que o futuro
anuncia


- foto e poema de Jorge Castro

- Fotografia obtida através dos jogos de reflexos na

fachada do Ministério da Educação, em Lisboa.

(Neste jogo de sombras chinesas em que se transforma o nosso quotidiano, fica-me, por vezes, a ilusão de que a realidade não existe, mas tão só o que cada imagem dela me mostra. Sendo, geralmente, mais cómodo, ainda bem que assim não é...)


Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 11:06


julho 06, 2007

os inocentes do costume...

Depois das mais recentes declarações do senhor Bastonário da Ordem dos Médicos, lê-se no Público de 05 de Julho de 2007: “Os Ministérios das Finanças e da Saúde convidaram o bastonário da Ordem dos Médicos a apresentar sugestões para melhorar o funcionamento das juntas médicas da Caixa Geral de Aposentações”.

E lá continuamos a alimentar os tiques que nos vivem entranhados na pele desde tempos imemoriais e que constituem esta nossa matriz de portugalidade: depois de casa roubada, trancas à porta.

É preciso que haja mártires para que desperte a consciência cívica dos poderes instituídos que, supostamente, existem para prestar serviço público. Pelo caminho alimentam-se as iniquidades e pactua-se com o laxismo, vitamina que alimenta o compadrio...

Quem não sabe, de boa mente, que as Juntas "Médicas" a que temos direito funcionam como funcionam? E, de súbito - ó espanto! - afinal, ele há administrativos nas Juntas ditas “Médicas” e ele há médicos que se esqueceram do juramento de Hipócrates!

Continuo, no entanto, convicto de que a questão se coloca na perspectiva de que “se de um lado chove, do outro troveja”. E falo, claro destes diversos organismos que regulam e regulamentam as nossas vidas.

Assim sendo, não é admissível que uma Junta “Médica” declare, por absurdo, que um amputado das duas pernas esteja pronto para serviço activo, sendo que a tarefa que esse mesmo amputado desempenha seja, por exemplo, a de estafetagem… Porém, a sua entidade empregadora, se obriga o amputado a exercer a função escudando-se no parecer “técnico” da Junta, não revela menor desumanidade! Enfim, nada disto será razoável… Mas ocorre!

Depois, presumem que lhes basta dar uma de preocupados, afirmando que é preciso corrigir estes disparates, como se isso não fosse gritantemente óbvio desde a alvorada dos tempos para os cidadãos que vivem a vida fora das politiquices.

O que é mais curioso é que os tais poderes estabelecidos persistam na convicção de que somos todos um rebanho de ingénuos inocentes. E, pelos vistos, têm bastante razão e fundamento nessas convicções...

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 10:34


julho 03, 2007

Repelente, repugnante...

Artur Silva, Professor de Filosofia ao longo de mais de trinta anos, morreu a trabalhar, na Escola Secundária Alberto Sampaio, em Braga, segundo respigo de um artigo do Correio da Manhã, de 03 de Julho de 2007.

Morreu, segundo o artigo, padecendo de um cancro na garganta e após ”amigdalectomia esquerda e laringectomia total, com esvaziamento gangliconar cervical funcional bilateral e traqueostomia permanente”, aos 60 anos de idade.

Após a intervenção acima e com ausência total e irrecuperável da voz, o Professor pediu a aposentação. Avaliado o seu pedido por Junta Médica, em 18 de Abril de 2006, sem a presença do paciente, terá sido emitido o veredicto de que “nada o impedia de exercer as suas funções”, tendo-lhe sido recusada a aposentação.

É tão lastimável, tão desumana, tão atroz, tão repugnante esta história que, sendo verdadeira e a não haver formais e consistentes desmentidos oficiais, será imperioso, no mínimo, que sejam divulgados os nomes, para opróbio público, dos elementos que constituíram aquela Junta.

Para que a culpa morra solteira à mesma, como é hábito neste país empastelado em compadrios, mas para que me seja a mim, cidadão, ao menos permitido mudar de passeio ao cruzar com algum dos elementos constituintes de tão extravagante Junta, para não ser atingido pela pestilência que, seguramente, de tais personagens se evola!

Sim, porque estas atitudes têm caras. Não precisou Hitler de se deslocar aos campos de concentração para que as câmaras de gás funcionassem em pleno. Lá tinha os seus títeres. E a situação descrita, a ser verdade o que se divulga, assume foros de nazismo.

Haja limites claros, nas sociedades ditas democráticas, para o abanar das caudas ao dono por parte de sabujos deste quilate!

..................................................................

Deixaria, ainda, à consideração do senhor Presidente da República, também ele Professor, que honrasse a memória deste seu Colega, agraciando-o com a Ordem da Liberdade, nas próximas comemorações do Dia de Portugal, como gesto de elementar ressarcimento por tão gravosa ofensa que lhe foi feita, que a todos, enquanto nação, nos envergonha. E, como é sabido, não apenas a este...

Notícia em 04 de Julho de 2007:

A directora da DREN veio à liça (ver jornal Público desta data) assegurar que "a DREN garantiu todas as condições ao professor...". À brutalidade soma-se a hipocrisia.

Obviamente que os Colegas do Professor, com o bom senso e a solidariedade de "companheiros de armas", lhe terão facilitado a vida, por razões de elementar humanidade, após a obrigação de retoma das aulas. Mas a DREN não terá sido aí perdida nem achada!

O que fará, então, correr a senhora Directora, metendo-se onde ninguém a chamou? Quererá "amortecer" o impacto negativo da tal Junta, ainda que não me pareça que esse organismo esteja sob a sua estrita alçada? Estranho...

Ou pretende apenas, com um afã digno de registo, branquear a cadeia de iniquidades, assumindo-se como parte do poder instituído e, por isso, obrigada a definir (e defender) o seu lado da barricada?

Tanta falta de jeito! Tanta desumanidade! Tanto desviver! Tanto culto da mediocridade!

.............................................
Dos comentários lidos no Público acerca da situação que se descreve, permito-me destacar o testemunho de uma aluna do Professor Artur Silva, devidamente identificada, apenas como peça de relevância para sabermos todos de que "material humano" estamos a falar:

Por Márcia Oliveira, Braga


Só me posso sentir indignada para além de triste com tudo isto. Conheci este professor, no 10º ano foi meu professor de Filosofia, já lá vão 14 anos. Era uma excelente pessoa e um pedagogo como há poucos, gostava da matéria que ensinava e sabia fazer-nos apreender com gosto, para além de nunca nos recusar uma palavra de incentivo. Nessa altura, e já depois de deixar de ser nosso professor no 11º ano, chegou a dar-nos aulas gratuitamente, fora do horário de trabalho dele, quando nós já nem sequer éramos alunos dele, apenas porque nós estávamos com receio da Prova Global (foi em época de Reforma Educativa em que tudo era novo e causava vários receios nos estudantes) e por isso ele aceitou ajudar-nos, deu-nos algumas "aulas de preparação" que serviram sobretudo de reforço positivo para a prova que íamos fazer. Ninguém lhe pagou, ninguém o poderia obrigar a fazer isso, já nem sequer era nosso professor nesse ano, mas fez, simplesmente porque se importava. Não fugiu ao trabalho, bem pelo contrário nunca "faltou" aos seus alunos e foi tratado miseravelmente pelas entidades que tutelavam a sua actividade, como se se tratasse de alguém que estava a querer fugir mais cedo ao trabalho! Vergonha é o que sinto pelo país que temos e um receio profundo de algum dia poder ser atendida em caso de emergência médica pelos "profissionais" que faziam parte dessa Junta Médica... onde está o respeito pela pessoa humana que dever pautar a actividade de qualquer profissional e neste caso dos médicos? E a DREN fez tudo o que podia? Fez o quê? Obrigou-o a regressar ao trabalho mesmo não estando em condições de o fazer? É isso "tudo" que pode fazer por alguém que foi tão injustamente tratado depois de tudo o que fez enquanto podia exercer saudavelmente a sua actividade?

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 15:05


julho 01, 2007

fotografando o dia (78)

a rua não existe
a rua é triste
sei eu bem que nem a vejo

e quando olho para a rua
triste
o que eu vejo não existe

porque nem a rua existe
nem eu
quando a não vejo


- foto e poema de Jorge Castro

Afixado por: Jorge Castro (OrCa) / 12:26


Arquivo:
Janeiro 2004 Fevereiro 2004 Março 2004 Abril 2004 Maio 2004 Junho 2004 Julho 2004 Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?Weblog Commenting by HaloScan.com



noites com poemas 2


capa do livro Farândola do Solstício
Obras publicadas
por Jorge Castro

contacto: jc.orca@gmail.com

Autor em

logo Apenas

Colaborador de

logo IELT

Freezone

logo Ler Devagar


Correntes de referência:
80 Anos de Zeca
... Até ao fim do mundo!
Aventar
Encontro de Gerações (Rafael)
É sobre o Fado (João Vasco)
Conversas do Café Grilo
Espaço e Memória - Associação Cultural de Oeiras
Final Cut - o blogue de cinema da Visão
Oeiras Local
O MOSCARDO
Poema Dia
Profundezas

Correntes de proximidade:
A Funda São
Amorizade (Jacky)
A Música das Palavras (Jaime Latino Ferreira)
Anomalias (Morfeu)
Ars Integrata
Ars Litteraria
Ars Poetica 2U
As Causas da Júlia (Júlia Coutinho)
As Minhas Romãs(Paula Raposo)
Belgavista (Pessoana)
Blogimmas
Blogotinha
Bloguices
Câimbras Mentais (AnAndrade)
Carlos Peres Feio
chez maria (maria árvore)
Coisas do Gui
deevaagaar
Divulgar Oeiras Verde (Ana Patacho)
e dixit (Edite Gil)
Fotos de Dionísio Leitão
Garganta do Silêncio (Tiago Moita)
Isabel Gouveia
Itinerário (Márcia Maia)
Metamorfases
Mudança de Ventos (Márcia Maia)
Mystic's
Nau Catrineta
Notas e Comentários (José d'Encarnação)
Novelos de Silêncio (Eli)
Pedro Laranjeira
o estado das artes
Palavras como cerejas (Eduardo Martins)
Parágrafos Inacabados (Raquel Vasconcelos)
O meu sofá amarelo (Alex Gandum)
Persuacção - o blog (Paulo Moura)
Queridas Bibliotecas (José Fanha)
Raims's blog
Relógio de Pêndulo (Herético)
Risocordeluz (Risoleta)
Rui Zink versos livros
Repensando (sei lá...)
sombrasdemim (Clarinda Galante)
Tábua de Marés (Márcia Maia)
Valquírias (Francília Pinheiro)
Vida de Vidro
WebClub (Wind)

Correntes de Ver:
desenhos do dia (João Catarino)
Esboço a Vários Traços

Correntes Auspiciosas:
ABC dos Miúdos
Manifesto-me
Netescrita
Provérbios

Correntes Favoráveis
A P(h)oda das Árvores Ornamentais
Atento (Manuel Gomes)
A Paixão do Cinema
A Razão Tem Sempre Cliente
A Verdade da Mentira
Bettips
Blog do Cagalhoum
Cadeira do Poder
CoeXist (Golfinho)
Congeminações
Crónica De Uma Boa Malandra
Desabafos - Casos Reais
Diário De Um Pintelho
Editorial
Escape da vida...
Espectacológica
Eu e os outros...
Eu sei que vou te amar
Fundação ACPPD
Grilinha
Há vida em Markl
Hammer, SA
Horas Negras
Intervalos (sei lá...)
João Tilly
Lobices
Luminescências
Murcon (de JMVaz)
Nada Ao Acaso
NimbyPolis (Nilson)
O Blog do Alex
O Bosque da Robina
O Jumento
(O Vento Lá Fora)
Outsider (Annie Hall)
Prozacland
O Souselense
O Vizinho
Palavras em Férias
Pastel de Nata (Nuno)
Peciscas
Pelos olhos de Caterina
Primeira Experiência
Publicus
Puta De Vida... Ou Nem Tanto
Santa Cita
The Braganzzzza Mothers
Titas on line
Titas on line 3
Senda Doce
TheOldMan
Traduzir-se... Será Arte?
Um pouco de tudo (Claudia)
Ventosga (João Veiga)
Voz Oblíqua (Rakel)
Zero de Conduta
Zurugoa (bandido original)

Corrente de Escritas:
A Arquitectura das Palavras (Lupus Signatus)
Além de mim (Dulce)
Ana Luar
Anukis
Arde o Azul (Maat)
Ao Longe Os Barcos De Flores (Amélia Pais)
Babushka (Friedrich)
baby lónia
Branco e Preto II (Amita)
Biscates (Circe)
blue shell
Cartas Perdidas (Alexandre Sousa)
Chez Maria (Maria Árvore)
Claque Quente
2 Dedos de Prosa e Poesia
Escarpado (Eagle)
Erotismo na Cidade
Fôlego de um homem (Fernando Tavares)
Há mais marés
Humores (Daniel Aladiah)
Insónia (Henrique Fialho)
Klepsidra (Augusto Dias)
Letras por Letras
Lua de Lobos
Lus@arte (Luí­sa)
Mandalas Poemas
Menina Marota
Novos Voos (Yardbird)
O Eco Das Palavras (Paula Raposo)
Porosidade Etérea (Inês Ramos)
O Sí­tio Do Poema (Licínia Quitério)
Odisseus
Paixão pelo Mar (Sailor Girl)
Palavras de Ursa (Margarida V.)
Palavrejando (M.P.)
Poemas E Estórias De Querer Sonhar
Poesia Portuguesa
Poetizar3 (Alexandre Beanes)
Serena Lua (Aziluth)
Sombrasdemim (Maria Clarinda)
Sopa de Nabos (Firmino Mendes)
T. 4 You (Afrodite)
Uma Cigarra Na Paisagem (Gisela Cañamero)
Xanax (Susanagar)

A Poesia Nos Blogs - equipagem:
A luz do voo (Maria do Céu Costa)
A Páginas Tantas (Raquel)
ante & post
As Causas da Júlia
Cí­rculo de Poesia
Confessionário do Dilbert
Desfolhada (Betty)
Estranhos Dias e Corpo do Delito (TMara)
Extranumerário (GNM)
Fantasias (Teresa David)
Fata Morgana... ou o claro obscuro
Jorge Moreira
MisteriousSpirit (Sofia)
Passionatta (Sandra Feliciano)
Peças soltas de um puzzle
Poemas de Trazer por Casa e Outras Estórias - Parte III
Poesia Viva (Isabel e José António)
Poeta Salutor (J.T. Parreira)
Que bem cheira a maresia (Mar Revolto-Lina)
Sais Minerais (Alexandre)
Silver Soul
Sombra do Deserto (Rui)

Navegações com olhos de ver:
Em linha recta (lmatta)
Fotoescrita
gang00's PhotoBlog
Nitrogénio
Objectiva 3
Pontos-de-Vista
Rain-Maker
O blog da Pimentinha (M.P.)
Passo a Passo
Portfólio Fotográfico (Lia)
Words (Wind)

Já navegámos juntos...
Aliciante (Mad)
A Rádio em Portugal (Jorge G. Silva)
Atalhos e Atilhos
Cu bem bom
Encandescente
Geosapiens
Incomensurável
Isso Agora...
Letras com Garfos (Orlando)
Luz & Sombra
Pandora's Box
Pés Quentinhos
Praça da República em Beja (nikonman)
SirHaiva
Testar a vida
Tuna Meliches

Correntes de Consulta:
Abrupto
A Lâmpada Mágica
Aviz
Blogopédia...
Bloguítica
Contra a Corrente
Contra a Corrente
Conversas de Merda
Cravo e Canela
Do Portugal Profundo
Inépcia
Médico explica medicina a intelectuais
Oficina das Ideias
Portugal No Seu Pior
Professorices
República Digital
Retórica e Persuasão
Ser Português (Ter Que)
You've Got Mail

Correntes interrompidas:
A Nau Catrineta (zecadanau)
Aroma de Mulher (Analluar)
A Voz do Fado!
blog d'apontamentos (Luí­s Ene)
Catedral (ognid)
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 2
CORART - Associação de Artesanato de Coruche
Cumplicidades (Maria Branco)
Flecha
Fraternidades (Fernando B.)
Ilha dos Mutuns(Batista Filho)
Histórias do mundo (Clara e Miguel)
Lazuli (Fernanda Guadalupe)
luz.de.tecto (o5elemento)
Letras ao Acaso
Madrigal - blog de poesia
Mulher dos 50 aos 60 (Lique)
O Mirmidão
O soldadinho de chumbo
Palavras de Algodão (Cris)
podiamsermais (Carlos Feio)
Poemas de Manuel Filipe
Porquinho da Índia (Bertus)
Um Conto à Quinta
Xis Temas (António San)

noites com poemas